Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Red Pass

Rumo ao 38

Red Pass

Rumo ao 38

Robert Enke no Benfica - 2001/2002 (parte 3 e última)


Depois de duas épocas negras, Enke manteve-se na Luz determinado a ajudar a inverter a situação. Agora já com o problema da presidência resolvido, com Toni desde início, e com forte apostas em reforços como Sokota, Simão, Zahovic, Drulovic, Mantorras, Argel, e Caneira, renascia a esperança na Luz. O arranque de campeonato foi irregular mas sem derrotas, 7 vitórias, 6 empates.

Esta foi a época em que Robert Enke chega a capitão do Benfica, embora Fernando Meira fosse a primeira escolha.
Enke já era um dos indiscutíveis na equipa, e já havia um enorme carinho no Terceiro Anel pelo miúdo. Nunca mais me esqueci do ritual da sua chegada a cada baliza no início da partida e no começo da segunda parte. Corrida em direcção ao poste direito e uns pontapés na base para tirar a terra das chuteiras, um passo para o lado e com aquele seu ar comprometido, direito, e com classe batias palmas virado para aquele lado do Topo. Repetia depois o gesto no outro poste. Sempre. É uma imagem que fica.

Nesta época não houve Europa por isso estava tudo concentrado no campeonato. Mas a estreia não correu bem. Um empate na Póvoa de Varzim consentido já nos descontos com um auto golo de Cabral deixava logo a nação benfiquista em estado de nervos. Chegámos à vantagem de 0-2, Zahovic e Meira, e depois aos 83' Fumo reduz, para no final do jogo sofrermos o empate.
Seguiram-se dois jogos na Luz e duas vitórias, 2-0 ao Salgueiros, e 3-2 ao Vitória sadino com hat trick de Mantorras.
Na saída a Aveiro repetiu-se a história da primeira jornada e o SLB depois de chegar ao 0-2 permitiu a reviravolta do Beira Mar com Fary a bisar. Sokota aos 58' empatou, e terminou assim.
Seguiu-se o Porto na Luz e empate a zero, com Enke em bom plano. Saída ao Restelo e empate 1-1, com Marcão a voltar a marcar para os azuis, depois de Mantorras nos ter dado vantagem. Enke assistiu à explosão de Mantorras. Literalmente.
A 20 de Outubro de 2001 no jogo com o Gil Vicente na Luz Enke sentiu, e viu, todo o enorme carinho, e respeito, que os rapazes sempre presentes e sem nome tinham por ele como se pode recordar nesta foto:



Mais uma série de bons resultados apesar do empate caseiro com o Leiria, e um nulo cedido ao Vitória minhoto, até que chega o famoso derby da ventania que derrubou Jardel.
Depois de estarmos a ganhar por 2-0, Simão e Zahovic, o Sporting com a ajuda de Duarte Gomes inventou um empate que marcou a parte final da 1a volta.

Benfica-2 Sporting-2 de 2001
Enviado por MemoriaGloriosa. - Futebol, capoeira, surfe e mais videos de esportes.

Pedro Proença na jornada a seguir ajudou o Boavista a vencer 1-0 a 23 de Dezembro de 2001 num jogo que Pedro Emanuel massacrou Mantorras e só foi amarelado aos 90'. Foi neste jogo que Robert Enke se estreou com a braçadeira de capitão que envergou com orgulho notável.
Este jogo no Bessa fica marcado também por ter sido o último com Toni a treinador.

A 5 de Janeiro de 2002 na recepção ao Marítimo novo treinador no Benfica. Jesualdo Ferreira começava com um empate 1-1, mais um de Mantorras, e também ele confiava totalmente em Enke que se manteve como titular e capitão do Benfica.
Foi assim até 2 de Março de 2002, dia em que Enke defendeu pela última vez a nossa baliza. Foi na Luz contra a União de Leiria que venceu por 0-2 com golos de Maciel e Derlei.
Pelo meio , em Fevereiro, tinha ficado um clássico nas Antas já com Mourinho no banco do Porto, que acabou expulsou, e com derrota nossa por 3-2. Ao golo de Simão responderam Deco, Alenichev, e Capucho. Mantorras ainda reduziu.

Até final da temporada a baliza ficou entregue a Moreira que viveu o seu primeiro derby em Alvalade em mais um empate bem inventado pelos vizinhos que nessa altura resolviam tudo com penaltis nos últimos minutos. Empate 1-1 depois de Jankauskas ter dado vantagem ao Benfica.

Na Taça uma viagem tranquila a Infesta, vitória por 0-3 e depois caímos no desempate com o Marítimo no Funchal após 1-1 no prolongamento na Luz num jogo horrível que Zahovic empatou aos 117'. Nos Barreiros o golo foi de ... Van der Gaag.

A 5 de Maio de 2002 jogou-se a última jornada dessa época. O Benfica recebeu o Marítimo e desta vez ganhámos por 3-2. Mantorras bisou e Gaúcho marcou na própria.
Foi a última época de Enke no Benfica, fez 32 jogos e teve como companheiros gente ilustre como:
Toni, Porfírio, Pesaresi, Andrade, Fernando Aguiar, Armando, Cabral, Júlio César, Ednilson, Andersson, e João Manuel Pinto.

Como recordação guarda a imagem da última corrida dele no relvado da Luz. Discreto ficou sozinho em campo no fim do jogo e fez questão de dar uma volta ao campo aplaudindo os adeptos e agradecendo o carinho de 3 épocas no Benfica.

Nessa altura especulava-se muito que o seu futuro seria no FC Porto o que criou algum mau ambiente na Luz, e nas Antas.
Vítor Baía não gostou de saber do real interesse dos seus dirigentes no alemão e fez questão de o mostrar. Enke, por seu lado, sempre sossegou dirigentes e adeptos encarnados dizendo que era senhor do seu passe e que em Portugal só jogaria pelo Benfica. O seu sonho era outro, queria experimentar o Barcelona. Quem não quereria?
Chegado o verão confirma-se a transferência de Enke a custo zero para o Barça. Mais tarde soube-se que o interesse portista era verdadeiro e que o nosso alemão os desprezou. Ao contrário de outros tristes que correm para norte cegos pelo dinheiro.
Enke foi enorme na sua saída.

Segui a sua carreira com atenção e fiquei muito feliz quando o vi ser chamado à mannschaft! O seu trajecto sempre foi manchado pela falta de sorte. Não foi feliz em Barça, nem na Turquia onde esteve emprestado, e quando regressou à Alemanha e estava no auge lesionou-se. Nos últimos tempos andou afastado dos relvados por uma virose intestinal, e quando regressou em boa forma à baliza do Hannover segurou um empate 2-2 com o "meu" Hamburgo.
Era sabido que gostava de terminar a sua carreira no Benfica. Nos últimos tempos sempre que se falou em reforço da nossa baliza, mesmo para Janeiro, era inevitável não pensar em Robert Enke.
Terminou a sua vida, a nós resta-nos perpetuar o seu valioso contributo ao Benfica.

7 comentários

Comentar post