Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Red Pass

Tetra Campeões

Red Pass

Tetra Campeões

Bento partiu há 11 anos!

torszene-vl-joao-alves-benfica-ruediger-wenzel-ddo

Sexta-feira, 2 de Março de 2007

O NÚMERO 1 - BENTO

Quando digo que é um choque receber a notícia da morte de Bento estou a falar de um sentimento forte, e que mistura um sentimento de culpa, e uma tristeza enorme. Não é o drama de perder um familiar, é a impotência de vermos um ídolo partir. O sentimento de culpa é porque penso que morreu um homem que tanto influenciou a minha vida, e eu acabei por nunca lhe dizer isso pessoalmente, nem nunca lhe prestei o devido tributo. Nem eu, nem o nosso clube. Bento merecia uma enorme homenagem por parte de todos nós. E essa homenagem haveria de acontecer mais ano menos ano, porque ele estava vivo, trabalhava no clube, e numa altura especial haveríamos todos de fazer uma grande festa ao Bento com livros editados, dvd’s publicados, e ofertas que o iriam sensibilizar. O destino antecipou-se e levou-o antes de tudo isso.

Não quero dizer com isto que Bento tenha sido mal tratado pelo clube, nada disso! Antes pelo contrário, Bento ficou no plantel do Benfica até aos 42 anos de idade, o clube manteve-o mesmo depois da lesão do México. E até anteontem o podíamos ver a treinar os mais novos na Luz. Só que este homem merecia algo à altura da grandeza dele.

Bento foi o Eusébio da baliza encarnada. Eu estimo muito o Pantera Negra, mas nunca o vi jogar, enquanto que, para mim, o Bento confunde-se com o próprio Benfica.
Eu nasci em 1973, Bento chegou à Luz, vindo do Barreirense, em 1972. A estreia foi em Faro a 22 de Abril de 1973, dois dias antes do meu nascimento. Ou seja, eu nasci já o Bento era o nosso guarda redes!
Mas nessa altura a baliza encarnada era de José Henriques, e Bento teve que esperar pela época de 1976/77 para ganhar a titularidade definitiva. 
Eu comecei a viver o Benfica quase no berço, o padrinho da minha irmã ia sempre à Luz, eu ainda hoje vivo bem perto da Catedral e por isso comecei a acompanhá-lo. Depois, havia o meu querido avô que vibrava como ninguém com o Benfica, e que desde sempre simpatizava com a irreverência do Manel. Bem influenciado foi com naturalidade que comecei a olhar para tv quando o Benfica jogava, e tinha eu 4 anos quando uma imagem me marca para sempre. Estávamos em Setembro de 1977 e o Benfica jogava a 2ª mão de uma eliminatória da Taça dos Campeões em Moscovo. Depois de dois empates a zero, com Bento a defender tudo o que o Torpedo chutava, o jogo foi até aos penaltis. Bento defendeu o primeiro, o segundo foi para fora, o terceiro entrou, entretanto o Benfica tinha marcado todos. Quem é que quis ir lá marcar o 4º, e decisivo, penalti? Manuel Bento, claro! Chegou lá e não falhou.
Aos olhos de uma criança de 4 anos é uma loucura, um guarda redes que defende tudo, e ainda marca golos?! Estava encontrado um ídolo admirado por muitos e muitos anos.

Depois foi crescer, aprender o que é o Benfica, estar cada vez mais perto do clube, ver centenas de jogos na Luz e ter sempre uma âncora: Bento. 
Para mim não havia dúvidas, o Benfica começava no número 1, o resto vinha por acréscimo. Daí até querer seguir os passos do capitão foi um tirinho. Na altura as nossas brincadeiras resumiam-se a jogar à bola de manhã à noite na rua. Eu não hesitava, a baliza era minha. Isto é, o espaço entre dois calhaus no chão era meu. Como não podia deixar crescer o bigode, e não tinha caracóis tinha que adoptar outra característica para mostrar a minha marca Bento. Então lá andava eu a defender sempre com os braços em arco bem afastados do corpo e ligeiramente inclinado para a frente, imitando na perfeição aquele jeito castiço que Bento tinha quando caminhava. E, claro, as grandes birras com a minha mãe para ela me comprar a camisola Adidas azulada que o Galrinho usava. Consegui convencê-la.

Discussões com os amigos naquela altura eram inúteis, eu tinha o Bento não havia maneira de não os calar sempre. Uns atiravam com o grande Manel Fernandes, ou Jordão, outros idolatravam o grande Gomes, mas eu nem precisava de avançar no terreno e evocar Nené, ou Filipovic, ou Maniche... Não era preciso, para os grandes avançados dos rivais uma palavra: Bento. E pronto, acabava a discussão sobre melhores e piores.
Que melhor incentivo, e lição de garra, pode ter um miúdo de 9 anos ao ver como Bento reagiu a um toque de Manel Fernandes em Alvalade com o resultado em 1-1? Estava ali tudo o que um puto precisa de saber. Se estou deitado com a bola na mão, e o adversário me pisa, mesmo que por acidente, um gajo tem é que se levantar e ir atrás dele e aviá-lo logo ali! Mais nada. Ok, foi para a rua e perdemos 3-1, mas a lição estava dada. Pelo menos comigo funcionou, nunca mais deixei de mostrar os meus argumentos físicos em qualquer confronto.

Ter o Bento na baliza era um descanso de valor incalculável. Os jogos sucediam-se e raramente o via a ir buscar uma bola ao fundo das redes. Na Luz passava muito tempo a olhar para ele quando o jogo estava no outro lado do campo. Bento não parava quieto, corria o tempo todo de um lado para o outro na sua grande área. Estava a aquecer, aprendi eu com os jornalistas da altura. Isto para quando fosse preciso estar preparado para defender. E resultava. Nunca mais vi um guarda redes a aquecer daquela maneira durante os jogos. A maneira como batia com as chuteiras contra os postes da baliza para tirar a terra era única. Eu queria usar chuteiras só para poder imitar aquele movimento.
Depois havia uma imagem de marca espectacular. A maneira como Bento lançava ataques colocando a bola onde queria, no companheiro que queria só com a força do braço e perícia da mão. Os lançamentos à mão do Bento eram impressionantes. Nunca mais voltei a ver tal coisa. Da mesma maneira que um pontapé de baliza dele quase sempre resultava em ataque nosso.
Depois havia os recitais entre os postes, e fora deles. Saltava mais alto que todos, atirava-se para os lances mais confusos com uma convicção incrível. E nos penaltis tínhamos sempre grande esperança que ele fosse lá buscá-la. 
Há um penalti na Luz a favor do FC Porto que podia dar a vitória aos azuis. Gomes vai marcar. É preciso dizer que Gomes foi o melhor ponta de lança português que eu vi jogar, por isso quando o via a correr para bola o meu coração quase que parava. Bento defendeu, e como se não fosse nada com ele preocupou-se logo em lançar a bola para o contra ataque. 

Bento tinha tanta classe que até nos golos sofridos era uma figura! A imagem era sempre a mesma, um golo sofrido por Bento significava que nos segundos a seguir íamos ter direito a grande correria do nº1 em direcção ao fiscal de linha, ou do árbitro, ou do primeiro companheiro de equipa que apanhasse à frente. A culpa nunca era dele. Nunca! E não era mesmo.
Porque quando a culpa era do Bento então aí era coisa em grande, à séria. Das raras vezes que resolvia enterrar eram momentos épicos de tão raros. Pela Selecção levou 5 da União Soviética em Moscovo. Foi da alimentação. Em Anfield Road levou 3 do Liverpool. Foi da iluminação. Na Luz levou 4 do Liverpool. Bem aí foi do... Rush!
Só que no jogo a seguir, não só recebia monumentais ovações do 3º anel, como rubricava fabulosas exibições. Essas são as mais fáceis de serem lembradas; Estugarda, França’84, o jogo que fez no México 86, na Escócia pela Selecção, em Roma, muitas nas Antas, muitas em Alvalade, e quase todas na Luz.

A minha primeira duvida existencial aconteceu aos 11 anos. Convenhamos que aos 11 anos nenhuma criança tem dúvidas existenciais. Pois bem, eu tive e confrontei a minha mãe com ela. Perguntei-lhe uma noite antes de adormecer, e depois de mais uma tarde gloriosa passada na Luz, o que ia acontecer ao Benfica quando o Bento deixasse de jogar?! Ninguém me soube responder. Fiquei sempre com essa angústia no meu subconsciente. O meu problema não eram os anos seguintes, sim porque eu sabia que o Bento ia durar até eu ser adolescente, ele não se lesionava, muito raramente ele perdia um jogo. Para mim era tão natural ter o Bento em campo como estarem lá as balizas, ou os postes com as bandeiras dos clubes a jogar atrás da baliza. Mas quando ele saísse?!
Assim foi uma forma de me preparar para esse dia, nunca me tinha passado pela cabeça como seria depois de ele morrer. Isso nunca me passou pela cabeça.

A verdade é que em 1986 ele tem a lesão, até aí foi coisa em grande. Uma lesão a sério, à Bento! Pé partido. Pronto, estava levantado o drama.
O Benfica tal como eu o conheci, e como me foi apresentado tinha acabado, porque esse era o “Benfica do Bento”. A partir daí foi assistir ao esvaziamento da tal mística benfiquista, e ver a baliza encarnada desprotegida. Ver o Silvino a titular não fazia sentido. O Silvino jogava no Setúbal, e no Aves!! Como era possível ir para o lugar do Bento?! O Neno era bom moço, mas também não convencia. Esses dois juntos não faziam um Bento. E depois? Ver o Bossio naquele lugar dava vómitos. O único que dignificou o nosso nº1 foi o belga Preud’Homme. Mas não foi melhor que o Bento, nem pensem nisso! O Bento foi o melhor, e o único à sua altura foi o Damas.

Sorte tem o meu avô que agora tem do lado dele os dois melhores guarda redes que eu vi jogar, só que os derbies que vão fazer do outro lado vão todos acabar zero a zero. Com o Bento a protestar muito.
Muito obrigado por tudo Bento, até sempre.

Paços de Ferreira 1 - 3 Benfica: Nem o anti Jogo do Veríssimo Resistiu à Revolta dos Campeões!

_JPT3877.jpg

Que jornada épica de benfiquismo. Depois da ida ao Algarve, há duas semanas, regresso às viagens até ao norte do país. 

Comecemos pela parte mais pessoal que é a viagem entre amigos. Saída de Lisboa pelo meio dia e paragem combinada para um almoço de sábado que abria muitas expectativas. Desta vez, o destino foi Palmaz. Antes de Oliveira de Azeméis e pelos caminhos tortos entre árvores junto ao rio Caima. Em Palmaz, a recepção entusiasmada, amigável e carinhosa que as gentes do norte tão bem sabem proporcionar. O restaurante Café Convívio tem uma belíssima vista e uma oferta gastronómica maravilhosa.

O vinho verde à pressão e o tinto da casa, ambos muito eficazes na arte de acompanhar pratos que merecem um lugar de destaque na nossa vida só por existirem. Carne de Vitela do outro mundo, daquela que se desfia quanto cortamos e com um sabor incrível, um polvo à lagareiro dos melhores que já provei e um bacalhau, que confesso envergonhadamente que não cheguei a provar tal foi o tratamento que dei à Vitela e ao polvo. 

Dezenas de benfiquistas à mesa, em Palmaz, distrito de Aveiro, a deliciarem-se com a gastronomia local, a conversarem sobre o que os une nesta vida, gente que vem um pouco de todo o lado, amigos do dia a dia, aqueles que só vemos por causa do Benfica, companheiros que conhecemos por causa destes convívios, outros que são do norte e até um grupo motivado pela despedida de um companheiro que vai ter que abdicar destes dias históricos por força de ir viver para o outro lado do mundo, um grande abraço ao J.M.. 

 (clicar para ver mais)


Com o objectivo de almoço cumprido, a viagem entre Palmaz e Paços de Ferreira fica fácil de fazer. Passa num instante aqueles quilómetros até à Capital do Móvel. 

Chegar cedo, ainda com a luz do dia, ir conviver até ao espaço de restauração junto ao Estádio, na prática falo de uma concentração de roulotes, reencontros com mais benfiquistas, beber umas cervejas, conversar, sentir o nervosismo do jogo a chegar. 

O Estádio Capital do Móvel, para mim será sempre Mata Real, cresceu e modernizou-se bem. Três bancadas cobertas, uma nova e para meu azar, outra de condições precárias que é sempre onde tenho de ficar. 

 

Vamos ao jogo. 

Começou mal. A entrada do Benfica não foi convincente a entrega dos jogadores do Paços estava no nível máximo oposto do que vimos os do Estoril fazer a meio da semana e adivinhou-se logo muitas dificuldades para o Benfica.

Para complicar mais o cenário, o Paços de Ferreira faz um golo construído pelo lado esquerdo da defesa do Benfica, que tem sido o sector mais promissor.

Com o Paços a ganhar, o Benfica a não conseguir impor o seu jogo, com a bola longe da área do Paços começou a apareceu um terceiro elemento no jogo que me surpreendeu pela lata evidenciada.

Quem me lê sabe que raramente perco muito tempo com árbitros. Pois bem, hoje sou obrigado a dedicar um bom trecho a este Veríssimo.

Já me aconteceu sair de estádios com aquela sensação inútil de ter sido prejudicado pela arbitragem. Já aconteceu a todos os adeptos de futebol, acho eu. O que nunca me tinha acontecido foi sentir que estava ali um tipo que, teoricamente, só tinha de ser isento, mas que tirou a noite para gozar com a minha cara. 

Falo do sorriso com que olhava em volta enquanto o Rafael Defendi perdia tempo a bater todo o tipo de bolas paradas, por exemplo. Aliás, o brasileiro acabou o jogo sem ver um cartão amarelo e conseguiu tirar bastante tempo útil de jogo. Por falar nisso, há alguém que tenha acesso ao tempo útil desta partida, quantos minutos houve de futebol na Mata Real? 

O Veríssimo conseguiu amarelar Zivkovic aos 16 minutos mas precisou de mais de uma hora para mostrar um cartão a um jogador do Paços, isto apesar da reincidência faltosas.

O Veríssimo deu um show de bem gozar connosco na 2ª parte. Consegui esquecer-se de levar o spray da marcação de faltas, fez de tratador de relva, arranjando um pedaço na área do Benfica enquanto Varela esperava para bater um pontapé de baliza, chamou um GNR para dentro do relvado, não me lembro de ter visto tal coisa até aqui, andou preocupado a recolher objectos do relvado para depois ir entregar na linha, punha a conversa em dia com os jogadores do Paços enquanto esperávamos um eternidade pela marcação de faltas, dialogava imenso fazendo o jogo estar parado em vez de se preocupar em ter a bola a rolar, mostrou estar perdido em algumas paragens quando já nem sabia como devia recomeçar o jogo, teve problemas com as comunicações, com o apito e com os auriculares. Bolas duvidosas na área do Paços esbracejava logo com vigor abanando a cabeça para ninguém ter ideias de ir ver se houve mão ou não. 

Enfim, como dizia o companheiro R.S. ao meu lado, foi a primeira vez que tivemos direito a um árbitro a fazer anti jogo! Nunca tinha visto tal coisa. Não me esquecerei.

  (clicar para ver mais)

Estou convencido que foi precisamente na atitude do Veríssimo que começou a reviravolta do Benfica. Uma equipa de futebol pode desmoralizar por perceber que não está nos seus dias, por sentir que do outro lado o adversário está intransponível mas nunca fica indiferente ao sentir que estão a gozar com o seu trabalho. E como tudo estava a ser demais começou a sentir-se que era preciso apertar. As duas bancadas nos topos do Estádio estavam pintadas a vermelho e também fizeram o seu papel, empurrar a equipa de uma forma arrepiante. 

Falta só expor a parte que falta nesta miserável jornada de futebol. A atitude dos jogadores do Paços de Ferreira. Nem falo do pobre coitado Micael, que é só um frustrado mal educado e esquecido. Falo da obsessão com que os castores passaram a não querer jogar descobrindo todas as formas possíveis de parar o jogo. Aí ajudados pelos apanha bolas, por imbecis que atiravam bolas para dentro de campo com o jogo a decorrer, mesmo à terceiro mundo, e por um público absolutamente triste, sem identidade e que só está ali disfarçado de adepto do Paços quando na verdade são quase todos portistas fanáticos e anti benfiquistas primários. Daí mostrarem os cinco dedos no final da partida, daí até gritarem Porto, dentro e fora do estádio. Pobre e coitado clube com adeptos sem personalidade nem ligação local. É um passatempo a tentar roubar pontos a um rival, nada mais que isso. Não consigo respeitar um clube com uma alma tão vendida, lamento.

 

O nosso Benfica reagiu à campeão. Estava difícil Jonas fazer o que sabe. Esteve perto mas foi preciso esperar pelo minuto 72 para soltar toda a revolta acumulada. Aliás, não deu para soltar tudo. Foi só um festejo rápido a sentir que o melhor vinha a seguir. 

Todos sentimos na bancada que ia acontecer reviravolta, que depois de mais de uma hora a ficar com o coração mais gelado que os pés, o que é obra derivado daquele frio polar de Paços, chegava o momento do Tetra Campeão explodir com tudo à volta, anti jogo, palhaçadas, verisssimos, e pobres de espírito. O Capitão Luisão deu o mote fora do banco a incentivar o povo que nunca lhes vira costas, Raul já tinha entrado para revolucionar aquele ataque, Sferovic também já lá estava dentro, Jonas estava mortinho para activar aqueles dois vulcões vermelhos atrás das balizas e aos 88', no auge da podridão do anti-jogo abençoado pelo Veríssimo, Seferovic entrega a bola ao Pistolas que dispara e entrega-se a todo um festejo cheio de classe mesmo ali à nossa frente. O vulcão rebentou, o banco explodiu de alegria e correu para os titulares, os antis sentiram a força que os faz odiarem tanto o Benfica, a bancada central começou a ficar despida por gente cabisbaixa que não aguentou sentir a fúria da revolta dos campeões. 

E como o 1-2 fez cair a máscara a duas equipas que só se preocuparam em não jogar ainda houve tempo e espaço para Rafa fechar tudo em delírio com 1-3.

Rafa vem pela nossa esquerda, vira para dentro, está enquadrado com a baliza e antes de rematar oiço um companheiro na bancada já a festejar: "Mereces tanto, Rafa"! Rafa chuta para o meio da baliza e marca. Se isto não vale um dia inteiro na estrada, ficar em pé gelado 90 minutos e ficar sem voz, então nada vale a pena.

Isto é o Benfica. Sei que poucos entendem, entendo que muitos invejem mas ninguém pode achar que consegue parar esta forma de viver só porque não gosta. 

Poucas coisas sabem melhor que aquela sandes de leitão da Área de Serviço da Mealhada no triunfante e cansado regresso a casa. Sim, é preciso pedir um empréstimo bancário para pagar um repasto daqueles ali mas sabe pela vida.

Seguem-se dois jogos na Luz. Façamos a nossa parte.

 

 

Benfica 4 - 0 Boavista: Com a Mesma Dignidade de 2002

_JPT2550.jpg

Como é difícil manter a sanidade mental nos dias que correm fugindo de todas as maneiras possíveis à espuma dos destaques da imprensa. E não só imprensa desportiva mas sim da imprensa global. Um sábado com um clássico Benfica - Boavista foi dominado pelo gestor do maior circo que o futebol português já viveu. E o que devia ser desprezado e problema de associados e adeptos de um só clube passa a ser o destaque nacional com capas de jornais, directos em canais privados e públicos, e assunto do país. Todos querem saber se são citados pela figura maior do lodo em que tudo isto se transformou. E são, claro. Meios de comunicação, jornalistas, comentadores, rivais, vai tudo a eito. E , pelos vistos, todos adoram e dão eco a tudo aquilo. 

Antes que comecem já a responder que aqui se está a fazer o mesmo tenham a bondade de dar o beneficio da duvida e perceber o porquê desta introdução, pedindo, mesmo assim, desculpa por abordar um tema tão lamacento.

É que aquilo que não se ouve, nunca se ouviu e nem se vai ouvir naqueles monólogos delirantes é a explicação do facto sobre o qual o último clube a ganhar um campeonato nacional sem ser o Benfica ou o Porto pôde festejar sem jogar. Se calhar, muitos já não se lembram, outros nem sabem, que a última vez que um clube de Lisboa sem ser o Benfica, venceu a Liga foi porque o Benfica cumpriu o dever de vencer o Boavista na penúltima jornada da temporada 2001/02. O Benfica ia terminar a Liga em 4º lugar, já não lutava por nada mas jogou para ganhar mesmo sabendo que a vitória tornava o clube vizinho campeão. Assim o fez. Sem complexos, sem dramas, percebendo que se vivia um ciclo anormal na história gloriosa do Benfica que será por muito e muito tempo o clube com mais campeonatos ganhos, com mais Taças de Portugal ganhas e até com mais Taças da Liga ganhas. Não se pode vencer sempre, como esse ciclo de 2002 mostrou bem mas não se pode perder a dignidade. 

Portanto, a última vez que foram campeões a sério, não falo destes delírios de acrescentarem títulos à conta de pára quedistas, festejaram, celebraram, entraram em clima de festa no dia seguinte na semana seguinte contra o Beira Mar em casa (já que contra o Vitória em Setúbal não foram além de um empate), tudo porque o Benfica venceu o Boavista. O Benfica entregou o último título de campeão ao Sporting. Não vejo ninguém recordar isto. E recordo que nesse tempo o Sporting, ou o seu Presidente, não tinha o tempo de antena absurdo em toda a comunicação social que hoje tem. Na altura vencia, agora faz barulho. Na altura o Benfica não era uma obsessão tão grande como hoje porque até lhes entregava campeonatos. 

 Dezasseis anos depois, o Benfica é Tetra campeão e recebe o Boavista na Luz num contexto complicado com um historial recente de resultados negativos contra os axadrezados. Hoje como há dezasseis anos, o foco era ganhar. O foco é reunir a nossa gente, encher o nosso estádio, vibrar com a nossa equipa de futebol, celebrar mais uma vitória e sentir o entusiasmo de momentos do jogo vibrantes.

Novamente, a dupla de centrais a marcarem no mesmo jogo na Luz. Ruben Dias a assumir o seu glorioso destino no clube ao abrir o marcador e depois Jardel a dar tranquilidade no resultado antes do intervalo. Para Jardel uma palavra de conforto já que dedicou o seu golo ao falecido avô. 

Ver a cumplicidade entre Grimaldo, Cervi e Zivkovic faz-nos sonhar com mais um fim de época épico. Jonas foi a jogo mas não foi feliz quando foi chamado a cobrar um penalti que dava o 1-0. Foi importante mas ficou em branco.

As ausências de Krovinovic e Salvio podiam ser dramáticas mas a verdade é que Rafa e Zivkovic estão a aparecer com vontade de os fazer esquecer e manter a dinâmica de vitórias da equipa. 

Ontem na Luz, os 4-0 espelham bem o estado de espírito da equipa e da multidão que a apoia. O golo de Raul Jimenez é simbólico por vir do banco e dar ideia que a equipa quer mais e está mais focada que nunca. O facto de ter sido aos 90 minutos foi um maravilhoso castigo para a malta que vira costas ao jogo e abandona o estádio antes de ouvir o Ser Benfiquista e aplaudir a equipa no final do jogo. 

Pessoal, agora a sério, onde é que vocês vão com tanta pressa a partir dos 70 e muitos minutos? O que é que há lá fora assim de tão importante que eu não saiba? Caramba, é o Benfica que está a jogar, ainda por cima a golear, o que é que há assim de tão importante que supere o prazer supremo de ver o Benfica na Luz? Nunca conseguirei entender. Por mim, ganhávamos os jogos todos por 3-0 com golos aos 89, 91 e 93 minutos só para lixar a malta que sai antes do final. 

Foi um jogo de ironia profunda, pois o Boavista leva uma bela série de golos marcados em lances de bola parada e na Luz sofreu desse veneno, além de ter sido uma bonita maneira de acabar com os maus resultados contra o Boavista.

Com a dignidade de sempre, com o foco do costume, sem distracções da imensa poluição sonora ali dos vizinhos e com a possibilidade da família benfiquista passar um santo domingo na frente do campeonato enquanto prepara a ida a Paços de Ferreira.

 

Portimonense 1- 3 Benfica: Campeões Europeus dos 3 Pontos

27654559_10159995907295716_3473427850252605202_n.j

 Segunda viagem ao Algarve esta época, coisa rara nas épocas futebolísticas nas últimas décadas. Encontro com benfiquistas do sul que nos encaminharam para uma experiência gastronómica que merece ser destacada a abrir a crónica.

Dizer que não se come bem, a não ser franguinho da Guia, e o atendimento no Algarve não é simpático tem aqui uma forte oposição.

Em Boliqueime existe um restaurante chamado O Lavrador que tem uma decoração bem rústica e com um espaço bem aconchegante com duas lareiras a aquecerem a sala.

O cicerone Luís tem enorme orgulho nos produtos caseiros e serve chouriças, queijo amanteigado e seco, torresmos divinais e outras iguarias que davam logo um belo almoço. Mas são só entradas para abrir apetite ao cabrito em forno de lenha e polvo à lagareiro. Tudo impressionantemente bom. Sobremesas regionais e um medronho do outro mundo.

Tão satisfatório que o bom do Luís propôs colocar a disposição duas carrinhas para nos levar dali ao estádio e trazer de volta após o jogo. E como tudo acabou bem em Portimão voltámos à carga no Lavrador pela madrugada fora. Lulas, javali, costeletas de porco preto. Enfim, um dia inesquecível. Malta do Algarve, em Boliqueime há ouro. Não hesitem.

 

De alma e estômago bem aconchegados e envolvidos no mar vermelho que invadiu o estádio do Portimonense nada melhor que começar o jogo com o golo de Cervi e ficar na frente do marcador. Uma óptima forma de regressar a Portimão tantos anos depois para o campeonato.

Jogo a correr bem mas com o Portimonense a mostrar que não ia ser uma noite descansada.

Na 2ª parte um momento de pânico com a saída de Jonas. Primeiro sinal negativo da noite. Segue-se o golo do empate e de repente o encanto da viagem ao Algarve perde-se nas bancadas.

Por falar em bancadas, vamos lá esclarecer aqui algo que não considero chocante, antes entendo como normal.

O jogo está empatado, a perda de pontos no horizonte e, de repente, umas filas abaixo na bancada onde estou oiço alguém histérico e claramente feliz a gritar: Portugal ganhou o Europeu!

Recordo que faltavam poucos minutos e o Benfica estava a perder pontos.

Se uns minutos antes uma entidade superior me pedisse para escolher entre o Benfica ganhar 3 pontos e Portugal um Europeu de futsal, não havia um segundo de hesitação para escolher os 3 pontos.

Mas isto não é nada contra o futsal, que aproveito para elogiar e salientar o papel dos jogadores do nosso Benfica. É que se me perguntassem se preferia os 3 pontos ou acabar com a fome no mundo, eu preferia ganhar em Portimão, obviamente. Para mim, é esta a ordem lógica da vida.

 

Posto isto, chegou a vitória do Benfica na recta final. Meu querido Cervi, marcou a abrir e cobrou aquele livre directo ali na minha frente em forma de poema e pintura clássica ao mesmo tempo. Que maravilha. E no fim Zivkovic eleva o nosso fim de semana para contornos épicos. Até abriu o apetite apesar do que foi ingerido ao almoço.

Jogo muito complicado, muito boa réplica do Portimonense, campo bem difícil onde os triunfos têm que ser muito trabalhados.

Grande vitória do Benfica. Precisamos de recuperar Jonas e pensar em ganhar ao Boavista porque a nós ninguém nos dá nada. Estamos na luta.

Que o Portimonense se mantenha por cá muitos anos, o Algarve merece jornadas destas.

Benfica 5 - 1 Rio Ave: Inspiração na Baliza Grande

_JPT0200.jpg

Entre o dia 4 de Fevereiro de 1985 e o dia 4 de Fevereiro de 2018, nasceu Rúben Dias em 1997.

Em 1985, num fim de semana como este, eu tinha 11 anos e apressei o fim do almoço familiar. Para espanto dos meus pais, o motivo era um jogo do Benfica. Um jogo da Taça de Portugal que , tal como agora, passava sempre para segundo plano quando o adversário era de divisões inferiores. Eu expliquei que ia pelo Benfica e que não interessava contra quem era. Até que a minha mãe perguntou afinal com quem era o jogo. Régua, respondi de imediato. 

Pelo silêncio e pelo ar preocupado percebi que os meus ficaram preocupados. A partir dali deixaram de estranhar as idas à Luz. 

Esse jogo com o Régua aconteceu no mesmo dia desta partida com o Rio Ave. Foi uma tarde divertida, havia muita gente que da Régua nas bancadas, os equipamento da equipa da 3ª divisão eram originais, camisola com o desenho da bandeira municipal de Lisboa mas em vermelho e branco o que obrigou o Benfica a jogar com o lendário equipamento branco adidas da Shell. 

reguaveloso.jpg

 Dei conta desta efeméride ao preparar o jogo com o Rio Ave e isto fez-me viajar no tempo. Como tenho a felicidade de conversar com craques daqueles tempos, antes da partida de ontem puxei conversa com o José Luís sobre esse jogo. Ele foi titular com o irmão, o Jorge Silva que até fez o primeiro golo, e sorriu quando lhe mostrei imagens do jogo. Fotografias que o ilustre benfiquista Francisco Araújo, de Arcos de Valdevez, me fez chegar depois de lhe perguntar se ele tinha alguma coisa sobre aquele dia. O Francisco tem sempre algo sobre qualquer jogo do nosso clube. É uma reserva enciclopédica que foi ainda mais longe. Contou que o guarda redes do Régua dessa tarde é benfiquista ferrenho e costuma vir à Luz ver o Benfica! 

 

Em 1997 já estávamos longe dos tempos gloriosos dos anos 80. Já tinha passado muito tempo daquele Benfica - Rio Ave de 1986 num sábado à noite, que era um acontecimento por ser à noite e que só acontecia em vésperas de compromissos europeus. Eu adorava os jogos à noite, aquelas torres de iluminação acesas, os jogadores com quatro sombras projectadas no relvado, o orgulho de termos a luz mais potente do país e uma das mais eficazes da Europa. Depois banalizou-se, como se sabe. 

Nessa recepção ao Rio Ave de 1986, já com Silvino na baliza, o meu primeiro ano pós Bento, o Benfica venceu por 3-1 um aguerrido Rio Ave que quase sempre se mostrou ambicioso nestes confrontos. Depois fomos a Bordéus e não demos a volta ao 1-1 da Luz, perdemos 1-0 e caímos na Europa.

Em 1999, já Rúben Dias era nascido, e nosso Vietname ganhava contornos dolorosos, voltámos a repetir o 3-1. Era o arranque da 2ª volta com Souness e Vale e Azevedo, com Nuno Gomes (vão ver o Conversas à Benfica com ele)  a marcar um golo e a falhar um penalti, com Cadete a fazer o 2-1, com o Benfica a jogar em casa de camisola preta e calções vermelhos e com um tal de Pepa a entrar nos minutos finais para fazer o 3-1 deixando a Luz em delírio e a acreditar que ia chegar ao titulo.

Em 2009 com Quique Flores o Benfica só tinha vencido um campeonato desde o jogo de 1999. Corria atrás do primeiro lugar já na 2ª volta do campeonato e para vencer o Rio Ave foi preciso chamar Pedro Mantorras, o jogador do povo como Hélder Conduto lhe chamou nessa noite no relato para a RTP. Mas ainda não foi naquela época que o Benfica voltou a festejar um campeonato. Faltava-nos qualidade e jovens que sentissem o clube desde cedo.

Faltavam-nos jogadores como Rúben Dias que em 2018 são titulares naturais do Benfica e participam numa reviravolta épica num jogo com o Rio Ave.

 

Foram dois jogos e meio a sofrer com este Rio Ave. Só ao fim de dois jogos e meios é que o Benfica 2017/18 conseguiu dar a volta ao futebol dos vilacondenses. Fê-lo com força e à campeão. Aquela segunda parte faz-nos sonhar mas também nos faz pensar porque é que não pode ser sempre assim e, de preferência, logo de inicio nos jogos.

 

 

 

De 0-1 para 5-1 em 45 minutos. Golos todos marcados na Baliza Grande da Luz. Também só foi possível alimentar o mito da Baliza Grande porque o Rio Ave respeita a ordem natural de ataques do Estádio da Luz, ao contrário de outras equipas de verde, diga-se.

 

A conclusão a tirar desta goleada é que a atitude, a dinâmica, a motivação e o empenho, são mais importantes que qualquer 4-3-3 e que não é só por um jogador estar ausente que devemos sofrer com a questão da sua substituição. A maneira com que se abordou a 2ª parte é que é determinante, se foi com o Zivkovic ou com o João Carvalho, acaba por ser secundário. Mesmo porque deu para jogarem os dois e até foram os centrais a darem o exemplo de como se finaliza na área de cabeça.

 

Vou repetir o que disse sobre o Belenenses do Silas, o treinador do Rio Ave merece a boa imprensa que tem, merece elogios pelo seu futebol mas se não lutar com os seus jogadores para que estes não caiam na tentação do anti jogo com perdas de tempo primárias nunca poderá ter o cenário todo positivo. 

 

O sentimento de satisfação de uma vitória do Benfica é sempre o mesmo, seja contra o Régua em 1985, seja contra o Rio Ave em 1999, seja em plena luta pelo Penta, o que nos tem que interessar é sempre o Benfica. 

O golo do Rúben Dias festejado ali no Topo Sul da Luz com ele a bater no emblema e a olhar para os seus é um grande momento. Mesmo assim guardo com mais carinho o primeiro dele pela equipa principal, foi no Bonfim e os que lá estavam sabem como foi especial.

 

Viajar com o Benfica ao longo do tempo é um privilégio de uma vida.

 

PS: agora não se esqueçam de irem investigar a Taça de Portugal de 1985 por causa daquilo do guarda redes do Régua...

Belenenses 1 - 1 Benfica: Jonas Num Mal Menor

27173580_10159941220670716_8190434523971453075_o.j

 Sinto-me como naquela noite em que empatámos na Madeira com o União em Dezembro no caminho do Tri. Esperava muito mais no Restelo, pensava que a equipa ia embalar com o extraordinário apoio vindo das bancadas, mesmo com bilhetes a 30€ num 2ª feira à noite às 21h!

Quis acreditar que aquela triste imagem que ficou do final do jogo com o Chaves, com a lesão de Krovinovic, ia dar lugar a uma resposta forte dos seus companheiros e que a equipa não iria sentir assim tanto a sua falta.

Afinal, o Benfica esteve uns furos abaixo do que se viu nas últimas jornadas e o seu futebol atacante esteve quase sempre previsível. Só com passes a apelar à velocidade individual é que resultavam em perigo. Não se viu aquele fulgor atacante e é impossível não relacionar isso com a ausência de Krovinovic. Mesmo porque esperava que João Carvalho e Pizzi dessem conta do recado de caras e não aconteceu bem assim.

De qualquer maneira, na 2ª parte o Benfica fez o suficiente para chegar à vantagem. Primeiro com um penalti desperdiçado por Jonas, depois com uma jogada que Cervi não soube finalizar. A tal eficácia que já nos custou pontos na primeira volta. E depois o "Karma" do quem não marca sofre. Tal como no Bessa ou, mais recentemente, em Vila do Conde. O Belenenses chega ao 1-0 depois de ter estado mesmo perto do K.O..

Valeu ao Benfica uma atitude de acreditar até ao fim que valeu salvar um ponto com Jonas a marcar com mais facilidade um livre directo do que o penalti.

Vamos ver que danos reais são estes no futuro com a perda de dois pontos no Restelo.

Uma palavra para Silas. Eu até simpatizo com a figura e a atitude ambiciosa do Silas mas os jornalistas deviam ter confrontado aquele discurso pós jogo de estar numa clube grande que joga para ganhar, que nem tem de aceitar o empate e tal com a postura da sua equipa em campo o jogo todo. O Belenenses teve com primeira preocupação perder tempo. Começou no primeiro tempo e no segundo abusou. Então aquela queda do guarda redes sozinho na sua área enquanto o Benfica atacava foi escandalosa. Desculpa lá, Silas, mas se queres mesmo usar esse discurso então apresenta um futebol sem esses truques baixos de perda de tempo mesmo que com a ajuda do árbitro que nada fez para contrariar esse anti jogo.

 

Benfica 3 - 0 Chaves: Final Infeliz de Krovinovic

_JPT6921.jpg

 Das dúvidas que havia para este jogo, por ausência forçada de André Almeida, imperou o bom senso de Rui Vitória em não querer mudar a estrutura do meio campo para a frente de uma equipa que custou a montar durante a primeira parte da época. Assim, avançou Douglas para defesa direito, fez a sua estreia na Liga NOS, e manteve-se aquele que tem sido o onze habitual  dos últimos jogos.

A equipa voltou a entrar bem, focada, motivada, procurando a bola em terrenos muito avançados e disparou rumo ao golo antes que o Chaves conseguisse entrar com conforto no jogo.

Jonas confirma a forma superior que tem mostrado ao marcar em todos os jogos e aos 19' já o Benfica vencia por 2-0 com toda a naturalidade.

Os níveis individuais da equipa estão todos em alta e com indicadores de subida. Jardel está naquela forma que faz dele um central de referência arrastando Rúben Dias para um patamar de confiança que leva o jovem para uma titularidade indiscutível.

Na esquerda , Grimaldo e Cervi continuam numa sociedade imprevisível e com uma qualidade que chama para aquelas lados a participação de Krovinovic. Geralmente, saem dali boas oportunidades de golo. Fejsa está na melhor forma que lhe conhecemos. A defender é monstruoso a atacar revelou excesso de confiança que lhe fez perder alguns passes básicos, nada de grave. Depois, temos Salvio e Pizzi que cumprem sempre contribuindo para o colectivo ou tentando resolver a nível individual. Os números não mentem, Salvio assistiu Jonas para golo, Pizzi entrou na lista de marcadores da partida.

 

 

Ou seja, o Benfica mostra saúde e futebol que permite aos seus adeptos sonhar com o penta. Adeptos que disseram presente no Estádio da Luz de forma inequívoca, mostrando que sabem que chegou também a sua hora de empurrar a equipa para o sucesso como tem acontecido nos últimos anos.

O 3-0 é um resultado normal, a tal beleza da monotonia a partir dos 47', e a exibição é um sinal claro de que a equipa não quer saber da gigantesca campanha anti-Benfica que se vive em Portugal com o apoio de toda a imprensa e com dois cabecilhas que esta semana terão de ser muito originais para levantar a polémica do dia. Não está a funcionar, meus caros. A equipa do Benfica quanto mais é posta causa, melhor responde dentro de campo.

E por falar em polémicas, expliquem-me lá isto do VAR. Aos 67' o Pedro Tiba agarrou o Krovinovic, dentro da área, em clara falta. Aos 80', Bressan faz falta sobre Jonas na área do Chaves. Dois penaltis que o árbitro não quis marcar e que o VAR não viu. Já vamos em quantos penaltis ignorados por árbitros e VAR esta época? Foi por isto que tanto lutaram? Também não está a chegar para parar o Benfica mas irrita muito. Isso irrita.

 

Finalmente, uma palavra para Krovinovic. A partir daqui é tudo para ti. Foi das lesões mais parvas que vi na Luz. Dói muito perder assim o jogador que mais revolucionou o futebol do Benfica esta época mas, como já vimos em anos anteriores, esta é uma infelicidade que vai motivar mais a equipa. Espero voltar a ver o "Krovi" a sorrir lá mais para Maio no centro de Lisboa.

 

Braga 1 - 3 Benfica: O Minho é Vermelho e Branco!

ca.jpg

 Olhem bem para esta imagem porque isto é aquilo que a organização do campeonato e o canal de televisão que passa quase todos os jogos da prova não querem que se veja nem que aconteça. Isto é a massa anónima de adeptos do Sport Lisboa e Benfica que enche por completo uma das quatro bancadas da famosa Pedreira. Não é um canto da bancada, atenção. É mesmo a bancada superior toda!
A Sport TV não quer apontar as suas câmeras para a maior invasão anual de adeptos visitantes aquele estádio, não quer mostrar a força inexplicável de milhares e milhares de adeptos que não se importam de sujeitar às condições vergonhosas a que são sujeitos pela organização da prova, à falta de respeito dos responsáveis do clube do Minho, à afronta que é marcar um jogo no inverno que acaba perto das 22h30. São milhares de adeptos juntos que simbolizam o amor incondicional a um clube que suscita inveja e ódio sem par em Portugal e que alheios à maior campanha de difamação que este país já viu, superam todos os contras para mostrar a jogadores e equipa técnica que nunca estarão sozinhos e que nós acreditamos até ao fim neles. Mesmo que tenhamos de ficar mais uma hora num estádio vazio ao frio e massacrados por um sistema de som altíssimo a passar em loop cânticos dos adeptos do Braga. Pelo menos, deu para perceber que no meio do ódio que mostram conseguem adaptar cânticos que os adeptos do Benfica há anos entoam por esse país fora. Até aquele inspirado no Lisboa, Menina e Moça que no Minho faz imenso sentido.

Só para que fique uma ideia da maneira como se tratam os adeptos que pagam para ver um jogo da sua equipa no meio destas condições miseráveis fica a imagem da saída do estádio. Uma bancada inteira a ser encaminhada para duas miseras escadarias numa das pontas da bancada. Miseráveis!

 

Quem manda neste futebol devia reflectir sobre o facto de viver à conta desta paixão irracional de adeptos. É que por cada experiência destas, são mais os adeptos que prometem não voltar os pés na Pedreira do que aqueles que dizem ir buscar mais companhia para a próxima vez.

No meu grupo, por exemplo, já levei um benfiquista contrariado de Lisboa para Braga. Já tinha prometido nunca mais lá voltar devido a experiências anteriores. E eu sei que ele é que está certo. E voltou a viver momentos que dão razão à recusa em não voltar ali. Apesar disso tudo, fui eu que desafiei o lado irracional. Tinha um convite irrecusável há meses para almoçar na tarde do jogo com gente que muito estimo e que vive no norte do país. Desde que foi agendado o jogo para este fim de semana fomos moldando este almoço e convocando mais benfiquistas.

Não tenham dúvidas que é isto que mexe com a multidão vermelha, o Benfiquismo! A Liga de Clubes, a Sport TV, e todos os agentes que vivem à volta do nosso futebol não entendem a sorte que é ter uma multidão destas sempre pronta para comparecer onde o Benfica for jogar. Só tinham de estimar isso e não estragar. Mas, infelizmente, já perceberam que podem fazer tudo para estragar a experiência que a malta não desiste.

 

 

Lá fomos, um grupo de quatro benfiquistas, de Lisboa para Barcelos rumo a um almoço que se revelou inesquecível. Sem querer entrar em pormenores nem maçar os leitores, deixo a sugestão para uma experiência diferente ao nível gastronómico minhoto. Por norma, costumo deixar dicas de locais com preços simpáticos e comida boa em quantidade e qualidade. Desta vez, o conceito é mais requintado. Um espaço muito bonito com vista para Barcelos, uma decoração impecável e um conceito gastronómico que vai do melhor que os pratos da região oferecem para uma apresentação arrojada e elaborada. Entradas excelentes, pratos variados e óptimos, desde carne maturada a arroz de tamboril e uma sobremesas inesquecíveis. Vale a visita em ambiente familiar ou em turismo. Aliás, é esse o nome do espaço, Turismo Restaurante Lounge. Digam ao Jorginho que vão daqui. A todos que partilharam esta mesa, um grande abraço de agradecimento por mais uma bela tarde de benfiquismo.

 

E só por isto já estava justificada viagem ao Minho. Obviamente, o convívio foi óptimo mas o motivo principal não nos deixava fazer a digestão como deve ser. Havia um jogo muito complicado para ganhar e era o resultado que ia determinar a disposição da viagem de volta.

 

O Benfica em Braga confirmou tudo o que tenho vindo aqui a escrever em jogos para o campeonato nos últimos meses. A equipa entrou bem e desinibida, como no Dragão, focada e determinada em vencer, como no derby, e mostrou qualidade e processos bem definidos no seu jogo que resultou em golos e na vitória como em Tondela ou Moreira de Cónegos. Este Benfica luta pelo título, por muito que nos queiram chamar bonecos, por muito que insistam que só ganhamos com esquemas. Mais uma vez, três golos sem espinhas que resultam de uma qualidade atacante superior, três golos bonitos sem a ajuda de ninguém. Um lance duvidoso de vídeo árbitro que, obviamente, voltou a não dar em nada. Mais um penalti para juntar à enorme lista de perdões.

 

Quando me perguntam como é que ainda tenho paciência para passar um sábado na estrada e não ficam convencidos com a resposta básica de ser por benfiquismo, por amizades com benfiquistas, então tenho uma boa imagem para vocês. Estar na bancada a ver o Jonas começar uma jogada dando a bola para a direita, ver o André Almeida a correr e a preparar um cruzamento para área, fixar o olhar na bola, ao mesmo tempo desviar o foco para ver que Jonas já lá está pronto para cabecear e viver o momento em que a bola sai da cabeça de Jonas para o fundo da baliza. São 5 segundos? Serão 3 segundos? Não sei, são instantes que ficam cravados na memória para sempre e que suscitam um sentimento que não encontra igual em mais nenhuma ocasião da vida. Um golo belíssimo do Benfica vivido no estádio, longe de casa, a horas do nosso local de conforto. Maravilhoso. Enquanto formos sentindo isto não há organização da Liga que nos feche em casa, não há transmissões da Sport TV que disfarcem a nossa paixão. Não há inveja nem ódio neste país que nos faça desviar um milímetro da paixão e do orgulho imenso que temos em sermos Benfica!

É isto que eles não entendem, é isto que os motiva a viver para acabarem connosco.

Lamento, mas vão ter que levar com o mar vermelho até ao fim.

Para terminar, a viagem de regresso é dura mas há sempre aquela sandes de leitão para nos motivar até casa. O Benfica não se explica, vive-se.

 

Moreirense 0 - 2 Benfica: O Dia da Explosão dos Rivais

jonas.jpg

 Primeira deslocação de 2018 e vitória do Benfica. Era o que se queria. Começar bem o ano fora da Luz, encerrar bem o ciclo da primeira volta do campeonato, cumprir o dever antes dos rivais e ter um fim de tarde sossegado neste primeiro domingo do ano.

A tarefa não se adivinhava muito difícil, pois o Benfica tem sido feliz historicamente em Moreira de Cónegos. Pedia-se continuidade à boa exibição do derby e foi o que aconteceu. O Benfica entrou bem e justificou a vantagem ao longo da primeira parte. O onze do Benfica está encontrado, Rui Vitória só teve que lançar Samaris no lugar do ausente Fejsa e improvisar Keaton Parks no lugar do grego que se lesionou antes do intervalo.

A asa esquerda do Benfica está a fluir bem, Grimaldo e Cervi dão muita qualidade ao ataque que fica irresistível com o aparecimento de Krovinovic que descai para junto da dupla muitas vezes, daí resultam triangulações que colocam a bola em zonas de finalização com facilidade. Aí Jonas é o rei. Fez uma assistência exemplar para Pizzi fazer o 1-0. Já tinha enasaiado um passe assim antes, Jonas assistiu Krovinovic mas a bola saiu ao lado.

Aqui o único reparo é a falta de eficácia. Uma característica desta primeira metade de 2017/18, o Benfica constrói demasiado para aquilo que aproveita. Ficar só no 0-1 é um risco demasiado sério como já se tem visto noutras partidas. No Minho sentiu-se esta atracção pelo abismo quando a meio da 2ª parte Varela negou o golo do empate. Foi um período do jogo que o Moreirense controlou o jogo e o Benfica não conseguia sair do seu meio campo. Se a equipa tivesse feito mais golos, e oportunidades não faltaram, não se sofria tanto durante aqueles minutos.

Depois, entrou João Carvalho que voltou a mostrar ao que vem tal como em Setúbal. Rápido na pressão atacante, rouba a bola e serve na perfeição Jonas que "só" teve que tirar um defesa pela frente e fazer o 0-2 da tranquilidade.

Vitória normal, missão cumprida.

 

O melhor desta tarde viria depois. À noite veio o inesperado tónico que faltava a este Benfica.

Tal como expliquei na crónica do derby, os rivais andam a viver numa realidade virtual que não os favorece quando são confrontados com factos. Os departamentos de comunicação dos rivais andam a vender uma realidade aos seus treinadores que não bate certo com os pontos na tabela classificativa. Esse facto levou à explosão dos dois no mesmo dia.

Sérgio Conceição não se conteve depois de um jogo mais complicado do que estava à espera e disparou contra Rui Vitória. Tudo a fazer lembrar Jorge Jesus no ano do Tri. O mesmo Jorge Jesus, que ainda agastado com o banho de bola salvo por mãos alheias, atirou que este ano é tudo para Porto e Sporting.

Será?

Se o Benfica fizer o Penta alguém vai querer saber das noites europeias ou das Taças? Não me parece.

Sérgio, sei que não estavas por cá mas a última vez que se atiraram dessa maneira a Rui Vitória o resultado foi bom para o Benfica. Só para esclarecer.

 

Eles já explodiram, afinal o pobre e acabado Benfica que está debaixo de fogo intenso com ofensas diárias e ataques nunca antes vistos em Portugal está ali a espreitar, ganha em Tondela, ganha em Moreira de Cónegos, tem Jonas, os putos continuam a aparecer na equipa principal. Enfim, uma chatice.

Vamos lá ver se esta jornada que marca o fim da primeira volta é o momento de viragem deste campeonato. Nada que já não tenha acontecido. Obrigado, rivais.

Há Quatro Anos Despedi-me Assim de Eusébio

 

Nasci em Abril de 1973 em Moçambique. Vim logo para Lisboa e os meus pais foram viver para a rua em frente ao Califa onde havia uma paragem de eléctricos e autocarros. A paragem em que o povo saía e rumava a pé para a Luz subindo a rua onde eu ia viver mais de três décadas da minha vida.

 

Tinha eu dois meses e meio de vida e o Benfica ganhava 6-0 ao Montijo e sagrava-se campeão nacional. Marcaram Toni e Jordão, pelos humanos. Eusébio fez quatro golinhos.

Esta introdução serve para explicar que não faço a menor ideia qual foi o momento em que deixei o Benfica entrar na minha vida, eu é que entrei na vida do Benfica sem ter consciência disso. Já fazia parte do universo encarnado por defeito. O Estádio ao lado de casa, o povo benfiquista a passar à minha porta aos domingos e quartas à noite, estava tudo feito mas faltava o empurrão. 

O pai da minha mãe, o avô Alberto, fez o resto ao passar-me aquele benfiquismo lindo cada vez que ia lá a casa ver a bola, como se dizia. O padrinho da minha irmã, o tio Victor, criou definitivamente o monstro (eu) ao levar-me para o Estádio quando a família achou que eu já tinha idade para isso.

Até ao dia que entrei na Luz para ver um jogo a sério ficou muito tempo para trás de sonhos a ouvir relatos e, raramente, a ver na televisão com um curioso ritual. Se era jogo europeu, quarta feira à noite, ficava na varanda virada para a rua do califa a olhar fixamente para o impressionante clarão que rompia o negro da noite por trás daqueles prédios vermelhos mais perto do estádio com a janela um pouco aberta para ouvir o , igualmente, impressionante barulho do povo a gritar cada golo. Ainda hoje tenho na mente esse som maravilhoso! Ouvia o relato e assim que se começava a gritar golo na rádio tirava o som para ouvir o verdadeiro "bruá" da Catedral. Era um quadro mágico, o clarão das luzes a iluminar o céu e o som do golo festejado.

Nos jogos de dia ligava o rádio e ouvia os relatos enquanto reproduzia o jogo na alcatifa em cima do tapete do Subbuteo. E tão feliz que uma criança pode ser assim, nem imaginam.

 

Foi também nesta fase pré Estádio que descobri que uma década antes o Benfica tinha dominado a Europa do futebol e que havia muitos jogadores para descobrir além daqueles que jogavam na altura. O avô Alberto contava histórias sobre o Benfica europeu, sobre campeonatos nacionais ganhos, sobre os Magriços e de como era bom ganhar ao Sporting. O tio Victor explicava o problema de sucessão dos grandes craques dos anos 60, das esperanças que tinha nos novos miúdos e de como era bom ganhar ao Sporting. Em comum havia sempre um nome: Eusébio. Já uma lenda na minha cabeça e mal tinha ele acabado de jogar.

 

Depois veio a escola primária, a preparatória e o Liceu. Não poucas vezes ao dizer alto o nome e a naturalidade , Moçambique, recorde-se, o eco era repetido: terra do Eusébio! O orgulho que eu tenho de ter nascido no país do Eusébio!

Frequentei as escolas de Benfica, perto de casa e perto da Luz. Rapidamente as idas ao estádio em dias de jogo se tornaram curtas. Era preciso ir lá ver treinos, estar perto dos jogadores, ver as imensas bancadas despidas, viver o Benfica. Assim foi fácil para mim ter o primeiro encontro com Eusébio relativamente cedo.

Começo dos anos 80, fim de tarde da Luz. Porta principal ao pé da águia de pedra, passam alguns jogadores a caminho dos seus carros e simpaticamente distribuem fotos autografadas a quem os esperava. De repente vejo Eusébio a poucos metros de mim. Eu, que nem 10 anos tinha e andava ali a pedir autógrafos e "bacalhaus" a tudo o que tivesse pernas e saísse da porta dos balneários, fiquei siderado! Não tive reacção, não pedi nada, não falei, ele passou-me a mão pela cabeça e riu-se. Fiquei horas com aquela imagem na mente, o Eusébio tocou-me.

 

E aqui começou uma relação que até hoje nunca consegui clarificar na minha vida. Eu recebi o Eusébio como herança e já em formato de lenda. Mas ao mesmo tempo ele estava ali bem perto de carne e osso.

Mais tarde descobri que Eusébio morava perto da Estrada de Benfica. Foi num daquelas noites de inverno que perto da escola ia com a minha mãe à papelaria, do outro lado da estrada vi Eusébio a sair de um carro. Gritei para a minha mãe que tinha de ir pedir um autógrafo, desatei a correr em direcção a ele para lhe dizer que o primeiro livro que escolhi para ler na biblioteca da escola era sobre o Mundial de 1966. Pelo meio ficou a Dalila em pânico depois de me ver cruzar a estrada de Benfica sem pestanejar. Eusébio ouviu-me, deu-me o autógrafo, esperou pela minha mãe e disse-me para não voltar a atravessar assim a estrada.

A partir daqui cruzei-me com o Rei muitas vezes, felizmente, e sempre com sorrisos à mistura.

 

Foi à conta dele que fiz coisas sem grande sentido para as pessoas que conviveram comigo ao longo dos anos. Tais como ver os jogos inteiros de Portugal em 1966. É estúpido, um gajo já sabe quanto fica o jogo e quem marca os golos. Pois é mas aquilo é magia pura. Mais tarde consegui ver jogos inteiros do Benfica nas caminhadas triunfantes na Taça dos Campeões Europeus. Impressionante!

 

Entretanto, ia crescendo a ver o Benfica. As inesquecíveis noites europeias dos anos 80 na Luz vi com o meu pai, sportinguista, que torcia pelo Benfica na Europa muito por culpa de Eusébio e companhia e nos jogos de domingo à tarde passei a ir com a rapaziada lá da rua.

Habituei-me a ver Eusébio nas equipas técnicas do Benfica, a trabalhar na formação do clube e , mais tarde, como embaixador ou algo assim parecido.

 

Ainda ele fazia parte da equipa técnica como treinador de guarda redes fez-se um passatempo no campo de treinos nº2. Foram às escolas ali da zona convidar os alunos a aderirem a um desafio que era ir defender um penalti do Eusébio para ganhar bilhetes para um jogo europeu. Obviamente fui. Era malta a perder de vista e o bom do Eusébio ali a chutar a tarde toda. Até chegar a minha vez ninguém tinha defendido nada. Recordo-me de estar na baliza, sendo que nessa altura eu tinha a mania que era o Bento nos jogos de rua, e em vez de olhar para a bola fixei o olhar na figura do King. Ele chutou e eu nem vi onde é que a bola entrou, ao ouvir aquele barulho romântico da bola a enrolar-se nas redes saí disparado da baliza para o abraçar perante os protestos dos organizadores. E então , ganhei o bilhete? Claro que não, ganhei um abraço ao Eusébio!

Lembro-me de contar isto em casa todo orgulhoso perante o sorriso de aprovação da minha mãe. Depois a magia acabou quando o meu pai, sempre bem mais realista, fez uma observação pertinente: "Olha lá, mas tu não tinhas aulas à tarde?". Uma criança sofre muito, todos sabemos...

 

Aos poucos percebi que o Eusébio era uma lenda viva demasiado grande para um clube que inevitavelmente ia perder grandiosidade. Habituei-me a um grau de exigência nas bancadas da Luz que roçava o lunático! O Benfica a construir goleadas de 7, 8, 9-0 ao Penafiel, ao Varzim, ao Vitória de Guimarães e eu nunca pude festejar dignamente essas "tareias" porque à minha volta todos eram mais velhos e encolhiam os ombros. "Isto com o Eusébio eram 14 ou 15."

Eu cresci com os ressacados do maior Benfica da história.

 

 

Em 1982/83 vi o melhor Benfica da minha vida. Fui a todos os jogos na Luz, portugueses e europeus, e nunca senti aquelas bancadas verdadeiramente rendidas aquela equipa. Criticavam o Nené, imagine-se! Para mim era maravilhoso ver aquele Benfica jogar mas depois da final perdida com o Anderlecht percebi que, realmente, faltava ali qualquer coisa para ser um Benfica à altura do Benfica de... Eusébio.

 

Depois vieram as lições nobres. Quando eu mostrava orgulho na pêra que o Bento deu ao Manuel Fernandes o avô Alberto explicava que isso já não era o Benfica dele. Ele viu o Eusébio a marcar um golo ao Yashin e em vez de ir festejar foi cumprimentá-lo, ele viu o Eusébio rematar dramaticamente para o golo na final que dava a 3ª Taça dos Campeões ao Benfica em pleno Wembley contra o Manchester United e ao ver que o inglês defendeu valentemente foi dar-lhe os parabéns pela defesa e aplaudiu!

 

Por isso é que 48 anos depois vemos o Old Trafford a aplaudir de pé comoventemente o minuto de silêncio do King.

E é aqui que quero chegar. A grandiosidade, a nobreza, o nome de Glorioso, foi tudo erguido a partir das conquistas internas e externas das equipas onde brilhou Eusébio. Obviamente não vamos esquecer todos os outros grandes nomes que jogaram com ele, que jogaram antes dele e alguns que apareceram já depois da sua retirada. A verdade é que Eusébio pelos seus golos, pela sua educação, pela sua humildade, pela sua figura, encarnou o Benfica e engrandeceu-o à escala planetária.

 

Já me aconteceu em Espanha, na Holanda, em França e , principalmente, em Inglaterra ver e ouvir reacções incríveis só pelo facto das pessoas verem o emblema do Benfica num casaco, numa camisola, num cachecol! Sem eu abrir a boca fui cumprimentado ao som de : "Benfica! EUSÉBIO!" É assim em todo o mundo.

 

Esta foi a herança mais valiosa e pesada que Eusébio deixou ao Benfica, o respeito! O outro nome do Sport Lisboa e Benfica no mundo é Eusébio. O respeito e admiração que as pessoas têm pelo nosso emblema deve-se muito a Eusébio.

 

Infelizmente, Eusébio morreu hoje. O Eusébio dos autógrafos, dos sorrisos na rua, dos acenos, o homem desapareceu. A lenda continua, já era maior que ele há 40 anos quando eu nasci, vai ficar ainda maior.