Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Red Pass

Tetra Campeões

Red Pass

Tetra Campeões

Lisboa e Benfica

museu.png

Lisboa e Benfica: duas entidades indissociáveis. O Sport Lisboa e Benfica, nascido em Belém como Sport Lisboa, andou pela cidade até se estabelecer em Benfica. Mas como a história do Benfica não se constrói sozinha, invocamos nesta exposição 20 clubes da cidade que, unidos pelas provas da Associação de Futebol de Lisboa, construíram uma história comum. Pelo traço de Ricardo Galvão, cartunista do jornal A BOLA, relembramos episódios pitorescos. Com cartografia de Lisboa, mostramos os seus campos desportivos. Os clubes em atividade juntam-se para mostrar um pouco do seu acervo.

Dois núcleos associados têm a curadoria de entidades indelevelmente ligadas ao futebol. A Associação de Futebol de Lisboa, agregador e regulador do futebol lisboeta, traz-nos história e atualidade. O jornal A BOLA, com o seu acervo de “bonecos”, conta-nos a história do cartune e caricatura de um jornal que olha para o futebol com humor.
 
Informações úteis

Horário
De 30 de junho a 30 de setembro
De quarta-feira a domingo, das 11h00 às 19h00

Preço
2,00€ | O valor reverte integralmente a favor da Fundação Benfica
Entrada gratuita para crianças até aos 6 anos

Localização
Rua do Jardim do Regedor, n.º 9, Lisboa

 

Museu Nomeado

B4qb0yzCUAAPst6.jpg

 

O Museu Benfica - Cosme Damião está nomeado para o prémio de Melhor Museu Português de 2014.

 

PS: foi distinguido com o Prémio Museu Português 2014, atribuído pela Associação Portuguesa de Museologia (APOM), anunciou esta entidade. 

 

Faz Hoje 50 Anos Que Chegámos ao Topo da Europa

 

 

Para as gerações mais novas é importante explicar que o Benfica a 31 de Maio de 1961 viveu um dos dias mais fantásticos da sua história. Um dia que marcaria a nossa identidade para o meio século seguinte.

Como escreve o jornal I falemos de História:

 

História de Portugal: há 50 anos o Benfica sagrou-se campeão europeu.

 

História de Espanha: há 50 anos o Real Madrid não ganhou a Taça dos Campeões pela primeira vez na história da competição, iniciada em 1955.

 

História da Catalunha: há 50 anos o Barcelona sagrou-se vice-campeão europeu.

 

História da Suíça: há 50 anos Berna foi o local da final europeia com mais bolas ao poste (quatro, todas para o Barcelona).

 

História do Benfica: há 50 anos os jogadores foram enfim autorizados pela direcção a trocar de camisolas com o adversário

 

Ainda há um mês falei do facto do Barcelona reservar no seu imenso Museu um espaço para o campeão europeu de 1961, a final a que eles chamam de "final dos postes" por causa das 4 bolas que os postes da baliza de Costa Pereira devolveu.

É um momento de grande importância na nossa existência que, felizmente, aos poucos se vai destacando dentro do clube como está a acontecer este ano com uma linha de marketing dedicada à conquista de 1961. É qualquer coisa mas devia ser muito mais.

Todos os benfiquistas deviam saber que neste jogo ainda nem havia Eusébio, que Germano fez um jogão, que Coluna foi o melhor em campo, que Mário João salvou um golo, etc.

 

Eu nasci em 1973 e das primeiras coisas que aprendi no meu benfiquismo é que a década anterior ao meu nascimento foi marcada por um Benfica dominador em Portugal e temido na Europa com duas Taças dos Campeões ganhas e presenças nas finais da maior competição continental. Crescer sabendo que poucas épocas antes chegámos ao topo do mundo do futebol condiciona e molda especialmente o nosso benfiquismo. Eu aprendi tudo sobre as finais ganhas e perdidas e tive oportunidade logo na década de 80 de viver mais umas quantas finais europeias. Metade da minha vida foi vivida a conhecer o lado mais glorioso do nosso clube e tudo começou num dia como o de hoje em 1961.

 

Arrisco a passar uma vida à espera de sentir a glória suprema que os meus pais e avós viveram. Já lá estive muito, muito perto mais do que uma vez. Não sei se vou ter essa satisfação, talvez isto seja por ciclos e os dias sagrados estejam reservados para gerações melhores que a minha... Não sei mas vou sempre acreditar. Não sei mas vou sempre lutar para que o espirito de 60 não se esfume em fanatismos pessimistas derivados do presente e passado recente. O Benfica é hoje respeitado em todo o mundo, é conhecido em tudo mundo, os ingleses falam de nós como os giants of Lisbon e , convenhamos, não é tanto pelo passado recente da nossa história, é muito pelas façanhas lendárias que os heróis da década de 60 imortalizaram.

Nós só temos simplesmente que saber estar à altura dessa herança, só temos que ter a humildade de procurar não os envergonhar, e parecendo simples não é nada fácil como se tem visto.

 

Numa altura em que os jornais se divertem a comprar dezenas de jogadores e a vender meio plantel entre as acusações de trafulhices que a nossa Direcção supostamente faz em contratos há um jornal e um jornalista que tem todo o meu respeito. Falo do jornal I e de Rui Tovar. Comprem o jornal de I de hoje leiam, divulguem e guardem as páginas dedicas à grande final de Berna.

Aprendam e ajudem a ensinar o que é realmente o Benfica. Tentemos

ignorar o ruído e voltemos a inspirar-nos nas raízes do nosso clube. O emblema que brilhou há 50 anos é o mesmo que hoje tanto adoramos. Saibemos respeitá-lo.