Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Red Pass

Rumo ao 38

Red Pass

Rumo ao 38

Esta Jornada é Que é !

img_757x426$2015_11_23_18_04_35_497508.jpg

Finalmente, a cotovelada de Slimani em Samaris no derby do outro dia ( foi só em Março Novembro... ) tem direito a um forte castigo. Um joguinho de fora para o argelino ver como é dura a justiça desportiva portuguesa.

Este fim de semana sem o avançado, o Sporting vai ter mais dificuldades... Ah! Espera... Já acabou ?! Oh... 
Ainda bem que foi castigado a tempo.

Futurologia de Manuel Oliveira

QrF7vvpo.jpg

 Há um ano nos lugares VIP do Dragão já Manuel Oliveira ( de azul em baixo na foto ) se ria com Tello dos três penaltis que não ia assinalar na Luz contra o Rio Ave.
Pena o #colinho este ano ter caído em desuso.

Quem nasceu para lagartixa, nunca chega a jacaré

68c84404-8927-48a6-8ab3-bc7abe43daef.file.jpg

Os mesmos que agitam a bandeira do Estoril no Algarve, os mesmos que ainda estão a pedir falta do Luisão sobre o Ricardo, os mesmos que elevam o Capela a protector encarnado em derbys em que expulsa um Cardozo por nada, os mesmos que assobiam o hino da Champions em protesto contra a UEFA, os mesmos que acusam Platini de teorias de conspiração por uma Europa mais limpa sem um clube que ainda há pouco tempo nem conseguiu lá estar por insucesso próprio, os mesmos que reduziram conquistas de títulos alheios em catadupa a um simples colinho, os mesmos que não conseguem viver o futebol sem mencionar a palavra árbitro, os mesmos que nunca perderam um jogo na vida que não tivesse sido por terem o mundo contra eles, os mesmos que choram em todos os jogos que lhes correm mal, os mesmos que fazem lutos pela verdade desportiva, os mesmos que nunca reconhecem mérito ao rival justificando os dolorosos êxitos desportivos alheios com batotas, são os mesmos que em cinco jogos no campeonato levam quatro penaltis marcados a favor e são os mesmos que se calam perante a expulsão patética e absurda de um adversário.

Um silêncio que contrasta com o desabafo do treinador adversário que vale a pena recordar:

"Tenho uma enorme dificuldade em ter um discurso de conveniência, por formação e carácter. Prepotência para baixo e subserviência para cima é algo que me magoa. Hoje foi preciso mais do que o Sporting para derrotar o Nacional. Seis ou sete cartões amarelos, um vermelho... Um amarelo para o outro lado... Tudo isto deixa-me triste, fico triste com este país que continua com a espinha dobrada para os "Salgados' e os 'Azevedos"que continuam a espezinhar os que ganham o salário mínimo e ainda assim têm de pagar impostos."

 

Sabem quanto vale o esquecimento do colinho? 4 pontos de vantagem. Já está tudo bem segundo o clube mais chorão do mundo. Ainda bem.

 

 

 

 

Sabem Quando é Que não Há Capas Destas?

CNecj-2WgAAMR5O.jpg

 

- Quando foi depositado dinheiro na conta de de José Cardinal, árbitro auxiliar.

- Quando um ex-vice-presidente do Sporting foi preso pela Unidade Nacional de Contraterrorismo da Polícia Judiciária.

- Quando um líder de uma claque do Sporting foi detido com mais oito elementos dessa claque, após seis buscas domiciliárias e uma outra à sede da em Alvalade, numa operação policial contra a violência no desporto.

- Quando esse mesmo líder aparece em plena pista do Jamor abraçado ao seu Presidente.

- Quando o Benfica foi vergonhosamente prejudicado nos 1/4 de final da Champions em Londres contra o Chelsea.

- Quando o Benfica foi vergonhosamente prejudicado numa final europeia contra o Sevilha. Preferiram enaltecer a bravura de um guarda redes batoteiro. Foi em Espanha que se viu a maior indignação da comunicação social ao roubo de Turim!

 

Como se pode ver nem é por falta de oportunidade que não há mais capas destas. Eu até concordo com o que lá está escrito. Prendam. E castiguem. Por exemplo, o caso José Cardinal teve alguma implicação disciplinar para o clube envolvido?

 

Quanto ao choro lagarto eu quero deixar aqui um apontamento. Desde que me lembro que o Sporting é isto. Sempre roubado. Cá dentro e lá fora, é o mundo contra eles. Sempre! Não conheço outro clube no mundo que tenha adeptos que assobiem tanto os árbitros, os auxiliares, o hino da Champions e da Liga Europa. São únicos. Não conseguem falar de um único jogo em que entrem sem falar do árbitro. Não conseguem acompanhar um único jogo em que entrem sem que façam reparos à arbitragem. Quer dizer, até conseguem... Quando são beneficiados, claro.

Isto não é de hoje nem de ontem. Sempre foi assim. O choro está para o Sporting assim como a fruta está para o Porto. São factos com que cresci a acompanhar o futebol por cá. Uns faziam pentas dourados enquanto outros decretavam lutos.

 

Houve uma altura que o meu clube teve a tentação de cair nesta vitimização. Foi o pior período da nossa história em todos os aspectos. Felizmente, isto passou e deixámos isso para os vizinhos.

 

E não é por falta de razões. Cá dentro e lá fora. Caramba, se há clube que tem razões de queixa da arbitragem à escala europeia é o Benfica que viu uma final europeia ser decidida nos penaltis por culpa de quem apitou. E até nos penaltis permitiram que o guarda redes batoteiro adversário quase chegasse à bola mais rápido que os nossos jogadores que marcavam!

Por cá nem é preciso andar muito para trás. Em Arouca ninguém percebe porque não se marcou penalti sobre Mitroglou, ninguém percebe porque se interrompeu o jogo no momento em que se remata para o empate no fim do jogo. Mas todos nós entendemos que o Jorge Coroado continua achar que uma falta do Luisão na área do Arouca é penalti contra o Benfica. Há uns anos também o Aimar foi pontapeado na área da Académica em Coimbra e o árbitro apontou falta para a Académica. Só não foi penalti para a Briosa porque o Coroado não estava lá. Foi num empate a zero numa altura em que o Benfica se viu privado de lutar pelo título porque foi prejudicado nas primeiras jornadas desse campeonato de forma vergonhosa.

 

Como é que reagimos a esses momentos? Tenho as crónicas em arquivo que não me deixam mentir. Na final de Turim não culpei o árbitro nem a UEFA por nos tirar o Markovic da final. Em Londres não culpei o árbitro por expulsar o Maxi a meio da primeira parte. Voltei para Lisboa e contei a aventura da viagem triste por não seguir para as meias finais da Champions. Curiosamente, no dia a seguir à chegada a Lisboa fui a Alvalade ver a última derrota do Benfica por lá em muitos anos e que coincidiu com uma bela... roubalheira. Também há crónica arquivada desse jogo. Não chorei.

A crónica de Arouca é bem recente e podem constatar que não se centra em árbitros.

 

Habituámo-nos a conviver com estes erros e a discutir o que é que a equipa fez mal. A centrar a conversa nos nossos desempenhos em vez de amuar e chorar porque ninguém gosta de nós. E quando vamos na frente e começamos a ouvir falar em colinhos apenas sorrimos e viramos isso a nosso favor. Porque é mesmo o que temos de fazer. Curiosamente, depois do penalti sobre o Gaitan no Algarve e da derrota em Aveiro nunca mais ouvi falar em colinho, é engraçado, não é?

 

Colinho!

ng4408964.jpg

Na qualidade de assessor dos leões para questões de arbitragem, o antigo juiz internacional reuniu-se com o presidente portista, Pinto da Costa, para lhe apresentar o projeto do sorteio dos árbitros proposto pelos sportinguistas.

Os dragões, que votaram contra na Assembleia Geral da Liga a 19 de julho, mas defenderam a medida que foi aprovada dez dias depois na continuação da reunião magna. A aliança entre os dois clubes é encarada pelos altos responsáveis pela arbitragem como uma tentativa de destituição de Vítor Pereira, responsável máximo pelas nomeações

O antigo árbitro Pedro Proença foi quem fez a ponte para um entendimento entre Sporting e FC Porto para que o projeto relativo ao sorteio dos árbitros para a nova época fosse aprovado na Assembleia Geral da Liga.

Ao que o DN apurou, Pedro Proença, antigo colega de curso de Bruno de Carvalho, é atualmente consultor do Sporting para aspetos relacionados com a arbitragem e foi nessa condição que apresentou o projeto numa reunião com Pinto da Costa, presidente do FC Porto, já depois da primeira Assembleia Geral da Liga, a 19 de junho, em que os dragões votaram contra as nomeações por sorteio.

 

Comentários?

 

 

Ui, Que Houve Um Piscar de Olho...

11287213_10153393959838092_642629915_n.jpg

11335701_10153393961603092_1321249360_n.jpg

 Pessoal, o dia 31 de Maio será muito bom para todos. Pela primeira vez desde Agosto de 2013 o Benfica não será o vencedor de uma competição oficial do futebol português.

O Benfica é a única equipa a vencer títulos em Portugal desde agosto 2013: 2 Campeonatos, 1 Taça de Portugal, 1 Supertaça, 2 Taças da Liga.

Pisquem o olho a isto.

Benfica 4 - 1 Marítimo: A Festa e o Colo Que Roubou Jonas

jn.jpg

 Terminar desta maneira o campeonato na nossa casa, é o sonho de qualquer adepto. De 17 de Agosto até agora foi uma longa viagem com um percurso quase perfeito no Estádio da Luz. Chegar à ultima paragem já com o título reconquistado é uma enorme alegria para viver em festa. Levar a sério o desafio de ajudar os dois avançados do Benfica a chegarem ao topo da lista de melhores marcadores é prova da ambição e competitividade do nosso plantel.

Este foi o mote para termos um jogo de altas emoções mesmo com o principal objectivo já cumprido.

Jesus apostou no seu "11" ideal e a equipa partiu em busca dos golos. O primeiro chegou cedo, Lima foi quem marcou. A resposta do Marítimo foi muito interessante e ficou o aviso para o último jogo da época na próxima semana em Coimbra. Os madeirenses apresentaram momentos de bom futebol, obrigaram Júlio César a brilhar ao mais alto nível e chegaram merecidamente ao empate ainda na primeira parte.

 

Ao intervalo Jorge Jesus optou por tirar Pizzi e lançar Talisca só por opção técnica. Uma substituição que iria deixar alguém triste no banco de suplentes. Mukhtar, Sílvio e Paulo Lopes, um deles não ia ser campeão nacional oficialmente.

A decisão de Jesus ficou ainda mais ensombrada quando o azarado Salvio se lesiona com gravidade e tem de abandonar o relvado. Como já tinha sido lançado Sílvio, sobrava para Paulo Lopes a amargura de não entrar em campo. Uma dor que se estendeu às bancadas onde o guarda redes é tão acarinhado e viu o seu nome entoado em jeito de consolação.

salvio.jpg

Faltava então resolver duas questões no resto do jogo.

Ganhar a partida e fazer golos. Como o Benfica fez o 2-1 ainda antes do intervalo por Jonas, havia a esperança que o brasileiro fizesse mais dois golos.

O 3-1 só chegou ao minuto 60 e por Lima. O Estádio da Luz vibrava como se a equipa precisasse destes golos para ser campeã.

Aos 68 minutos o momento mais simbólico do dia. No campeonato do colinho, na Liga que tantos quiseram dar como oferecida pelos árbitros, ficou bem claro o que é que tivemos de aturar o ano todo. Jonas agradece a oferta de Gaitán e faz o seu 2º golo com muito tempo de sobra para ir à procura do último golo que lhe valia o título de melhor marcador da competição. A equipa de arbitragem conseguiu anular de maneira inqualificável um golo limpíssimo e assim garantir que Jackson ficasse com a Bola de Prata. Como já em Guimarães vi o Benfica ser vergonhosamente roubado num golo em que não havia qualquer fora de jogo, fica aqui para memória futura o que é o tal colinho. Sempre resultou para os rivais a campanha do colo, façam bom proveito do título de melhor marcador.

jnn.jpg

De qualquer maneira, Jonas, e toda a equipa, continuou a lutar. As bancadas pediam mais e empurravam o Benfica para o ataque. Aos 83 minutos chega o 4-1, Sílvio dá a bola para Jonas fazer mais um golo.

A pressa com que se reatou o jogo até atrapalhava o Marítimo que já estava a ser goleado e não conseguia parar aquela força encarnada.

 

Últimos minutos de emoção e adrenalina com todo o estádio a acreditar em mais um golo. Seria perfeito mas não aconteceu. Foram também momentos para olhar para Maxi e Gaitán na esperança de não ser a última vez que os víamos ali de vermelho e branco.

nico.jpg

O último instante do jogo é um livre directo de Jonas para a baliza grande. A bola passou um pouco ao lado da baliza de Wellington. Não houve golo mas ficou a impressionante relação construída em menos de um ano entre benfiquistas e Jonas. Para a próxima época será um dos nossos grandes trunfos.

 

Final de jogo, final de caminhada, festa de arromba na relva e na bancada. Sentimento de objectivo cumprido, alegria por duas épocas seguidas a festejar o título mais apetecido. O que se sente entre companheiros de bancada e de viagens nestas alturas é uma euforia inexplicável. Festejar entre família na nossa casa é das melhores emoções da vida.

 

Ver o estádio cheio à luz do sol risonho, olhar para o relvado e à sua volta e não detectar forças policiais é um alívio e o ambiente fica muito mais bonito e leve.

A festa da entrega do troféu de campeão teve dois momentos simbólicos que importa destacar. Desde logo a anunciada presença dos dois miúdos que viveram uma negra tarde em Guimarães, espero que as emoções de ontem ao lado dos seus heróis tenham ultrapassado todos os traumas.

fest.jpg

 E o pormenor de termos no relvado crianças com o equipamento de cada um dos clubes que participaram neste campeonato. De todos os clubes. Sim, duas crianças com as cores do Sporting e do Porto lá estavam a cumprimentar um a um todos os campeões nacionais. Sem complexos, sem problemas, à Benfica!

 

Bonita e merecida festa.Bi Campeões!

Sexta feira há mais.

 

Todas as fotografias: João Trindade