Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Red Pass

Rumo ao 38

Red Pass

Rumo ao 38

Covilhã 2 - 3 Benfica : Ola Jonas!

10516825_10154730673270716_6986529866385853198_n.j

Comecemos por olhar bem para a foto que ilustra o texto. Aquelas quinas ali no meio entre o símbolo da Adidas e o emblema do Benfica não ficam muito melhor do que aquela coisa que a Liga impõe ao campeão? Fica, pois. Aliás, não era ali que deviam estar, era na manga. Até podia ser na direita que tem espaço, já que na esquerda há Moche e o luto do Eusébio.

 

Estreia na Taça de Portugal depois de dois anos seguidos a chegar ao Jamor. Confesso que não achei piada à convocatória de Jesus para este jogo. Uma coisa é rodar grande parte da equipa, outra bem diferente é não levar praticamente nenhum titular, nem para o banco. Achei exageradamente optimista a abordagem a um jogo contra um adversário que faz parte do reduzido universo do futebol profissional em Portugal.

Eu confio plenamente na rodagem que o treinador do Benfica costuma fazer, aprendi a confiar ao longo dos últimos anos porque na verdade o Benfica raramente perde a atitude competitiva colectiva como já vimos em vários jogos de taças. Mas hoje, sinceramente, achei demais.

 

O jogo começou com o penalti mais rápido a nosso favor que me lembro de ver marcado. Ola John bem pela esquerda a sofrer falta na área e Jonas a marcar. Parecia que ia ser uma noite tranquila mas rapidamente se percebeu que havia muitas pontas soltas no Benfica e o Covilhã aproveitou enquanto teve forças para castigar erros primários de uma defesa assustadora, primeiro de bola corrida, depois de bola parada, levando para o intervalo um ameaçador 2-1.

O facto de sofrermos um golo de um jogador chamado Traquina despertou em mim fantasmas de outros tempos em que jogos destes eram maus e acabavam pior com heróis improváveis como Reguila, por exemplo.

 

Artur na baliza não inspira a maior confiança do mundo, como se sabe. Na defesa a grande desilusão, para mim, é Benito. Esperava muito mais do lateral esquerdo e hoje pareceu-me demasiado fraco. André Almeida é isto, muito útil e acima da média quando joga entre os melhores, mediano quando é rodeado de segundas escolhas. Lisandro ainda não conseguiu fazer aquela exibição que o promova a companheiro de Luisão sem margem para dúvidas e César não parece ser alternativa credível por enquanto.

Depois no meio campo gostei mais de Pizzi do que de Cristante. O português mais avançado pode evoluir, o italiano está com dificuldade em definir o seu estilo mais atrás embora tenha aparecido bem na 2ª parte com a fadiga do Covilhã.

Começo a perder as esperanças em Tiago "Bebé" porque o acho inconsequente neste sistema. Parece que não sabe tirar o melhor proveito da velocidade que tem e não melhora na hora de cruzar. Pode ser útil para um jogo em contra ataque em que fique com o objectivo de agarrar na bola para correr em direcção à baliza contrária.

Ola John começou muito bem na ala esquerda mas a lesão pode cortar o interessante ascendente de forma que vinha a revelar.

Na frente, continuo a achar Derley um avançado muito digno, lutador, útil na luta com as defesas. Uma boa contratação.

Para o fim deixo os dois jogadores que ficarão ligados à partida para sempre. O puto Gonçalo Guedes aproveitou muito bem o azar de Ola John e entrou cheio de personalidade, procurou a bola, agarrou no jogo e teve papel determinante no bom resultado. Bem na condução de bola das alas para o meio procurando linhas de passe desequilibrantes. Tem 17 anos, joga como um homem. Só não foi a figura da noite porque estava lá Jonas, uma sobra do tal Valência que nos ia dizimar mortalmente. Afinal, foi de lá que chegou o melhor reforço da época.

Jonas chegou tarde já depois de encerrado o mercado e carregava algumas dúvidas próprias de um dispensado. Nestes primeiros minutos de águia ao peito o brasileiro já convenceu os mais cépticos! Hoje com tempo e espaço para mostrar toda a sua qualidade no meio de muitos jogadores longe do seu patamar.

Não são só os golos, o 2º absolutamente encantador com uma desmarcação e um toque soberbo para golo numa altura que a desvantagem já criava muito desconforto dentro e fora de campo. A movimentação de Jonas é o mais importante. Vem buscar a bola atrás, junto às linhas, a recepção, a viragem com bola, o domínio, a visão periférica, a cabeça levantada, a qualidade de passe, é tudo bom. Não engana, claro que neste contexto mais facilmente se destaca mas na verdade hoje foi ele o desbloqueador de um problema que podia dar um embaraçoso amargo de boca e levantar fantasmas desnecessários. Está motivado e mostrou ao que vem, excelente reforço!

 

Eu dou muito valor a estas vitórias, sabem-me tão bem como 3 pontos bem suados no campeonato. Já vivi o suficiente para ver jogos parecidos com este a acabarem em tragédia. Viagens à Póvoa de Varzim, Barreiros ou Matosinhos, para nem falar em Vitória de Guimarães na Luz já com Jesus ou a tarde negra do Gondomar.

Ganhámos bem embora se tenham corrido demasiados riscos. Agora que nos habituámos a ir ao Jamor não lidamos bem com a hipótese de não ir, como é natural.

Foi uma festa bonita de se ver num palco ainda distante da primeira divisão. Entretanto, um dos rivais já está fora da competição e , por mim, resolvíamos já a questão com o outro rival no próximo sorteio com uma ida a casa deles para ganhar. O Jonas ia gostar da experiência.