Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Red Pass

Rumo ao Tetra

Red Pass

Rumo ao Tetra

Sabem Quando é Que não Há Capas Destas?

CNecj-2WgAAMR5O.jpg

 

- Quando foi depositado dinheiro na conta de de José Cardinal, árbitro auxiliar.

- Quando um ex-vice-presidente do Sporting foi preso pela Unidade Nacional de Contraterrorismo da Polícia Judiciária.

- Quando um líder de uma claque do Sporting foi detido com mais oito elementos dessa claque, após seis buscas domiciliárias e uma outra à sede da em Alvalade, numa operação policial contra a violência no desporto.

- Quando esse mesmo líder aparece em plena pista do Jamor abraçado ao seu Presidente.

- Quando o Benfica foi vergonhosamente prejudicado nos 1/4 de final da Champions em Londres contra o Chelsea.

- Quando o Benfica foi vergonhosamente prejudicado numa final europeia contra o Sevilha. Preferiram enaltecer a bravura de um guarda redes batoteiro. Foi em Espanha que se viu a maior indignação da comunicação social ao roubo de Turim!

 

Como se pode ver nem é por falta de oportunidade que não há mais capas destas. Eu até concordo com o que lá está escrito. Prendam. E castiguem. Por exemplo, o caso José Cardinal teve alguma implicação disciplinar para o clube envolvido?

 

Quanto ao choro lagarto eu quero deixar aqui um apontamento. Desde que me lembro que o Sporting é isto. Sempre roubado. Cá dentro e lá fora, é o mundo contra eles. Sempre! Não conheço outro clube no mundo que tenha adeptos que assobiem tanto os árbitros, os auxiliares, o hino da Champions e da Liga Europa. São únicos. Não conseguem falar de um único jogo em que entrem sem falar do árbitro. Não conseguem acompanhar um único jogo em que entrem sem que façam reparos à arbitragem. Quer dizer, até conseguem... Quando são beneficiados, claro.

Isto não é de hoje nem de ontem. Sempre foi assim. O choro está para o Sporting assim como a fruta está para o Porto. São factos com que cresci a acompanhar o futebol por cá. Uns faziam pentas dourados enquanto outros decretavam lutos.

 

Houve uma altura que o meu clube teve a tentação de cair nesta vitimização. Foi o pior período da nossa história em todos os aspectos. Felizmente, isto passou e deixámos isso para os vizinhos.

 

E não é por falta de razões. Cá dentro e lá fora. Caramba, se há clube que tem razões de queixa da arbitragem à escala europeia é o Benfica que viu uma final europeia ser decidida nos penaltis por culpa de quem apitou. E até nos penaltis permitiram que o guarda redes batoteiro adversário quase chegasse à bola mais rápido que os nossos jogadores que marcavam!

Por cá nem é preciso andar muito para trás. Em Arouca ninguém percebe porque não se marcou penalti sobre Mitroglou, ninguém percebe porque se interrompeu o jogo no momento em que se remata para o empate no fim do jogo. Mas todos nós entendemos que o Jorge Coroado continua achar que uma falta do Luisão na área do Arouca é penalti contra o Benfica. Há uns anos também o Aimar foi pontapeado na área da Académica em Coimbra e o árbitro apontou falta para a Académica. Só não foi penalti para a Briosa porque o Coroado não estava lá. Foi num empate a zero numa altura em que o Benfica se viu privado de lutar pelo título porque foi prejudicado nas primeiras jornadas desse campeonato de forma vergonhosa.

 

Como é que reagimos a esses momentos? Tenho as crónicas em arquivo que não me deixam mentir. Na final de Turim não culpei o árbitro nem a UEFA por nos tirar o Markovic da final. Em Londres não culpei o árbitro por expulsar o Maxi a meio da primeira parte. Voltei para Lisboa e contei a aventura da viagem triste por não seguir para as meias finais da Champions. Curiosamente, no dia a seguir à chegada a Lisboa fui a Alvalade ver a última derrota do Benfica por lá em muitos anos e que coincidiu com uma bela... roubalheira. Também há crónica arquivada desse jogo. Não chorei.

A crónica de Arouca é bem recente e podem constatar que não se centra em árbitros.

 

Habituámo-nos a conviver com estes erros e a discutir o que é que a equipa fez mal. A centrar a conversa nos nossos desempenhos em vez de amuar e chorar porque ninguém gosta de nós. E quando vamos na frente e começamos a ouvir falar em colinhos apenas sorrimos e viramos isso a nosso favor. Porque é mesmo o que temos de fazer. Curiosamente, depois do penalti sobre o Gaitan no Algarve e da derrota em Aveiro nunca mais ouvi falar em colinho, é engraçado, não é?

 

23 comentários

Comentar post