Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Red Pass

Tetra Campeões

Red Pass

Tetra Campeões

O Benfica no Excelente These Football Times

611982330-sl-benfica-v-cd-feirense-primeira-liga.j

O excelente site These Football Times dedica um belo artigo à evolução do Benfica no futebol português nos últimos anos. Lamentavelmente, não se debruça sobre cuspidelas de índios e cowboys, preferindo uma interessante visão sobre a recuperação do Benfica nas últimas épocas. Reproduzo aqui o artigo original. É em inglês mas serve bem para desenjoar dos assuntos que dominam a agenda do futebol português:

 

Benfica’s youth-centric plan to rule Portugal and challenge in Europe

 

There is no doubting that FC Porto have been the most dominant Portuguese side of this century. Shrewd signings and high-profit sales fuelled a staggering 11-year period in which Porto won 26 domestic, European and international titles between 2002 and 2013. In the same timeframe, perennial rival SL Benfica could only manage eight – of which just two were league titles.

While Porto earned plaudits for the development of a long list of talents under a long list of brilliant managers, with the most noteworthy being current Manchester United boss José Mourinho, Benfica struggled due to crippling debt and years of mismanagement of the club from top to bottom.

The seeds of revival, however, were planted in 2009 when Benfica welcomed enigmatic manager Jorge Jesus to the club. At the time, Benfica could boast a squad containing David Luiz, Ramires and Angel Di Maria. They won the league in the 2009-10 season but a fire sale was imminent and sustainable and reliable streams through which Benfica could replace these players were not yet clear.

Jesus provided an unusual stability for Benfica and many of the club’s problems were deflected by the absurd nature of their manager, whose personality reflects a Portuguese version of legendary Czech coach Zdeněk Zeman.

Meanwhile, Benfica’s state-of-the-art Seixal academy was beginning to bear its first fruits. André Gomes and Bernardo Silva were the first notable graduates of the academy. However, in the fledgling years of the academy, a disconnect emerged between the youth division and the first team. Jesus was not prepared to give academy graduates the opportunity to stake a claim for consistent first-team football – undermining the existence of the academy itself.

Benfica’s re-emergence would not be complete without the interference of Portuguese football’s third most influential player, Sporting CP. On 5 June 2015, Jorge Jesus announced he would not be renewing his contract at Benfica and would instead join Sporting, their bitter crosstown rivals. At the time, it was not yet known that this would be next step in Benfica’s evolution.

Former Benfica youth team coach Rui Vitória was signed after a wonderful season at Vitória de Guimarães and immediately set about implementing a familiar policy at Benfica which had served him so well there. That policy would involve maximising the use of the academy.

Now, Benfica top the pile in Portugal. They have won three consecutive league titles, including a nail-biting victory against Jorge Jesus’ Sporting in last year’s domestic campaign. But that is only the start of the good news emanating from Lisbon.

The first-team is bursting at the seams with academy graduates, even without the sales of Gomes, Silva, Renato Sanches, Ivan Cavaleiro and João Cancelo, which have cumulatively earned the club over €100 million (not including potentially massive add-ons from Sanches’ Bayern Munich move). Since Rui Vitória’s arrival, young players like Viktor Lindelöf, Gonçalo Guedes, Ederson Santana and Zé Gomes have all made contributions to the first team, with Lindelöf and Santana being notably influential.

These academy graduates have been joined by an extensive list of clever, cheap and young recruits, headlined by the majestic 19-year-old left-back Alex Grimaldo who was signed for just €1.5 million from Barcelona in January. Joining Grimaldo are Franco Cervi (€4.1 million), André Horta (€400,000), Nelson Semedo (free), Andrija Zivkovic (free), Danilo Barbosa (loan) and Rafa Silva at a slightly more expensive €16.4 million.

• • • •

eusebio benfica

Read  |  The unique relationship between Benfica and Portugal’s politics

• • • •

This introduction of youth is not slowing Benfica down either. Still dominant in Portugal, they even enjoyed their best start to a league season in 2016-17 – no mean feat considering the greats of yesteryear.

Furthermore, Vitória has implemented an exciting, fast-paced brand of football that takes advantage of the incredible depth of quality the club possesses in wide areas. This is also the most efficient way of utilising his veteran core through the centre of midfield and defence, which sits deeper and offers the younger creative players the chance to be expressive and to press higher.

The experienced Serbian Ljubomir Fejsa is at the heart of this. He fills a number of defensive gaps vacated by the attacking wing-back pair of Grimaldo and Semedo. In addition, Lisandro Lopez has become an increasingly clever and composed centre-back and, when paired with the menacing Giorgio Chiellini-like Lindelöf, the two complement each other wonderfully well. As a partnership, they are yet to truly be thwarted.

The solidity of that duo has contributed to the incredible attacking output of Grimaldo and Semedo at wing-back, who frequently chip in with goals and assists. The former, with his La Masia-nurtured impeccable technical quality, has taken Portugal by storm this season and is establishing himself in a similar way to Héctor Bellerín at Arsenal last season. The latter, despite a serious knee injury that hampered his 2015-16 season, has cemented his place at Benfica and is now challenging for a starting spot at international level with Portugal. His pace and willingness to run both ways is elite.

Further up the pitch, André Horta has become one of the shrewdest signings in all of Europe as he accustomed himself to the attacking midfield position in Benfica’s 4-2-3-1 seamlessly. Not only that, Horta’s style of play is great to watch. His touch is immaculate and his ability to break the lines with a perfectly weighted pass is similarly eye-catching.

In attack, Franco Cervi and Gonçalo Guedes are not yet providing massive attacking outputs. Despite this, they have made strong contributions in the early stages of their career and Guedes looks as though he could become a high-volume goalscorer in the future. Out wide, Cervi is a pocket-rocket; he is constantly bouncing around in the final third chasing loose balls, pressing and making a general nuisance of himself.

It makes for a feel of general good will around the club. Benfica sit atop not only their domestic league table but are also excelling in Europe again. Debt is being drawn down, and a new TV rights deal will see Benfica earn €40 million per season for the next decade. They even posted a €20 million profit in the 2015-16 year.

The club faces an enormous task to reduce their debt burden in the long-term – believed to be in excess of €300 million – but the foundations are perfectly laid for the club to minimise this debt over the coming decade. This is important because, with greater financial security, Benfica will hold more leverage in their attempts to keep their best talents. This has the potential to elevate the Portuguese champions from elite talent producers to a truly elite European team.

Eventually, most of the wonderful talents will leave the club, and likely for large sums of money. More will replace them and they too will leave. But during these neo-formative years, Benfica are still asserting a dominance that fans will be undoubtedly excited by. All the while, Champions League knock-out round adventures, domestic titles and great football are becoming the norm in at the Estádio da Luz.

Breves Notas Sobre a Entrevista do Presidente na TVi

 

maxresdefault.jpg

 - O Presidente atingiu o auge enquanto entrevistado. Passou com facilidade por esta rara exposição mediática. À vontade na entrevista directa com José Alberto Carvalho e , ainda mais, à vontade na mesa com os três convidados/adeptos. Nota alta para Pedro Ribeiro, o único com confiança para colocar questões menos fáceis.

 

- Luís Filipe Vieira falou de forma directa e com conhecimento de todos os temas que foram colocados. Foi até onde quis ir, esclareceu até onde lhe foi possível.

 

- Talisca, processo disciplinar, Garay, reforços, Seixal, jovens vendidos antes do tempo, contrato com a NOS, Jorge Mendes, passou por tudo isto com resposta sempre pronta.

 

- Pode-se não gostar muito ou pouco, pode-se gostar muito ou pouco, a verdade é que Vieira hoje em dia é que escolhe os momentos para falar, que são poucos, e quando se dispõe a esse exercício passa pelo exame com distinção.

 

- Fugiu a todas as polémicos, evitou responder aos tontinhos e reforçou a postura passado recente: só interessa o Benfica. Os outros que vivam os seus circos com quem quiser assistir. Agradecido, da minha parte.

 

- José Alberto Carvalho (e toda a imprensa) sempre que podia puxava pelo assunto JJ. Fê-lo inúmeras vezes, por isso, Vieira teve que se referir ao ex treinador. Respondeu sempre pedindo para encerrar o assunto e nunca fugindo às questões. Também agradeço. A conclusão que os rivais tiraram é que se passou o tempo a falar deles. Surreal!

 

- Além de Vieira, o grande vencedor da noite foi o projecto BTV. A entrevista foi ultrapassada com facilidade mas a condução deixou a desejar ao nível da profundidade. Na BTV as entrevistas de fundo com o Presidente conduzidas por Hélder Conduto são incomparavelmente mais bem preparadas, profundas e até menos confortáveis para Vieira. E isso é excelente que assim seja.

O Benfica no These Football Times

tft.jpg

 O These Football Times é um dos sites que mais gosto de ler. Sempre com artigos excelentes à volta do futebol e com uma qualidade gráfica e escrita superior.
Certamente, os autores que ali escrevem ainda não devem ter descoberto a interessante prosa do rei dos comunicados e, por isso, perdem tempo com um clube que chamou a atenção nos últimos dias pela sua prestação na  Champions League. Os golos contra o Bayern, os elogios dos adversários, o ambiente da Luz e a paixão dos benfiquistas inspiraram o These Football Times a publicar este completo artigo.

É uma pérola que devem descobrir clicando na imagem de cima.

Por cá, a verdade desportiva ficou fora de jogo.

10 Coisas a Reter no Regresso ao Nosso Triste Quintal

13007375_984794691568167_2276178419443460507_n.jpg

Andámos uns dias nas nuvens dedicados a leituras deliciosas, respeitosas e elogiosas para com o nosso Benfica que nos chegavam de Itália, França, Espanha, Inglaterra ou Brasil. Pelo menos, os que têm prazer em ler sobre futebol e seguem com atenção os editores e colaboradores de publicações de referência publicadas em línguas que consigamos perceber. Vários textos sobre a aposta do Benfica em sete miúdos que tiveram a sua estreia absoluta na Liga dos Campeões este ano, alguns deles deixando fortes marcas, sobre Rui Vitória que jogou pela primeira vez a prova, sobre o nosso estádio, sobre o apoio dos nossos adeptos em Munique, sobre o ambiente fantástico criado na noite de 4ª feira passada. Isto a juntar aos saborosos elogios vindos de figuras maiores do futebol mundial como Pep Guardiola, Arturo Vidal e até Cristiano Ronaldo.

 

Mais de metade do que li não apareceu em lado nenhum da imprensa nacional. É algo espantoso que tantas referências ao Benfica não tenham tido eco por cá. Tudo o que descobri foi porque apareceu em edições internacionais que já costumo acompanhar ou partilhado por amigos que são igualmente atentos a artigos de futebol. 

 

Então com que é a imprensa nacional, e as redes sociais, anda entretida, agora terminou a carreira europeia das equipas portuguesas? Depois de um duro regresso à realidade do nosso triste quintalzinho futebolístico tirei algumas conclusões que partilho:

 

- O Benfica andou a amealhar milhões na Champions mas foi ao Sporting que saiu o Euromilhões. Isto pelo que se lê pelas redes sociais onde se fala de prémios motivacionais aos nossos próximos adversário. Mais de 200 mil euros para o Sado, e reforço do plantel para a nova época em Vila do Conde com a cedência em definitivo de Heldon mais dois emprestados. Nada mau. Não admira que os jogadores do Rio Ave estejam mais preocupados com a recepção ao Benfica do que com a deslocação a Arouca, importantíssima para o acesso à Europa. 

 

- O Benfica é que chegou a Abril envolvido em três frentes de luta mas o Sporting é que está preocupado com o calendário. Em vez de nos agradecerem os pontos que conquistámos para o ranking da UEFA, que permite a clubes que raramente ganham campeonatos irem à Champions, apressaram-se a criticar a data do jogo do campeonato após o duelo com o Bayern. Acham um escândalo que se jogue só na 2ª feira. Mas já acharam óptimo que tivéssemos jogado com o Braga poucas horas após o regresso de Jonas do Brasil, por exemplo. Surreal! 

Também a data da Taça da Liga faz comichão em Alvalade. A Liga decidiu marcar para dia 2 de Maio, o Sporting queixa-se que isto é tudo como o Benfica quer. O Belenenses riu-se porque ainda há poucos dias não quis jogar um derby numa 2a feira à noite mas não teve outro remédio. 

Isto tudo vindo de um clube que paga milionariamente ao seu treinador que não conseguiu entrar na Champions, que foi corrido da Liga Europa, que se despediu da Taça de Portugal antes do Natal e que falhou o apuramento na Taça da Liga com derrota contra uma equipa do segundo escalão. Imaginem se estivessem na luta por quase todos os troféus como nós...

 

- Escrevi um treinador milionariamente pago com rigor, porque parece que daquela equipa técnica só o chefe é que tem os ordenados em dias

 

- Renato Sanches na imprensa internacional é o puto do momento, cheio de elogios. Por cá continua a ser um delinquente que foge ao serviço militar com idade falsa. É o que temos.

 

- Pelo que leio na imprensa portuguesa, um tal de Alan Ruiz é mais craque que todos os craques que disputaram o acesso às meias finais da Champions. Óptimo para o nosso campeonato.

 

- Outro facto relevante, o Sporting é o que está no melhor momento enquanto o Benfica só ganha com sorte. É isso.

 

- O Sporting é a equipa mais carregada de jogos esta época, tem mais um que o Benfica. O facto de terem andado em pré eliminatórias que dispensam campeões não é relevante. E o facto de desse jogo a mais não ter servido para nada, também não.

 

- Carlos Mané não tem problema nenhum. Desabafa em redes sociais. 

 

- João Pereira não desapareceu, continua a treinar muito bem. O resto são decisões. Que nenhuma imprensa ousa colocar em causa, obviamente. Tal como os desabafos do Mané. A tal imprensa que protege o Benfica. Olha, olha... se isto fosse na Luz... 

 

- No Porto está tudo calmo e tranquilo a preparar a nova época. Capas a falar de crise? Zero.

 

Percebem agora que quanto mais tempo andarmos na Europa menos tempo temos para ler a excelente imprensa portuguesa e todos os comunicados e todas as provocações saídas de vários canais verdes plantados um pouco por todo lado. 

Voltamos à realidade do nosso quintal. É aguentar esta poluição sonora e escrita mais cinco jornadas com a mesma força que temos mostrado até aqui. Os elogios de quem nos vê mais longe servem de motivação contra isto que se vê por cá. 

 

O Grande Isaías no Globo

Isaías, ex-atacante do Benfica (Foto: Tébaro Schmidt/ GloboEsporte.com)Isaías ostenta com orgulho as camisas do Benfica, Boavista e Rio Ave (Foto: Tébaro Schmidt/ GloboEsporte.com)

Pioneiro na Premier League e ídolo do Benfica: as histórias do anônimo Isaías

Primeiro brasileiro a atuar na reformulada liga inglesa calou o estádio do Arsenal em 91 e foi comparado a Pelé e Eusébio. Hoje, vive no anonimato: "Esqueceram de mim"

Por Juan Andrade e Tébaro Schmidt Cabo Frio, RJ

O contato e o convite para uma entrevista foram, para Isaías Marques Soares, uma oportunidade ímpar de passar a limpo sua vitoriosa carreira de jogador de futebol. Poucos são os que param para escutá-lo - os que o reconhecem, então, são praticamente uma espécie em extinção. O anonimato sufoca o ex-atacante, que hoje, aos 51 anos de idade, mora em São Pedro da Aldeia, município pequeno da Região dos Lagos do Rio, mas que já calou um Estádio Highbury com quase 40 mil torcedores do Arsenal no início dos anos 90 - foi o autor de dois dos três gols na vitória do Benfica naquela ocasião. Pouco depois, fez ainda mais história ao se tornar o primeiro brasileiro a atuar na Premier League, cuja atual temporada começa neste sábado.

 
 

Aposentado dos gramados desde 2001 - quando defendeu a Cabofriense -, o capixaba de Linhares evitou qualquer tipo de delongas na cerimônia de apresentação. Estava com pressa. Não de terminar a entrevista, mas para aproveitar cada segundo que teria para detalhar minuciosamente algumas das melhores histórias dos 16 anos de carreira profissional. Com pouco menos de cinco minutos de bate-papo, danou a falar desenfreadamente, como se estivesse, ali, decidido a abrir um baú repleto de contos desconhecidos. Com o orgulho evidente e estampado no rosto, falou sobre seu início na base do Fluminense na década de 80, a trajetória no futebol europeu - por onde atuou de 1987 a 1999 - e sobre uma palavra que o faz deixar nitidamente emocionado: Benfica. O ex-atacante atuou pelos Encarnados de 1990 a 1995, tempo mais do que suficiente para deixar seu nome gravado como um dos maiores centroavantes da história recente do clube português.

VEJA MAIS
- Confira alguns gols e momentos da carreira do ex-atacante Isaías 

Info Isaias Soares, ídolo do benfica (Foto: InfoEsporte / GloboEsporte.com)

Pelo Benfica, foram 178 jogos e 71 gols marcados, dois títulos do Campeonato Português (1990/91 e 1993/94), uma Taça de Portugal e a idolatria eterna do torcedor benfiquista. Porém, mesmo com os canecos, as lembranças das vezes que balançou as redes no Estádio da Luz, na maioria das vezes, abarrotado com 120 mil pessoas - capacidade antiga do estádio -, uma marca curiosa foi repetitivamente citada por ele.

- Me ligou uma revista um tempo desses para falar comigo sobre a Premier League. Eles achavam que o primeiro jogador a disputar a Premier League foi o Juninho Paulista, mas eles esqueceram de mim. Fui o primeiro a atuar. Não sei se eles não me consideraram por causa do meu passaporte português, né? - indagou. 

O ex-atacante foi o primeiro brasileiro a atuar na Premier League da Inglaterra. Embora o ex-jogador Mirandinha tenha sido o pioneiro na Terra da Rainha - quando chegou ao Newcastle, em 1987 -, Isaías foi o primeiro a disputar a reformulada, bilionária e badalada edição do Campeonato Inglês - que teve o seu início em 1992. Em uma passagem apagada, jogou no modesto Coventry City de 95 a 97, onde marcou apenas dois gols - um deles contra o Chelsea. Juninho Paulista também jogou naquele ano pelo Middlesbrough, mas entrou em campo apenas na 12ª rodada. Isaias estreou logo na segunda.

Quase como se fosse uma herança para os seus dois filhos - Lucas e Isaías -, o Profeta, como foi apelidado carinhosamente pela torcida do Benfica, lembra, com uma memória invejável, do dia em que calou o Estádio Highbury, quando fez dois gols na vitória do Benfica por 3 a 1 sobre o Arsenal e que colocou o time português na fase de Grupos da Copa dos Campeões - atual Liga dos Campeões. Além do mais, não esquece quando o treinador do Bayern de Munique, Pepe Guardiola, ainda como jogador, o parou durante uma partida entre Benfica e Barcelona pela Copa dos Campeões de 1991/1992 para pedir um simples abraço e, também, quando deixou o lendário treinador inglês, Bobby Robson, furioso por enfrentá-lo no clássico contra o Porto. Isaías ainda ergue como um verdadeiro troféu a sua foto ao lado de Eusébio - um dos maiores ídolos da história do Benfica e da seleção portuguesa -, e as capas de jornais, onde ostenta elogios de Beckenbauer e comparações até mesmo com o rei do futebol: Pelé.

Isaías, ex-atacante do Benfica (Foto: Tébaro Schmidt/ GloboEsporte.com)Isaías coleciona centenas de fotos da carreira; uma delas, ao lado de Eusébio (Foto: Tébaro Schmidt/ GloboEsporte.com)

Após pendurar as chuteiras no inicio dos anos 2000, Isaías decidiu fugir dos holofotes. Até se aventurou em uma nova modalidade: o beach soccer, onde disputou Mundialitos pela seleção portuguesa. Entretanto, nada duradouro. Voltou para a Região dos Lagos e encontrou em São Pedro da Aldeia a calmaria que não costumava ter em solo português. Aliou-se a duas novas paixões: a pesca e o futebol amador - aliás, por pelo menos três vezes durante a entrevista, disse:

- Vou até estrear no campeonato de cinquentão (risos). Vou lá jogar.

Ele (Isaías) marcava mesmo, tinha muita força, muita habilidade. O cara foi o destaque no Boavista, no Benfica... sempre foi destaque. É um cara do bem, grande profissional que tem muita história para contar. Nós ali atrás falávamos isso mesmo: "A gente segura aqui, e você decide aí"
 Ricardo Gomes, atual treinador do Botafogo e companheiro de Isaías no Benfica em 90/91

Declaradamente realizado com a carreira, Isaías considera as amizades como o melhor fruto que o futebol lhe rendeu. Aposentado, planeja retornar à Portugal nos próximos meses. Com propostas para trabalhar no Benfica, o ex-atacante ainda quer correr atrás do único sonho que lhe resta: ver o filho Lucas, de 19 anos, atuar profissionalmente em Portugal e reviver todo o seu sucesso no Velho Continente.

Confira, na íntegra, a entrevista com o ex-atacante Isaías:

Português ou Brasileiro?
- Eu sou brasileiro, né. Eu sou nascido e criado no Brasil. Minha cidade é Linhares (Espírito Santo). Só que minha história no futebol foi construída em Portugal. Aqui no Brasil tive uma passagem no Fluminense em 83. Depois Friburguense, Cabofriense e depois Portugal em 87. Voltei em 2000 e terminei a carreia na Cabofriense em 2001. Minha história foi toda na Europa, nomeadamente em Portugal.

Formação no Fluminense
- Cheguei no Fluminense e me disseram que eu ia começar a treinar já no profissional, porque o clube estava montando a equipe para o Carioca de 83. Aí falaram que tinha um jogo na semana  e era o meu teste. Aí chegamos na cidade, muita festa, foguetório na cidade. No jogo, entrei no segundo tempo como ponta direita, dei dois passes e só sei que ganhamos de 3 a 1. Acabou o jogo, o supervisor me chamou e disse que tinha gostado. Aí continuei no profissional, viajei com eles, mas como o juniores estavam precisando, eu desci para o júnior. Aí fiquei um ano no júnior. Nesse ano, o Flu acabou ganhando tudo. Na época eu estava com 19 anos, no meu último ano de juniores. Aí quando estourei a idade, o Flu não demonstrou interesse, até porque tinha um elenco campeão Carioca, do Brasileiro.

Chegada em Portugal
- Fui para Portugal em 87 fazer teste no Belenense. Cheguei em novembro, fiz um mês de treinamentos. Fiz um coletivo e o treinador era um belga (Henri Depireux), e ele disse que o Isaías era muito lento e não servia para o Belenense e, na época, eles queriam o Tita, que jogou no Fla, no Vasco. Falei "Tudo bem". Disse para o meu empresário "Vou voltar para o Brasil e no outro ano vou voltar aqui e vou mostrar que eu tinha condições de jogar aqui". E falei para o vice-presidente do Belenense " Meu nome tem dois i, dois a e dois s". Depois, voltei e os jogadores do Belenense perguntaram como foi possível o treinador e o presidente não me contratarem.

Entrevista isaias, ídolo do benfica (Foto: Tébaro Schmidt / GloboEsporte.com)Com chuteiras nos pés e muita simplicidade, Isaías passa carreira a limpo (Fotos: Tébaro Schmidt / GloboEsporte.com)



Benfica maior que Flamengo e Corinthians?
- Sempre tive muito carinho em Portugal. Torcedores do Sporting, do Porto, que me encontravam na rua, vinham falar comigo, que eu era uma grande jogador, um grande profissional. Até diziam que eu não era brasileiro, com a raça que eu tinha dentro de campo, com a disposição, a entrega que eu tinha nos jogos. Então, eles gostavam disso e, até falavam "Pena que você não está no meu clube". Mas o Benfica, não vou dizer que é um Fla e um Corinthians, porque o Benfica tem muito mais sócios do que os dois. O Benfica está no Guinnes não é à toa, porque tem quase 250 mil sócios. Não são só torcedores, são sócios. Lá se a criança nasce, e o pai for benfiquista e o padrinho também for, o primeiro presente do garoto não é a bola, não. É a carteirinha de sócio. O Benfica em Portugal é muito grande, é uma nação. 

Isaías, ex-atacante do Benfica (Foto: Divulgação)Isaías atuou pelo Benfica de 1990 até 1995 (Foto: Divulgação)

Jogo contra o Arsenal pela Copa dos Campeões da temporada 91/92 no Estádio Highburry
- O Arsenal era uma constelação de jogadores. E no primeiro jogo em casa, nós empatamos em 1 a 1. Até eu que fiz o gol. Então, empatamos em casa, o que nós vamos fazer lá em Londres? Nós só vamos cumprir tabela. Assim era a cabeça de alguns diretores. Mas nós, jogadores, acreditávamos que seria possível. Então viajamos para Londres à vontade, no hotel ficamos à vontade. Mas nós, jogadores, estávamos cientes que tínhamos que tentar segurar o resultado o mais longo tempo possível. No primeiro tempo foi um massacre. A bola batia na trave, o nosso goleiro defendia, e eles fizeram 1 a 0. Aí tivemos que ir para cima. Por incrível que pareça, mais da metade do estádio era benfiquista. Empatei o jogo e fomos para a prorrogação. Começamos a jogar mais tranquilos. Aí conseguimos fazer o segundo, e eu fiz o terceiro. Foi muito importante. Então, depois do jogo foi uma felicidade total. No embargue para ir embora, os policiais não queria deixar eu embarcar, não. Disseram "Você eliminou o Arsenal" (Risos). 

Estilo de jogo

- Eu tinha consciência do que eu precisava fazer para melhorar. Tecnicamente eu não era 100%, mas era aí seus 70, 65%. Tinha consciência que com esses 70, 65%, conseguir através do meu preparo físico colocar essa porcentagem a mais, eu ia ficar quase 100%. No primeiro ano de Benfica, eu morava perto do clube, do estádio. Era o primeiro a chegar. Tinha um diretor do clube que chegava cedo e, às vezes, ele me via correndo lá e se assustava. Ele me falava "Tu não é brasileiro, porque brasileiro tem fama de preguiçoso e tu é diferente". As coisas aconteciam porque eu fazia o extra. 

Bobby Robson newcastle (Foto: AFP)Isaías relembra história do falecido técnico inglês, que comandou o Porto no início dos anos 90 (Foto: AFP)

Fúria de Bobby Robson, ex-treinador do Porto no início dos anos 90
- Teve um jogo contra o Porto, que o auxiliar bateu no meu quarto e eu já sabia que eu ia ficar no banco. Aí disse para ele "Eu já sei que vou ficar de fora e vou ter que entrar para resolver. Vou entrar e vou resolver". Dito e feito.E o treinador do Porto era o finado Bobby Robson, que sempre quis me levar para lá. Nesse jogo, o Porto foi e fez um a zero e acabou o primeiro tempo. Um jogador do Porto, o Emerson, me disse que, durante a semana, o Bobby fazia tudo normal, mas quando tocavam no meu nome ele endoidava, chutava tudo o que aparecia na frente. Quando ele recebeu a informação que eu estava no banco, o Emerson disse que o velho quase teve um orgasmo. Aí, quando o treinador me chamou para entrar em campo, o estádio parecia que ia cair. Acabou que entrei e, aos 42 do segundo tempo, empatei o jogo. 

Isaías, ex-atacante do Benfica (Foto: Divulgação)Isaías atuou pelo modesto Coventry City de 1995 a 1997, mas sem nenhum grande destaque(Foto: Divulgação)

Primeiro brasileiro a atuar na Premier League
- Me ligou uma revista um tempo desses para falar comigo sobre a Premier League. Eles acham que o primeiro jogador a disputar a Premier League foi o Juninho Paulista, mas eles esqueceram de mim. Fui o primeiro a atuar. Não sei se eles não me consideravam por causa do meu passaporte comunitário, né?

Passagem pelo Coventry City e o carrasco escocês
- Apareceu a oportunidade de eu ir para a Inglaterra. Joguei o primeiro ano, foi bom. Porque você sair do Benfica, um clube que joga a Liga dos Campeões, na época a antiga Copa da Uefa, para um clube que joga para não cair de divisão, ainda mais a Liga Inglesa, é muito complicado. O nível do campeonato é completamente diferente. Naquela época era ainda mais diferente. Naquele tempo, haviam restrições de treinadores de outros países europeus, sul-americanos. Então, era bola no lateral, o lateral quebra no centroavante e, no meio campo, você praticamente não via a bola. Então, foi difícil. Aí, no segundo ano, o treinador passou a ser diretor técnico, e um jogador passou a ser auxiliar, que era escocês. E esse cidadão (se referindo a Gordon Strachan, atual treinador da seleção escocesa) não simpatizava muito comigo. Aí chegou no início da temporada, eles me chamaram para rescindir o contrato, mas eu tinha um dinheiro para receber após o final do contrato e eles não queria me pagar. Então resolvi ficar por lá. Fique lá um ano praticamente vegetando.

João Pinto, ex-companheiro de Isaías nos tempos de Benfica (Foto: Divulgação)Isaías considera João Pinto como um dos melhores jogadores com quem atuou no Benfica (Foto: Divulgação)

Melhores parceiros no Benfica
- O João Pinto (ex-jogador do Benfica, Sporting e seleção portuguesa), que eu já tinha jogado junto com ele no Boavista. No ano que ele foi lançado, nós chegamos a atuar alguns jogos, mas aí fui para o Benfica e, no outro ano, ele foi também. Para mim, foi um dos maiores jogadores portugueses que eu tive o prazer de jogar ao lado. Teve também o Rui Costa, que fez uma história espetacular. Posso até esquecer um ou outro, mas esses dois foram os que eu tive o prazer de jogar. No Benfica só tinham jogadores de nível de seleção, então, não tinha um que não fosse bom.

Vislumbre?
- Às vezes, você sempre tem aquele minuto de relaxe, que você tem que ver o que é bom, o que não é bom. Não digo nem o Caniggia, jogar ao lado de zagueiros da seleção brasileira, com o Ricardo Gomes, com o Mozer. Eles falavam "Zazá, resolve lá na frente e deixa aqui atrás com a gente". Eu falava "Os caras estão me colocando lá em cima, estão acreditando que eu tenho potencial para resolver". Isso sim, me perguntava "Opa, será que é verdade?".

Isaías, ex-atacante do Benfica (Foto: Tébaro Schmidt/ GloboEsporte.com)Atuações de Isaías pelo Benfica renderam até mesmo elogios do alemão Beckenbauer (Foto: Tébaro Schmidt/ GloboEsporte.com)

Abraço de Guardiola (jogo entre Benfica e Barcelona na temporada 1991/1992, pela fase de Grupo da antiga Copa dos Campeões)
- Uma vez que nós caímos em uma chave com o Dínamo de Kiev, Barcelona e Sparta Praga, o Guardiola, que na época jogava no Barcelona, quando ele entrou em campo, ele veio e me abraçou "Isaías, Isaías, grande jogador, me dá um abraço?". Um cara que era um grande jogador e hoje está sendo um grande treinador. Essas coisas você diz "Caramba". Valeu a pena ter feito aquele sacrifício? Valeu. Tanto é que, hoje, se fala do Valdo, se fala do Ricardo, se fala do Mozer, mas se fala muito mais do Isaías a nível de Portugal, a nível de Benfica. Porque as histórias estão lá escritas. Vira e mexe os jornalistas estão me ligando para fazer alguma entrevista, para comentar de algum jogo entre Benfica x Porto, Porto x Benfica. Sempre para me dar alguma opinião. Porque nesses jogos eu sempre conseguia fazer jogos bons, fazer gols e dar passes.

Gols na neve
- Teve um jogo em Moscou também, fiz dois gols na neve. Chegamos lá era gelo para tudo o que é lado. Tudo esquisito. 15h ainda estava esquisito. Aí tivemos que jogar, a bola estava cheia de gelo. Empatamos em 2 a 2 e fiz os dois gols (o jogo em questão foi Dínamo de Moscou 2 x 2 Benfica, pela Copa da Uefa de 92/93).

Beach Soccer
- Tinha firmado com o pessoal de Portugal que ia disputar o Mundialito porque era só o Brasil que ganhava, só o Brasil que ganhava, com o Júnior, Claudio Adão, aquela turma.

Benfica
- Tudo o que eu sei, a nível de esporte, o que eu consegui divulgar através do esporte, foi através do Benfica. Eu tive uma passagem boa no Boavista, no Rio Ave, no Campomaiorense, mas o Benfica é o Benfica. Então, você ter feito parte de uma geração, ter conseguido conquistar dois títulos português, uma Taça de Portugal. Um cara que chegou no Benfica sem espaço, teve que buscar o seu espaço, se dedicar 200%. É maravilhoso. Eu falo do Benfica, porque eu tive a oportunidade de viver grandes momentos da minha vida dentro desse clube. Poderia ter sido outro, mas foi o Benfica. Cara, é muito gratificante.

Isaías, ex-atacante do Benfica (Foto: Tébaro Schmidt/ GloboEsporte.com)Isaías gaba-se das comparações de um jornal até mesmo com Pelé (Foto: Tébaro Schmidt/ GloboEsporte.com)

Sonho 
- A única coisa que eu queria é que um filho meu tivesse a oportunidade de jogar também e eu estar lá em cima vendo ele jogar. Porque quando eu tive no Campomaiorense, nós chegamos a ir a um final da Copa de Portugal. E o treinador foi presenteado com o gol do filho. Caramba, um dia poderia ser comigo. Com meu filho mais velho não. Ele já vai se formar, está com 24 anos. Mas gostaria muito. Vou tentar até a última instância (ver o filho Lucas, de 19 anos, jogar profissionalmente). 

Refúgio na Região dos Lagos
 - Eu poderia ter ido lá para a minha cidade, Linhares, para Vitória (ES). Tenho muitos amigos lá. Mas eu gosto daqui demais, não sei porque razão, mas eu gosto daqui. No Rio, eu gosto muito quando eu vou para o Aeroporto (Risos), quando eu tinha que vir para cá. Não consegui me adaptar ao Rio de Janeiro, porque morei em Lisboa, uma cidade grande, agitada demais, muito trânsito, aí não dá. Então, aqui você tem um pouquinho de paz.

Vida e Futuro
- Nada (o que faz da vida). Absolutamente nada. Mas estou pensando em voltar para Portugal, porque o Benfica já me convidou umas três vezes para eu trabalhar na TV Benfica. Porque, agora, eles tem um programa que interage com os sócios de todo o mundo através da TV. Posso ir para Portugal para fazer palestra. Posso ir para Portugal para fazer jogos. Por exemplo, tem uma cidade que está fazendo aniversário, aí você vai fazer, entendeu? Tem também uma situação do Benfica que o Eusébio era os relações públicas do Benfica e viajava para todo o mundo para visitar as casas do Benfica. Cheguei a visitar também umas duas vezes. Graças a Deus tenho esse carisma nas casas do Benfica.

Apelidos da torcida do Benfica
- Era o Profeta, por causa do nome Isaías. Aí já cheguei barbudo, aí pegou. Mas tinha Profeta, Pé Canhão, Peito de Galo. Era bom, muito bom. Falavam também que eu chutava 10 vezes para fazer um gol. Mas imagina se todas as 10 entrassem?

Pescaria
- Meu hobby é isso aí, pescaria, adoro. Ir lá para ilha e ficar lá dois dias pescando. Gosto muito. Acho que foi isso aí que me encantou por Cabo Frio. Quando eu vinha de férias do Benfica, eu ia embora pescar. Toda semana a gente vai. A gente não tem ido ultimamente por causa do vento. Pescar por hobby. Aquele peixinho na "pelada". Continuo jogando, né. Vou até estrear no campeonato de cinquentão. Vou lá jogar. São as duas coisas que, futebol já vem desde pequeno, e a pescaria surgiu depois. Não tem nada para fazer, vou pescar. Aí você pega o gosto. Mas tem que saber pescar.

Vendas do Benfica para Espanha na Marca

 marca.jpg

O Benfica é o clube que mais jogadores transfere para a liga espanhola, no século XXI, de acordo com um levantamento publicado hoje pela "Marca". Desde 2000, saíram da Luz rumo ao campeonato do país vizinho 44 futebolistas.


"Benfica, a pescaria da Liga" é o título do trabalho daquele diário, que começa por lembrar que a Europa e a América do Sul são os mercados preferenciais dos clubes espanhóis. Particularizando, explica que o Benfica é o clube que mais exporta para Espanha, tendo embolsado mais de 206 milhões de euros. Curiosamente, logo a seguir surgem FC Porto (205 milhões) e Sporting (43 milhões), ambos com 27 jogadores transferidos. No total, Portugal surge no terceiro lugar do ranking dos países que mais dinheiro receberam, atrás de Inglaterra (líder destacada) e Itália.