Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Red Pass

Tetra Campeões

Red Pass

Tetra Campeões

Rio Ave 0 - 1 Benfica: Raul Fez (Outra Vez) o Momento Perfeito

_JPT8455.jpg

 

Vou explicar o que é viver um largo momento de felicidade absoluta. Algo improvável de se sentir mas só possível devido a uma descontrolada paixão por um clube que é maior que a vida.

Estar num domingo à tarde em pé numa bancada , mais ou menos, central, a sofrer por um golo que está difícil de aparecer, olhando o cenário que envolve o Estádio dos Arcos, entre o mar do lado esquerdo e o arvoredo do lado direito. Apesar de ventoso, é um estádio com uma paisagem que fica quase poética com o por do sol a contrastar com as cores vermelhas do equipamento do Glorioso. O momento, propriamente dito, começa numa jogada antes do meio campo, de repente vemos Salvio a correr determinado pela esquerda, os nossos olhos desenham logo uma rápida jogada que acaba por virar realidade. Corrida bonita, com estilo, com as cores certas, Salvio vai até à grande área contrário no momento certo passa a bola para a direita. Assim mesmo, um passe simples e perfeito, nem é uma assistência, que isso é coisa de NBA, um passe que todos nós previmos uns décimos de segundo antes. A bola vai direitinha para Raul que nem hesitou em fazer toda uma nação feliz. A nação benfiquista que explodiu de alegria naquelas bancadas, a nação benfiquista que festejou o golo uns segundos depois por esse país fora, por esse mundo fora.

 

(Fotogaleria de João Trindade)

 

Festejos no relvado, festejos emocionantes na bancada. Abraços, sorrisos, enlouquecer de alegria, que coisa boa. Tudo por causa de uma jogada simples, prática e eficaz. Tudo num momento perfeito.

E uns minutos depois tudo volta a ser sofrimento com o relógio a não andar, com o ataque do Rio Ave a assustar e uma bola a ser devolvida pelo nosso poste. A tal estrelinha a brilhar do nosso lado.

É por causa de momentos destes que milhares de benfiquistas atravessam um país para ir ver o seu clube jogar, que se despedem do autocarro na Luz em festa e o recebe no hotel e no estádio do adversário em delírio.

Este povo ama-te,Benfica. E quando fazes o povo feliz, o mundo parece fazer muito mais sentido, Benfica.

 

Para trás ficam momentos explicações, desilusões, opções e incompreensões. Era domingo, o primeiro de Maio, o tal que alguém se lembrou de dedicar às mães. Mãe, mais uma vez, só nos falámos à distância porque tive que ir atrás do nosso Benfica. Como ninguém manda nós, almoçámos a meio da semana em grande estilo. Dia da mãe é sempre, 90 minutos de Benfica é só uma vez por semana entre Agosto e Maio. Obrigado por compreenderes. E ainda teres moral para mandares SMS, a meio do caminho, a avisar que o derby lisboeta jogada à hora da Liga de Honra acabou com vitória dos pastéis.

 

Felizes dos que podem dedicar um dia inteiro da sua vida à sua paixão clubística. Felizes daqueles que convivem com familiares e amigos que compreendem esta necessidade. Felizes daqueles que são do Benfica, é uma forma de vida maravilhosa.

Íamos entrar em 2º nos Arcos mas ganhámos e agora estamos muito perto de um objectivo que tanta guerra tem levantado nos nossos rivais.

Deve ser maravilhoso acordar numa 2ª feira de manhã, não sendo benfiquista, e pensar que a festa de um inédito tetra do Benfica pode explodir a qualquer momento nas próximas duas semanas. E que daqui a três só se vai falar no último jogo da temporada em que um dos clubes envolvidos é ... o Benfica. E ainda, que a nova temporada, lá para a Agosto, pode muito bem vir a começar com um jogo do... Benfica! É lidar. O vosso pior pesadelo está a sair das cartilhas e das cinzas do Salazar, para ganhar vida e vos deixar mais deprimidos, invejosos e odiosos do que nunca.

Enquanto pensam nisso, falem em comunicados e nos programas todos de televisão sobre esta arbitragem impecável que vimos em Vila do Conde.

Ver o Benfica a ganhar com um golo feito de um momento perfeito deve ser a dor mais aguda e profunda que contrasta com o nosso maior orgulho e nossa maior felicidade.

Foi só mais um jogo a norte do país com o Benfica a jogar em casa, foram só mais 3 saborosos pontos. Foco total no próximo jogo, o Vitória SC na Luz. Partir para esse jogo como partimos para este, nada está ganho e sabemos que a nós ninguém nos dá nada, tem tudo que ser conquistado palmo a palmo, jogo a jogo.

Deixem-me ir ver outra vez o golo do jogo, o momento perfeito. Ser do Benfica, é tão bom.

Benfica 2 - 0 Rio Ave: Na Tal Posição Tão Desejada - 1º

_JPT4015.jpg

 Parece tão simples e até acontecer é sempre tão difícil. Falo em resolver o jogo com o Rio Ave depressa para que nem cresça a motivação no adversário nem a ansiedade no Benfica. Ao intervalo o 2-0 parecia-me ser o melhor resultado do mundo. Era só isto que se pedia para hoje, 3 pontos.

De preferência, sem sobressaltos.

O primeiro golo surgiu , relativamente, cedo com uma exemplar pressão do Benfica sobre a saída de bola do Rio Ave. Sobrou para Mitroglou que justificou a surpreendente chamada ao onze no lugar de Raul.

Os mais de 51 mil adeptos na Luz suspiraram de alivio. Sentiu-se que se ia cumprir mais uma etapa na maratona.

Um jogo às 18h a meio de uma semana de trabalho podia ser uma bela desculpa para um estádio vazio. Aconteceu a pior assistência da época em casa para o campeonato, estiveram "só" 51 mil adeptos no estádio. A cultura de vitória já passou para o lado das bancadas, a nossa casa voltou a estar à altura da grandeza do clube.

 

Após uma boa reacção do Rio Ave com bons períodos de futebol e posse de bola, confirmando o excelente momento de forma da equipa de Vila do Conde, o Benfica soube chegar ao intervalo com uma vantagem ainda mais confortável, graças a uma bela jogada que acaba com um golo de Pizzi cheio de classe.

 

(Fotogaleria de João Trindade)

 

Foi o último jogo na Luz para o campeonato em 2016, era importante gerir a vantagem sem correr riscos. A exibição do 2º tempo não foi empolgante mas acabou por ser eficaz e o objectivo principal foi cumprido, somar mais 3 pontos.

O Natal, finalmente, pareceu ser uma data simpática, a pausa do campeonato ganhou outro encanto, o frio de Lisboa na primeira noite de inverno até ganhava um certo charme, o trânsito à saída do estádio até... Bem, o trânsito tem sido insuportável, nem a vitória do Benfica evita o desespero na estrada.

 

O irónico deste jogo é que depois de tanto choro azul e verde, de tanta reclamação e acusação do Benfica ser beneficiado, fomos contemplados com um festival de arbitragem à moda antiga. Como não quero entrar em modo de ruído, só deixo esta questão: se aquele atropelamento ao Gonçalo não é penalti, então não podemos levar a sério critica nem queixa nenhuma de ninguém. Ridículo.

 

Fechámos um ciclo exigente isolados na frente do campeonato. Vem aí o mercado de transferências, vai aumentar o lote de escolhas do treinador com a recuperação de lesionados, Jonas está aí, a base tem funcionado muito bem e o futuro parece risonho.

Tranquilamente no primeiro lugar no final de 2016, desejo um bom natal a todos os leitores.

Venha a Taça da Liga.

Ukra e Wakaso Falham Arouca...

rio ave.jpg

... mas estão garantidos para a recepção ao Benfica. Pela rapidez com que Ukra entrou em campo ontem contra o Vitória e viu o cartão amarelo que o deixa de fora no próximo jogo, bem se pode dizer que a vontade de ter recompensa no próximo jogo em casa é superior à fome de lutar pela Europa em Arouca. Wakaso também falha a deslocação por castigo.

Aguardo comentários dos especialistas verdes.

Benfica 3 - 1 Rio Ave: O Natal é Quando Jonas Quiser

_JPT5923.jpg

(Fotos: João Trindade)

 

 Na última semana tive a honra de apresentar publicamente um livro sobre os 50 melhores jogos do Sport Lisboa e Benfica. Também houve um jogo em atraso que me deixou muito decepcionado e foi no rescaldo desse empate na Madeira que me lembrei que a vida de adepto tem este lado tão irracional que me leva a fazer um reset após uma noite negra e sentir que o próximo jogo tem de ser tão fantástico que pode entrar na tal lista restrita de meia centena de encontros marcantes.

 

Foi com este espírito que resolvi levantar uns quantos bilhetes que temos de oferta pelo pagamento de débito directo e renovar o Red Pass, e apadrinhar a estreia do Guilherme no Topo Sul. Veio o puto e o pai, juntou-se a minha mulher e assim o ambiente a caminho da bancada já estava renovado. Uma criança de olhos emocionados a agradecer a oportunidade, o desejo de ver o Benfica ganhar, uma tarde de sol e estarmos ali na nossa casa. Já ninguém se lembra da neura pós União.

_JPT5864.jpg

Todas as equipas que chegam à Luz e resolvem mudar a natural ordem das coisas na nossa casa merecem perder ainda mais que as outras. O Rio Ave obrigou o Benfica a atacar primeiro para Sul e isso atrapalha logo a educação das crianças estreantes.

A equipa entrou determinada em ultrapassar a péssima imagem do último jogo e chegou cedo ao golo. Jonas concluiu um bela jogada com um toque de classe de Gonçalo Guedes pelo meio.

Esperava-se que a equipa aproveitasse o balanço de jogar para Sul e o apoio da bancada para construir um resultado tranquilo com exibição convincente.

Um quarto de hora jogado e já o Rio Ave voltava a empatar o jogo. Livre directo de Bressan.

_JPT5862.jpg

 Entre os 15 minutos de jogo e o minuto 80 passou-se muito mal na Luz, a equipa não mostrava futebol de qualidade, os adeptos enervavam-se, o árbitro conseguia passar por três penaltis do tamanho do Colombo sem nada marcar e até o Rio Ave preferia aguentar o pontinho em vez de procurar a vitória.

 

Por falar em vitória, o treinador do Benfica voltou a chamar Samaris para titular. Uma aposta óbvia que foi traída por um cartão amarelo demasiado cedo a condicionar o grego. Uma falta na recta final da primeira parte levaram Vitória a recorrer a Fejsa. O futebol do Benfica não ganhou nada com isso, como já sabemos.

Ataques muito previsíveis, Jonas e Pizzi, os mais inconformados, não estavam a ser felizes na hora de finalizar e a paciência na Luz era nenhuma.

 

O empate parecia inevitável e eu pensava no Guilherme ali ao lado nervoso a não compreender como é que o Benfica não conseguia ganhar ao Rio Ave. Muitos mais Guilhermes estavam espalhados pelas bancadas, muitos miúdos a irem pela primeira vez à Luz e a levarem com aquela exibição sofrida.

_JPT5740.jpg

 Lembrei-me de como tinha vibrado ali ao lado no Pavilhão Fidelidade umas 24 horas antes com pouco mais de um minuto à Benfica em hóquei em patins. Precisávamos de um Nicolia e de um Miguel Rocha. E de repente o futebol relembra-me porque é tão apaixonante. Apareceu Jonas. Grande Jonas. O cruzamento veio de Carcela, lançado na 2ª parte, e Jonas fez o desejado 2-1 com um belo golpe de cabeça. Depois aconteceu Benfica. O brasileiro sai disparado para a bancada e mergulha para abraçar os adeptos do Benfica proporcionando mais umas imagens inesquecíveis na Catedral. Não tive reacção eufórica, na verdade nem me mexi. Olhei em volta e vi a alegria dos putos a delirarem com a chegada da vitória do Benfica, qual Pai Natal!

 

Depois de feito o mais complicado veio o bónus, novamente Jonas a desmarcar Raul Jimenez, que rendeu Mitroglou, que disparou com convicção para o 3-1. Senti enorme alivio, missão cumprida na Luz. Daqui a alguns dias, em plena época festiva familiar, os putos vão estar a mostrar as fotos e a contarem felizes como viveram aqueles últimos minutos.

_JPT5940.jpg

 Para o dia acabar ainda melhor chega a notícia da derrota do ex-líder do campeonato. Num jogo em que a maior parte do tempo houve nervos dentro e fora de campo, o Benfica volta a ficar mais perto do primeiro lugar.

É tempo de mostrar também a nossa indignação com a arbitragem deste jogo na Luz. Duas mãos na grande área do Rio Ave de jogadores adversários, um empurrão incrível a Pizzi que o projectou na altura em que remata à baliza, tudo isto passou em claro. Inacreditável! Tal como já tinha sido o golo do Moreirense fora de jogo ali mesmo. Fora de jogo que desta vez foi tirado a Raul que podia ter feito o 4-1. É nestas vitórias que temos de falar.

 

O facto de só voltarmos a jogar no campeonato em 2016 numa altura em que podemos reforçar a equipa no mercado e recuperar lesionados, Gaitán à cabeça, consegue desdramatizar um pouco o Natal que se segue. E isso só o futebol consegue. E o Benfica, vá.

Abraço a todos os Guilhermes que realizaram hoje um sonho e que o Benfica saiba alimentar o entusiasmo destes putos.