Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Red Pass

Rumo ao 37

Red Pass

Rumo ao 37

No Estoril o Peão É Que Era Bom! Salvem o Pão Com Chouriço

 

No próximo sábado vamos viver mais um pouco de evolução no futebol português, mais um sinal de futebol moderno. No jogo com o Estoril os adeptos do Benfica que comprarem o bilhete mais em conta vão ficar numa nova bancada no estádio António Coimbra da Mota. Fica por trás da baliza do lado em que não há balneários, está bonita, bem pintada, com cadeiras, pronta a estrear por adeptos visitantes.

 

Isto faz-me recordar que em tempos, em 1992 mais precisamente, para se ir ver o Benfica na Amoreira era preciso uma dose de paciência e outra de espírito aventureiro, além da óbvia paixão pelo futebol do clube.

 

Viagem Lisboa - Estoril num comboio completamente cheio de adeptos do Benfica em clima de festa. Romaria a pé da estação ao estádio e concentração de centenas de benfiquistas em frente ao enorme portão que tapava a entrada na zona norte do estádio. Só aí chegado uma dúvida se instalava: seria preciso comprar bilhete?

Nada disso, garantiam os mais velhos, aquilo nem era uma bancada, era um espaço que na altura se chamava de peão. Só era precisa paciência até entrarmos todos. Tudo parecia normal dentro daquela loucura que era estar no meio de uma multidão a cantar ao som do Yellow Submarine, "Nós Só Queremos, Entrar Lá Para Dentro"...

O portão abre-se, falta pouco para começar o jogo, entram as primeiras pessoas. Ao longe dá-me ideia que mostravam bilhete ou algum cartão mas a fé em entrar de borla era maior. Até que se começa a perceber como vai ser a entrada. Tudo a empurrar para o mesmo lado de forma ordenada dentro do caos. Três minutos de jogo e golo do Benfica! Pronto, era a senha! Num ápice tudo a correr e como que por magia já estava na rampa de cimento por trás da baliza ainda a tempo de aplaudir Isaías que festejava meio admirado com a chegada repentina de tanto adepto. E assim se enchia o peão do Estoril. Dez minutos intensos de cantorias após a triunfante entrada no estádio culminam no 0-2 aos 15', autoria de César Brito e grande festa encarnada.

 

Sábado lá estaremos, com torniquetes, entradas ordenadas, revistas impiedosas à entrada e controlo policial aparatoso. É a modernidade no futebol.

Só espero que o Estoril tenha feito um bar com o espectacular pão com chouriço quente que vendem na bancada central dos visitantes. Vejam lá isso, que se mantenha alguma tradição.