Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Red Pass

Tetra Campeões

Red Pass

Tetra Campeões

Rui Vitória no Top 26 dos Melhores Treinadores do Mundo Para a 442

managers_810x450_2.png

 A conceituada revista inglesa Four Four Two está a escolher os melhores 50 treinadores do mundo ao seu melhor estilo. No site perguntam:

Who are the 50 greatest bosses in football right now? Follow the FourFourTwo countdown this week to the No.1
 
A contagem já está a chegar ao Top 20, começou pelo 50º classificado, e já elegeu alguns treinadores portugueses passando pela Liga portuguesa.

Marco Silva (ex-Hull City, agora no Watford) foi o primeiro a aparecer na contagem decrescente, na 42ª posição. Jorge Jesus, treinador do Sporting, surge na 28ª posição.
O nosso Rui Vitória, Bi Campeão pelo Benfica, está num honroso 26º lugar, o lugar mais alto de todos os que treinam em Portugal.

Para a Sphera Sports: Ljubomir Fejsa > E-Mails

519346642.jpg

Enquanto  que em Portugal se dá todo o tempo de antena aos ecos da gigantesca azia anti-Benfica após a dobradinha-triplete-tetra, publicações respeitáveis, como a Sphera Sports, procura divulgar e explorar alguns dos segredos dos sucessos do Benfica. Imagine-se que foram directos ao nosso Fejsa em vez de invadirem servidores de e-mails!
Para ler em baixo:

El récord de Ljubomir Fejsa, el talismán de la liga

 

Ljubomir Fejsa a día de hoy es uno de los pivotes centrales de mayor trabajo del fútbol europeo. Una aceptable técnica para la distribución de balón y un sentido táctico para encontrar en cada momento la mejor situación para su equipo, el Benfica que domina con puño de hierro la liga portuguesa durante las últimas cuatro temporadas.

El serbio nació hace 28 años en Kula cuando todavía la paz reinaba bajo una unida Yugoslavia. Tras pasar por las categorías inferiores del FK Vrbas llegó el momento de entrar en la cantera del club de su ciudad el Hajduk Kula. Era el año 2005 cuando Fejsa estaba jugando con el equipo sub-19 del Hajduk Kula y le llegó el momento de debutar con el primer equipo.

Tras dos temporadas en el primer equipo y con 20 años llegó el Partizan de Belgrado para firmar por cerca de 1,5M€ al mediocampista de mayor progresión de la Superliga serbia. Fue ahí, en Partizan donde comenzó su leyenda de la regularidad. En las tres temporadas que llevó los colores blanquinegros de Partizan, Fejsa logró alzarse con los tres títulos de Superliga serbia que disputó antes de su traspaso en el verano de 2011 al Olympiacos griego.

Fueron tres los millones de Euros que pagaron los helenos por la compra de Fejsa al Partizan, una inversión arriesgada ya que el serbio se pasó todo el año anterior en el dique seco tras una grave lesión en los ligamentos de su rodilla. Seguramente su larga inactividad no ayudó en el salto de calidad que de él se esperaba, fuera por eso o porque la confianza de Ernesto Valverde primero, y Leonardo Jardim después no fue la adecuada, en las dos temporadas que Fejsa estuvo en Atenas apenas logró jugar 40 encuentros. A pesar de no tener una importancia elevada en la plantilla de Olympiacos, el jugador volvió a celebrar dos nuevas Superligas, en este caso griegas.

Su llegada al Benfica por 5M€ tampoco fue fácil, Nemanja Matic le cerraba las puertas tanto en la selección serbia como en Portugal. El Benfica tenía grandes centrocampistas como Enzo Pérez, pero Fejsa lograba jugar y ser útil para su valedor, Jorge Jesús que siempre confió en las características del serbio para aportar el equilibrio necesario al centro del campo. Con la marcha de Matic al Chelsea, Fejsa se liberó, aunque la aparición de André Gomes también le restó participación en el tramo final de la primera temporada.

Otra horrible lesión en los ligamentos de la rodilla izquierda dejó a Fejsa fuera de toda participación en su segunda temporada. Minutos de la basura en los últimos encuentros de la temporada fue el balance del serbio. Ya con Rui Vitória la temporada pasada se volvió a ver la mejor versión de Fejsa acompañado de Renato Sanches, una de las sensaciones de la pasada temporada. Mientras que el impulsivo y joven portugués se descolgaba hacia el ataque aprovechando su potencia, el serbio cubría sus espaldas.

En la presente campaña, sin ninguno de sus compañeros anteriores, Enzo, Matic, André o Renato, ha compartido eje central con Pizzi, un extremo reconvertido al centro del campo y también con Samaris, un ex compañero suyo en Olympiacos.

Y ya sabréis porque es talismán este bravo mediocentro, sí, Lubomir Fejsa ha ganado la edición de la Liga de Portugal en las cuatro temporadas que lleva en la Liga NOS. El serbio ha ganado cada liga que ha disputado desde el 2008, tres con Partizan, dos con Olympiacos y cuatro con Benfica. Un auténtico talismán para la liga de la regularidad.

Rui Vitoria, el triunfo por encima del ruido

63Q1092-1.jpg

 O ruído atravessa fronteiras e os observadores internacionais mostram-se atentos a quem vence por cima do surreal ambiente de ódio anti-Benfica que se vive no futebol português. Aqui fica um artigo interessante de um escriba espanhol numa publicação que é uma das melhores que se fazem em Espanha, a Spherasports.com:


 

«Só falo com quem quero e quando quero» y fin. Así acabo Rui Vitória con las preguntas que hacían los periodistas buscando que respondiera hace poco más de un año a las insinuaciones de Jorge Jeús, su antecesor en el banquillo de SL Benfica, y preparador de Sporting CP.

«Os trabalhos de gabinetes de comunicação e as palavras de circunstância não são importantes. É tempo de atuar». Y este era el turno de la réplica a Nuno, más recientemente, inquilino del banquillo de FC Porto.

Son solamente dos muestras de lo que han durado las polémicas en manos de Rui Vitória, un suspiro.

Tras dos temporadas en SL Benfica, el técnico de Alverca está firmando una de las etapas más interesantes de la historia reciente del equipo. A los dos campeonatos conquistados de manera consecutiva, se le suman una Copa de Portugal, una Copa de la Liga y una Supercopa, por lo que mejora en mucho a sus antecesores, incluyendo a Jorge Jesús.

Procedente de Vitória SC, club con el que logró una Copa de Portugal, anteriormente había dirigido en la Primeira Liga a Paços de Ferreira, y si repasamos su carrera siempre fue cumpliendo sus objetivos, aunque eso sí, sin hacer ruido.

No lo hizo, como hemos visto, ni ante las provocaciones de Jorge Jesús el curso pasado, cuando Sporting CP comenzó mucho mejor la temporada, ni cuando cuando SL Benfica se recompuso y le dio la vuelta a la situación. Ni si quiera ha alzado la voz ante las acusaciones de arbitrajes parciales en las que Nuno, técnico de FC Porto ha buscado justificar su triste balance y desgastar al equipo campeón.

Rui Vitória se ha centrado en ser un gestor real. Y así, desde verano, buscó solucionar los vacíos que dejaron las marchas de dos de los motores del equipo en el curso anterior: Renato Sanches y Gaitán, que han tenido una fortuna dispar en el Bayern de Munich y el Atlético de Madrid.

Sin huir del 4-4-2 que ya ponía en marcha Jorge Jesús (cuestión que hacía que su rival se “apuntara” méritos en el triunfo del equipo), Cervi en el extremo izquierdo y Pizzi (que ha marcado 10 goles y ha dado 8 asistencias en el la liga) en el medio, han sido dos de las claves de un grupo en el que el guardameta Ederson Moraes, el lateral izquierdo Grimaldo y el pivote Fejsa han sido las notas más brillantes.

Sí bien no hay que olvidar la capacidad goleadora de los tres delanteros benfiquistas (Jonas, Mitroglou y Jiménez), en los cuatro partidos en los que se ha decidido el campeonato, la realidad es que la solidez ha sido su mejor arma.

Cuestiones como las suplencias de Julio César o la de André Carrillo, “robado” a Sporting CP y que pese a estar llamado a ser una estrella ha tenido un curso discreto, han sido solventadas sin dificultades, de principio a fin de la temporada.

En los duelos directos, SL Benfica ha sumado tres empates a uno (dos ante FC Porto y otro en su visita a Sporting CP) y una victoria (en casa, ante su rival en Lisboa), en partidos muy igualados en los que no fue superior del todo a sus contendientes y en los que supo sufrir y mantener el tipo.

Y este fue el secreto, saber esperar el momento, a pesar de las circunstancias, de la presión y del ruido. Sin duda, Rui Vitória ha demostrado que sabe defenderse, eso sí, sin perder la sonrisa.

Imagen de Portada: FPF/Diogo Pinto

Os 50 Melhores do Benfica para a So Foot

so foot.jpg

 A So Foot é uma publicação francesa que tem uma edição mensal em papel, que muito aconselho, mas com uma presença diária digital no seu site de qualidade superior.

Há uns dias, os franceses publicaram uma lista de 50 melhores jogadores do Benfica. As escolhas são curiosas e não dá para evitar um sorriso quando começam por Vata. Em França a meia final da Taça dos Campeões Europeus de 1990 ainda está entalada.

Para conhecerem a lista toda basta clicar na foto que ilustra o post. Mais importante que o critério é o facto do Benfica ser alvo de reflexões de sites tão bons para quem gosta de futebol.

O Hino à Isenção

 

Antes de passarmos ao que interessa, ou seja, a luta pelo apuramento para o Jamor, uma última visita ao clássico de sábado.

Viram o resumo do jogo que o canal público apresentou? A RTP cheia de vontade de mostrar serviço e isenção publica um resumo que passa pela entrada das equipas em campo, com imagens da coreografia da Luz, que sempre dá jeito para embelezar estes momentos, ouve-se, naturalmente, o Ser Benfiquista porque na Luz os jogos começam sempre assim. Depois o jogo, as declarações dos intervenientes e as conclusões finais. Tudo bem. Até que percebemos que a peça termina com a montagem sonora do hino do... Porto!

Mas a que propósito?! Porque também passou um pouco da música popularizada por Luís Piçarra?

Então mas no jogo da primeira volta o resumo também terminou com o Ser Benfiquista?

 

Meus amigos, se querem falar de isenção então falem da iniciativa da BTV que abriu as perguntas ao treinador do Benfica aos representantes dos três jornais diários desportivos. No espaço em que Hélder Conduto recebe Rui Vitória, depois da conferência de imprensa, o jornalista coloca questões ao treinador, são escolhidas algumas perguntas recolhidas junto aos adeptos no final do jogo para que Vitória responda e, desta vez, foi dada a oportunidade aos jornalistas que iam fazer a crónica do clássico para a A Bola, Record e O Jogo, de deixarem uma questão no ar.

Rui Vitória não só respondeu a todos com ainda elogiou a iniciativa.

E sim, até o representante do jornal O Jogo teve o privilégio de fazer uma pergunta ao treinador do clube que tão mal o seu jornal trata.

Sobre isto, o elogio público do jornal A Bola:

abola.jpg

 

Não sei, sinceramente, se os outros jornais elogiaram. Sei que não vi isto ser devidamente divulgado e elogiado. Talvez porque tenha sido uma iniciativa inesperada, contra a corrente e se tenha resumido a falar de futebol.

Acho que foi mais um avanço da BTV para juntar à qualidade que as transmissões do canal apresentam, nomeadamente os relatos do grande profissional que é Hélder Conduto.

 

Em vez de falarmos disto, todos preferem ir atrás de coisas destas:

Leões pedem suspensão de Jonas e Samaris

Porquê? Porque se portaram mal no derby da primeira volta? Porque afrontaram o Sporting?

Não. Porque estiveram atentos ao clássico e têm sempre coisas para dizer.

É engraçado que o Porto - Sporting nem foi assim há tanto tempo e não vi tantos verdes a comentarem esse jogo. Aliás, não vi verdes nenhuns a apontarem nada ao jogo do Dragão e agora estão todos excitados com o Benfica - Porto da Luz? 

Preocupem-se em apoiar o vosso companheiro e aliado da claque da FPF que está na ribalta.

 

Futebol português ou o mundo ao contrário.

 

 

15 minutos à Benfica

1118314.jpg

Hoje no jornal Público vem um interessante artigo assinado por Jorge Miguel Matias sobre os 15 minutos à Benfica.

Aqui o reproduzo:

 

Estádio da Luz a fervilhar. Segundo os relatos da época, 69.021 espectadores nas bancadas a acreditarem que o Benfica treinado por Jimmy Hagan seria capaz de dar a volta a uma eliminatória que tinha começado mal, na Holanda, onde o Feyenoord havia ganha por 1-0 a primeira mão. O titularíssimo António Simões era uma carta fora do baralho para a partida de Lisboa, pois escorregou numa escada quando ia para o treino e partiu um braço. Mas nem o azar do esquerdino tirava a crença dos benfiquistas numa reviravolta do marcador e na passagem às meias-finais da Taça dos Clubes Campeões Europeus. Afinal, havia Jaime Graça, havia Artur Jorge, havia Jordão, havia Nené, até havia Eusébio…

E o jogo não podia ter começado melhor para as “águias”. Estavam decorridos apenas cinco minutos quando Nené igualou a eliminatória. A Luz incendiava-se e começou a arder 26 minutos depois, após o golo de Jordão. Em pouco mais de meia-hora o Benfica dava a volta à eliminatória e fazia o austríaco Ernst Happel, treinador da equipa holandesa, engolir as palavras proferidas depois do triunfo em Roterdão - no campeonato holandês, os portugueses jogariam para “não descer de divisão".

 

Só que o Feyenoord não era uma equipa qualquer. Os campeões holandeses tinham muitos internacionais e dois anos antes tinham vencido a Taça dos Clubes Campeões Europeus e a Taça Intercontinental. A um quarto de hora do fim, um golo de Schoemaker colocou o resultado em 2-1 e emudeceu a Luz. Os “encarnados” estavam fora da prova e, com apenas um quarto de hora para jogar, muitos foram os que desistiram.

 

Centenas começaram a dirigir-se para o exterior do estádio sem imaginar no que estava prestes a acontecer. Num assomo de raiva, num ímpeto de galhardia, o capitão Jaime Graça rouba a bola aos holandeses, que a passavam com algum desdém de jogador para jogador no seu meio-campo. Num ápice ela acaba nos pés de Nené, que marca o seu segundo da noite (o terceiro dos benfiquistas) aos 81’ e dá início a uma goleada que terminaria com o triunfo dos “encarnados” por 5-1, depois de mais dois golos – um de Jordão (87’) e outro de Nené (89’). Três golos nos últimos 15 minutos.

O que se passou naquele período, no relvado da Luz, entrou para a história como os 15 minutos à Benfica. Uma expressão que tenta descrever um futebol avassalador, uma espécie de vendaval ofensivo que empurra os adversários para trás, uma sucessão de ataques incessantes protagonizada pelos homens vestidos de “encarnado” e que encosta o opositor às cordas até o deixar KO, permitindo dar a volta a resultados desfavoráveis.

Muitos anos mais tarde, Nené, o homem daquele jogo, elegeu-o como o jogo da sua carreira. O avançado, na primeira pessoa, em declarações ao PÚBLICO em 2004: “No jogo da primeira mão, em Roterdão, o treinador do Feyenoord, Ernst Happel, meteu-se muito connosco, disse que o Benfica era uma equipa de provincianos que não sabiam jogar futebol. O próprio capitão, van Hanegem, comparou o Benfica ao Excelsior, na altura o último classificado do campeonato holandês. O ambiente no jogo de Lisboa, como sempre, estava fantástico, com o Estádio da Luz completamente cheio. Os jogadores sentiam muito o peso daquele estádio e aos 30 minutos de jogo já estávamos a ganhar por 2-0 – o suficiente para nos qualificarmos para as meias-finais, já que tínhamos perdido o primeiro jogo por 1-0. Mas eles fizeram o 2-1 perto do fim e tudo parecia perdido. Muita gente começou a abandonar a Luz. Lembro-me que os jogadores do Benfica olharam uns para os outros e acho que não foi preciso dizer mais nada. Cerrámos os dentes. As palavras do senhor Happel ainda estavam nos nossos ouvidos e mexeram connosco. Quisemos demonstrar-lhe o que era o Benfica, o Estádio da Luz, o famoso terceiro anel. Nos últimos dez minutos de jogo, marquei dois golos e o Jordão outro. Tinha 22 anos e essa foi, certamente, uma das noites mais inesquecíveis da minha vida.”

Os 15 minutos à Benfica foram, assim, forjados num período aúreo do Benfica, com Jimmy Hagan no comando de uma equipa quase imbatível. O inglês chegou à Luz em 1970-71 e rodeado de uma série de jogadores de excelência conduziu os “encarnados” a três títulos de campeão nacional, o último dos quais praticamente perfeito: 30 jogos, 28 vitórias, dois empates e zero derrotas; 101 golos marcados, 13 sofridos; 18 pontos de avanço para o segundo classificado.

 

Pedro Marques Lopes, a Pressão e o Lixo. Aguenta, Pizzi!

pizzi1.pngpizzi2.png

Hoje n'A Bola, o Pedro Marques Lopes cumpre a cartilha e, também ele, menciona a questão dos cartões amarelos ao Pizzi. Nem levo a mal, é pago para isto. Os floreados à volta da questão é que eram desnecessários porque são todos facilmente rebatidos. Mas era preciso encher a coluna e escrever só vejam lá se mostram o raio do amarelo ao Pizzi, era pouco.

 

Tenho para mim que esta conversa dos cartões para o Pizzi encontra semelhanças naquela "polémica" com a data do aniversário do nosso clube. Enquanto o Sport Lisboa e Benfica assinalou, comemorou e festejou o 28 de Fevereiro, anos após ano, até 2003, nunca ninguém levantou nenhum problema. Em 2004, o clube deu natural destaque ao seu centenário e apareceram os experts com os seus dogmas históricos. Os azuis resolveram a questão inventando uma data de nascimento para o século 19, os verdes arranjaram mais uma razão para chorar e berrar. O espelho dos três clubes.
Esta novela à volta do desejado 5º cartão amarelo é a mesma coisa. Durante quase meio campeonato ninguém falou da possibilidade, ou não, do Pizzi ver cartões. Aproxima-se o clássico e, de repente, passou a ser questão nacional. Se durante dezenas de jogos, o Pizzi faz o seu trabalho sem falhar partidas no campeonato, o mérito é seu.

Agora, eu também vi o que foi termos o Pizzi condicionado no jogo dos Barreiros. Com metade desta pressão, Pizzi jogou em bicos de pés e até evitou fazer uma falta numa jogada que podia ter dado golo para o Marítimo. Curiosamente, perdemos esse jogo.

Está explicada a urgência em pressionar o jogador, os adversários e o árbitro para o jogo da Mata Real. O Pizzi tem sido superior a isto mas não é nada bom conviver com esta loucura. É preciso manter a frieza e ser inteligente.

 

Quanto ao resto do artigo do Pedro Marques Lopes, acho que se entusiasmou divagando nas suas fantasias. A história do Jesus afastado das fotografias é só mais uma mentira repetida para passar a ser verdade. Ora então, diga lá em que fotografias o treinador Jorge Jesus foi apagado pelo Sport Lisboa e Benfica. Eu poupo-lhe trabalho, em nenhuma. Para que não fiquem dúvidas, eu esclareci tudo neste artigo: Isto não é uma foto!
De nada, Pedro.

 

Quanto à posição táctica e posicional de Pizzi na equipa do Benfica, nem Luís Filipe Vieira, nem Rui Costa, decidiram onde ele joga. Jorge Jesus tirou proveito de Pizzi, utilizou-o à direita e no meio. Umas vezes melhor, outras pior. Mesmo porque usou outros jogadores nessas posições.

O Pizzi com Jesus fez 31 jogos e marcou por 4 vezes. Depois, chegou Rui Vitória, que até conhecia muito bem Pizzi de outras épocas em que estiveram juntos, e o rendimento foi 47 jogos, 8 golos , na época passada e 42 jogos e 12 golos, só nesta época. Dá para ver bem a diferença e a evolução , certo?

 

Portanto, por estes últimos números percebo bem a necessidade da pressão, o resto do texto é lixo.

Aguenta, Pizzi!

 

 

 

 

O Malandro do Pizzi, o Malandro do Presidente do Vitória SC e a Ausência de Penaltis Contra o Benfica

pizzi.jpg

 Chegámos aquela fase que eu chamo de carreira de tiro final. Isto é, a recta final do nosso peculiar campeonato. É a altura em que o desespero justifica que vale tudo. Jornais estrategicamente colocados na luta, disfarçados de isenção, calúnias, afirmações incendiárias, polémica, enfim, o verdadeiro vale tudo.

 

Sabemos que estamos nesta fase decisiva quando vemos um jornal diário desportivo, teoricamente isento, a levantar suspeitas sobre os jogos em que o nosso Pizzi não vê cartão amarelo. Assim, à cara podre mesmo.

Depois recupera-se o soundbyte que esteve muito na berra na época passada, por esta altura, claro, que é o facto do Benfica não ter penaltis assinalados contra. Não, não se levanta a questão daquele penalti que ficou por marcar no Bonfim por falta no Carrillo. O problema é a falta de penaltis marcados contra o Benfica.

Aliás, esse árbitro agradou tanto ao país do futebol que está nomeado para nos apitar em Paços de Ferreira!

 

A enorme vantagem do crescimento desportivo do Benfica na última década, é que nos colocou nos centros das decisões de todas as competições de futebol. Algo que se tinha perdido e que chegou a parecer impossível voltar a acontecer.

Fala-se que o Benfica corre atrás do seu Tetra, do seu quarto campeonato seguido conquistado. Mas é bom lembrar que podíamos estar a ambicionar algo bem mais grandioso. É que o Benfica tem estado na luta pelo título sempre até ao fim nos últimos dez anos, umas épocas mais, outras menos. Mas tem sido o objectivo real do clube. A partir de 2009, já lá vão 8 anos, o Benfica tem andado sempre lá em cima. Descontem-se duas épocas de desorientação técnica, e pensemos que podíamos estar neste momento a lutar por um penta. Bastava não ter acontecido aquele empate com o Estoril na Luz, para não voltar a falar do golo do Kelvin.

Isto só trouxe mais maturidade aos jogadores que vão fazendo os plantéis, às equipas técnicas, aos dirigentes e também aos adeptos. Nós já sabemos muito bem o que é viver estas últimas semanas de campeonato, a tal fase do vale tudo. A nós não nos dão nada. Nunca festejamos títulos no sofá como o rival do norte teve. Temos sempre algum clube em cima, nem que seja o Braga! Sim, o Braga lutou até ao último jogo da época em que no Benfica jogavam Cardozo, Aimar, Saviola, Ramires, Coentrão, Javia Garcia, Di Maria e David Luiz!

 

Para não andar muito para trás, recuemos só até a 2016. O Sporting fez o que faz sempre, chateia, insulta, aponta, inventa, reclama, duvida e ameaça. Só que no ano passado estavam a lutar anormalmente pelo título. Uma coisa que lhes acontece de vez em quando. Geralmente, nesta altura preparam a nova época.

Contaram com a abençoada colaboração dos eternos aliados azuis, o clássico no Dragão foi um amigável oferecido ao Sporting na luta desesperada de evitar o título benfiquista. Quando começaram a perceber que o Benfica não ia perder pontos, partiram para ataques jamais vistos em Portugal. Recordo apenas o que fizeram com o menino Renato Sanches. Eu não esqueço o racismo dos verdes no alto do seu desespero. Foi do pior que assisti.

Assim, posso afirmar com tranquilidade que aguardo ataques a ferro e fogo até Maio. Isto do Pizzi é só o começo. Será que este "artigo" não é matéria suficiente para o Benfica fechar as portas das suas instalações ao O Jogo ? Fica a dúvida.

 

Dando o mote para o que aí vem, acho oportuno referir os seguintes factos neste campeonato:

 

Penalties a favor:

Sporting - 7

Porto - 6

Benfica - 4

 

Inferioridade numérica:

Benfica - 50'

Sporting - 26'

Porto - 0'

 

Superioridade numérica:

Porto - 284'

Sporting - 100'

Benfica - 1'

 

Curioso, não?

Mas preparem-se porque o grande escândalo do nosso futebol foi o presidente do Vitória SC ter estado ontem no Seixal a ver um jogo da 2ª divisão com dirigentes do Benfica. Isto sim, uma pouca vergonha.

Além, claro, de não haver penaltis contra o Benfica e do Pizzi não ver cartões amarelos.

Vamos à luta sem medo porque destas batalhas já nós estamos calejados.

 

 

A Entrevista de Ano Novo do Presidente à Bola