Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Red Pass

Rumo ao 38

Red Pass

Rumo ao 38

A Baliza Grande Chegou à Bola

IMG_2568.jpggrande.jpg

Fico genuinamente feliz por ver o jornal A Bola agarrar no título que ilustra a crónica feita aqui depois do jogo contra o Mónaco e explicar aos seus leitores a lenda da baliza no Topo Sul do Estádio da Luz.

Nem tanto pela vaidade mas mais pelo lado pedagógico que leva muitos benfiquistas das gerações mais novas a desconhecer o significado da Baliza Grande.

 

Quando eu comecei a ir à bola em inicio da década de 80 aprendi logo nas primeiras visitas dois factos que tinham a ver com a mística dos jogos em casa.

O primeiro era sobre o posicionamento dos sócios nas bancadas do lado do Terceiro Anel antigo. A malta começa o jogo sentada do lado da superior norte e ao intervalo vinha calmamente para a curva oposta perto da baliza sul. Era um ritual tão praticado que nunca ousei perguntar a quem me levava porque é que víamos uma parte de um lado e a outra no lado oposto. Rapidamente percebi que era para ver os golos mais de perto. Isto nas bancadas mais baixas e perto do relvado, quando havia espaço para tal. Geralmente dava para fazer a circulação de um lado ao outro porque não havia redes a separar aquele espaço de associados. É por isso que quando vemos fotos e resumos de jogos na Luz contra equipas do campeonato português, que não os chamados grandes, as bancadas atrás dos golos do Benfica estão sempre à pinha. Esteticamente perfeito.

A malta que escolhia um lugar e não estava para mudar ao intervalo chamava aos que mudavam de topo ao intervalo os escravos da bola, os amantes do golo, os nómadas da Luz, etc...

Quando se fazia a mudança de campo pelas bancadas e se o resultado ainda não era do inteiro agrado (na altura um 3-0 ao intervalo não era do inteiro agrado dos sócios, note-se) a conversa que se fazia resumia-se mais ou menos a isto: agora a atacar para a Baliza Grande é que vai ser!

 

O que era a Baliza Grande? Era a baliza para onde o Benfica escolhia atacar por norma nas segundas partes. Uma tradição que, felizmente, ainda hoje se mantém e que alguns clubes gostam de contrariar na escolha de campo, sendo seguramente o Sporting o que mais inverteu esta ordem na ânsia de irritar o pessoal.

Portanto, a lenda da Baliza Grande já tem muitas décadas, ouvi muitas vezes que um jogo encravado ao intervalo com um 0-0 ou um curto 1-0 ia ser desbloqueado logo a abrir o segundo tempo. Como? Com 15 minutos à Benfica logo de entrada para a Baliza Grande e a coisa fica decidida. Muitas vezes era mesmo isto que acontecia.

O jornal A Bola hoje aproveita o momento de Talisca para abordar ao de leva o misticismo da Baliza Grande. Fez bem porque a lenda continua bem viva e eu acredito cegamente nela.

 

A Baliza só não era Grande para uma pessoa. Quem? O Maior de todos os guarda redes, Manuel Bento!