Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Red Pass

Rumo ao 37

Red Pass

Rumo ao 37

Sporting 0 - 0 Benfica: Vitória Bateu nos Postes

31948855_10160369178625716_332154572896206848_o.jp

Pedia-se resposta à Benfica no derby de Alvalade. Foi o que aconteceu. Aliás, aconteceu de tal maneira que apetece perguntar onde é que andou aquele Benfica da primeira parte nos jogos com o Porto e Tondela ?! 

A primeira parte do derby foi das melhores exibições que vi esta época e que deixa em aberto uma saudável discussão sobre o que podia ou pode ser o futebol da equipa de Rui Vitória. E um dos temas a discutir tem que ser a gestão da qualidade individual do plantel e as opções que podem originar. 

Ora, em Alvalade, Rui Vitória pensou num esquema diferente com Samaris e Fejsa no meio, Pizzi mais à direita, Rafa na esquerda, e Zivkovic atrás de Raul. Lá atrás a única novidade foi Douglas no lugar do ausente Almeida. E, digo já, que o brasileiro até fez um jogo bem positivo. 

Estas variáveis atacantes resultaram na perfeição e o Benfica partiu para uma primeira metade de jogo muito personalizada entusiasmante e que merecia melhor sorte na hora da finalização. Duas bolas no poste e duas intervenções de Rui Patrício, o melhor do Sporting, evitaram uma justa vantagem que daria para garantir três valiosos pontos. É um pouco a imagem deste Benfica 2017/18, quando joga muito marca pouco ou nada, quando joga pouco vence em esforço. Infelizmente, esta conjugação não saiu certa e o Benfica arrisca-se a acabar em 3º lugar depois de ter passado pelo Dragão e Alvalade sem sofrer um golo. 

Aliás, Varela deve ter tido uma das noites mais tranquilas da sua carreira. Só me lembro de ter feito uma defesa a remate de Coentrão. 

Se fizermos o balanço dos dois derbys, o que dá vantagem ao Sporting é um golo na Luz marcado em fora de jogo. Não deixa de ser irónico e simbólico que numa época marcada pelo maior ataque de dois clubes aliados e unidos pelo ódio ao Benfica, a vantagem no acesso à Champions se resuma a isto.

Igualmente irónico, é que na época de estreia do VAR os dois árbitros dos derbys não tenham tido necessidade de utilizar as ferramentas ao seu dispor para julgar melhor. Recordando a vergonha dos penaltis esquecidos da Luz: empurrão de Coentrão a Jardel, mão de Coentrão na área, mão de Piccini na área, mão de William na área e, claro, Acuña fora de jogo no momento do tal golo do Sporting. 

Só para relembrar os últimos minutos do derby de Alvalade, a entrada de Bruno Fernandes que foi presenteado com um cartão amarelo e o caricato lance na área do Sporting em que é assinalada uma falta num choque de Patrício com um companheiro seu, fora da pequena área, e que fez a bola sobrar para um remate para golo. Tudo normal, portanto. Estamos falados quanto a VAR, Xistras e Macrons. 

 

A ida a Alvalade é, de longe, a que exige maior sacrifício mental. Prefiro mil vezes ir a Chaves ou Portimão, só para dar exemplos de campos bem distantes de casa, trocando o conforto da proximidade, pela sanidade mental. Para quem não costuma ir a Alvalade ver o derby ficam alguns apontamentos curiosos que valorizam muito os que se dão ao trabalho de tirar um dia para passar esta experiência a preços bem puxados.

Para começar, quem compra um bilhete para o derby não é obrigado por lei a seguir para o estádio na chamada caixa de segurança. Eu recuso-me a ir em manada sobre ordens de agentes da autoridade nervosinhos e cheios de vontade de malhar em tudo o que mexe. Como tal, a Liga e os responsáveis pela segurança do jogo têm que, de uma vez por todas, pensar um pouco mais além e resolver a vergonha que é aquele acesso à bancada visitante do estádio do Sporting. 

Eu sei, por experiência própria, que na Luz os adeptos visitantes que cheguem fora das caixas podem ficar em segurança, isolados e com vigilância policial à espera que as portas abram num espaço reservado para eles. E bem. Vejo isto todas as épocas.

Porque é que eu chego à porta que dá acesso à bancada de Alvalade onde vou entrar e tenho de ficar no meio de uma rua cheio de adeptos do Sporting? Já alerto para isto há muito tempo. É que são cada vez mais os adeptos que perderam a paciência para caixas de segurança e vão para o estádio mais cedo. Claro que com tanta mistura a confusão é inevitável. E quando os adeptos da casa pensam que estão em maioria e resolvem partir para a agressão são surpreendidos com um forte contra ataque de muitos mais adeptos visitantes que estão ali perto. E a polícia já só tem tempo para reagir com violência descontrolada. Isto tem que ser resolvido porque na Luz já está há muito tempo controlado.

Depois, entrar naquele estádio e ver que pintaram nas bancadas que ganharam 22 campeonatos, os nomes de Figo e Cristiano Ronaldo com Bolas de Ouro feitas no Sporting e outras preciosidades é de uma vergonha alheia que não tem explicação. Na nossas últimas 16 visitas aos dois estádios do Sporting para ver derbys para o campeonato há um facto comum em todas elas, nunca ganharam um só campeonato. Nem um. Mas há 16 anos tinham 18 títulos de campeão e entretanto escrevem 22. É o Sporting. 

É o Sporting das claques legalizadas. As tais que estão dentro da lei e que devem ser seguidas como exemplo. As que são incentivadas pelo clube e podem interromper um derby nos primeiros minutos com uma inacreditável chuva de tochas para cima da baliza de Patricio! A lei permite que as claques soltem fogo de artificio (!) na bancada. E todos esperamos que o circo acabe para podermos ver o jogo. As claques que podem mostrar lindas coreografias que assinalam datas e locais de confrontos violentos como exemplo para todo o país ver. Com orgulho. Claques que podem mostrar frases durante a partida altamente originais e variadas. Para se ter uma ideia, mostraram uma especialmente bonita umas três ou quatro vezes que dizia apenas e só: Filhos de Uma Grande Puta! Poético, não é? Mas legal, atenção.

São aquilo, nunca passarão daquilo e, por isso, é que precisam de inventar campeonatos ganhos a meio de uma seca que já vai em 16 anos e também exibirem bolas de ouro de jogadores de clubes de outras dimensões. 

Também é engraçado ver que o arranque da 2ª parte é abortado porque os fios da "aranha" que suporta a câmara por cima do relvado caíram. Enfim, é uma viagem a uma realidade paralela e virtual que não é fácil de gerir mas que, felizmente, só acontece uma vez por temporada. 

 

Tudo adiado para última jornada, a ver se o fica desta temporada é um prémio final para esta boa exibição no derby ou um castigo pela incompreensível derrota com o Tondela.