Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Red Pass

Rumo ao 37

Red Pass

Rumo ao 37

Benfica 1 - 1 Ajax: Onana Não Deixou

_JPT3233.jpg

 Na Holanda o jogo ia acabar empatado a zero mas no último minuto um remate de Mazraoui acabou com a bola dentro da baliza e o Ajax venceu o jogo. Na Luz, no último segundo da partida, a bola vai para o pé de Gabriel que muito perto da baliza atira para aquele que seria o 2-1. Onana esticou o pé e segurou o empate. Detalhes nos instantes finais de dois jogos que, praticamente, deixam o Benfica fora da Champions League. 

Obviamente, o jogo da Luz não se resume ao último segundo. 

O Benfica fez uma primeira parte que lhe permitiu chegar ao intervalo a vencer por 1-0 muito por mérito de Jonas. Em relação ao ciclo de péssimos jogos que a equipa vinha a fazer, Rui Vitória deixou de fora Pizzi e apostou num meio campo com Gabriel e Gedson à frente de Fejsa, chamou os argentinos Salvo e Cervi para as alas e deu a titularidade a Jonas. 

A equipa pareceu determinada em dar uma imagem diferente daquela que tem mostrado incompreensivelmente na Liga portuguesa e acabou mesmo por fazer o golo por Jonas. O Ajax já não sofria um golo desde o jogo de Munique, foram 654 minutos e zero golos sofridos. 

Mas se comecei pelos últimos instantes dos dois jogos entre Ajax e Benfica, é justo recuperar a forma como o Ajax falhou o empate em cima do intervalo. Podia ter acontecido ali o 1-1.

O avisou ficou no ar mas as lesões de Jonas e Salvio não ajudaram a equipa a manter o ritmo de procura por um segundo golo. Antes pelo contrário. O Ajax assumiu que queria pontuar e cresceu muito no jogo. Conseguiram o empate por Tadic e, mais do que isso, deixaram toda a impressão que querendo ter a iniciativa do jogo, dificilmente não teriam hipóteses de marcar. 

A reacção do Benfica na recta final podia ter valido o golo da vitória, como já vimos, mas Onana acabou por ser tão decisivo como Tadic.

Ponto muito positivo para o ambiente na Luz durante o jogo, os adeptos sempre estiveram com a equipa. Apoio não faltou até ao fim, as bancadas queriam uma vitória e fizeram questão de fazer frente ao impressionante número de adeptos holandeses que vieram a Lisboa apoiar o Ajax. 

Depois de ter terminado o jogo, é que viu e ouviu contestação ao treinador e desagrado por mais um jogo sem vencer. 

Não me parece que seja possível continuar na Champions League após esta fase de grupos. Faltam dois jogos, um Munique, outro em casa com o AEK que deve servir para confirmar a continuidade na Europa por via da Liga Europa.

Fica um sentimento de desilusão, era neste embate duplo com o Ajax que se jogava a continuidade na Champions, houve infelicidade em momentos chave dos dois jogos mas, sinceramente, parece-me que a equipa holandesa, nesta fase, é melhor e merece seguir o seu sonho europeu neste regresso à Liga dos Campeões.

 

Ajax 1 - 0 Benfica: Desilusão Arena!

ajax benfica.jpg

O novo estádio do Ajax já se chamou ArenA de Amesterdão. O Benfica jogou lá no torneio da cidade em 2009 e venceu a equipa da casa. Uns anos mais tarde, o Ajax não conseguiu atingir a final da Liga Europa que se disputava no seu estádio. O Benfica perdeu essa final de forma inglória com um golo para lá dos 90 minutos. 

O estádio mudou de nome, agora é um justo tributo ao maior génio do futebol holandês, Johan Cruijff ArenA. Actualmente, é o estádio de uma das equipas da moda do futebol europeu. A qualidade de jogo do Ajax de Ten Hag tem encantado quem gosta de futebol. Uma mistura explosiva de referências que o técnico holandês traz dos tempos de Cruijff mais o trabalho que desenvolveu nas camadas jovens do Bayern dos tempos de Pep Guardiola e um conceito de jogo muito próximo do futebol atacante, bonito e da posse de bola. São estas características do treinador do Ajax. A isto junte-se uma mudança de mentalidade do clube ao optar por manter as várias pérolas jovens do plantel, em vez de vendas milionárias. Falamos de Ziyech, De Ligt, Dolberg ou De Jong, por exemplo. O director desportivo, Marc Overmars, manteve este núcleo de jovens jogadores e juntou-lhes reforços experientes como Tadic, Blind ou Labyad. 

O regresso do gigante holandês à Liga dos Campeões aconteceu esta época com uma normal vitória em casa com o AEK e na 2ª jornada surgiu o empate em Munique que alertou o meio mundo que ainda não tinha reparado na qualidade desta equipa.

Por tudo isto, o Benfica tinha uma tarefa muito aliciante pela frente. Este embate duplo com o Ajax é uma boa montra para o Benfica mostrar os seus jovens e o seu futebol enquanto luta directamente com o adversário para seguir em frente na prova. 

A equipa do Benfica, muito apoiada pelos incansáveis adeptos benfiquistas, esteve à altura do desafio e conseguiu repartir com o Ajax as iniciativas atacantes na primeira parte. Nada de novo aqui, com bola o Ajax é sempre muito perigoso e difícil de parar. Criou muitas dificuldades à defesa do Benfica que contou com mais uma noite extraordinária de Odysseas para manter a eficácia defensiva. 

Sempre que podia, o Benfica explorava a velocidade de Rafa e Salvio e a verticalidade de Seferovic. Fica na memória a bela jogada que deixou Salvio na cara do golo mas o argentino preferiu assistir os colegas em vez de rematar para golo. 

O treinador do Ajax sublinhou no final o prazer que teve em ver um jogo tão aberto, tão disputado e com duas equipas a procurarem o golo. Foi mais verdade na primeira parte do que na segunda mas o Benfica procurou sempre equilibrar o jogo e não abdicar da posse de bola. 

O jogo não merecia um empate sem golos, tinha sido noite para um empate com vários golos ou uma vitória para qualquer lado com muitos golos divididos. Mas com o 0-0 a manter-se, terá passado pela cabeça dos jogadores do Benfica que se não desse para ganhar, tinha de dar para pontuar. Perder o jogo é que não podia acontecer. 

Perder o jogo depois do minuto 90 é doloroso. Perder o jogo com uma bola que Conti tenta cortar e não consegue, logo ele que evitou de forma espectacular o 1-0 na primeira parte, é duro. Uma bola que depois até ia para fora mas Grimaldo tenta desviar e acaba na baliza. Perder o jogo nos descontos, neste estádio onde tanto sofremos naquela final da Liga Europa, parece maldição. Para nós esta é a Desilusão Arena. 

Foi um duro golpe nas aspirações do Benfica em continuar na Liga dos Campeões, no entanto, guardo os bons momentos que o Benfica teve nesta noite europeia, que sirvam de motivação para a segunda volta desta fase de grupos com dois jogos na Luz.