Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Red Pass

Rumo ao 38

Red Pass

Rumo ao 38

Vitória de Setúbal 0 - 1 Benfica: Jonas Vence Tropa de Choco

48046324_10161206653230716_1907618993057824768_o.j

Está na hora de assumir que odeio o Estádio do Bonfim. A primeira vez que lá entrei foi na década de 80 e já cheirava a mofo. Era uma viagem aos anos 60, pelo menos. Em 2018 a sensação é exactamente a mesma, mesmo porque o recinto continua inalterado. 

As longas filas para entrar, os acessos, as cadeiras, as bancadas, o ódio que se sente na gente da casa, a maneira exageradamente agressiva com o Vitória sempre joga contra o Benfica. Hoje tinham 13 faltas cometidas ao intervalo. Na recepção ao Porto fizeram 13 falta durante o jogo todo! 

Tudo é mau naquele estádio. O relvado, o frio, o vento,  a visibilidade, a distância para o terreno de jogo, tudo é mau. Então porque é que insisto em lá ir? Mais... Como é que é possível que este seja um dos estádios onde mais entrei na vida para ver o Benfica? 

Porque, geograficamente, fica muito perto de casa. Porque é dos raros recintos abaixo do Rio Tejo que temos para ver o Benfica. Porque se junta sempre uma turma de amigos e companheiros de bancada para apreciar a gastronomia sadina. Hoje não foi excepção, excelentes doses de choco frito a um preço muito acessível numa espécie de lanche ajantarado.

E para ver o Benfica acabamos sempre por esquecer todas as contrariedades que o Bonfim oferece. Pelos vistos, até ataque ao autocarro do Benfica houve. Bons exemplos que os sadinos importam.

Esta noite, ao entrar no Estádio do Vitória houve a sensação de sempre, daquela viagem no tempo. Mas com o desenrolar do jogo percebi que, desta vez, era uma viagem aos dourados anos 90. Que arbitragem foi esta?! 

O Mendy fez 8 faltas e não viu um amarelo. Pizzi fez uma falta, levou um amarelo. Almeida também levou amarelo à 3ª falta. O Mano faz uma falta que trava um perigoso ataque do Benfica e não leva o segundo amarelo. Enfim... 

Mas o meu lance favorito é aquele golo do Zivkovic em que é assinalado fora de jogo quando ele arranca antes do meio campo. E o Vitória marca essa falta com a bola para lá da linha do seu meio campo. Delicioso.

Eu também quero muito ver o Benfica a jogar um grande futebol, a vencer fácil e a dar espectáculo. Curiosamente, em Setúbal raramente vi tal coisa acontecer na minha vida desde os anos 80. Aliás, quando vou para o Bonfim vou mentalizado para sofrer e só peço para ganhar nem que seja só por 0-1 com um golo de Jonas. Está óptimo.

O Benfica podia e devia ter saído de Setúbal com um resultado mais tranquilo mas por não ter conseguido concretizar, Rafa, Grimaldo e Zivkovic, por exemplo, não tiveram sorte nenhuma nas finalizações, a equipa acabou a defender a magra vantagem com Odysseas a negar o empate ao 88'. Altura em que o Vitória foi realmente perigoso, a dois minutos dos 90! 

São 3 pontos conquistados num terreno tradicionalmente complicado contra uma arbitragem incrível.

Já tivemos más noites em Setúbal ao longo dos anos. Hoje o desfecho foi bom. Mas, por exemplo, no Jamor uma noite desinspirada custou logo uma derrota penosa. O líder da prova já ameaçou ter noites más, como essa, mas há sempre alguma coisa a endireitá-lo. No Bessa foi um penalti ignorado, em casa contra o Portimonense passou-se de um possível 0-2 para um triunfo de 4-1 com outro penalti esquecido. Assim fica muito fácil. Muito fácil mesmo. Que Braga e Sporting finjam que estão mortos quando deviam reagir a isto, é lá problema deles. O Benfica não se pode calar. É que voltar aos anos 90 é como ir ao Bonfim, cheira sempre a Mofo e já sabemos com o que contamos.

Benfica 2 - 0 Paços de Ferreira: O Regresso Às Origens

47467673_10161195011815716_2574598109564764160_o.j

Entre amigos de sempre, companheiros de bancada, mantenho uma espécie de competição interna de mostrar quem é que não perde um jogo oficial do Benfica na Luz há mais tempo. Eles sabem quem são. Aqueles que se conseguem rir destas parvoíces e destes pormenores. Gente com quem podemos dizer o número de jogos que não vimos na nova Luz e as respectivas justificações para as ausências. Dá sempre para várias horas de tertúlia e algumas risadas.

Geralmente, os motivos são sempre de força maior. Motivos profissionais ou escolares, celebrações familiares ou de amigos, nascimentos ou lutos. 

Era aqui queria chegar. Esta época vi pela primeira vez a Taça da Liga na Luz. Isto porque em Setembro tive que quebrar a corrente de não falhar um jogo na Luz que já tinha alguns anos a fio. Casamento de sobrinhos no Algarve. O Benfica bateu o Rio Ave e a boda foi um sucesso. Tudo bem. 

Tive que mudar a conversa na competição para quantos jogos para a Liga, Taça de Portugal ou Europa é que falhaste nos últimos anos. 

Hoje, foi um dia triste para um desses amigos. Um companheiro de bancada. De bancadas, da Luz, dos pavilhões, dos estádios por esse país fora e até por essa europa fora. Um benfiquista daqueles com quem estamos sempre a aprender, exigente, dedicado e sempre pronto a defender o clube até ao limite. 

Em dia de jogo do Benfica comunicou que perdeu o pai. um dos golpes mais duros que a vida tem para nos dar. Depois de lhe mandar um abraço pensei logo se ele iria ao jogo. Não há choque nenhum em pensar nisto nesta hora, é o maior tributo que lhe posso fazer. 

O Benfica cumpriu a sua parte. Venceu o segundo jogo no seu grupo na Taça da Liga e está perto de voltar à Final Four da competição. Mesmo com várias alterações na equipa, o Benfica ganhou com tranquilidade e naturalidade. Longe dos sustos e da exibição desastrada que se tinha visto com o Arouca para a Taça de Portugal. A comparação é legitima, os adversários são ambos da segunda divisão. O Paços de Ferreira, treinado pelo rei das subidas, Vítor Oliveira, podia tentar uma surpresa na Luz. Foi este treinador que afastou o Benfica há um ano nesta prova. 

Os golos de Seferovic e João Félix deram segurança à equipa que tentou ter sempre o jogo controlado e estar longe de sofrer sobressaltos. 

Apenas 17 mil benfiquistas acharam que o jogo era digno da sua presença. Aplaudiram a equipa no fim.

Entre esses 17 mil adeptos, lá estava o R.S. na bancada. Num dos dias mais tristes da sua vida, teve o consolo de ver o seu Benfica a jogar. Ainda recebeu a camisola do Jonas porque o Benfica tem pessoas que o humanizam. Não foi só esta vitória e este jogo que foi para ti, o Benfica está sempre lá para os dedicados como tu. Como tu estás para o Benfica. Isto só está ao alcance de alguns, no entanto, é esta grandeza que faz deste clube o mais amado do país. Às vezes é bom voltar às origens para se entender isso. 

Bayern 5 - 1 Benfica: Mau!

gedson.jpg

Vamos lá esclarecer umas ideias. O Benfica perder nunca pode ser uma normalidade. O Benfica ser goleado é impensável. O Benfica sofrer cinco golos é vergonhoso. Uma vergonha a que já assisti vezes de mais na minha vida de benfiquista. E penso sempre que é a última vez cada vez que volta a acontecer. E quando acontece o que eu espero é que os jogadores reajam com dignidade. Sejam os jogadores que levaram 5 na Luz nos anos 90, sejam os jogadores que levaram 5 com a anterior equipa técnica, sejam os jogadores do plantel da época passada em Basileia, sejam os jogadores desta época em Munique. Para mim, não chega o discurso do levantar a cabeça. Isto é válido também para o treinador e para os dirigentes do clube. Uma noite trágica destas nunca pode ser só mais uma ou uma inevitabilidade. Não pode acontecer. 

Todos têm que saber estar à altura do peso, da história e da glória que o emblema do Benfica representa. Todos. 

Se há mais de dois mil associados e adeptos do clube que puderam, quiseram e estiveram no Allianz Arena a puxar pela equipa, a carregarem uma mística conhecida em todo o mundo, é preciso, antes de mais nada, respeitá-los. Para eles o meu obrigado e votos de bom regresso.

Eles, tal como todos os que acompanhámos à distancia, sabem a importância destas noites. É nestas alturas que o Benfica pode acrescentar mais honra ao seu historial. Esperamos sempre o melhor.

Sabemos que do outro lado não está uma equipa qualquer mas depois de ver e rever o que fizeram ali recentemente equipas como o Dusseldorf, Friburgo ou Monchengladbach, esperava-se uma oportunidade para o Benfica. Infelizmente, o Benfica só existiu naquele relvado durante uns dois minutos. O tempo que durou a jogada do golo do Gedson. De resto, não se viu nada. 

A ideia era ir a Munique tentar tirar proveito do mau momento e da instabilidade à volta do Bayern, arrancar uma boa exibição para moralizar e entusiasmar a equipa do Benfica que tem passado o último mês competitivo de forma agoniante. 

Era uma boa oportunidade. Foi uma decepção total. Sofrer 5 golos é sempre motivo de vergonha, assuma-se isso. 

Todos têm que perceber isso. Seja em Munique, seja na Grécia. Seja nos anos 90, seja em 2018. O Benfica não se fez de noites destas. As reacções deviam ser de acordo com isto. 

 

Benfica 2 - 1 Arouca: Doloroso Apuramento

_JPT5922.jpg

Isto nem é novo no reinado de Rui Vitória, vitórias apertadas com exibições muito pobres nas primeiras rondas da Taça de Portugal já aconteceram em outras épocas. Lembro-me, assim de cabeça, do 1-2 contra o Vianense e no ano a seguir o mesmo resultado no Estoril com o 1º de Dezembro. Em ambos os jogos o golo da vitória veio perto do final, tal como hoje.

A grande diferença é que nessa altura havia um enorme capital de confiança à volta da equipa porque vinha de épocas triunfantes e, portanto, uma noite desinspirada, mesmo que contra equipas de escalões inferiores, era desculpada pelo resultado prático final.

Desta vez, o contexto é muito mais delicado. Hoje, o Benfica precisava de uma boa exibição e um resultado tranquilo para dar sequência à vitória de Tondela, recuperar alguns jogadores, ganhar outros e embalar para um novo ciclo que tem na próxima paragem em Munique o ponto mais exigente.

Rui Vitória aproveitou o segundo jogo do Benfica na Taça de Portugal desta época para lançar Krovinovic, dar nova chance a Corchia, apostar em Zivkovic e, o mais relevante de tudo, recorrer ao 4-4-2 pela primeira vez esta temporada.

O resultado de todas estas apostas foi uma enorme desilusão. Salvou-se Svilar, que manteve o Benfica em jogo com uma enorme defesa já na recta final da partida, Seferovic e Jonas sempre inconformados, a espaços Krovinovic deu um ar da sua graça e Rafa acabou por ser decisivo ao marcar o golo que evitou um embaraçoso prolongamento.

De resto, é difícil quantificar e qualificar a exibição do Benfica esta noite com o Arouca da segunda divisão.

Só se aproveitou mesmo o resultado, um alivio merecido para as duas dezenas de milhar de adeptos que fizeram questão de aparecer na Luz.

Benfica 1 - 3 Moreirense: Afinal, o Pesadelo Não Acabou...

rafa.jpg

Hoje não foi um golo no último minuto, não foi uma noite má, nem azarada.
Hoje exigia-se à equipa uma resposta convincente após a noite negra do Jamor. Para ajudar, o futebol do clube teve toda a confiança do seu Presidente que aproveitou o aniversário do Estádio e da sua presidência para dar uma entrevista e discursar durante a semana. Renovou a confiança na equipa técnica e nos jogadores do clube.

Tinha a palavra a equipa do Benfica neste jogo em casa com o Moreirense.

Em dois minutos tudo parecia voltar à normalidade, Jonas e João Félix são as personagens principais das mudanças de Rui Vitória e fabricam o 1-0. Parecia que o mais complicado estava feito.

Puro engano. Foi só um rasgo de qualidade no meio de um descontrolo que se prolongou do Jamor para a Luz de forma surreal. A facilidade com que o Moreirense respondeu e chegou aos 1-3 fez lembrar aquele começo de jogo com o Boavista há dois anos. Também me fez lembrar daquela 5a feira negra, chuvosa, no Algarve em que a equipa Minhota fez a mesma reviravolta para chegar à final da Taça da Liga.

Só que desta vez, esta não é uma derrota isolada. É a terceira derrota seguida da equipa de futebol do Benfica. Uma novidade no reinado de Rui Vitória.

Estava até difícil lidar com todo o cenário. Quis esquecer depressa aquela noite no Jamor mas olhava para o relvado e via as mesmas cores azuis a vencerem por dois golos de vantagem perante o desespero dos vermelhos. Dentro e fora de campo.

Depois de tão inesperada derrota com o Belenenses SAD, os adeptos do Benfica quiseram marcar presença na Luz. Foram quase 50 mil nas bancadas a darem continuidade ao sinal de confiança que veio da presidência.

Mas perante tamanho desastre, a confiança deu lugar à indignação. 1-3 em casa com o Moreirense e ver o experiente Jardel a acabar expulso por impulsos de iniciante é de levar qualquer um ao desespero.

O Moreirense ganhou muito bem, fez por isso e mostrou futebol à altura da dimensão do resultado. Aqui não há dúvidas, parabéns a Ivo Vieira e aos seus jogadores.

As dúvidas moram do lado do Benfica. Não é fácil responder à pergunta mais evidente: o que se passa, Benfica?!

Perante este cenário o treinador do Benfica tinha duas hipóteses, confiava na palavra do Presidente e punha o lugar à disposição ou considerava que mais um resultado anormal, e a primeira sequência de três derrotas seguidas no seu ciclo não eram suficientes para se duvidar da sua validade à frente da equipa. Optou pela segunda dizendo que não é homem de desistir. Se ele acredita e o Presidente também, não há muito mais a fazer. O desafio que se segue é de grau de dificuldade muito elevado. A confiança está muito em baixo e nas bancadas não é melhor.

O Benfica fica a depender da capacidade de equipa técnica e dos seus jogadores para dar a volta a um contexto negro.

 

 

Belenenses 2 - 0 Benfica: SADismo!

gedson.jpg

 Há coisas na minha vida que dispensava repetir. Golos fora de horas em Amesterdão, por exemplo. Pior que isso. Após uma derrota com um golo fora de horas em Amesterdão ter que ir ao Jamor e perder. Qual seria a probabilidade de voltarmos a ter duas derrotas seguidas nestes dois estádios? Muito pequena mas aconteceu. É o tipo de coincidências que odeio no futebol. 

Ainda meio encharcado da molha que apanhámos no Jamor, à semelhança da última vez que lá fomos, outra coincidência, está muito difícil de digerir este resultado. 

O Benfica no Jamor fez tudo o que não devia ter feito. Até não entrou mal no jogo mas cedo se viu que a eficácia na hora de finalizar continuava horrível. O expoente máximo foi aquele penalti que Salvio desperdiçou. A partir daí a equipa desligou-se e, muito pior que isso, desconcentrou-se permitindo que o Belenenses saísse de uma complicada situação de poder sofre um golo para ficar a ganhar por dois! Impensável. 

Em poucos minutos o Benfica desperdiçou uma vantagem no jogo, desperdiçou a oportunidade de aproveitar o que de bom apresentou em Amesterdão e desperdiçou o enorme balão de oxigénio que trazia do último jogo no campeonato, a vitória no clássico que tirava o Porto da liderança e colocava o Benfica em boa posição para gerir o topo da Liga. 

Um descontrolo emocional difícil de perceber que levou o Benfica a deitar tudo a perder até ao intervalo no Jamor.

As entradas de Jonas, Castillo e Zivkovic foram só um exemplo de desespero em que a equipa técnica e os jogadores entraram. Apesar de ter havido oportunidade para a equipa marcar, o Benfica nunca esteve perto de empatar o jogo. Aliás, o Belenenses ameaçou mais do que uma vez aumentar a vantagem.

Não foi por falta de aviso, a estreia de Silas nos azuis foi precisamente contra o Benfica no Restelo e já tinha criado muitas dificuldades. Nesse jogo um penalti falhado de Jonas deu lugar a um golo do Belenenses. Lá estão as coincidências. 

Hoje a reacção do Benfica ao penalti falhado foi ainda pior. 

Dantes, quando nestes clássicos tudo corria mal ao Benfica, usava-se o título Pesadelo no Restelo. Agora, Pesadelo no Jamor não serve para nada porque nem rima. Esta jornada para nós é toda surreal. Jogar no Jamor em Outubro, com chuva, à noite, contra uma equipa de futebol de uma SAD que não tem adeptos, que não tem emblema, que não tem história, torna tudo muito, muito estranho.

Mas, que fique claro, que o treinador Silas não tem culpa nenhuma de estar num projecto futebolístico aberrante. Silas continua a mostrar muita personalidade, muita qualidade de jogo e mereceu inteiramente a justa vitória que teve hoje. Não guardou substituições para os descontos, não mandou a sua equipa toda para a frente da baliza nem se pode dizer que tenha abusado do anti-jogo. Silas merecia o Restelo, merecia o carinho de uma massa adepta, merecia um clube a sério. 

 

Hoje, ao Benfica pedia-se uma resposta aquele doloroso golo a fechar o jogo na Holanda. Pedia-se uma vitória para ficar a liderar a Liga sozinho. Pedia-se, se possível, uma exibição agradável. Nada disto aconteceu. 

Olhando para os últimos três anos, com Rui Vitória, arrisco dizer que este foi um jogo à altura do União da Madeira no primeiro ano, do Vitória FC no Bonfim ou do Tondela na Luz na época passada. Para mim, cada um destes jogos foi o pior de cada uma das últimas três temporadas. De todos, este é o que aparece mais cedo na época. Os desaires com o União e Vitória acabaram por não atrapalhar o título de campeão. Mesmo a derrota com o Tondela não impediu que o Benfica chegasse à Champions League. Esta má exibição do Benfica não sei que consequências vai ter mas trouxe um dado novo, a contestação da bancada para com o treinador do Benfica. 

Cabe agora à equipa técnica e aos jogadores darem uma resposta. É que isto hoje foi mau, não há outra maneira de o dizer. 

Espero voltar ao Jamor no dia 26 de Maio. Espero que nessa altura me recorde desta noite como a pior da época. E que não chova, claro. 

Preciso de um banho quente e de recuperar deste pesadelo. 

 

 

 

Ajax 1 - 0 Benfica: Desilusão Arena!

ajax benfica.jpg

O novo estádio do Ajax já se chamou ArenA de Amesterdão. O Benfica jogou lá no torneio da cidade em 2009 e venceu a equipa da casa. Uns anos mais tarde, o Ajax não conseguiu atingir a final da Liga Europa que se disputava no seu estádio. O Benfica perdeu essa final de forma inglória com um golo para lá dos 90 minutos. 

O estádio mudou de nome, agora é um justo tributo ao maior génio do futebol holandês, Johan Cruijff ArenA. Actualmente, é o estádio de uma das equipas da moda do futebol europeu. A qualidade de jogo do Ajax de Ten Hag tem encantado quem gosta de futebol. Uma mistura explosiva de referências que o técnico holandês traz dos tempos de Cruijff mais o trabalho que desenvolveu nas camadas jovens do Bayern dos tempos de Pep Guardiola e um conceito de jogo muito próximo do futebol atacante, bonito e da posse de bola. São estas características do treinador do Ajax. A isto junte-se uma mudança de mentalidade do clube ao optar por manter as várias pérolas jovens do plantel, em vez de vendas milionárias. Falamos de Ziyech, De Ligt, Dolberg ou De Jong, por exemplo. O director desportivo, Marc Overmars, manteve este núcleo de jovens jogadores e juntou-lhes reforços experientes como Tadic, Blind ou Labyad. 

O regresso do gigante holandês à Liga dos Campeões aconteceu esta época com uma normal vitória em casa com o AEK e na 2ª jornada surgiu o empate em Munique que alertou o meio mundo que ainda não tinha reparado na qualidade desta equipa.

Por tudo isto, o Benfica tinha uma tarefa muito aliciante pela frente. Este embate duplo com o Ajax é uma boa montra para o Benfica mostrar os seus jovens e o seu futebol enquanto luta directamente com o adversário para seguir em frente na prova. 

A equipa do Benfica, muito apoiada pelos incansáveis adeptos benfiquistas, esteve à altura do desafio e conseguiu repartir com o Ajax as iniciativas atacantes na primeira parte. Nada de novo aqui, com bola o Ajax é sempre muito perigoso e difícil de parar. Criou muitas dificuldades à defesa do Benfica que contou com mais uma noite extraordinária de Odysseas para manter a eficácia defensiva. 

Sempre que podia, o Benfica explorava a velocidade de Rafa e Salvio e a verticalidade de Seferovic. Fica na memória a bela jogada que deixou Salvio na cara do golo mas o argentino preferiu assistir os colegas em vez de rematar para golo. 

O treinador do Ajax sublinhou no final o prazer que teve em ver um jogo tão aberto, tão disputado e com duas equipas a procurarem o golo. Foi mais verdade na primeira parte do que na segunda mas o Benfica procurou sempre equilibrar o jogo e não abdicar da posse de bola. 

O jogo não merecia um empate sem golos, tinha sido noite para um empate com vários golos ou uma vitória para qualquer lado com muitos golos divididos. Mas com o 0-0 a manter-se, terá passado pela cabeça dos jogadores do Benfica que se não desse para ganhar, tinha de dar para pontuar. Perder o jogo é que não podia acontecer. 

Perder o jogo depois do minuto 90 é doloroso. Perder o jogo com uma bola que Conti tenta cortar e não consegue, logo ele que evitou de forma espectacular o 1-0 na primeira parte, é duro. Uma bola que depois até ia para fora mas Grimaldo tenta desviar e acaba na baliza. Perder o jogo nos descontos, neste estádio onde tanto sofremos naquela final da Liga Europa, parece maldição. Para nós esta é a Desilusão Arena. 

Foi um duro golpe nas aspirações do Benfica em continuar na Liga dos Campeões, no entanto, guardo os bons momentos que o Benfica teve nesta noite europeia, que sirvam de motivação para a segunda volta desta fase de grupos com dois jogos na Luz. 

Sertanense 0 - 3 Benfica: O Futuro Hoje

taça.jpg

 Começou o caminho para o Jamor 2018/19. Tal como nas edições mais recentes da Taça de Portugal, o Benfica voltou a conhecer um adversário inédito para inaugurar o caminho que queremos que dure até Maio. Desta vez, saiu em sorteio o Sertanense do terceiro escalão do futebol nacional. 

Lá veio a velha discussão da data e local do jogo. Já não é novidade para ninguém que estes jogos acabem por acontecer num dia de semana à noite, seguem-se compromissos europeus, e também já ninguém estranha que se jogue em casa emprestada do adversário. Tem sido quase sempre assim nos últimos anos. 

Tal como expliquei há uns anos, por altura do Vianense - Benfica, já não me dou ao trabalho de mudar a logisticamente a minha vida profissional e particular para ir ver um jogo destes em casa emprestada. Se for perto da zona onde vivo ainda me esforço, aconteceu com o Real Sport Clube, 1º de Dezembro ou Sintrense, por exemplo. Mas mais longe do que isso não contem comigo. 

Vi pela televisão e fiquei agradado com o resultado. Mas, especialmente, fiquei  muito contente por ter visto a estreia do Jota e a equipa a acabar com seis jogadores de campo formados no Seixal. O futuro é hoje!

Uma palavra para Svilar que ainda fez uma bela defesa, para Corchia que se estreou com a camisola do Glorioso, para Samaris que jogou como capitão, para Rafa que está a ter um arranque de época muito bom, para Jonas que regressou aos golos, para Ferreyra que não merecia que lhe anulassem aquele que era o segundo golo da época. 

Para os miúdos que foram ao jogo apenas deixo a ideia que todos sentimos que é por eles que passa a nossa felicidade daqui para a frente.

Permitam-me só que diga que ver Jota e Félix na mesma equipa num jogo oficial dos seniores do Benfica é de arrepiar. Isto vai ser mágico a partir daqui, putos!

O mais importante era vencer e mostrar que queremos ir ao Jamor. Os tempos mais recentes mostram que estes jogos nunca trazem goleadas que, às vezes, acabam por ser resolvidos com muita dificuldade. Com o Sertanense foi uma vitória tranquila, natural e descansada. Era o que se pedia. 

 

Quanto ao facto do jogo ter sido em Coimbra há que repensar algumas matérias nesta competição. 

Antes disso, um aparte por causa do equipamento do Benfica: não é possível arranjar calções vermelhos? Pessoalmente, não aprecio a cor preta nos calções.

A FPF tem muito mérito em ter modernizado a Taça de Portugal. Tem tido a capacidade de atrair mais clubes para a prova dividindo prémios de jogo interessantes para as equipas dos escalões amadores mas tem que resolver este problema a partir da 3ª eliminatória. 

A FPF tem que admitir que aprova os campos para as primeiras duas rondas sem grande critério. Eu fui ver um jogo da ronda inaugural no Algarve e posso dizer que o relvado do Olhanense estava horrível. Mas foi aprovada a realização do jogo com o Silves lá. O mesmo Olhanense que há um ano foi para o Estádio do Algarve receber o Benfica. 

É preciso explicar a todos os clubes que chegam a esta 3ª ronda que se calharem com uma equipa do primeiro escalão terão de fazer tudo para operarem um milagre, em muitos casos é disso que se trata, para receberem o jogo na sua casa. Relvados dignos, iluminação, bancadas, zona de imprensa, etc... Para isso teriam de contar com o apoio das câmaras municipais, das juntas de freguesia, da FPF e até dos clubes visitantes. Fazer tudo o que for possível para poder jogar na sua casa e dar sentido à aposta da FPF em obrigar estas equipas a jogarem em casa levando o futebol a cantos onde os clubes mais mediáticos nunca vão. 

Ora, não sendo possível cumprir esses requisitos então que se troque a ordem dos jogos. Porque não? É mais apeticível para jogadores, técnicos e  adeptos irem jogar a um estádio emprestado ou terem a experiência, para muitos única, de visitar o Estádio da Luz? Isto é válido para todas as equipas da primeira divisão. Fazia muito mais sentido proporcionar esse momento do que andar por campos emprestados. Esta é a minha opinião sobre a prova. Eu que guarda na memória com carinho as visitas de clubes como Régua, Ponte da Barca, Cartaxo, Estrela de Portalegre, Riachense, Dragões Sandinenses e tantos outros emblemas que um dia, por capricho de um sorteio, puderam pisar o palco da Luz. 

Depois, só mais duas achegas às regras da Taça. Não gosto do sistema de meias finais a duas mãos mas entendo-o do ponto de vista financeiro. Preferia que todas as equipas das ligas profissionais entrassem logo na primeira ronda do que terem mais dois jogos nas meias finais. A outra nota é referente à repescagem que se faz para a 2ª fase. Devia haver mais critério e não ser sorte pura. Uma equipa que cai nos penaltis merecia mais oportunidades que uma equipa que perde 9-0. 

Mas a Taça já está em andamento e o Benfica já passou o primeiro adversário. Interessa é o foco até ao Jamor.

Benfica 1 - 0 Porto: O Nosso Lema é o de Vencer

_JPT6314.jpg

 O Benfica chegou a este clássico muito pressionado. Demasiado pressionado para uma jornada 7, diga-se. Tudo porque empatou o derby em casa com o Sporting e voltou a empatar em Chaves num jogo cheio de peripécias. 

Depois, foi a segunda parte em Atenas que assustou os benfiquistas e juntou-se a estatística dos clássicos recentes mais o facto do Porto chegar à Luz à frente na classificação. 

A tudo isto juntou-se a lesão de Jardel, a expulsão de Conti em Chaves, dois jogadores que ficaram assim de fora do clássico, e a expulsão de Rúben Dias na Grécia que deixou o universo benfiquista à beira de um ataque de nervos.

Ainda sem Jonas em forma, sem o efeito explosivo de João Félix, adivinhava-se um fim de tarde complicado para o Benfica neste domingo. 

Muitas teorias à volta dos centrais, muitas dúvidas sobre a opção Lema. 

Terminado o clássico e o que mais li e ouvi da parte de adeptos e observadores deixou-me espantado. Ora, em 2018 toda a gente descobriu que se joga muito pouco futebol em Portugal. O Benfica conquistou uma vitória muito suada e importantíssima mas vamos discutir a qualidade de jogo do clássico.

Meus amigos, somar as primeiras partes dos mais recentes jogos Braga - Sporting e Benfica - Porto é obter um resultado de uma mão cheia de nada, em termos futebolísticos. Mas isso já eu sei há muito tempo. Já o digo e escrevo há muitos anos. Aliás, digam-me lá 5 grandes clássicos, cheio de qualidade de futebol a todos os níveis, que tenham acontecido nos últimos, vá lá, dez anos. Não há. E ninguém quis saber disso para nada nunca. 

Hoje, pelos vistos, está tudo muito preocupado com a qualidade de jogo. 

Já aqui escrevi há uns tempos e vou recuperar essa ideia, quando o Benfica começa a jogar eu não quero viver a festa do futebol, nem estou à espera de um futebol tipo Laranja Mecânica. Eu só quero uma coisa, uma vitória do Benfica. E quanto mais monótona, melhor. Um jogo do Benfica é um assunto muito sério na minha vida. A minha vida é cheia de capítulos de 90' que precisam de ser resolvidos com um triunfo. Se for com uma goleada, melhor. Se for com um recital de bola, muito melhor. Mas não perco o foco, o objectivo é fazer um golo mais que o adversário. Apenas e só isso.

Quando eu vejo um guarda redes histórico, como é Casillas, a levar um cartão amarelo aos 20' da primeira parte por estar a retardar a reposição de bola desde o começo do jogo concluo que a vontade de jogar é pouca. O Porto veio à Luz para não perder o jogo e para perder muito tempo útil de jogo. Foi uma estratégia. Mas influenciou directamente o tempo útil de jogo que deve ter tido uma percentagem ridiculamente baixa. 

O Benfica foi a jogo com Lema ao lado de Rúben, Gabriel no meio e Cervi na esquerda. De resto, tudo igual e expectável para este jogo. E foi muito bem. O Lema jogou e não houve drama nenhum. 

Eu sou do tempo das piores equipas de futebol que o Benfica teve na sua história. Anos 90. Sabem quantas vezes o Porto ganhou para o campeonato na Luz na década de 90? Duas. Isto significa que ganhámos jogos que ninguém esperava com equipas onde o Lema era rei e senhor, se jogasse nessa altura. Quando dramatizam as ausências antes de um clássico esquecem aquele jogo de 2009 e todos aqueles em que andávamos muitos pontos atrás na classificação. O Lema jogou e ganhou porque o nosso lema é o de vencer. Ah, e foi expulso. É que as expulsões para jogadores do Benfica estão muito baratas. Por exemplo, o Otávio teve muito que penar até ser reconhecido com um cartão amarelo. Para os homens da casa até saía à primeira falta. 

Houve muita bola pelo ar, muitas faltas, muito tempo perdido, uma equipa mais interessada em ganhar e outra em sair de Lisboa com a vantagem mínima na tabela classificativa. Que novidade houve neste clássico? Nenhuma. Esta é a história da grande maioria destes jogos. 

As boas notícias para os benfiquistas é que a equipa voltou para a segunda parte ainda mais motivada. Sentiu que podia mesmo vencer. Fez por isso. O Estádio acreditou e, por momentos, virou mesmo inferno da Luz empurrando a sua equipa para um golo que Casillas negou, embora houvesse fora de jogo. Aliás, como na primeira parte também um fora de jogo já tinha invalidado um incrível falhanço de Seferovic.

A grande defesa de Casillas a remate de Gabriel fez temer o pior, o espanhol costuma dar espectáculo na Luz. Mas, desta vez, passados poucos minutos aconteceu mesmo golo de Seferovic. Uma pressão alta, muita luta pela bola, recuperação, assistência inteligente de Pizzi e Seferovic a rematar para o 1-0. 

É para isto que eu vou ao estádio. Para viver e festejar o golo. E logo a seguir ficar angustiado por ver que ainda falta uma eternidade para terminar o jogo.

A partir daí é que se viu o Porto interessado em jogar e chegar ao golo mas o Benfica resistiu com confiança e em harmonia com as bancadas. Foi assim até ao fim. À Benfica! 

Naquele estádio ninguém estava incomodado com uma defesa liderada pelo miúdo Rúben, que fez enorme exibição, diga-se. Ninguém desmotivou o Lema, que não merecia acabar o jogo daquela maneira. De certeza que nestas bancadas estavam companheiros que se habituaram a vibrar com golos ao Porto inesperados de Bruno Basto, por exemplo. Ou de Valdir. Ou de Tahar. Passámos por isso tudo e ainda cá andamos. 

Porque raio íamos vacilar hoje? Isto é o Benfica. E há pouca coisa no mundo mais bonita que a harmonia única da Luz entre equipa e adeptos. Hoje houve.

O Benfica ganhou e ganhou bem. Recuperou a liderança e olha para o horizonte com confiança. Há jogadores a recuperarem que vão dar mais qualidade à equipa. Vencer o Porto antes de mais uma paragem na Liga é moralizante. 

Mas não me venham com a conversa da qualidade de jogo do clássico. Há anos que estes jogos passam ao lado das melhores expectativas. Estas partidas não são para exibições, são para ganhar. 

Agora, se quiserem discutir honestamente a qualidade de futebol da Liga NOS de forma séria e aberta, contem comigo. Mas não passa por clássicos e derbys. Se quiserem discutir que, se calhar, tudo isto é reflexo de Portugal se ter tornado um país de adeptos de sofá e de futebol (mal) falado, também podem contar comigo. Mas para olhar para um clássico e torcer o nariz pela sua qualidade, isso não. Aqui as equipas só querem ganhar. Foi assim na Luz, será assim no Dragão. 

Muito saboroso, este triunfo contra um clube que tudo tem feito para abater o Benfica movidos por um ódio visceral e regional que os cega de raiva. O Benfica ganhou. Tão bom. 

AEK 2 - 3 Benfica: Um Profundo Alívio

alfa.jpg

 Vistos e revistos os jogos mais recentes do AEK até esta 3ª feira a conclusão era simples: o Benfica em Atenas só tinha duas hipóteses, ganhar ou vencer. 

Era o que se pedia à equipa de Rui Vitória, entrar no segundo jogo da Champions League de maneira autoritária, assumir de forma convicta o favoritismo e assumir que há muito mais qualidade individual e colectiva na Luz do que algum dia existirá no AEK.

O contexto deste jogo não era o melhor. Pontos perdidos de forma dolorosa no final do jogo de Chaves, baixa de Jardel para os próximos jogos, baixa de Conti para o Clássico que está no horizonte e também influencia pensamentos. A juntar a este quadro uma sequência terrível de derrotas nesta fase da Liga dos Campeões que era urgente travar.

A tudo isto o Benfica respondeu com uma entrada convincente e que nos descansou a todos. Era aquilo que se pedia. Um Benfica forte à procura de chegar ao golo e sem hesitações. 

As apostas do treinador para este jogo foram para Rafa, prémio pelo bom arranque de época, e Conti no lugar de Jardel. Salvio e Gedson regressaram naturalmente aos seus lugares, com Gabriel lesionado e Cervi ficando no banco. 

Foi pelo lado esquerdo que o Benfica deu o mote. Grimaldo sempre muito activo a lançar o ataque descobriu do seu lado várias opções para criar perigo. Foi com toda a naturalidade que o Benfica chegou rapidamente ao 0-2. Seferovic voltou a marcar na Champions e o baixinho Grimaldo fez um simbólico golo de cabeça. 

Estava feito o mais complicado. O Benfica afastava a pressão, deixava os gregos perdidos e mostrava mais eficiência que o Ajax mostrou em Amesterdão quando recebeu o AEK e só começou a marcar na segunda parte. 

Com metade da primeira parte jogada cabia ao Benfica decidir o que queria do jogo. A minha decisão, sentado confortavelmente a ver o jogo à distância na televisão ( a sofrer com a qualidade dos comentários da TVi ) seria de continuar a carregar. Não de forma intensa mas sim de maneira objectiva, tendo bola e procurando sempre aumentar a vantagem. Era a melhor resposta para terminar o ciclo europeu negativo e dava jeito na classificação final ter um saldo bom de golos.

Não sendo possível manter o ritmo, pedia-se então um controlo absoluto do jogo evitando surpresas ou contrariedades. Fico com a ideia que este Benfica ainda precisa de trabalhar muito este aspecto, gerir vantagens, expectativas e controlar bem a posse de bola. O AEK reagiu e até ao intervalo ficava a ideia que o Benfica não se importava de atrair os gregos para o seu meio campo confiando nas saídas rápidas com Salvio e Rafa à cabeça. 

Seria algo para afinar na segunda parte, talvez refrescando as alas, afinal havia Zivkovic e Cervi no banco. Portanto, tudo parecia sobre controlo.

Até que acontece a expulsão de Rúben Dias. Tão desnecessária quanto indiscutível. O jovem central do Benfica não podia nem devia ter perdido o controlo do lance daquela maneira. Primeiro porque já leva mais de um ano a titular no Benfica e, agora na Selecção, depois porque era ele o líder natural da defesa após a lesão de Jardel e, finalmente, porque era tudo o que a equipa não precisava para o segundo tempo.

Entrou Lema, saiu Salvio. Pizzi foi para a direita. Pedia-se concentração, cabeça e foco para reorganizar a equipa. Mas o Benfica que foi para a segunda parte estava no pólo oposto daquele que começou o jogo.

Obviamente que o AEK ia reagir e dar tudo para regressar ao jogo mas não era de esperar uma transformação tão grande que deixou a equipa do Benfica completamente perdida em campo durante largos minutos. Não há explicação para o desnorte defensivo, principalmente a nível posicional, com a equipa a não conseguir ter bola e sempre a correr atrás do adversário. 

O AEK fez o primeiro. O AEK fez o segundo. E quando já se adivinhava o terceiro, apareceu Odysseas Vlachodimos a justificar a sua titularidade. Uma defesa espantosa a negar o hat trick a Klonaridis que já ia festejar a reviravolta no marcador. 

Esse momento teve o condão de fazer regressar a equipa ao jogo. Até aí nada tinha resultado. Nem Pizzi na direita, nem a entrada de Alfa Semedo.

Foi , portanto, o guarda redes a chamar de volta a equipa, Alfa Semedo disse presente e assumiu a bola no meio campo. Correu com a baliza na mente e resolveu rematar cruzado para um golo tão valioso quanto inesperado. Um rasgo individual inspirado naquela defesa fabulosa. A equipa agradeceu e uniu-se, agora sim, de maneira objectiva e determinada. O AEK sentiu o golo e até final a vitória do Benfica não sofreu mais ameaças. 

O objectivo principal foi conseguido, três pontos muito importantes por todas as razões já apontadas. Fim de ciclo negativo na Europa, resposta ao empate de Chaves, ânimo para o clássico, encaixe financeiro e a felicidade de ver um miúdo que já tinha dado um sinal parecido com este na pré época contra o Borussia de Dortmund. 

A diferença entre o Benfica do começo da partida e o da segunda parte é que no final podíamos estar muito mais satisfeitos e até motivados para os próximos duelos e assim sentimo-nos apenas aliviados. Muito aliviados. De respirar fundo e sorrir a olhar para os primeiros três pontos na tabela da Champions. 

Descansar, preparar o clássico e cerrar fileiras para vencer.