Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Red Pass

Tetra Campeões

Red Pass

Tetra Campeões

Benfica 4 - 0 Boavista: Com a Mesma Dignidade de 2002

_JPT2550.jpg

Como é difícil manter a sanidade mental nos dias que correm fugindo de todas as maneiras possíveis à espuma dos destaques da imprensa. E não só imprensa desportiva mas sim da imprensa global. Um sábado com um clássico Benfica - Boavista foi dominado pelo gestor do maior circo que o futebol português já viveu. E o que devia ser desprezado e problema de associados e adeptos de um só clube passa a ser o destaque nacional com capas de jornais, directos em canais privados e públicos, e assunto do país. Todos querem saber se são citados pela figura maior do lodo em que tudo isto se transformou. E são, claro. Meios de comunicação, jornalistas, comentadores, rivais, vai tudo a eito. E , pelos vistos, todos adoram e dão eco a tudo aquilo. 

Antes que comecem já a responder que aqui se está a fazer o mesmo tenham a bondade de dar o beneficio da duvida e perceber o porquê desta introdução, pedindo, mesmo assim, desculpa por abordar um tema tão lamacento.

É que aquilo que não se ouve, nunca se ouviu e nem se vai ouvir naqueles monólogos delirantes é a explicação do facto sobre o qual o último clube a ganhar um campeonato nacional sem ser o Benfica ou o Porto pôde festejar sem jogar. Se calhar, muitos já não se lembram, outros nem sabem, que a última vez que um clube de Lisboa sem ser o Benfica, venceu a Liga foi porque o Benfica cumpriu o dever de vencer o Boavista na penúltima jornada da temporada 2001/02. O Benfica ia terminar a Liga em 4º lugar, já não lutava por nada mas jogou para ganhar mesmo sabendo que a vitória tornava o clube vizinho campeão. Assim o fez. Sem complexos, sem dramas, percebendo que se vivia um ciclo anormal na história gloriosa do Benfica que será por muito e muito tempo o clube com mais campeonatos ganhos, com mais Taças de Portugal ganhas e até com mais Taças da Liga ganhas. Não se pode vencer sempre, como esse ciclo de 2002 mostrou bem mas não se pode perder a dignidade. 

Portanto, a última vez que foram campeões a sério, não falo destes delírios de acrescentarem títulos à conta de pára quedistas, festejaram, celebraram, entraram em clima de festa no dia seguinte na semana seguinte contra o Beira Mar em casa (já que contra o Vitória em Setúbal não foram além de um empate), tudo porque o Benfica venceu o Boavista. O Benfica entregou o último título de campeão ao Sporting. Não vejo ninguém recordar isto. E recordo que nesse tempo o Sporting, ou o seu Presidente, não tinha o tempo de antena absurdo em toda a comunicação social que hoje tem. Na altura vencia, agora faz barulho. Na altura o Benfica não era uma obsessão tão grande como hoje porque até lhes entregava campeonatos. 

 Dezasseis anos depois, o Benfica é Tetra campeão e recebe o Boavista na Luz num contexto complicado com um historial recente de resultados negativos contra os axadrezados. Hoje como há dezasseis anos, o foco era ganhar. O foco é reunir a nossa gente, encher o nosso estádio, vibrar com a nossa equipa de futebol, celebrar mais uma vitória e sentir o entusiasmo de momentos do jogo vibrantes.

Novamente, a dupla de centrais a marcarem no mesmo jogo na Luz. Ruben Dias a assumir o seu glorioso destino no clube ao abrir o marcador e depois Jardel a dar tranquilidade no resultado antes do intervalo. Para Jardel uma palavra de conforto já que dedicou o seu golo ao falecido avô. 

Ver a cumplicidade entre Grimaldo, Cervi e Zivkovic faz-nos sonhar com mais um fim de época épico. Jonas foi a jogo mas não foi feliz quando foi chamado a cobrar um penalti que dava o 1-0. Foi importante mas ficou em branco.

As ausências de Krovinovic e Salvio podiam ser dramáticas mas a verdade é que Rafa e Zivkovic estão a aparecer com vontade de os fazer esquecer e manter a dinâmica de vitórias da equipa. 

Ontem na Luz, os 4-0 espelham bem o estado de espírito da equipa e da multidão que a apoia. O golo de Raul Jimenez é simbólico por vir do banco e dar ideia que a equipa quer mais e está mais focada que nunca. O facto de ter sido aos 90 minutos foi um maravilhoso castigo para a malta que vira costas ao jogo e abandona o estádio antes de ouvir o Ser Benfiquista e aplaudir a equipa no final do jogo. 

Pessoal, agora a sério, onde é que vocês vão com tanta pressa a partir dos 70 e muitos minutos? O que é que há lá fora assim de tão importante que eu não saiba? Caramba, é o Benfica que está a jogar, ainda por cima a golear, o que é que há assim de tão importante que supere o prazer supremo de ver o Benfica na Luz? Nunca conseguirei entender. Por mim, ganhávamos os jogos todos por 3-0 com golos aos 89, 91 e 93 minutos só para lixar a malta que sai antes do final. 

Foi um jogo de ironia profunda, pois o Boavista leva uma bela série de golos marcados em lances de bola parada e na Luz sofreu desse veneno, além de ter sido uma bonita maneira de acabar com os maus resultados contra o Boavista.

Com a dignidade de sempre, com o foco do costume, sem distracções da imensa poluição sonora ali dos vizinhos e com a possibilidade da família benfiquista passar um santo domingo na frente do campeonato enquanto prepara a ida a Paços de Ferreira.