Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Red Pass

Tetra Campeões

Red Pass

Tetra Campeões

Manchester United 2 - 0 Benfica: Dignidade

benfica.jpg

 A melhor exibição europeia da época não teve reflexo no resultado final do jogo. Não restava outra saída ao Benfica, tinha que chegar ao lendário Old Trafford e jogar um futebol de qualidade superior para lutar por um resultado positivo contra um Manchester United muito motivado.

Tal como já tinha acontecido na última passagem pelo Teatro dos Sonhos, em 2011, a força do Benfica começou por se evidenciar de fora para dentro. Novo festival dos adeptos do Benfica a mostrarem ao mundo o amor pelo seu clube e a transformar o estádio do United num mini Estádio da Luz. Estive lá em 2011 e já sabia que ia ser assim. As noites europeias do Manchester United são reservadas para adeptos "ricos" que preferem o conforto do seu lugar em detrimento do apoio vocal.

Nos primeiros 20 minutos de cada parte, adeptos e equipa estiveram em sintonia total. Boa atitude, boa exibição e uma reacção convincente. Mas esta é uma campanha europeia que está destinada ao fracasso. Tudo o que pode correr mal acaba mesmo por correr mal. Hoje até no aquecimento o titular Felipe Augusto fica fora de combate por lesão!

Rui Vitória optou Samaris no lugar do brasileiro. Voltou a deixar Jonas no banco para formar uma espécie de 4-3-3, com Raul Jimenez como referencia na área contrária, Salvio pela direita e Diogo Gonçalves pela esquerda. Pizzi, Samaris e Fejsa no meio campo, enquanto que atrás a dupla de centrais foi Ruben Dias e Jardel, Grimaldo na esquerda e Douglas na direita. Svilar voltou a ser titular.

Podemos começar pelo jovem guarda redes. Hoje, deu mais um importante passo para a sua afirmação no mundo do futebol. Defender um penalti em Old Trafford é um belo cartão de visita e compensava aquele erro da Luz. Só que o factor sorte não quer nada com o miúdo. Um remate de Matic leva a bola a bater no poste e bate nas costas do "1" acabando dentro da baliza. O Manchester fez dois golos ao Benfica sem ter marcado nenhum. E o 2-0 veio de outro penalti. Em jogo jogado, Svilar esteve sempre à altura dos acontecimentos. Não me parece exagerado afirmar que ganhámos um guarda redes.

Por falar em ganhar, Diogo Gonçalves pela rebeldia, pelo atrevimento, pela qualidade e pela irreverencia mostrou o seu nome à Europa do futebol. Ruben Dias fez uma exibição tranquila e parece que já ali joga há anos. São boas noticias para o Benfica.

O problema é que não chegou. A luta constante de Raul Jimenez merecia melhor sorte que acertar no poste, a atitude da equipa, mesmo depois de estar em desvantagem esbateu num De Gea em grande forma.

A qualidade do Manchester United é imensa, obviamente, e Mourinho percebeu que era pelo seu lado esquerdo que podia chegar ao ouro. A falta de rotina de Douglas como defesa direito é evidente, parar jogadores como Martial ou Rashford é utópico.

A exibição do Benfica foi positiva mas o resultado acaba por ser natural quando se percebe que nasce de mais valias individuais.

Era uma bela noite para se fazer história em Inglaterra mas nos momentos decisivos do jogo o factor azar atrapalhou o sonho.  Este é um ano não em termos europeus. Teoricamente ainda é possível continuar nas provas da UEFA mas na prática não parece que seja viável. Resta lutar nos últimos dois jogos.

Já fomos duas vezes campeões da Europa, a alma de campeões europeus mantém-se intacta na presença dessa massa adepta benfiquista maravilhosa que segue a equipa por todo o lado e cantando alto e em bom som o quanto ama o Benfica. Nas bancadas mantemo-nos, ano após anos, campeões de tudo.

É aproveitar as coisas positivas deste jogo para ir ganhar a Guimarães.

Benfica 0 - 1 Manchester United: Mourinho Show

_JT_4911.jpg

 Foi a noite dos regressos de Lindelof, Matic e Mourinho à Luz. Os dois primeiros despediram-se com humildade e classe no final do encontro com palmas, José Mourinho passou com estrondo por Lisboa marcando fortemente as conferências de imprensa antes e depois do jogo.

O Manchester United venceu numa falha de principiante de Svilar. Talvez o resultado mais justo desta noite tivesse sido um 0-0. Deu toda a ideia que seria um final que o treinador português do United não desdenharia. A sua equipa reagiu muito bem a uma entrada forte e imprevisível do Benfica com muitas surpresas no onze. Desde logo, Rui Vitória optou por deixar Raul Jimenez mais isolado na frente reforçando o meio campo com Fejsa, Augusto e Pizzi. Diogo Gonçalves, outra aposta inesperada, e Salvio nas pontas.

O Benfica conseguiu mandar no jogo, Grimaldo e Douglas a subirem muito criando vários problemas a defensiva inglesa. Foi pena não ter resultado em nada este melhor período do Benfica. É que um pouco antes do intervalo e, principalmente, no arranque da 2ª parte, o Man United optou pela posse de bola com a equipa posicionada em campo de forma superior, preenchendo todos os espaços jogáveis de uma linha lateral à outra.

Posse de bola com muita paciência e o Benfica a cheirar a bola a apostar tudo em contra ataques, assim foi o jogo do Manchester até aquele golo de Rashford que Svilar confirmou. Pareceu-me ouvir uma gargalhada neste momento, Vítor Baía terá expressado a sua admiração por ter sido validado o golo, no seu tempo não era assim...

Acabou por ser um golo ainda mais inglório que aquele de 2005 mas desta vez não houve resposta à altura e o Benfica perdeu mesmo este clássico com a equipa inglesa que me parece muito mais equilibrada e dominadora esta época.

 

O que fica desta noite é o show que José Mourinho deu no pós jogo explicando muito do que está a acontecer no Benfica. Sou insuspeito para o citar, pois sou, assumidamente, muito mais pró Pep Guardiola do que Mourinho Team:

 

«Significa isto que o Benfica vai ganhar 10 campeonatos nacionais seguidos? Acho que não. O FC Porto ou o Sporting não vão deixar. Farão investimentos a outro nível. Mas o Benfica está a seguir uma linha que tem dado títulos e coisas como esta partida. Perde o jogo, mas perde-o com os adeptos atrás da equipa. Os jogadores saem com níveis de confiança mais altos e o Rui reforçado. Foi uma daquelas derrotas em que se ganha um futuro próximo. Sendo adversário mas português, sinto-me orgulhoso e mais orgulhoso ainda quando mostrei aos meus colegas do United o que são instalações desportivas de alto nível», disse em conferência de imprensa.

Análise ao Manchester United

cska-moscow-v-manchester-united-champions-league-2

 

Equipa-tipo (4x2x3x1): De Gea – Valencia, Smalling, Phil Jones, Blind – Herrera, Matic – Mata, Mkhitaryan, Rashford – Lukaku.

 

O exercício de estreia de José Mourinho como treinador do Manchester United ficou marcado pela conquista da Liga Europa, numa verdadeira lição de estratégia, aspeto em é um dos melhores treinadores da história do futebol mundial, ante o poético Ajax de Peter Bosz. Com isso, os red devils afiançaram a conquista de mais um troféu, juntando-o aos triunfos na Supertaça e na Taça da Liga, e alcançaram o apuramento direto para a Liga dos Campeões, subtraindo as marcas de um campeonato pouco conseguido devido ao elevado número de empates (15 em 38 jogos), o que atirou a equipa para um 6.º lugar final abaixo das expetativas. Sagaz na abordagem à nova temporada, Mourinho compreendeu a necessidade de reforçar a equipa de forma cirúrgica, robustecendo a coluna vertebral da equipa com os indiscutíveis Matic (médio) e Lukaku (avançado), enquanto aguarda com serenidade que Lindelöf (defesa), o central que mais qualidade lhe oferece nas saídas para ataque, se adapte a uma realidade competitiva bem mais exigente. Os resultados estão à vista. Após a derrota ante o Real Madrid (1-2) na final da Supertaça europeia, o único troféu que escapa à impressionante galeria de 25 conquistas do melhor treinador português de todos os tempos, o Man United somou 9 triunfos e 2 empates, o que lhe garante a liderança confortável do grupo A da Champions, deslocando-se a Lisboa com a certeza que uma vitória o coloca praticamente na fase seguinte da competição ao final da terceira jornada, e na vice-liderança na Premier League, a apenas dois pontos do Manchester City.   

Ideário. A aposta numa organização estrutural em 4x2x3x1, que parte, muitas vezes, de um 4x4x1x1/4x4x2 em momento defensivo, tem sido clara por parte de Mourinho, surgindo o 3x5x2, desdobrável em 3x4x1x2, como estrutura alternativa, testada com amplo sucesso na deslocação ao terreno do CSKA (4-1). Na Luz, a opção pela estrutura principal com quatro defesas, até pela ausência por lesão de Bailly, será a mais natural, mas não constituirá surpresa se o português abordar a partida com 3 centrais, podendo até testar uma estrutura em 3x4x2x1 (em alternativa ao 3x4x1x2), já que Pogba, Fellaini e Carrick também não poderão defrontar os encarnados. Com uma dimensão física retumbante e uma agressividade ímpar nas ações de pressão e de reação à perda da bola, o Man United tem sido uma equipa extremamente competente e sólida no processo defensivo, como atestam os 6 golos sofridos e as 8 balizas-virgens em 12 jogos oficiais, o que passa pela forma curta e compacta como a equipa defende em momento de organização, criando amplas arduidades para que o rival consiga entrar no seu bloco, como também pela parca exposição no momento de transição, não permitindo que o opositor consiga estabelecer conexões rápidas com sucesso (travando-as, muitas vezes, em fases mais avançadas, garantindo o mote para contra-transições fulminantes), o que constitui um importante óbice para explorar as costas do último reduto. Nas bolas paradas defensivas, onde Mourinho privilegia uma defesa com clara predominância pelo individual, com cobertura zonal do primeiro poste, apenas o Stoke City, ao apostar num pontapé de canto largo ao segundo poste, espaço mais exposto, conseguiu criar mossa. 

Contundência. Do ponto de vista ofensivo, mesmo sendo uma equipa capaz de assumir o jogo e de se instalar com bola no meio-campo adversário, alternando uma circulação veloz pelos três corredores – onde Matic, secundado por Herrera, arroga um papel crucial na construção, enquanto Mkhitaryan, sempre disponível para jogar a toda a largura do terreno, ao mostrar-se corrosivo nos passes de rutura e nos cruzamentos, aspeto em que é coadjuvado pelos laterais e pelos médios-alas, arca um papel deliberativo na criação –, o Man United revela-se corrosivo na exploração de contra-ataques e ataques rápidos, muitas vezes a partir de uma construção mais longa. Isto porque se trata de um dilacerante carro de assalto à profundidade, ao explorar a velocidade, a mobilidade, a potência e a criatividade das suas unidades mais ofensivas. Além disso, aproveita com grande incisividade os lances de bola parada ofensivos, principalmente os laterais, até porque Lukaku, Rashford, Matic e os defesas-centrais são ótimos cabeceadores, e sabem dar sequência aos cruzamentos teleguiados de Mkhitaryan, Mata ou Blind.  


Um a um

De Gea. Soberbo na resolução de remates a diferentes distâncias, tirando partido de excelentes reflexos, agilidade e posicionamento. Menos constante nas saídas a cruzamentos.

Valencia. Velocidade, aceleração, força e disponibilidade físicas tremendas. Pungente no ataque à profundidade em condução ou em desmarcação.

Smalling. Poderoso fisicamente e impositivo nos duelos aéreos. Rápido e agressivo sobre a bola, é feroz no corte. Processos simples na construção.

Phil Jones. Muito disponível e forte fisicamente, é impositivo nos duelos pelo ar e sob o solo: feroz no desarme e na antecipação. Seguro na construção.

Blind. Competente na antecipação e no desarme, mas nem sempre sagaz na interpretação do jogo. Bons argumentos na condução, no passe e nos cruzamentos.

Herrera. Cada vez mais arguto na antecipação e no desarme. Exibe grande critério na construção a diferentes distâncias e na condução de ações ofensivas.

Matic. Robustez e disponibilidade física superlativas aliadas a velocidade de execução e de raciocínio. Enorme qualidade na tomada de decisão. 

Mata. Virtuoso tecnicamente, aporta grande qualidade na condução, na leitura de jogo e nos passes de rutura. Exímio na execução de lances de bola parada.

Mkhitaryan. Alia velocidade, agilidade, mobilidade e aceleração a grande qualidade técnica e virtuosismo no drible. Incisivo nos cruzamentos, no passe e na finalização.

Rashford. Tremendamente veloz e acelerativo, exibe agressividade a partir para cima dos adversários e a criar desequilíbrios. Pode melhorar a definição dos lances, mas exibe atributos no remate com o pé direito.

Lukaku. Referência ofensiva contundente no ataque à profundidade. Alia força, agressividade e velocidade a qualidade no drible e na finalização com ambos os pés ou através do jogo aéreo.

 

Autor: Rui Malheiro

Champions League: Um Olhar Pelo Grupo A

cl.jpg

O Benfica está no grupo A da Champions League 2017/18 com a companhia de Manchester United, Basileia e CSKA de Moscovo.

À partida é um grupo que tem como claro favorito o Manchester United, vencedor da Liga Europa, e deixa em aberto a luta pelo apuramento para os 1/8 de final porque Basileia e CSKA são equipas habituadas a estes desafios mas, claro, que o Benfica é favorito a acompanhar o Manchester United na próxima fase da Champions. Também o acesso à Liga Europa é uma incógnita.

 

Manchester United

Aqui no Red Pass existem duas crónicas que testemunham o último duelo que o Benfica travou com os ingleses. Foi há seis anos quando o Manchester United calhou pela terceira vez no mesmo grupo do Benfica no espaço de meia dúzia de épocas.

A 14 de Setembro de 2011 o jogo acabou com um empate 1-1:
Benfica 1 - 1 Manchester United  marcaram Cardozo e Giggs.

 

Em 22 de Novembro o Benfica foi a Old Trafford devolver o empate. Desta vez 2-2. Uma partida que testemunhei ao vivo:

Manchester United 2 - 2 Benfica: Crónica de Uma Viagem a Old Trafford Com Passagem em Wembley

 

Para trás tinha ficado a negra época de 2006/07, quando o Manchester United venceu na Luz por 0-1 e em Old Trafford por 3-1, depois do Benfica ter estado em vantagem com um golo de Nelson.

Uma época antes aconteceu magia. Em Inglaterra o Benfica perdeu por 2-1 mas na última jornada do grupo na Luz o Benfica de Koeman ganhou por 2-1 com golos inesquecíveis de Beto e Geovanni. Os ingleses ficavam fora da Europa e o Benfica seguia caminho para afastar o Liverpool.

 

 Na década de 60 o Manchester United ficou com boas recordações do Estádio da Luz e do Benfica. Em 1965/66 houve duelo nos 1/4 de final da Taça dos Campeões Europeus. Vitórias inglesas na 1ª mão em Old Trafford por 3-2 e na Luz por... 1-5!

Em 1967/68, os dois clubes disputaram a final da prova maior da UEFA em pleno Wembley. O jogo acabou empatou mas no prolongamento o Manchester United venceu por 4-1.

 

Agora aconteceu o reencontro com jogos a 18 e 31 de Outubro, uma jornada de dupla que marca a viragem do calendário no Grupo A.

clmu.jpg

 

 

Basileia

 

Benfica e Basileia só se encontraram numa época. Foi em 2011/12 também na fase de grupos da Liga dos Campeões. No Red Pass há registos desses dois jogos no arquivo que aqui recupero:

Basileia 0 - 2 Benfica Foi a 18 de Outubro de 2011, os golos foram de Bruno César e Cardozo.

Benfica 1 - 1 Basileia Na Luz , o Benfica não conseguiu repetir a vitória da Suíça e cedeu um empate a um golo. Marcou Rodrigo

 

Jogamos com o Basileia fora de casa a 27 de Setembro e recebemos na Luz os suíços a 5 de Dezembro, na última jornada num jogo que pode ser decisivo no apuramento.

clbsl.jpg

 

CSKA Moscovo

 

Também só há registo de dois jogos entre Benfica e CSKA. Aconteceram nos 1/8 de final da Liga Europa em 2005. Uma época feliz para ambos os clubes por razões diferentes. O Benfica acabaria a época como campeão nacional, o primeiro título desde 1994! O CSKA depois de afastar o Benfica voltaria a Portugal para conquistar a Taça UEFA, como era conhecida na altura, em Lisboa na casa do outro finalista, o Sporting.

Em 17 de Fevereiro o Benfica perdeu em Moscovo por 2-0 no Estádio de Kuban. Na 2ª mão, em Lisboa, o Benfica não foi além de um empate a uma bola, golo de Karadas, e o CSKA seguiu assim o seu triunfante caminho.

Agora os russos são o primeiro adversário do Benfica regressando ao Estádio da Luz a 12 de Setembro. A 22 de Novembro, o Benfica viaja até Moscovo para discutir a penúltima jornada do grupo.

clcska.jpg

 

 Calendário:

12/09: SLB-CSKA

27/09: Basileia-SLB

18/10: SLB-M. United

31/10: M. United-SLB

22/11: CSKA-SLB

5/12: SLB-Basileia

 

 

O grafismo dos adversários do Benfica é retirado do Record de 25/8.