Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Red Pass

Rumo ao 37

Red Pass

Rumo ao 37

Nacional 0 - 4 Benfica: Wake me up when September ends

sefero.jpg

 Na conferência de imprensa de lançamento do jogo o treinador do Nacional disse que dividia o favoritismo pelas duas equipas. O mesmo homem que há uns tempos fez capa da revista do Expresso afirmando orgulhosamente que era sportinguista e anti-benfiquista.

Como tenho memória devo dizer que estas goleadas sabem sempre melhor quando são conseguidas contra esta gente que odeia o Benfica. Já a meio da semana, outro treinador de uma equipa às riscas preto e brancas acabou mal depois de muito optimismo. 

O Benfica tinha um desafio complicado neste fecho de ciclo de jogos. Era preciso repetir toda a qualidade mostrada em Salónica para garantir 3 pontos no campeonato.

Relembro que as duas saídas no arranque desta Liga foram ao Bessa, único estádio onde perdemos na época passada, e à Choupana, uma viagem sempre complicada. Pelo meio, recebemos o Vitória de Guimarães, que depois venceu no Porto e o derby de Lisboa. Se isto fosse escolhido por algum rival não seria mais complicado na teoria. 

A resposta da equipa voltou a ser eficaz, tremenda, entusiasmante e convincente. 

O Nacional vinha de uma vitória moralizadora no Bonfim, o treinador estava com o tal discurso forte, a direcção resolveu fazer a rábula da proibição de adereços do Benfica nas suas bancadas. Mas o Benfica teve o apoio de sempre e mostrou depressa ao que ia. Com o mesmo 11 da qualificação europeia, a equipa de Rui Vitória tomou conta do jogo e criou várias oportunidades para marcar. Quis o destino que fosse Sferovic o homem em destaque, fez o primeiro golo e ofereceu o segundo a Salvio. 

A vitória estava bem encaminhada ao intervalo, na segunda parte houve menos espectáculo mas Pizzi quis fazer mais duas assistências que atestam o grande momento de forma que atravessa, para Grimaldo e para... Rafa! 

Do lado Nacional um grande destaque, Arabidze, nascido na Georgia, 20 anos, canhoto, 1m 73cm de altura, fez enorme exibição. Está emprestado pelo Shakhtar de Paulo Fonseca. 

A lamentar apenas a lesão de Fejsa que saiu com dores. 

 

Este Benfica 2018/19 teve uma apresentação muito dura e exigente mas o balanço desta primeira etapa é muito bom. 

Odysseas voltou a mostra na Madeira que a baliza está bem entregue, Ruben e Jardel no meio, André e Grimaldo nas alas garantem a continuidade do trabalho defensivo que já vem da época passada. Os dois alas combinam bem com os extremos, Cervi e Salvio. Os argentinos estão a ter um belo inicio de temporada, Salvio está ao nível do melhor que já vimos desde que chegou à Luz. 

Pizzi num momento de forma incrível, conta com Gedson como a grande surpresa nesta equipa. Mais uma exibição de grande qualidade do miúdo. Alfa Semedo entrou para o lugar de Fejsa e luta com tudo pelo seu espaço na equipa. Tem a confiança do treinador e dos companheiros. Na frente, o momento é de Sferovic. O suíço foi aposta na Grécia e justificou nova oportunidade na Choupana. Marcou e assistiu. Há quatro homens para jogar na frente, nesta altura o internacional da Suíça é o que está melhor. Hoje foi mais do que útil, foi essencial. 

Uma palavra para Rafa que foi a jogo no momento em que se sente mais confortável, transições rápidas. Pizzi lançou-o e Rafa aproveitou para marcar. Grande sinal de presença. 

Finalmente, João Félix. A terceira aposta jovem para esta temporada tem escrito por todo o lado a palavra craque. Vai ser uma bela época para o João. 

 

Uma pré época equilibrada com adversários fortes, uma abordagem ao mercado que não deixou nada para a última da hora, renovações com Ruben e Gedson em vez de vendas milionárias, porta fechada à saída de jogadores importantes na equipa, um arranque na Liga que vale o primeiro lugar graças a golos marcados e um apuramento brilhante para a Liga dos Campeões depois de um sorteio pouco favorável.

Setembro chegou com um quadro bem animador para o futebol do Benfica. Dá vontade de recuperar o clássico dos Green Day: Wake me up when September ends.

Bons sonhos, perdão, boa sorte para os internacionais que vão representar os seus países nas próximas semanas.