Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Red Pass

Rumo ao Tetra

Red Pass

Rumo ao Tetra

Benfica 6 - 2 Leixões: Desforra de 2008

benfica leixões mitroglou.jpg

 

Fez há pouco tempo 8 anos que numa noite fria o Benfica foi disputar uma eliminatória da Taça de Portugal com o Leixões. O jogo foi em Matosinhos e acabou empatado para desespero dos benfiquistas. No prolongamento nada de novo e nos penaltis Reyes permitiu a defesa de Beto, sim esse, que eliminou o Benfica de Quique Flores da competição. Não foi assim há tanto tempo.

Nos últimos dois anos não chegámos nem às meias finais da prova que acaba no Jamor e que nos proporciona uma tarde épica de convívio a fechar a época. Por isso, fico muito satisfeito com a atitude e determinação com que a equipa encarou o desafio de hoje, dando mais um passo seguro rumo ao Jamor.

Também era preciso limpar a imagem que ficou daqueles surreais 24 minutos contra o Boavista e esquecer aquela anormalidade.

Hoje, o Benfica fez 3 golos na primeira parte. Só não foi para o intervalo com o sentimento do dever cumprido porque o Leixões fez um golo numa bela jogada colectiva antes de terminarem os primeiros 45'.

Rui Vitória não facilitou, continuou a usar nas alas defensivas Nelson e André, manteve Mitroglou e Jonas na frente e persistiu em não dar descanso a Pizzi.

 

(Fotogaleria de João Trindade)

 

Com resultado em 3-1, com um golo de Pizzi, o treinador optou por, finalmente, lançar André Horta para a 2ª parte no lugar do "21". O destaque entre os marcadores tem que ir para André Almeida que fez o seu primeiro golo oficial pelo Benfica.

Já Mitroglou aproveitou para afinar apontaria e chegar a um hat trick contando com a bondade de Jonas que deu a sua vez ao grego na marcação de um penalti, já que o brasileiro já tinha feito o seu golo.

Zivkovic continua a mostrar qualidade de jogo que empolga cada vez mais os adeptos do Benfica. Não desperdiça estas oportunidades para se chegar à frente e mostrar o que vale, muito bem o sérvio nesta eliminatória da Taça de Portugal.

O Benfica cumpriu a sua obrigação, venceu com estilo um Leixões que proporcionou um jogo muito agradável de seguir nesta noite gelada que contou com quase duas dezenas de milhar de benfiquistas, e alguns adeptos nortenhos, nas bancadas.

Uma palavra de simpatia para o Leixões de Daniel Kenedy, que voltem depressa aos tempos áureos no futebol nacional.

Agora, ficamos a dois jogos da desejada final do Jamor, duas partidas com o Estoril para levar tão a sério como todas as que temos feito desde o primeiro jogo com o 1º de Dezembro, precisamente no Estoril.

Benfica 3 - 3 Boavista: Meia Volta

_JPT7797.jpg

Passadas todas estas horas (mais de 5) ainda não sei muito bem o que dizer sobre o 0-3 que no marcador aos 24' de jogo na Luz. Dizer que entrámos pior do que noutros jogos não me convence pois lembro-me do Gonçalo falhar o golo que podia ter sido o 1-0 e continuámos a atacar. De repente, três jogadas, três golos contra. Todos do meu lado, à minha frente. Do livre directo não percebi porque é que não foi marcada falta sobre o Rafa, no 0-2 fiquei a olhar para o árbitro a ver se marcava falta sobre o defesa, no 0-3 fiquei a olhar para o fiscal de linha à espera de ver o fora de jogo assinalado. E assim, tive que lidar com um surreal 0-3 antes da meia hora de jogo. Ficar a chorar e ensaiar o discurso óbvio de dizer que o circo compensa estava fora de hipótese, portanto comecei a fazer contas de cabeça. Era preciso fazer um golo e reagir depressa aquela tragédia para evitar uma derrota inesperada. O golo apareceu.

 

Ficámos com toda a 2ª parte para fazer 3 golos. Parecia aquelas noites europeias, um jogo de 2ª mão em que era preciso fazer vários golos para seguir em frente e o estádio todo acreditava no milagre.O facto de termos chegado ao empate com mais 20 minutos para consumar a reviravolta deixou-me minimamente satisfeito. Reagimos, fomos à luta, anulámos a desvantagem. Fiquei frustrado por ver que não tivemos forças para mais e não conseguimos fazer um último golo. Não me lembro de ver 6 golos na Luz e não festejar nenhum por estar à espera do 7º para explodir de alegria.

 

Percebem porque é que não quero destes jogos na minha vida? Muita emoção, surpresa, incerteza, muitos golos... Não! Não preciso nada disto em jogos do Benfica. Isso é bom para jogos que estou no sofá a ver de outras Ligas. Aqui só queria vitórias chatas, previsíveis e aborrecidas, sem ponta de emoção.

 

 

 (fotogaleria de João Trindade )

 

Isto foi de todo inesperado, mais um acidente de percurso, espero eu, parecido com aquele primeiro jogo em casa para a Liga. Esta partida final da primeira volta tem que servir de aviso para a metade que falta do campeonato. É verdade que vamos virar na frente mas hoje ficou provado que isto está longe de ser um passeio até ao fim.

 

Quanto à equipa, assinalo a capacidade de recuperação de três golos, estranho a opção de não entrarmos com Mitroglou de inicio e, há que dizer, pareceu-me que Pizzi acusou o cansaço da jornada dupla de Guimarães, não sei se não devia ter descansado na Taça da Liga. Isto são tudo observações de treinador de bancada e após o jogo, diga-se. Quando começou achei que a equipa estava óptima para mais uma vitória, tal como o nosso treinador.

 

Nunca mais me esqueci daquela tarde em que perdemos por 0-3 com o Boavista. Aí nunca acreditei numa reviravolta, hoje, felizmente, nunca acreditei que íamos perder. Tempos diferentes.

O dia de hoje fica marcado pelo almoço que tive antes do jogo com o meu pai que comemorou mais um aniversário. Não precisava de mais factores especiais para recordar o 14 de Janeiro de 2017.

 

Felizmente que este sofrimento inesperado de sábado à noite foi um pouco atenuado porque temos sempre os vizinhos para nos fazer sentir um pouco melhor.

Digerir e reagir é o que se pede, olhando para a frente.

 

 

Vitória de Guimarães 0 - 2 Benfica: Naturalmente, na Final Four

benfica vence em guimarães.jpg

 Ao ver o jogo de hoje lembrei-me de um livro sobre Bill Shankly e de uma passagem em que ele dizia com piada:

"There are only two sides in Liverpool. Liverpool and Liverpool reserves."

 

Parece-me que é o que se está a passar no futebol português. As duas melhores equipas, pelo menos na Taça CTT, são o Benfica e as "reservas" do Benfica. Este reservas com aspas muito realçadas.

Voltar a Guimarães depois do triunfo para o campeonato e mudar a equipa quase toda, só resistiram Pizzi e André e Nelson, para voltar a fazer uma exibição tranquila, segura com nova vitória é uma proeza que merece todos os elogios. Isto porque os jogadores mudam mas a cara do futebol encarnado é a mesma.

A primeira parte do Benfica foi tudo o que se pedia, marcar e procurar resolver o jogo mesmo sabendo que o empate era suficiente para atingir o objectivo principal. Mas para não se por a jeito, a equipa procurou com toda a seriedade garantir o apuramento e ficar longe de critérios de arbitragem ou dos factores de sorte e azar.

Rafa arranjou um penalti para Pizzi falhar mas depois apareceu Gonçalo Guedes possuído para bisar e colocar o Benfica na desejada Final Four do Algarve. Boas exibições de Zivkovic, a deixar cada vez mais água na boca, Rafa, que tem de marcar golos urgentemente, e Carrillo que procurou entrar na história do jogo com sucesso.

 

Ver o jogo na RTP trouxe uma grande vantagem para nós benfiquistas, pudemos ouvir os nossos adeptos a puxar incansavelmente pela equipa e até deu para ver grandes planos da bancada benfiquista. Estão a ver, Sport Tv ?

 

A postura competitiva do Benfica é impressionante e não é de hoje. É das maiores mais valias do clube nos últimos anos, a motivação com que a equipa do Benfica ataca todas as competições onde entra, seja a Taça da Liga, seja a Liga dos Campeões. Isto é que é à Benfica. Assim fica mais fácil inscrever o nosso nome entre os finalistas e os vencedores das várias provas. É disto que é feito o Glorioso!

 

O valor e a validade do plantel do Benfica é de realçar agora que estamos a meio da temporada. A passagem pela fase de grupos da Taça CTT foi um sucesso só possível por existir um plantel equilibrado. O problema é que o mercado está aberto e muita coisa pode mudar neste mês, mas até aqui já ninguém pode tirar o mérito do caminho feito.

Agora, no Algarve é para ganhar. Como sempre.

Vitória de Guimarães 0 - 2 Benfica: A Culpa é do Benfica!

jonas mitroglou.jpg

 Depois de uma semana de alta intensidade fora dos relvados que terminou com o árbitro desta partida a apresentar queixa na polícia contra terceiros, entrou em campo o Benfica e somou mais uma vitória que em nada vai contribuir para a paz no futebol, o que é lamentável.

Obviamente, que o árbitro apresentou queixa por causa do Benfica, o Porto a seguir perdeu mais dois pontos por causa do Benfica e o Benfica venceu este jogo em Guimarães por causa do Benfi... do Jonas e companhia.

 

É um prazer indescritível ver o Benfica jogar à bola indiferente a todo o folclore que os rivais têm montado para disfarçar os sucessivos falhanços. É um orgulho imenso ver o Jonas pegar na bola e transformar os nossos receios em sorrisos. Quando Jonas fez o 0-1 a primeira coisa que pensei foi: caramba, estava preocupado com o quê?! Temos o Jonas!

 

A verdade é esta, o Benfica tem uma atitude incrível nestes jogos. Entre forte, determinado, pressiona alto, ataca rápido e cria perigo com facilidade. Então se calha chegar cedo à vantagem no marcador sente-se que fica completamente confortável no jogo. É quase sempre assim.

 

Antes do golo de Jonas houve um momento de grande apreensão, a saída de Fejsa para a entrada de Samaris. A presença do sérvio costuma ser meio caminho andado para partidas tranquilas. Só espero que a lesão não seja grave.

Mas Samaris hoje entrou muito bem, a equipa manteve-se equilibrada e começa a acontecer aquilo que tenho vindo a avisar, o nosso maior reforço de inverno vem mesmo  subir de nível o futebol encarnado. Com Jonas a titular e a caminho da melhor forma a conversa é outra. Quem não entender a dimensão que o brasileiro traz ao jogo é porque não percebe de futebol. E chegámos até aqui na frente sem Jonas.

Mitroglou pode explicar a qualidade de Jonas. O grego parece outro quando faz dupla com o "10". Entre eles saíram as assinaturas dos dois golos desta vitória muito importante no Minho.

 

Tanta gente à espera de um escorregão e uma resposta mesmo à Tricampeão. E o pior de tudo, sem casos de arbitragem para passarem o tempo até à próxima jornada.

 

Um sábado à Benfica. Ir à Luz almoçar, ir espreitando o voleibol na televisão, arrancar para o Pavilhão Fidelidade para testemunhar um atropelo ao Porto em Hóquei em Patins, voltar ao local do almoço para festejar os golos e a vitória do Benfica, ficar para ver o Porto perder mais dois pontos. Vir para casa encantado.

 

É tão bom ser do Benfica.

 

Benfica 4 - 0 Vizela: Jonas a Bisar, Zivkovic a Assistir

15776822_10157991817920716_5763637067719410355_o.j

 

Quem viveu a emoção dos jogos na Luz durante a década de 80 tem sempre um ponto em comum que o aproxima de outros benfiquistas. Quando se faz uma listagem de jogos de outros tempos é com regularidade que vem à baila o nome do Vizela. Quem viu na Luz esse jogo em 1985 gosta sempre de o lembrar por ter sido contra um adversário raro. O Vizela marcou o arranque do campeonato 1984/85, o Benfica venceu por 1-2 na jornada 1. Depois, na 2ª volta, o Vizela foi à Luz e acabou por ser goleado por 5-1.

Ficou na memória colectiva as cores da equipa de Vizela. Camisola azul clara e calções brancos. Ainda hoje é a segunda parte de qualquer conversa que recorde esse jogo este equipamento. Isto porque na altura o jogo mais popular entre os miúdos era o Subbuteo. Comprar a equipa do Vizela era boa ideia porque essa equipa dava para fazer de Vizela, Amora, Alcobaça e até Belenenses ou Manchester City. Tudo equipas que andaram nas divisões maiores naquela altura.

 

Serve esta introdução para explicar o meu desapontamento por perceber que 30 anos depois o Vizela trocou aquele belo equipamento por uma réplica do FC Porto! Quem souber quando é que se deu esta triste mudança que me explique e argumente.

 

15895989_10157991819745716_2174235738142302859_o.j

 

O jogo foi encarado com a determinação do costume, não há jogos fáceis, nem competições secundárias. No Benfica é sempre para ganhar e , por isso, foi com facilidade que o Benfica construiu uma goleada natural e tranquila. Tudo certo na abordagem ao jogo, tudo óptimo nos 6 pontos somados em 2 jogos da Taça CTT. É o que se pede.

 

Notas importantes deste primeiro jogo de 2017, Jonas a titular, a bisar e a mostrar que está pronto para ajudar nesta segunda metade de época. Zivkovic com 3 assistências, uma bela exibição e um pé esquerdo a pedir mais protagonismo na equipa principal. E ainda o regresso de Lisandro aos golos, sempre importante o central argentino.

De resto, ninguém se lesionou, a equipa aproveitou para manter o bom ritmo e o hábito de vencer.

 

Jonas e o pé esquerdo de Zivkovic mereciam mais do que 19 mil pessoas na Luz mas nem mesmo o preço muito reduzido dos bilhetes convenceu os benfiquistas a irem à bola. Ficaram a perder todos os que não testemunharam ao vivo aquele livre de Jonas.

É preciso ir a Guimarães carimbar a passagem para fase final da Taça da Liga, o trabalho em casa está feito. E bem feito.

Começa bem 2017.

Benfica 1 - 0 Paços de Ferreira: Entrada Certa na Taça da Liga

_JPT4596.jpg

 Não era pedir muito mas era essencial para a boa disposição de passagem de ano. Depois do Natal, o último jogo do ano no Estádio da Luz merecia uma audiência digna e os adeptos corresponderam. Convenhamos que para um jogo às 21h15 da Taça da Liga, mais de 30 mil pessoas nas bancadas não foi nada mau.

Um ano tão fantástico como o de 2016 merecia uma última vitória do Benfica para o tornar ainda mais especial. E o Benfica cumpriu, estreia na Taça CTT com três pontos conquistados e uma vitória a fechar o ano.

Não foi uma exibição de sonho, não aconteceu um resultado inesquecível mas este 1-0 serve perfeitamente para fazer a ligação entre o Natal e o Ano Novo com toda a tranquilidade, sem euforias e seguindo o caminho do sucesso.

Houve a curiosidade de ver Celis e Jardel no onze inicial e sentir o regresso de André Horta e mais uns minutos de Jonas.

O golo de Cervi deu sentido a esta última partida de 2016, um ano que vamos recordar durante muito tempo.

Entramos no novo ano com todos os objectivos intactos.

 

 (Fotogaleria de João Trindade)

 

Agora, vem aí a abertura de mercado, um calendário intenso e temos de estar preparados para um ritmo alucinante. As bancadas da Luz perceberam o momento e compensaram a equipa com um apoio emocionante no final do encontro, sinal que estamos todos mais juntos do que nunca e essa é a maior força do Benfica. Unidos, a olhar para dentro e a a dar todo o apoio à equipa porque não nos cansamos de ganhar e querer mais.

Venha 2017.

Benfica 2 - 0 Rio Ave: Na Tal Posição Tão Desejada - 1º

_JPT4015.jpg

 Parece tão simples e até acontecer é sempre tão difícil. Falo em resolver o jogo com o Rio Ave depressa para que nem cresça a motivação no adversário nem a ansiedade no Benfica. Ao intervalo o 2-0 parecia-me ser o melhor resultado do mundo. Era só isto que se pedia para hoje, 3 pontos.

De preferência, sem sobressaltos.

O primeiro golo surgiu , relativamente, cedo com uma exemplar pressão do Benfica sobre a saída de bola do Rio Ave. Sobrou para Mitroglou que justificou a surpreendente chamada ao onze no lugar de Raul.

Os mais de 51 mil adeptos na Luz suspiraram de alivio. Sentiu-se que se ia cumprir mais uma etapa na maratona.

Um jogo às 18h a meio de uma semana de trabalho podia ser uma bela desculpa para um estádio vazio. Aconteceu a pior assistência da época em casa para o campeonato, estiveram "só" 51 mil adeptos no estádio. A cultura de vitória já passou para o lado das bancadas, a nossa casa voltou a estar à altura da grandeza do clube.

 

Após uma boa reacção do Rio Ave com bons períodos de futebol e posse de bola, confirmando o excelente momento de forma da equipa de Vila do Conde, o Benfica soube chegar ao intervalo com uma vantagem ainda mais confortável, graças a uma bela jogada que acaba com um golo de Pizzi cheio de classe.

 

(Fotogaleria de João Trindade)

 

Foi o último jogo na Luz para o campeonato em 2016, era importante gerir a vantagem sem correr riscos. A exibição do 2º tempo não foi empolgante mas acabou por ser eficaz e o objectivo principal foi cumprido, somar mais 3 pontos.

O Natal, finalmente, pareceu ser uma data simpática, a pausa do campeonato ganhou outro encanto, o frio de Lisboa na primeira noite de inverno até ganhava um certo charme, o trânsito à saída do estádio até... Bem, o trânsito tem sido insuportável, nem a vitória do Benfica evita o desespero na estrada.

 

O irónico deste jogo é que depois de tanto choro azul e verde, de tanta reclamação e acusação do Benfica ser beneficiado, fomos contemplados com um festival de arbitragem à moda antiga. Como não quero entrar em modo de ruído, só deixo esta questão: se aquele atropelamento ao Gonçalo não é penalti, então não podemos levar a sério critica nem queixa nenhuma de ninguém. Ridículo.

 

Fechámos um ciclo exigente isolados na frente do campeonato. Vem aí o mercado de transferências, vai aumentar o lote de escolhas do treinador com a recuperação de lesionados, Jonas está aí, a base tem funcionado muito bem e o futuro parece risonho.

Tranquilamente no primeiro lugar no final de 2016, desejo um bom natal a todos os leitores.

Venha a Taça da Liga.

Estoril 0 - 1 Benfica: A Eficácia de Raul, a Segurança de Ederson e o Regresso de Jonas

raul jimenez estoril.jpg

 

O mais importante foi conseguido, uma vitória e três pontos conquistados.

É importante ir passando estes obstáculos mais perto de casa, aconteceu a meio da semana no Restelo e agora no Estoril. São jogos de uma proximidade rara ao estádio da Luz que fazem a sentir a equipa mais confortável com a curta deslocação e o ambiente.

Depois do triunfo no derby era imperativo dar seguimento ao bom momento com uma vitória na Amoreira. O objectivo foi conseguido mas as dificuldades foram grandes. Aliás, já na época passada este jogo foi muito suado, o Benfica venceu com uma remontada.

 

À medida que o plantel dá mais opções ao treinador é permitido a cada adepto discutir qual o onze ideal a apresentar, isto sem beliscar as apostas da equipa técnica que vai seleccionando quem lhes dá mais garantias.

Mas este jogo é especial porque marca o regresso de Jonas aos relvados e o brasileiro em boa condição física terá de ser titular. Aqui penso que estamos todos de acordo. Jonas entrou já com o resultado em 0-1 e logo deu para matar saudades daquele toque de bola e daquela inteligência a jogar à bola.

Isto quer dizer que Rui Vitória terá de repensar toda a frente de ataque, uma boa dor de cabeça para os próximos tempos.

 

Hoje a equipa não confirmou a tal eficácia tão elogiada nos últimos derbys, parece que quanto tem mais bola e mais oportunidades de marcar a tendência é para facilitar na finalização e isso complica muito o jogo.

Não marcar nas alturas certas pode trair o bom trabalho colectivo, aconteceu na Madeira quando Salvio acerta na trave e depois o Benfica acaba a perder o jogo.

Num jogo em que Cervi e Rafa ocuparam as alas, Raul repetiu a titularidade com mais um golo decisivo e Guedes juntou mais velocidade aos extremos, o Benfica procurou sempre o ataque por via vertiginosa nas duas alas. O problema é que o jogo acaba algo previsível e obriga Raul a descair para os flancos à procura de bola e ninguém ocupa o seu lugar na área como referência de ataque.

Tudo é ultrapassado quando a velocidade alia a qualidade individual e resulta em golo. Aconteceu com o penalti de Raul.

Mas depois abre-se nova discussão no sector defensivo. Já se sabe que temos de improvisar na esquerda com a competência de André Almeida, que não deixa de ser uma adaptação, mas basta comparar com o outro lado para percebermos a diferença. Nelson Semedo está num nível muito alto tanto a atacar como a defender nesta altura da época.

No eixo da defesa é onde se abre a maior discussão actualmente. Será esta a melhor dupla centrais? Vimos no Restelo Jardel e Lisandro a darem boa conta do recado, embora num jogo de nível de dificuldade muito diferente. Lindelof estará confortável a jogar na esquerda? Não será mais seguro apostar em Jardel ao lado de Lindelof, como sueco mais à direita?

São estas as questões que os benfiquistas levantam neste momento, isto porque Luisão não está no seu melhor momento de forma mas é o indiscutível capitão e líder. Tudo opções para serem discutidas nas bancadas mas também para Rui Vitória reflectir.

O mais importante é saber que há cada vez mais soluções para aperfeiçoar a equipa.

A vitória suada de hoje obriga a trabalhar sempre no limite e pensar sempre em mais e melhores soluções.

O que não tem discussão é a importância de Ederson a segurar pontos nesta Liga. Impressionante qualidade do jovem guarda redes do Benfica a aparecer nos momentos certos do jogo quando os seus companheiros mais precisaram de si.

 

A vitória do Benfica é justa, claro, mas podia ter sido traída pela ineficácia ofensiva e desacerto defensivo. Valeu a qualidade de Raul na hora do penalti, de Ederson e do regresso do grande Jonas.

Mais uma jornada, mais uma vitória, o líder segue na frente.

Real 0 - 3 Benfica: Com Naturalidade nos 1/4 de Final

_JPT2351.jpg

 

Foi com toda a naturalidade que o Benfica venceu o Real Sport Clube e carimbou a passagem aos 1/4 de final da prova. Desta maneira, o Benfica entra em 2017 com todos os seus objectivos intactos.

 

O jogo não teve grande história. Fica para mais tarde recordar que a partida foi jogada no Restelo numa noite fria e chuvosa, com o Real a tentar resistir o mais possível e com Rui Vitória a dar oportunidade a alguns jogadores.

Foi o caso de Yuri Ribeiro na esquerda da defesa, Jardel e Lisandro no centro. Depois, Danilo, Samaris, Zivkovic e Carrillo tiveram tempo para mostrar serviço. Uns aproveitaram melhor que outros. Pela negativa, Carrillo, pela positiva, Zivkovic.

Mitroglou bisou e Raul manteve a veia goleadora depois de vir do banco.

 

(Fotogaleria de João Trindade)

 

Foi uma 2ª parte muito melhor que a primeira, a entrada de Gonçalo Guedes ajudou a mexer com o jogo, e a vitória apareceu de maneira natural.

A tal monotonia que eu gosto na minha vida.

Foi pena os benfiquistas não terem ido em maior número ao estádio do Belenenses porque a equipa merecia esse apoio numa altura da época em que se mantém a lutar em todas as frentes e, também, porque a Taça de Portugal nos merece mais carinho. Sem estas noites desconfortáveis ao frio com adversários de divisões inferiores não há presença no Jamor no fim de época, por isso é importante estar sempre com a equipa.

Foi o jogo ideal após um derby tão intenso e antes de uma deslocação ao Estoril onde a equipa vai ter de estar na sua máxima força para voltar ao foco do campeonato.

 

Benfica 2 - 1 Sporting: Incomparável

_JPT1898.jpg

 Alguém se lembra de algum derby que o Benfica tenha vencido e que o adversário tenha reconhecido mérito na vitória? Eu não me lembro e já levo trinta e muitos anos de ver e viver estes jogos. Se há coisa certa numa vitória do Benfica sobre o Sporting é que nunca foi justa e sempre houve dedo de arbitragem.

Por acaso, faz agora um ano, mais coisa, menos coisa, que fui ver um destes derbys a Alvalade e senti-me altamente aldrabado com o resultado final do jogo, que ainda por cima era a eliminar. O Luisão à minha frente partiu o braço e não houve penalti para ninguém, por exemplo. Sabem quem era o árbitro desse jogo? Lembram-se dos elogios do adversário para com o trabalho do árbitro?

Depois desse jogo as coisas mudaram no Benfica. E mudaram porque em vez de ficarmos a chorar mais uma arbitragem que nos prejudicou, seguimos em frente, lançámos novos jogadores como Renato Sanches e acabámos campeões. Curiosamente, os rivais saíram logo a seguir da tal competição. Caíram como? Afastados pelos árbitros, claro.

 

Tal como hoje. O clube que paga o ordenado mais alto a um treinador de futebol em Portugal chegou à Luz cego com a possibilidade de voltar para casa na liderança do campeonato. Para isso até desprezou as competições europeias de tal maneira que só lá voltam na próxima temporada. Mas isso não interessa para nada porque o foco era roubar a liderança ao Benfica vencendo o derby. Ou seja, andaram dias e noites a sonhar com este jogo, iam fazer a única coisa que justifica a sua existência, lutar para ultrapassar o Benfica.

 

Por seu lado, o Benfica vinha de duas derrotas seguidas. A crise adivinhava-se, as lesões não poupam o plantel, não havia defesa esquerdo e o mundo estava a acabar para os homens de Rui Vitória.

O treinador do Benfica limitou-se a lançar Rafa no lugar de Cervi e viu a sua equipa responder com a alma e determinação do costume, chegando ao 2-0 no arranque da 2ª parte. Teve que tirar Salvio e lançou Danilo. Depois optou por Cervi no lugar de Guedes e acabou por trocar Rafa por Samaris. Simples.

 

Fotogaleria de João Trindade

 

Já do lado contrário, depois do Sporting ter reduzido, houve a inteligência de tirar Dost para entrar André. Opções.

 

O Benfica soube ter iniciativa de jogo quando teve de atacar, soube sofrer quando teve que defender e soube agarrar a vitória para aumentar a vantagem sobre o rival directo na luta pelo título.

 

Dá gosto ver como esta equipa tem crescido e mostrado experiência. Da mesma maneira, que é um prazer assistir ao crescimento do ambiente do Estádio da Luz em termos de eficácia. Primeiro, com uma coreografia realmente bem feita. Depois, com um ambiente incrível nas bancadas sempre a segurar a equipa e a empurrá-la para a vitória.

O maior destaque tem de ir para a maneira como o Topo Sul apresentou o Benfica numa só palavra. Será, talvez, dos exercícios mais difíceis e ingratos, caracterizar o Benfica numa só palavra. Esta noite, a palavra apareceu no meio do inferno: incomparável!

É isto mesmo.

Circo, folclore, ruído, barulho, choro e parvoíce sempre há. Como o Benfica é que nunca houve. Nem haverá. É incomparável.