Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Red Pass

Rumo ao 37

Red Pass

Rumo ao 37

Tondela 1 - 5 Benfica: A Lei da Eficácia

_JPT2966.jpg

 Começo por desejar que esta 2ª feira de manhã a cidade de Tondela amanheça com toda uma nova mentalidade. Espero que tenha tido efeitos práticos mais uma proibição de entrada de adereços benfiquistas numa das bancadas de um pequeno estádio que esgota para ver o Benfica. Ao fim de dois anos e meio na 1ª divisão, ao quinto encontro com o Benfica, o segundo em casa própria, o Tondela resolveu seguir os passos da pequenez e contrariar a liberdade de expressão que o país conquistou em 1974. É pena porque o clube é treinado por Pepa que tem contribuído muito para melhorar o ambiente e as mentalidades de quem vive do futebol. Já alinhou em fazer uma conferencia de imprensa em conjunto com o treinador do Rio Ave, tem um discurso interessante, não hesitou em boicotar a conferência de imprensa antes deste jogo, em protesto por terem a mesma sala vazia antes de jogarem contra outras equipas.

Assim, Tondela a partir de agora terá uma nova mentalidade que permite ao clube encher o estádio só com adeptos da casa.

 

Segundo tema vai, mais uma vez, para o contexto da transmissão do jogo pela Sport TV. Primeiro, um elogio aos comentários de Vítor Paneira, tão bem que parece fácil. Segundo, um agradecimento ao reportes Carlos Matos Rodrigues por nos ir informando sobre o desenvolvimento do jogo quando o canal entra em louco loop de repetições. Por exemplo, ficámos a saber que um dos lançamentos laterais foi parar às mãos dos jogadores do Tondela porque o árbitro considerou mal efectuado primeiro por um jogador do Benfica. Não vimos mas ouvimos.

 

Portanto, já deu para perceber que não houve roteiro gastronómico. Por razões profissionais fiquei em Lisboa e por isso acompanhei pelo canal do costume.

 

Quanto ao jogo, estou satisfeito com o que vi porque veio dar razão ao pensamento com que fiquei depois de Vila do Conde. Aquela primeira parte na Taça merecia outra sorte.

Hoje o Benfica voltou a repetir a boa exibição na primeira parte, chegou cedo ao golo mas, desta vez, conseguiu ampliar até 0-3 antes do intervalo. Faz toda a diferença, a lei da eficácia.

O Tondela abordou o jogo com uma expectativa errada, Pepa calculou que a equipa do Benfica ia estar arrasada física e moralmente. Reforçou o meio campo, pressionou alto, impôs ritmo muito forte e conseguiu dividir o jogo nos primeiros minutos. Mas assim que Pizzi e Krovinovic conseguiram agarrar no jogo e envolver Salvio e Cervi na partida, a equipa de Rui Vitória foi avassaladora. Ao contrário de jogos anteriores, esta noite tudo saiu bem. Até Pizzi voltou às grandes exibições! Salvio, que a meio da semana foi infeliz na finalização, hoje fez um golo de cabeça.

 

 

É certo que este Tondela não tem a qualidade do Rio Ave mas a ideia que fica é que quando não se falham golos cantados a equipa parte para exibições seguras e com momentos de jogo muito agradáveis. O onze está escolhido, o 4-3-3 veio para ficar e em jogos como este faz todo o sentido.

Jonas voltou a marcar, bisou, Krovinovic assume-se como mais valia, e Grimaldo surpreendeu ao interpretar um raro lance de bola parada, um canto, neste caso, que Jonas concretizou em golo. Tudo a correr bem. Até o golo do Tondela é desculpado no meio disto tudo.

Um desfecho natural com a qualidade do Benfica a vir à tona. Se o futebol fosse justo teria dividido melhor os sete golos dos últimos dois jogos. Mas não é e o difícil é fazer com que sejamos nós a controlar esse equilíbrio.

Foi o último jogo de campeonato para o Benfica em 2017. Fechou o ano civil com uma bela exibição, o ano em que se festejou o inédito Tetra. Que o próximo seja assim tão bom.