Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Red Pass

Rumo ao 38

Red Pass

Rumo ao 38

Benfica 2 - 2 Belenenses SAD : Suicídio Assistido

_JPT7095.jpg

Uma das muitas coisas boas que o Benfica trouxe do Dragão na jornada anterior foi o facto de poder empatar um jogo dos últimos 10 do campeonato e continuar a depender de si para ser campeão. 

Pois bem, o empate apareceu quando menos se esperava e agora sobram 9 jogos sem margem para errar. 

O mais complicado vai ser explicar daqui a alguns anos como é que o Benfica perdeu pontos num jogo destes. Contra uma SAD que ninguém sabe ao certo como se chama, sem emblema, sem estádio e sem adeptos, o Benfica deixou escapar cinco pontos.

Na primeira volta entrou bem, falhou um penalti e acabou por perder o jogo. Esta noite, teve imensas dificuldades em chegar à vantagem e quando parecia confortável com o 2-0 cede um empate. Incompreensível.

Destaque para a simpatia de Soares Dias no Jamor e de Capela na Luz para com a equipa de identidade misteriosa com duas arbitragens que explicam porque é que Portugal não tem representantes em provas como o Mundial ou a fase decisiva da Champions League.

Acima destes mistérios está Silas que montou uma bela equipa com o plantel que tem e revela uma identidade forte no jogo. Obrigou o Benfica a jogar por fora, levou a equipa de Lage a exagerar nos cruzamentos porque fechou por dentro e raras vezes o Benfica conseguiu jogo interior com qualidade. 

Mérito do trabalho de Silas. Só que esse mérito não lhe dá o direito de estar acima de Rúben Amorim, por exemplo. O treinador do Casa Pia anda a ser perseguido por não ter curso e dar ordens para a equipa no banco. Hoje vi Silas a fazer o mesmo e ninguém pareceu muito preocupado. Vivemos no futebol do faz de conta, como sabemos.

Quando Jonas fez o 1-0 e festejou com Bruno Lage tudo parecia bem encaminhado para mais uma noite feliz. Depois Samaris rematou para o 2-0 e sentiu alivio. Longe de pensar que Odysseas pudesse facilitar daquela maneira. Ressuscitou a SAD azul. Como se não bastasse, Rúben Dias ofereceu o 2-2. Dois jogadores importantíssimos na vitória no Dragão que hoje não deviam ter falhado mas falharam. 

Cabe à equipa reagir e mostrar que tem fibra de campeã.

Isto hoje foi um suicídio assistido tão surpreendente quanto triste. Há que reagir na próxima 5a feira para seguirmos moralizadas para Moreira de Cónegos.

Percebem porque é que prefiro a monotonia dos resultados sem emoção? 

Belenenses 2 - 0 Benfica: SADismo!

gedson.jpg

 Há coisas na minha vida que dispensava repetir. Golos fora de horas em Amesterdão, por exemplo. Pior que isso. Após uma derrota com um golo fora de horas em Amesterdão ter que ir ao Jamor e perder. Qual seria a probabilidade de voltarmos a ter duas derrotas seguidas nestes dois estádios? Muito pequena mas aconteceu. É o tipo de coincidências que odeio no futebol. 

Ainda meio encharcado da molha que apanhámos no Jamor, à semelhança da última vez que lá fomos, outra coincidência, está muito difícil de digerir este resultado. 

O Benfica no Jamor fez tudo o que não devia ter feito. Até não entrou mal no jogo mas cedo se viu que a eficácia na hora de finalizar continuava horrível. O expoente máximo foi aquele penalti que Salvio desperdiçou. A partir daí a equipa desligou-se e, muito pior que isso, desconcentrou-se permitindo que o Belenenses saísse de uma complicada situação de poder sofre um golo para ficar a ganhar por dois! Impensável. 

Em poucos minutos o Benfica desperdiçou uma vantagem no jogo, desperdiçou a oportunidade de aproveitar o que de bom apresentou em Amesterdão e desperdiçou o enorme balão de oxigénio que trazia do último jogo no campeonato, a vitória no clássico que tirava o Porto da liderança e colocava o Benfica em boa posição para gerir o topo da Liga. 

Um descontrolo emocional difícil de perceber que levou o Benfica a deitar tudo a perder até ao intervalo no Jamor.

As entradas de Jonas, Castillo e Zivkovic foram só um exemplo de desespero em que a equipa técnica e os jogadores entraram. Apesar de ter havido oportunidade para a equipa marcar, o Benfica nunca esteve perto de empatar o jogo. Aliás, o Belenenses ameaçou mais do que uma vez aumentar a vantagem.

Não foi por falta de aviso, a estreia de Silas nos azuis foi precisamente contra o Benfica no Restelo e já tinha criado muitas dificuldades. Nesse jogo um penalti falhado de Jonas deu lugar a um golo do Belenenses. Lá estão as coincidências. 

Hoje a reacção do Benfica ao penalti falhado foi ainda pior. 

Dantes, quando nestes clássicos tudo corria mal ao Benfica, usava-se o título Pesadelo no Restelo. Agora, Pesadelo no Jamor não serve para nada porque nem rima. Esta jornada para nós é toda surreal. Jogar no Jamor em Outubro, com chuva, à noite, contra uma equipa de futebol de uma SAD que não tem adeptos, que não tem emblema, que não tem história, torna tudo muito, muito estranho.

Mas, que fique claro, que o treinador Silas não tem culpa nenhuma de estar num projecto futebolístico aberrante. Silas continua a mostrar muita personalidade, muita qualidade de jogo e mereceu inteiramente a justa vitória que teve hoje. Não guardou substituições para os descontos, não mandou a sua equipa toda para a frente da baliza nem se pode dizer que tenha abusado do anti-jogo. Silas merecia o Restelo, merecia o carinho de uma massa adepta, merecia um clube a sério. 

 

Hoje, ao Benfica pedia-se uma resposta aquele doloroso golo a fechar o jogo na Holanda. Pedia-se uma vitória para ficar a liderar a Liga sozinho. Pedia-se, se possível, uma exibição agradável. Nada disto aconteceu. 

Olhando para os últimos três anos, com Rui Vitória, arrisco dizer que este foi um jogo à altura do União da Madeira no primeiro ano, do Vitória FC no Bonfim ou do Tondela na Luz na época passada. Para mim, cada um destes jogos foi o pior de cada uma das últimas três temporadas. De todos, este é o que aparece mais cedo na época. Os desaires com o União e Vitória acabaram por não atrapalhar o título de campeão. Mesmo a derrota com o Tondela não impediu que o Benfica chegasse à Champions League. Esta má exibição do Benfica não sei que consequências vai ter mas trouxe um dado novo, a contestação da bancada para com o treinador do Benfica. 

Cabe agora à equipa técnica e aos jogadores darem uma resposta. É que isto hoje foi mau, não há outra maneira de o dizer. 

Espero voltar ao Jamor no dia 26 de Maio. Espero que nessa altura me recorde desta noite como a pior da época. E que não chova, claro. 

Preciso de um banho quente e de recuperar deste pesadelo. 

 

 

 

Belenenses 1 - 1 Benfica: Jonas Num Mal Menor

27173580_10159941220670716_8190434523971453075_o.j

 Sinto-me como naquela noite em que empatámos na Madeira com o União em Dezembro no caminho do Tri. Esperava muito mais no Restelo, pensava que a equipa ia embalar com o extraordinário apoio vindo das bancadas, mesmo com bilhetes a 30€ num 2ª feira à noite às 21h!

Quis acreditar que aquela triste imagem que ficou do final do jogo com o Chaves, com a lesão de Krovinovic, ia dar lugar a uma resposta forte dos seus companheiros e que a equipa não iria sentir assim tanto a sua falta.

Afinal, o Benfica esteve uns furos abaixo do que se viu nas últimas jornadas e o seu futebol atacante esteve quase sempre previsível. Só com passes a apelar à velocidade individual é que resultavam em perigo. Não se viu aquele fulgor atacante e é impossível não relacionar isso com a ausência de Krovinovic. Mesmo porque esperava que João Carvalho e Pizzi dessem conta do recado de caras e não aconteceu bem assim.

De qualquer maneira, na 2ª parte o Benfica fez o suficiente para chegar à vantagem. Primeiro com um penalti desperdiçado por Jonas, depois com uma jogada que Cervi não soube finalizar. A tal eficácia que já nos custou pontos na primeira volta. E depois o "Karma" do quem não marca sofre. Tal como no Bessa ou, mais recentemente, em Vila do Conde. O Belenenses chega ao 1-0 depois de ter estado mesmo perto do K.O..

Valeu ao Benfica uma atitude de acreditar até ao fim que valeu salvar um ponto com Jonas a marcar com mais facilidade um livre directo do que o penalti.

Vamos ver que danos reais são estes no futuro com a perda de dois pontos no Restelo.

Uma palavra para Silas. Eu até simpatizo com a figura e a atitude ambiciosa do Silas mas os jornalistas deviam ter confrontado aquele discurso pós jogo de estar numa clube grande que joga para ganhar, que nem tem de aceitar o empate e tal com a postura da sua equipa em campo o jogo todo. O Belenenses teve com primeira preocupação perder tempo. Começou no primeiro tempo e no segundo abusou. Então aquela queda do guarda redes sozinho na sua área enquanto o Benfica atacava foi escandalosa. Desculpa lá, Silas, mas se queres mesmo usar esse discurso então apresenta um futebol sem esses truques baixos de perda de tempo mesmo que com a ajuda do árbitro que nada fez para contrariar esse anti jogo.

 

Benfica 5 - 0 Belenenses: Uma Ode a Cruyff

jonas.jpg

Johan Cruyff costuma dizer que, no futebol, “não existe som mais fantástico do que o da bola a bater no poste”. E exemplificava, falando que nos jogos já ganhos, gostava mais de, nos últimos minutos, enviar uma bola ao poste e ouvir aquela típica reacção da multidão “oooooohh”, do que fazer mais um simples golo.

 

Eu quando reconheço génios em campo lembro-me logo de outros génios que aprendi a admirar. Aqui me confesso devoto do génio Cruyff, foi por isso que comecei a crónica com ele. Não é todos os dias que estamos a ver um jogo de futebol e os acontecimentos levam-nos até ao universo de Johan. Mas hoje aconteceu. Quando Jonas chuta do meio do campo uma bola para a baliza do Belenenses e o poste a devolve, é como se algo de poético tivesse nascido no relvado da Luz. O resultado já ia em 3-0, sentia-se que a vitória estava segura e, por isso, aquele momento genial do "10" do Benfica tem tudo para ficar eternizado. A tal beleza do fracasso que aquele Brasil de 1982 é o expoente máximo. A noite em que o Benfica goleia o Belenenses mas o momento é um pontapé do meio campo que ia dando golo.

Depois, já na segunda parte, Luisão cabeceia ao seu estilo na área adversário e a bola bate no poste e sai. Segue-se Cervi, cruzamento do lado esquerdo, bola em arco e em vez de entrar na baliza é devolvida pelo poste da baliza sul da Luz.

Precisávamos de Johan Cruyff ali ao nosso lado na Luz para apreciar este festival de bolas a baterem no poste. No entanto, faltava-me o som. Faz toda a diferença, o som da bola a bater no ferro. Pois bem, Raul Jimenez fez-nos, a mim e a Cruyff, a vontade e atirou uma bomba que levou a bola a bater com estrondo no poste direito da baliza mesmo à minha frente. Desta vez ouvi e sorri.

 

Convenhamos que com tanto capricho até ficava mal irmos embora com um marcador nuns "míseros" 3-0. Então regressamos ao mundo dos génios, Jonas finaliza a meia altura um passe de Raul e faz um golo que a maior parte dos futebolistas que já pisaram o relvado da Luz falhariam.

Pizzi também quis servir o Rei Gonçalves e o brasileiro finalizou o seu terceiro golo no jogo.

Mais do que a vitória, viveram-se momentos de epicismo no Estádio do Sport Lisboa e Benfica.

 

Tudo ficou muito claro logo no arranque do jogo. Um golo logo no começo de jogo e mais dois até aos 33 minutos da 1ª parte é algo que está muito perto dum mundo perfeito para mim.

É um arranque de temporada incrível do Benfica. Desde a temporada de Trapattoni que o Benfica não vencia nos três primeiros jogos do campeonato. Esta época junta-se ainda a conquista da Supertaça. Quatro jogos, quatro vitórias. O melhor arranque do ciclo de Rui Vitória no Benfica, e um dos melhores sempre.

Isto depois de mais uma pré época decepcionante. Já ninguém se lembra da crise em que acabou aquele período de treinos e experiências, no entanto cheguei a ouvir que o Benfica este ano partia atrás dos rivais.

O treinador Rui Vitória já definiu o seu 11 ideal para este primeiro mês de competição. Varela, Almeida, Luisão, Jardel e Eliseu, Fejsa, Pizzi, Salvio e Cervi, Jonas e Seferovic. Para o derby com o Belenenses não havia Fejsa, avançou Filipe Augusto. A única alteração na equipa em nada prejudicou o jogo do Benfica. O brasileiro aproveitou bem a oportunidade a titular para mostrar argumentos convincentes para ser opção para aquela posição.

 

Do lado do Belenenses, Domingos Paciência pareceu hesitar muito na opção dos 3 defesas mais ao centro e acabou por não mostrar um plano B que fosse convincente. Nunca conseguiu estar por dentro do jogo ou em condições de discutir o derby,

 

Num jogo em que o Benfica acerta quatro vezes nos postes da baliza e consegue vencer por 5-0 está tudo dito. Cruyff aplaudiu entusiasmado lá em cima.

Datas e Horas das Primeiras 4 Jornadas da Liga NOS

img_770x433$2017_07_13_20_28_08_1289416.jpg

1ª Jornada da Liga NOS: SL Benfica - SC Braga, dia 9 de agosto (quarta-feira), às 21h.

2ª Jornada da Liga NOS: GD Chaves - SL Benfica, dia 14 de Agosto (segunda-feira), às 21h.

3ª Jornada da Liga NOS: SL Benfica - CF Belenenses, dia 19 de Agosto(sábado), às 20h30.

4ª Jornada da Liga NOS: Rio Ave FC - SL Benfica, dia 26 de agosto (sábado), às 20h30. 

 

 

 

Benfica 4 - 0 Belenenses: Resposta à Campeão

_JPT9075.jpg

Perdoem-me os benfiquistas que vêm aqui logo em busca de umas linhas sobre o jogo do Benfica porque hoje vou ter de começar pelo adversário. Nunca consegui detestar o Belenenses. Mesmo que ao longo da vida tenha aprendido que eles odeiam o Benfica, mesmo percebendo a rivalidade que alguns amigos sentem com os azuis do Restelo por serem de Alcântara e estarem mais ligados ao Atlético da Tapadinha, por exemplo.

Não tenho nenhuma ligação real ao Belém mas houve na minha formação de adepto pontos interessantes que me fizeram gostar do Belenenses. O pai da minha mãe, o meu avô, viveu numa moradia, que ainda existe, na Av. Ilha da Madeira situada do lado direito antes de chegar ao estádio para quem desce em direcção ao rio. Logo aqui ficou uma curiosidade pelo clube porque passava ali algum tempo e o futebol já era a minha paixão maior. Vi lá jogos incríveis de noites europeias como o Bayer, que caiu, ou o Barcelona, que ia caindo.

Depois, tenho um tio que gosta do Belenenses, e o falecido padrasto da minha mãe também era todo "pastel". Ouvi boas histórias dos tempos do Matateu, do jogo com o Vasco da Gama, entre outras.

Finalmente, um senhor que todos os que frequentavam a pastelaria Califa, em Benfica, desde os anos 80, como eu, deviam conhecer. O Sr. Costa, um cavalheiro à moda antiga, sempre atrás do balcão pronto a atender e a dar uma palavra simpática. Um enorme belenense com quem passei horas da minha vida à conversa. Enquanto vivi ali bem perto do Califa era raro o dia que não ia meter a conversa em dia com o Sr. Costa.

Hoje, dia de clássico, recebi um triste SMS da minha mãe a dar conta que a pastelaria estava fechava porque o Sr. Costa faleceu. Duvido que alguém que o conheça leia estas humildes linhas mas , de qualquer maneira, quero deixar aqui a minha singela homenagem a um senhor que tanto me aturou, que tanto me falou da sua paixão, o Belenenses. Que descanse em paz.

 

Posto isto, estranho que a bancada dos visitantes tenha levado tão pouca gente de um clube que é de Lisboa. Não bate certo a militância azul com a qualidade do campeonato que a equipa está a fazer.

 

(Fotogaleria de João Trindade)

 

E deu para ver essa qualidade em campo, a equipa de Quim Machado procurou sempre equilibrar o jogo e um resultado positivo. Basta recordar que aquele tiro de Miguel Rosa ao poste podia ter empatado o jogo.

Por falar no ex-jogador do Benfica. Quando não joga um derby é uma vergonha porque não quer defrontar a sua equipa de formação ou não o deixam. Quando joga, é uma vergonha porque esteve infeliz num golo de André Almeida. Decidam-se!

 

O Benfica tinha de responder ao mau resultado europeu e também ao triunfo do Porto para voltar a liderar o campeonato. Surpreendentemente foi a jogo sem Nelson, lesionado, e com Almeida no seu lugar. Correu bem já que o André foi considerado o melhor em campo.

Aliás, o jogo correu muito bem. De forma prática até podemos dizer que o Benfica jogou à Dortmund, depois de sofrer um aperto com 1-0 no marcador, reagiu e rapidamente chegou ao 3-0 que matou o adversário.

Boas notícias no golo de Salvio, na exibição de Jonas, no regresso de Mitroglou à lista de marcadores, e em Ederson imbatível em mais uma partida da Liga.

O regresso de André Horta à competição também é factor positivo, já havia saudades daqueles festejos como se viu no 4-0 que fechou o jogo.

Um resultado óptimo no regresso à prova que é a principal preocupação do Benfica até ao final da época.

Saborear esta vitória e começar a pensar no difícil jogo na Mata Real. Até ao fim vai ser sempre assim, preocupação e concentração total no próximo desafio.

 

PS: com tantas preocupações com equipamentos alternativos e cores descabidas, como é que em 2017 um jogo da primeira Liga começa com a equipa de arbitragem vestida com cores semelhantes à da equipa visitante?! E quando mudaram ao intervalo, escolheram a mesma cor do equipamento do guarda redes do Benfica. Lamentável.

 

 

Sim, Já Estivemos Assim. E Nem Foi Assim Há Tanto Tempo...

Desde já peço desculpa pelo teor violento do post mas é preciso dar cor, nomes, imagens e vídeos aos tempos que parecem da pré história mas que aconteceram nos últimos 20 anos.

Talvez seja egoísmo meu mas, mesmo assim, quero partilhar com os leitores mais novos ou mais esquecidos o que vivi quando acreditava que era impossível perder com o Belenenses em casa.

Que me lembre, na minha vida de estádio da Luz nunca tinha visto o Benfica perder um derby para o Belém entre o final dos anos 70 e 1997. Aconteceu em 1997 a derrota perante um cenário já desolador, éramos muitos poucos a ir à Luz e o Benfica andava a atravessar o seu Vietname, como diz o Pedro Ribeiro.

Mas prefiro até começar por algo ainda mais recente. Numa tarde de primavera do ano 2000, com o estádio bem mais composto, assisti ao Benfica de Poborsky, João Pinto e Nuno Gomes a perder contra o Belenenses. Era a segunda vez em 3 anos!

Deixo as equipas e o resumo do jogo para que se sinta que nunca devemos dar nada como garantido. Custou muito viver esta década e, por isso, gosto mais de relembrar estes momentos do que grandes vitórias. Não quero voltar a viver isto.

00.jpg

 

 

  Sobre o jogo de 1997, olhem para a equipa do Benfica e vejam que mesmo com Preud'Homme e Valdo, ídolos indiscutíveis do clube, não dava para evitar uma derrota em plena Luz com um Belenenses orientado por Vítor Manuel. Mais abaixo está o jogo completo, vejam como era desolador o estádio antigo vazio. Doeu viver isto mas nem foi assim há tanto tempo...

97.jpg

 

 

Segunda feira há novo capítulo no derby lisboeta, o resultado mais vezes registado é a vitória do Benfica. Só queremos que aconteça normalidade. A bem dita normalidade.

5 Boas Razões Para Encher a Luz no Derby com o Belenenses

600.55f343ad0cf244f583cbabf0.jpg

 

- Estamos na fase decisiva do campeonato e todo o apoio é preciso para a equipa não vacilar nesta recta final. E este até é um derby com imensa história no futebol português. Bom cartaz.

 

- O Estádio da Luz tem capacidade para 65 mil adeptos. Porque é que nos devemos contentar com a presença de cerca de 50 mil? Onde estão os mais de 10 mil que faltam para esgotar o nosso estádio? Não é tão bonito ver recintos, como o do Dortmund, por exemplo, sem cadeiras vazias na televisão? Então porque é que não podemos ter a Catedral também assim?

 

- O jogo é numa 2ª feira. Sim, retira a muitos benfiquistas a oportunidade de estarem presentas. Mas sobram muitos milhares de adeptos que vivem na Grande Lisboa e que a partir das 19h estão disponíveis para ir ao Estádio. Pensem assim, é muito melhor estar na nossa casa do que no sofá correndo o perigo do comando da televisão nos levar a um daqueles programas sobre futebol das 2ªs feiras à noite. Sobre futebol, que é como quem diz, sobre barulho. A bola vê-se bem é na bancada.

 

- Vejam lá quantos jogos faltam para terminar a época. Pois é, mais meia dúzia de partidas e acabou-se o futebol na Luz até à próxima época. Depois, levam o verão todo a dizer que têm saudades de ir ao estádio. Vão agora!

 

- Sabem quantos benfiquistas espalhados pelo mundo sofrem todos os dias em que há jogo na Luz e eles não podem estar lá presentes? Como se explica uma cadeira vazia a estes companheiros a sofrerem ao longe? Vamos por eles, também.