Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Red Pass

Tetra Campeões

Red Pass

Tetra Campeões

Benfica 5 - 1 Braga: O Respeito, A Dignidade, A Festa; O BENFICA!

_JPT8152.jpg

 (Fotos: João Trindade) 

 

Receber o Braga é, historicamente, um jogo que abre sempre expectativas devido ao grau de dificuldade elevado. Mas, ao contrário do que a imprensa nos faz pensar, isto não é um fenómeno recente nem esporádico. Os jogos com o Braga há muito que deviam ter o rótulo de clássicos do futebol português. Quando comecei a frequentar o Estádio da Luz no começo da década de 80 havia sempre alguns adversários que causavam mais nervos antes das partidas. Além dos óbvios rivais directos, as recepções a Belenenses, Vitória de Guimarães e também o de Setúbal, mais o Boavista eram sempre consideradas complicadas devido ao valor dos adversários. O Braga encaixava-se neste lote.

Mais de 30 anos depois é justo afirmar que o Sporting minhoto merece estar acima dos clubes citados em termos de ranking de dificuldade para nós. De todos os clubes falados, o Braga é o único que compareceu todas as temporadas na Luz desde os anos 80 porque, ao contrário dos outros, nunca desceu de divisão. Não é por ter ganho mais estatuto e se ter fixado como participante habitual nas provas europeias e na parte de cima da tabela da classificação portuguesa. O Braga sempre foi um clube muito organizado, com um futebol atrevido e orientado pelos melhores treinadores portugueses como Quinito, Manuel Cajuda, Vítor Manuel, Manuel José ou os "nossos" Humberto Coelho e Carlos Manuel. Já ia à Taça UEFA na década de 80. Portanto, que fique claro que o Braga é um adversário duro tendo o estatuto de clássico pela sua história e não por proezas recentes.

_JPT8015.jpg

Ambiente espectacular na Luz para receber este clássico. O vôo da águia que demorou mais do que é costume, o hino do Benfica cantado com emoção, davam o mote para uma grande noite.

 

Apesar de toda a excitação anunciou-se o cumprimento de um minuto de silêncio em memória de Fernando Mendes. Um homem que jogou e treinou o Sporting, foi o capitão da equipa que ganhou o único troféu europeu do clube, a extinta Taça das Taças, e fez parte da Selecção que encantou em Inglaterra no Mundial de 1966.

Equipas alinhas, apito do árbitro e silêncio na Luz logo interrompido por cânticos dos adeptos vindos de Braga! Prontamente, a Luz assobiou os visitantes e o silêncio foi reposto. Para que não sobrassem dúvidas, os adeptos do Benfica acabaram por assinalar o momento com uma estrondosa salva de palmas. Assim, com respeito e dignidade. À Benfica.

_JPT8224.jpg

 Finalmente, o jogo. A bola rolava há 40 segundos e Wilson Eduardo atirava ao poste da baliza grande guardada por Ederson. Susto. Primeiros minutos assustadores com o Braga a mostrar ao que vinha e o Benfica demasiado nervoso, ansioso e precipitado. Das bancadas aumentava o apoio como que a mostrar o caminho à equipa.

Paulo Fonseca montou a sua equipa com o propósito de marcar. Além de trocar Marafona por Mattheus na baliza, promoveu o regresso do capitão André Pinto no centro da defesa para o lugar de Boly, e optou por lançar Wilson Eduardo no lugar do sérvio Nikola Stojiljković. Com os rápidos Pedro Santos e Rafa nas alas e a referência Hassan na frente, estavamos perante uma equipa de respeito.

 

Quando Lindelof tenta lançar mais um ataque a partir da sua posição mas com a bola a ir directamente para fora, o jogo muda. A reacção das bancadas foi aplaudir o jovem sueco e puxar pelo Benfica até a equipa ganhar, finalmente, a posse bola. Começou a funcionar o entendimento de Eliseu e André Almeida nas alas com Pizzi e Gaitán, apareceram as combinações com Jonas e Mitroglou, e houve espaço para Renato e Fejsa subirem a equipa. Numa pressão bem conseguida à saída de bola do Braga, o Benfica recupera a bola para que o avançado grego acabe com a indefinição no jogo. O 1-0 veio tranquilizar o Benfica e teve o condão de desmotivar quase por completo os minhotos.

_JPT8189.jpg

Rapidamente o Benfica elevou para 3-0, Jonas de penalti e Pizzi a finalizar uma jogada que teve no passe de costas de Jonas um dos melhores momentos da noite. Estava resolvido o problema.

 

De repente, as idas às Selecções dos nossos jogadores deixaram de ser um problema, a antecipação do jogo para 6ª feira passou a fazer sentido e todos estes temas repetidos nas discussões à volta do jogo morreram. A raça, a determinação e a motivação desta equipa do Benfica são incríveis.

Além dos bons momentos de futebol, fica na memória os festejos de cada golo. A maneira como Jonas se manifesta em golos que não são seus, o extravasar de alegria de todos os jogadores após cada golo, tudo sinais de uma vontade que só encontra paralelo nos mais de 60 mil que vibram nas bancadas.

Resolver o jogo e fazer do resto da partida uma festa na bancada e um prazer para quem está dentro de campo leva-me a pensar naquilo que escrevi depois do Bessa, é uma sorte ser do Benfica.

_JPT8291.jpg

 Na 2ª parte tinha que haver mais golos porque o Benfica atacava para Sul. A tradição manteve-se. Jonas isolado podia ter pensado em celebrar os seus 32 anos com mais um golo na corrida individual pelo melhor marcador europeu mas preferiu oferecer o golo a Mitroglou. Os dois juntos levam tantos ou mais golos que todas as equipas do campeonato do 4º lugar para baixo!

 

Um pormenor muito interessante nas substiuições de Rui Vitória. Escolheu Nelson, Samaris e Carcela para ir a jogo mas teve o cuidado de rodar posições mostrando o à vontade conquistado pela equipa em rotinas de jogo. André subiu para o meio campo, Samaris recuou para central. Das adversidades, o treinador tem criado opções e oportunidades.

Com o jogo a correr tão bem faltava chegar ao golo 100 em jogos oficias nesta época. Samaris resolveu, então, celebrar o centésimo golo de livre directo. Era um problema que tinha sido levantado durante a semana, o Benfica não consegue marcar golos de livre directo. Pronto, já consegue.

 

Mas o jogo não havia de terminar sem que caísse mais um mito. Depois do minuto 90 penalti, bem assinalado, para o Braga. Já não via os benfiquistas a festejarem tanto um penalti marcado contra a sua equipa desde aquele do Balakov nos 3-6!

Pedro Santos fez o golo de honra do Braga, e no outro Sporting deu-se mais uma pequena facada na honrada história do clube. É que, rapidamente, chegava a informação aos nossos telemóveis do desabafo que a conta oficial do Sporting publicou a propósito do golo do Braga.

sc.jpg

Primeiro ainda pensei que era brincadeira, depois percebi que era só mais uma loucura descontrolada de um clube que se tornou um recreio.

Tinha sido uma óptima oportunidade para o clube agradecer o respeito demonstrado na Luz pela memória de Fernando Mendes. Mas é pedir muito a um clube que não agradeceu a enorme e sentida ovação que o nosso estádio prestou no minuto de silêncio por Vítor Damas.

Antes pelo contrário, no minuto de silêncio por Bento insultaram o Benfica em Alvalade, e no Estoril deram aquele espectáculo, que envergonhará para sempre o clube de viscondes, durante o minuto de silêncio por Eusébio.

Aqui, tal como no comunicado oficial do Benfica, respeitou-se Damas, como se respeita agora Fernando Mendes, jogador e treinador do Sporting Clube de Portugal, assim mesmo com o nome do clube escrito e com letras maiúsculas. Sem complexos.

 

O jogo Benfica - Braga terminou em festa, eu já não acreditava ser possível golear assim o Braga desde a primeira passagem de Sven Göran Eriksson pelo Benfica. Felizmente, voltou a acontecer.

E agora temos direito a um bónus magnifico que é ir até à Alemanha jogar a maior prova de clubes do mundo no seu estado mais avançado contra o mitico Bayern de Munique. Um desvio antes de nova final em Coimbra. Com esta determinação, com este apoio neste caminho.

Porque o Benfica nasceu para noites destas.

 

 

 

10 comentários

Comentar post