Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Red Pass

Rumo ao 37

Red Pass

Rumo ao 37

Portimonense 1- 3 Benfica: Campeões Europeus dos 3 Pontos

27654559_10159995907295716_3473427850252605202_n.j

 Segunda viagem ao Algarve esta época, coisa rara nas épocas futebolísticas nas últimas décadas. Encontro com benfiquistas do sul que nos encaminharam para uma experiência gastronómica que merece ser destacada a abrir a crónica.

Dizer que não se come bem, a não ser franguinho da Guia, e o atendimento no Algarve não é simpático tem aqui uma forte oposição.

Em Boliqueime existe um restaurante chamado O Lavrador que tem uma decoração bem rústica e com um espaço bem aconchegante com duas lareiras a aquecerem a sala.

O cicerone Luís tem enorme orgulho nos produtos caseiros e serve chouriças, queijo amanteigado e seco, torresmos divinais e outras iguarias que davam logo um belo almoço. Mas são só entradas para abrir apetite ao cabrito em forno de lenha e polvo à lagareiro. Tudo impressionantemente bom. Sobremesas regionais e um medronho do outro mundo.

Tão satisfatório que o bom do Luís propôs colocar a disposição duas carrinhas para nos levar dali ao estádio e trazer de volta após o jogo. E como tudo acabou bem em Portimão voltámos à carga no Lavrador pela madrugada fora. Lulas, javali, costeletas de porco preto. Enfim, um dia inesquecível. Malta do Algarve, em Boliqueime há ouro. Não hesitem.

 

De alma e estômago bem aconchegados e envolvidos no mar vermelho que invadiu o estádio do Portimonense nada melhor que começar o jogo com o golo de Cervi e ficar na frente do marcador. Uma óptima forma de regressar a Portimão tantos anos depois para o campeonato.

Jogo a correr bem mas com o Portimonense a mostrar que não ia ser uma noite descansada.

Na 2ª parte um momento de pânico com a saída de Jonas. Primeiro sinal negativo da noite. Segue-se o golo do empate e de repente o encanto da viagem ao Algarve perde-se nas bancadas.

Por falar em bancadas, vamos lá esclarecer aqui algo que não considero chocante, antes entendo como normal.

O jogo está empatado, a perda de pontos no horizonte e, de repente, umas filas abaixo na bancada onde estou oiço alguém histérico e claramente feliz a gritar: Portugal ganhou o Europeu!

Recordo que faltavam poucos minutos e o Benfica estava a perder pontos.

Se uns minutos antes uma entidade superior me pedisse para escolher entre o Benfica ganhar 3 pontos e Portugal um Europeu de futsal, não havia um segundo de hesitação para escolher os 3 pontos.

Mas isto não é nada contra o futsal, que aproveito para elogiar e salientar o papel dos jogadores do nosso Benfica. É que se me perguntassem se preferia os 3 pontos ou acabar com a fome no mundo, eu preferia ganhar em Portimão, obviamente. Para mim, é esta a ordem lógica da vida.

 

Posto isto, chegou a vitória do Benfica na recta final. Meu querido Cervi, marcou a abrir e cobrou aquele livre directo ali na minha frente em forma de poema e pintura clássica ao mesmo tempo. Que maravilha. E no fim Zivkovic eleva o nosso fim de semana para contornos épicos. Até abriu o apetite apesar do que foi ingerido ao almoço.

Jogo muito complicado, muito boa réplica do Portimonense, campo bem difícil onde os triunfos têm que ser muito trabalhados.

Grande vitória do Benfica. Precisamos de recuperar Jonas e pensar em ganhar ao Boavista porque a nós ninguém nos dá nada. Estamos na luta.

Que o Portimonense se mantenha por cá muitos anos, o Algarve merece jornadas destas.

Benfica 2 - 2 Portimonense: 2ª Parte Inaceitável!

_JPT3464.jpg

 Por alturas da conquista da Taça de Portugal em Maio deixei aqui um recado a todos os benfiquistas que viraram costas à cerimónia da entrega da taça. Pedi que nunca se cansem de vencem. Nunca desprezem a conquista de um troféu. Nunca deixem de festejar um triunfo do Benfica numa competição. Nunca pensem que será sempre assim ou que é fácil.

Isto aconteceu a meio deste ano e nunca me passou pela cabeça voltar aqui ao assunto. Muito menos para mudar o foco para jogadores.

Sim, desta vez a mensagem para os jogadores. Isto é o Benfica e aqui ninguém se pode cansar de ganhar. Somar triunfos e títulos nunca pode ser aborrecido nem um problema, tem que ser a normalidade do clube. Noites más todos temos, jogos de desfecho injusto podem acontecer, surpresas desagradáveis em jogos que não era suposto perder fazem parte do futebol. Agora, achar que a tarefa está concluída antes de tempo ou deixar o destino em mãos alheias é inaceitável. Hoje tenho que pedir aos jogadores que representam o clube, não se cansem de vencer. Não se cansem de jogar finais, não se cansem chegar mais longe. Isso não faz sentido.

Não é aceitável deixar o Portimonense voltar ao jogo depois de uma vantagem de dois golos. Como disse o Jonas, não é aceitável deixar o adversário jogar à vontade. Havia um objectivo para cumprir, não eram só os 3 pontos, era necessário também fazer golos e criar pressão nas outras equipas.

O Benfica vinha de uma bela exibição no campeonato, começa o jogo na Luz a vencer com um bonito golo, chega ao 2-0 e tem tudo para fazer do último jogo na Luz em 2017 uma digna despedida.

Inexplicavelmente, na segunda parte a equipa eclipsou-se!

Todos os jogadores do Benfica precisam de renovar a ambição a cada jogo. Tem sido assim, pelo menos, nos últimos quatro anos. Hoje não era noite para facilitar. Mais de 20 mil adeptos disseram presente nas bancadas numa 4ª feira à noite antes do Natal. As escolhas de Rui Vitória foram no sentido de levar muito a sério a partida e, por isso, só aconteceram 3 alterações de campo mais o guarda redes. Nada fazia prever um final tão amargo mas foi o que aconteceu.

A sério, nunca se cansem de ganhar.

Benfica 2 - 1 Portimonense: De Onde Vem Esta Apatia ?!

andre almeida.jpg

 Noite bem atípica no Estádio da Luz neste regresso do campeonato a casa.

Na teoria era um compromisso interessante para fazer alguma mudanças na equipa, arrancar uma boa exibição, voltar às vitórias e gerir as expectativas para a estreia europeia que se segue.

Na prática foi tudo ao contrário. A equipa que veio da divisão secundária esta época fez uma exibição muito personalizada e colocou problemas até ao fim.

Rui Vitória manteve o sector defensivo, voltou a chamar Lisandro para o lugar de Jardel. Mas depois optou por apostar em Samaris no lugar de Filipe Augusto, Zivkovic no lugar de Sálvio, mantendo o resto da equipa. O grego ainda não tinha sido chamado depois de cumprir o castigo e o sérvio vinha moralizado da chamada à sua selecção.

O problema é que quando acaba a primeira parte do jogo a pergunta que se fazer era apenas e só: que apatia é esta?

Uma primeira parte cheia de nada que decepcionou os mais de 50 mil adeptos que marcaram presença numa 6a feira à noite na Luz. Não era esta a resposta que se pedia após um empate, após o fecho de mercado e após os compromissos das selecções.

 

(Fotogaleria João Trindade)

 

Para agravar tudo isto, aos 11' da segunda parte, o Portimonense chega à vantagem depois de várias ameaças. Ali o desacerto da equipa de Rui Vitória parecia ainda maior. As entradas de Salvio, Filipe Augusto e Raul Jimenez durante a 2ª parte mostravam bem o desespero vindo do banco a tentar equilibrar a equipa e também a dar mais força atacante.

 

Felizmente, a reacção ao golo sofrido parecia terminar com a apatia geral. Penalti sobre Salvio, respectiva expulsão de Hackman e golo de Jonas. Dezoito minutos depois, quando o desespero nas bancadas já passava para dentro de campo, André Almeida tira da manga um número nunca visto, remate tenso com corte na bola que a levou a efectuar um trajecto tão invulgar quanto lindo. Só parou dentro da baliza de Ricardo Ferreira. Nem me interessa se foi intencional, se foi sem querer, se foi sorte. Azar não foi, de certeza.

 

Parecia estar feito o mais complicado. Puro engano. Apatia voltou. O Portimonense deu tudo na fase final e chegou mesmo ao golo antes dos 90 minutos. Seria o 2-2 perto do fim do jogo.

Enquanto metade do estádio lamentava a apatia defensiva e a outra fazia contas no relógio a ver se dava para fazer o 3-2, a última maravilha do desporto nacional, o VAR, indica ao árbitro que a jogada do golo dos algarvios começa com um fora de jogo.

Ou seja, há um ano, com este sistema, não tínhamos cedido pontos ao Vitória FC.

Por outro lado, este VAR que há umas semanas anulou um empate ao Estoril em Alvalade foi muito elogiado. Hoje, já percebi, trata-se de um escândalo.

Acabou o Benfica por vencer mas a exibição deve servir para profunda reflexão de dentro para fora.

Valeu pela vitória e pela recordação da última visita do clube de Portimão à Luz para campeonato, empate. Que tenha sido um bom resultado numa noite má e nada mais que isso.