Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Red Pass

Rumo ao 38

Red Pass

Rumo ao 38

Benfica 4 - 1 Santa Clara: Ao Benfica o que é do Benfica!

60865155_10161813226980716_5570533524479410176_o.j

Após o último jogo do campeonato, entre abraços e cumprimentos, várias vezes me lembraram que agora iria ter a crónica mais complicada para escrever. Compreendo a expectativa pela responsabilidade que é estar à altura deste feito do Benfica mas acabei por chegar à conclusão que é uma ideia errada. 

Em seis anos, esta é a quinta vez que me sento tranquilamente com o sentido do dever cumprido e começo a escrever uma prosa sobre um campeonato ganho pelo Benfica. Quinta vez em seis anos é de uma grandeza brutal. Isto leva-me aquele pensamento que várias vezes repito ao longo da época, a maravilhosa monotonia da felicidade. Tudo o que eu quero na minha vida é esta reconfortante sensação que o universo está alinhado e equilibrado com o Benfica a cumprir o seu destino. º

Comecemos pelo jogo. Era preciso levar o desafio com o Santa Clara de maneira muito séria e concentrada. Depois dos sustos com o Braga e com o Portimonense, depois do emocionante jogo em Vila do Conde, eu só pedia uma partida sem incertezas no resultado e de sentido único. Curiosamente, o resultado foi muito melhor do que a exibição. Aos 39' já se festejava o título com o 3-0. A facilidade com que o Benfica rematou quatro vezes à baliza de Marco Rocha e fez três golos afastou em definitivo todo e qualquer cenário menos esperado e indesejado.

Chegar ao intervalo com um sentimento de campeão, felicitar a equipa feminina de futebol do Benfica pela conquista da Taça de Portugal, olhar à volta e ver a felicidade estampada no rosto dos benfiquistas pelas bancadas da Luz fez com que este intervalo tenha sido o mais rápido da época. 

Segunda parte, 3-0, o tempo a correr a nosso favor, esperar 11' pelo bis de Seferovic e ter a certeza que o helvético ganha a bola de prata. Uma tranquilidade que contrasta com o ambiente electrizante do estádio.

Começar a passear pela bancada, abraçar um a um amigos e amigas, companheiros de longa data ou outros mais recentes, sim porque o segredo do benfiquismo é o constante abrir de portas nas nossas vidas a novas caras que se ligam a nós pelo amor que temos pelo clube. 

Os minutos a passarem e o olhar para o relvado já não transmite ao cérebro as nuances tácticas das equipas, as marcações individuais ou as curiosidades do jogo, antes serve para um desfile de imagens que vou recuperando desde Agosto. As viagens por esse país fora com diferentes carros, diferentes condutores, diferentes companheiros. Os inesquecíveis repastos, as maravilhosas horas de tertúlias, os encontros e reencontros com benfiquistas que vivem longe da Luz, a sul e a norte. As histórias partilhadas, o que partilhamos, o que aprendemos, as horas nas auto-estradas deste país, o pesadelo que foi aquele regresso de Portimão, o impulso de ir a Aves numa 2ª feira, o festejo do golo do Ferreyra no Bessa, as épicas vitórias nos terrenos de quem mais nos odeia. Que viagem que foi este 37.

E nisto, o Santa Clara marca por César que não festeja. Foi simbólico. Serviu para me chamar de volta à realidade e para termos um termo de comparação entre um rapaz que o Benfica transformou em jogador do Real e o simpático César, um central esquecido mas que, por mérito próprio, se fez notar como mais um jogador agradecido e respeitador. O outro é que é a excepção que confirma a regra. A regra que pôde ser testemunhada no pós jogo com o desfile de ex jogadores do Benfica que quiseram dar os parabéns. Tantos e tão bons. Que bem trabalhado o Benfica nos últimos anos no sentido de ser servido por óptimos jogadores e por estes ficarem ligados ao clube sentimentalmente.

Terminar a Liga com uma vitória natural de 4-1 é uma excelente amostra do que foi este Benfica desde a entrada de Bruno Lage. Ele que, primeiro, reconquistou os adeptos de uma forma inédita. Explicando o seu jogo, a passagem para o 4-4-2, a aposta nos miúdos que conhecia da B, mais o Taarabt, em vez de atacar o mercado de inverno. Mostrando um futebol atraente de pressão alta, de atracção ofensiva e com uma veia goleadora à Benfica. Um verdadeiro conto de fadas que culminou neste dia 18 de Maio em festa exuberante.

D67GRdDXoAAkXVc.jpg

Foi preciso recorrer a crimes organizados de informática, expondo de maneira inédita a vida privada e empresarial do Benfica, perante a euforia da comunicação social que elevou à condição de heróis fracas figuras como esse Jota Marques, para abanarem o universo benfiquista. Foram dois anos em que todos os dias tivemos que ouvir falar em mails, vouchers, malas, toupeiras e muitas outras coisas que nada se parecem com futebol. Ia tudo preso, o Benfica descia de divisão, ia perder campeonatos passados, íamos descobrir que o Benfica era uma fraude desde os tempos do Cosme Damião. As noites deste país passaram a ter como desporto nacional a militância do ódio anti benfiquista. De tudo valeu para se estragar todo o ambiente à volta do futebol em Portugal. Todos os complexados deste país unidos a uma só voz gritando que o Benfica tem de acabar. Perdeu-se um título e todos eles rejubilaram, mesmo os que não ganham um campeonato há quase duas décadas. Tentaram dividir a nação benfiquista. E quando o Benfica estava no final das suas forças, a sete pontos do líder, aparece um inesperado homem do leme que, com a bênção presidencial, resgatou o orgulho, o amor próprio, a honra, a ambição, a mística e o amor incondicional pelo clube em todos os adeptos. 

Depois de todo este quadro negro e de pesadelo, depois de assistirmos a inacreditáveis decisões de arbitragem que levaram a um avanço tão confortável que o rival chegou a prometer ir festejar o título nos Açores, depois de nos sentirmos impotentes perante tamanho ataque o que é aconteceu? O Benfica reapareceu forte e jogo a jogo recuperou tudo o que lhe pertencia. O Benfica acaba campeão quando acharam que tinha morrido. O único Jota deste país que decide e lidera a opinião pública é o Jota Félix!  O miúdo foi um dos rostos da revolta e da revolução do Benfica. E Acabou no Marquês com mais de meio milhão de benfiquistas. Com uma festa que foi reproduzida um pouco por todo o mundo.

Quando eu escrevi aqui depois da última Taça de Portugal ganha para os benfiquistas não caírem na tentação de desprezar conquistas, nem se acomodarem de mais, ninguém levou a sério. Agora perceberam que é um erro. TODAS as conquistas são para se festejar a sério. Ninguém nos dá nada. Ninguém nos quer felizes. Mas nós todos juntos temos uma força de vontade e de mobilização única no mundo e, por isso, este campeonato também foi ganho na rotunda da Luz a receber o autocarro ou no Seixal na despedida da equipa ou em Gaia no Hotel onde o Benfica fica, ou na chegada a Braga ou nos Arcos, em Vila do Conde. E nos estádio de norte a sul e na Luz. Porque este gigante quando se empolga é imbatível. Marca mais de 100 golos na Liga, fabrica bolas de prata, reis de assistências e deixa a Europa louca com mais uma mão cheia de putos imunes ao ódio e à inveja que caracteriza este país. Por isto é que o Benfica é maior que Portugal. Por isto é que o Benfica é maior que as nossas vidas.

A festa rebentou, o povo anda sorridente na rua envergando orgulhosamente roupa e adereços do Glorioso, o povo está ainda mais orgulhoso do seu Benfica depois de tudo o que fizeram de mal ao clube.

Este título é muito importante, vale mais do que só o 37. Esta reconquista deixa-nos mais perto do 38 e dá um forte aval à ideia que foi lançada nos últimos anos, um Benfica forte com atletas da sua formação, com jogadores que já são referências no clube e à procura de reforços pontuais que acrescentem qualidade inquestionável para novos desafios e mais conquistas.

O 37 já cá está. Temos muitas semanas pela frente para o celebrar como merece ser celebrado mas todos já com o olhar focado no horizonte para o 38. Rumo às quatro estrelas por cima do nosso emblema. Está perto. Vai acontecer.

Tão bom ser do Sport Lisboa e Benfica. 

 

Rio Ave 2 - 3 Benfica: Por Este Rio Acima

_JT_2693.jpg

Dia 12 de Maio, dia de peregrinação em Portugal. Os mais fervorosos a saírem um pouco de todo o lado do país rumo a Vila do Conde para a última deslocação da temporada do Benfica. 

Quando seguia viagem para norte, dei por mim a pensar se já tinha assistido a alguma vitória tranquila do Benfica nos Arcos. Nunca tive essa sorte.

Aliás, andei tão para trás nas minhas memórias que recuperei um jogo em que estádio do Rio Ave se vestiu totalmente de vermelho para uma apresentação do Benfica aos adeptos do norte nos Arcos. Foi na pré temporada de 2002/03 contra o Celta. Nem o regresso de Nuno Gomes evitou outra derrota com os espanhóis. 

Porque é que é importante recuperar esse dia de verão de 2002? Porque eu estava em Vila do Conde e fiquei surpreendido com a quantidade de adeptos que foram ao estádio apoiar a equipa. Não por ser no norte, o Benfica sempre teve apoio a norte, mas pela grave crise que o clube estava a atravessar. Em pleno Vietname do Benfica, os adeptos do norte eram tão fieis e dedicados que a Direcção do clube achou pertinente fazer ali um jogo de apresentação. 

Pois bem, esse respeito foi muito importante para o Benfica nunca perder a sua ligação com o povo. Por muito maus que fossem os resultados, o carinho dos adeptos do Benfica nunca faltou. E foi essa resistência que fez possível que o clube recuperasse a sua identidade, o seu destino de vencer e chamar as pessoas à sua passagem. Só isto explica que em 2019 tenhamos ficado com imagens eternas de uma multidão apaixonada por uma equipa, por um emblema, pelo nome do Sport Lisboa e Benfica.

60338340_10217207074184794_1904551359911297024_n.j

Estes milhares de adeptos estão ali para mostrar o seu agradecimento a todo o futebol do Benfica. O agradecimento por nunca terem desistido mesmo depois deste país ter condenado o clube na praça pública de todos os crimes e mais alguns, mesmo depois deste país ter manchado o nome do clube nos últimos anos, e acima de tudo, mesmo depois de termos passado os últimos dois anos numa luta suja, titânica e desnivelada com todos os adeptos do único clube maior que o Benfica em Portugal, o Anti Benfica. 

Não se tratava de euforia, não se tratava de festa antes do tempo, não se tratava de deitar os foguetes antes da festa, tratava-se, apenas e só, de uma gigantesca demonstração de carinho, de apoio, de acreditar que o Benfica pode continuar a conquistar campeonatos mesmo que haja um surreal trabalho diário em toda a imprensa para evitar que isso aconteça. 

Meus amigos, esta é que é a força do Benfica. São os milhares que esgotaram o Estádio dos Arcos para apoiar durante o jogo e, arrisco escrever, os outros tantos milhares de benfiquistas que mesmo sem bilhete para entrar no recinto, invadiram a rotunda e as imediações do Estádio para dar este apoio incrível. 

Tudo isto foi importante para dar mais força ao Benfica que, afinal, ia começar a partida com o Rio Ave em 2º lugar na Liga NOS. Estes eram os factos às 20h de domingo. O Benfica tinha muito que trabalhar, tinha que encarar o jogo com toda a concentração para garantir que saía dos Arcos na liderança novamente. 

Foi isso que aconteceu. Tanto se pediu que o Benfica entrasse melhor nos jogos, que aos 3' Rafa fez o 0-1 dando origem a uma explosão de alegria movida pelo alivio de ver recuperado o 1º lugar bem cedo.

Como era de esperar, o Rio Ave deu muita luta e voltou a complicar muito a vida do Benfica. Na Luz chegou a estar a vencer por 0-2, no jogo que marcou a estreia de Bruno Lage e Daniel Ramos em cada banco.

Quando tudo apontava para o 0-1 ao intervalo aconteceu o momento mais polémico. O Rio Ave queixou-se de um penalti de Florentino, o Benfica respondeu com o 0-2.
São momentos marcantes porque há motivos para dúvidas. Daniel Ramos diz que se transformou o 1-1 em 0-2. 

A verdade é que Florentino pôs-se a jeito para ser marcada falta. Mas como já ouvi nesta Liga, a falta começa fora da área e, por isso, nunca seria penalti. Seria um livre perigoso que estava longe de dar o 1-1. Mas mesmo que acontecesse o penalti reclamado e fosse transformado, é preciso lembrar que o Benfica em Braga foi para o intervalo a perder e na Luz com o Portimonense estava empatado. Reagiu sempre bem, como se sabe.

Já o 0-2 parece-me que não tem discussão, João Félix está fora de jogo. Acho muito estranho que o VAR não tenha mandado o árbitro analisar tudo com calma. 
Mas eu também achei muito estranho que o VAR não funcionasse na Luz com a SAD de Belém ou no Jamor com a mesma SAD. E aí não vi ninguém preocupado. Aliás, eu ainda gostava de perceber o papel do VAR em lances que deram 10 pontos a mais ao Porto, como explica o insuspeito Rui Santos, e qual foi o seu papel nas meias finais da Taça da Liga. Mas aqui já não vejo ninguém muito interessado. A época tem sido toda isto, desculpem mas a mim não me vão convencer que os problemas com o VAR começaram em Vila do Conde. Antes pelo contrário, é uma nota de rodapé na quantidade de disparates que vimos por esses campos fora. Terceiro classificado incluído, basta ver o número de penaltis a favor.

 

O Benfica com 0-2 tremeu por culpa própria, não soube matar o jogo e acabou por sofrer o 1-2 que trazia à memória a recuperação muito apreciado do Rio Ave com o Porto naquele mesmo local. 

Pizzi fez o 1-3 e parecia ter resolvido a questão. Só que o 1-4 nunca aconteceu, oportunidades não faltaram, e o Benfica acaba a sofrer com o 2-3 do Rio Ave.

Um belo jogo numa atípica noite quente nos Arcos, cinco golos, emoção e uma felicidade imensa no sentimento do dever cumprido no final da partida.

Ponderei não o fazer mas não resisto. O Benfica nunca falhou com nada ao Coentrão, pois não? Pagou tudo, a tempo e horas. Recuperou o homem, revelou o jogador, apoiou-o sempre em tudo. Fez dele um jogador tão bom que até o Real Madrid achou que estava à altura dos maiores desafios. O Benfica fez do Coentrão um quase ex jogador para um craque do plantel do Real Madrid. Como todos os outros jogadores que saem da Luz para vidas melhores, o clube nunca lhes faltou ao respeito. Infelizmente, este Coentrão quer acabar como começou, uma triste e embaraçosa nota de rodapé no futebol português. Desprezo e que daqui a uns anos não tenhamos que ter mais pena dele do que temos agora.

 

Ir ao norte significa comer bem. Desta vez a sugestão foi a gastronomia da Adega do Testas em Vila do Conde. Atendimento de simpatia superior, carne grelhada de qualidade imbatível. Batata frita caseira, arroz com grelos e enchidos num caldo irresistível. Tudo mais do que aprovado. 

25628a42-3466-4e81-a630-d4868f6d357e.jpg

A última saída da época foi tão cansativa como reconfortante. Uma jornada de benfiquismo para a história deste campeonato e do clube.

Para tudo isto fazer sentido, já sabem, encarar o último jogo na Luz com a mesma seriedade, a mesma convicção e a mesma ambição. Falta menos de uma semana para carimbarmos um dos títulos mais incríveis de sempre. Até lá ficam as recordações de um norte vermelho.

 

Benfica 5 - 1 Portimonense: Os Sagrados 10 Segundos do Minuto 65

_JPT8386.jpg

Muita concentração para este exercício: voltemos ao minuto 65 deste jogo. Tentem imaginar uma sensação melhor, uma  emoção maior, na vossa vida do que aqueles 10 segundos entre a recepção de Rafa na grande área, o disparo para o 2-1 e a maneira como festejaram a reviravolta. 

Não há nada superior a isto, pois não?

É por isto que o futebol do Benfica tem tanta importância na nossa vida.

Para trás tinha ficado uma hora de agonia e sofrimento. 

Sair da Luz e voltar à vida é ter de explicar a familiares ou amigos que o resultado final foi 5-1 mas que nesta tarde durante uma hora sentimos o mundo perto de desabar. Ninguém entende fora do contexto certo.

O Portimonense de Folha jogou muito bem, não caiu na tentação do anti jogo, esteve a ganhar e assustou a sério Bruno Lage e os seus seguidores. 

As culpas do Benfica não fáceis de decifrar. Será ansiedade, medo de falhar, pressão extra pelo pouco que falta jogar, alguma coisa se está a passar com as entradas do Benfica nos últimos dois jogos. 

O que não é atacável é alma e a determinação com que a equipa responde quando o quadro é negro. Aqueles cinco minutos em que Rafa nos resgatou da depressão ao alivio foram absolutamente mágicos. Poucas vezes se viu, sentiu, viveu um ambiente assim na Luz. 60 mil adeptos em êxtase numa explosão colectiva de raiva e acreditar nos seus que fez tremer todo o estádio. O Benfica empatou e a Luz entrou em erupção. No 2-1 ouviu-se um festejo tão ensurdecedor que fez lembrar as melhores celebrações da antiga Luz. Ao nível de um golo ao Steaua ou Marselha. Sem exageros.

Foi de tal maneira libertador que a equipa arrancou para mais uma épica goleada. Uma série de golos até como que a compensarem todo o sofrimento que tinha ficado para trás e que já ninguém se recorda.

Não vale a pena virmos para aqui dizer o óbvio que é ter de evitar sofrimentos. Num mundo ideal o Benfica começava todos os jogos a ganhar e chegava ao intervalo com um 4-0. Bruno Lage e os jogadores lá saberão como preparar a viagem a Vila do Conde. Uma coisa certa, nos Arcos os benfiquistas lá estarão em peso preparados para sofrer e carregar a equipa para mais uma vitória. Nem é nada de novo naquele estádio, certo Raúl?

Hoje o jogo resolveu-se na 2ª parte, a baliza Grande da Luz cumpriu o seu destino e todos temos um resto de fim de semana bem melhor.

Faltam dois jogos. São os dois para ganhar. 
A montanha russa de emoções deste sábado vai dar lugar a um vazio e ansiedade própria de quem vai começar tudo do zero de novo no próximo fim de semana. 

Ai aqueles 10 segundos no minuto 65...