Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Red Pass

Tetra Campeões

Red Pass

Tetra Campeões

Benfica 3 - 3 Estoril: No Jamor!

_JPT3142.jpg

 Apetece-me começar por dar os parabéns ao Chaves e ao Estoril pela excelente imagem que deixaram nas meias finais da Taça de Portugal. Por arrasto, elogiar também a FPF pelo aumento de qualidade que a prova tem tido depois de anos de algum desprezo pela competição. As mudanças que obrigam as equipas profissionais a jogarem fora de casa contra clubes de escalões inferiores, o cuidado com os preços dos bilhetes, entre outros pormenores, devolveram dinâmica à Taça de Portugal que vê os dois clubes finalistas apurados com muitas dificuldades.

 

No caso do Benfica, a tarefa começou logo a complicar-se nas bancadas. Como é que uma meia final que dá acesso ao último jogo da época, que pode ajudar a ser o Benfica a abrir a próxima época na Supertaça, que garante a presença em mais um final, só convence menos de metade do Estádio da Luz a ir ao jogo?! Ter 25010 adeptos no último jogo oficial da época fora do contexto da liga é embaraçoso. Logo aí deu uma falsa imagem de que o trabalho está feito

O Estoril com Pedro Emanuel tinha dado sinais de melhoras, esta noite na Luz mostrou ser uma equipa muito atrevida e determinada. Lutou até ao fim pelo seu sonho e esteve muito perto de conseguir.

 

O Benfica esteve a perder 0-1, 1-2 e ficou-se pelo 3-3 sujeito a sofrer um golo que o afastava da final. Tudo num jogo imprevisível, e porque o Estoril sempre procurou marcar.

 

(Fotogaleria de João Trindade)

 

Júlio César sofreu três golos mas foi determinante ao evitar o 2-3 de forma incrível. Grimaldo foi das melhores notícias da noite, titular e recuperado.

Mas depois foi preciso chamar ao jogo Pizzi e Jonas para meter ordem numa partida jogada sempre de forma descontrolada. Carrillo fez um golo e podia ter feito outro, Zivkovic assinou uma obra prima, marcando o primeiro golo pela equipa e Jonas veio dar o toque de classe que faltava.

 

No entanto, a equipa deixou sempre o jogo em aberto. Foi uma exibição que não descansa ninguém, não pela incerteza e emoção no desfecho final mas , também, pela falta de argumentos em resolver a questão mais cedo.

 

Foi uma noite de grandes emoções e com um final feliz para o Benfica mas, como já sabem, eu aqui nestas coisas prefiro aquela monotonia de um 2 ou 3-0 sem ponta de emoção.

 

Voltamos ao Jamor, deixamos o sonho da dobradinha em aberto e podemos voltar a pensar só no campeonato.

 

Benfica 1 - 1 Porto: A Luta Continua!

_JPT1751.jpg

 

Começo por dizer que acho que o Benfica fez o suficiente para vencer o clássico e aumentar o avanço na frente do campeonato. E isto já não é coisa pouca num jogo que gerou uma expectativa muita acima do normal e com uma luta fora de campo que já não se via por cá há uns tempos.

Portanto, boa resposta do Benfica mas, mais uma vez, com um resultado que não correspondeu ao futebol jogado. Lá está, preferia ser "massacrado" como alguns acusaram após a primeira mão da Champions com o Dortmund e ganhar, do que ver que criámos muitas oportunidades mas não fomos felizes e cedemos um empate.

 

Mas antes permitam-me uma nota mais pessoal, é para isto que servem os blogues pessoais, relacionada com o pré jogo. Este foi um daqueles jogos em que a expectativa se tornou tão grande que a espera parecia interminável. Não tenho, nem nunca terei, a falta de humildade de agradecer a felicidade que tenho tido de viver estes momentos tão próximo de profissionais do canal de televisão do nosso clube, algumas pessoas que muito admiro por me ter habituado a ver e a ouvir mesmo antes de os conhecer pessoalmente, e ainda poder conviver com alguns jogadores que me habituei a ver a partir da bancada. É o caso do José Luís, do capitão Veloso, com quem recordei jogos que eles disputaram e que eu vibrei por fora. Mas, especialmente, o enorme privilégio de conhecer Mats Magnusson. Uma sorte que vários adeptos também tiveram, uma vez que o nosso sueco andou a passear pelo meio dos adeptos fora do estádio e a espalhar simpatia.

Eu gostava tanto de Mats que um dia pedi para me comprarem uns calções azuis justos e compridos só para ir jogar à bola com os calções brancos do Benfica vestidos por cima dos azuis. Isto porque Magnusson apareceu a jogar assim com uns chamados calções térmicos que não havia à venda em Lisboa. Contei-lhe exactamente este episódio. Ouviu, gargalhou e abraçou-me dizendo muito obrigado. São estes momentos que uma pessoa guarda para sempre com emoção.

 

Vi as previsões dos jornais desportivos para o "11" do Porto e torci o nariz. O treinador NES não ia arriscar uma dupla André Silva - Tiquinho Soares. Claro que preferiu lançar Corona para controlar mais o meio campo. Logo aqui se via que o Porto vinha mais na expectativa do que em posição de assalto. Afinal, foram eles que falharam com estrondo a passagem para a liderança ao não ganhar ao Vitória de Setúbal em casa. Há uns anos, o Porto viria aqui com tudo para ganhar. Felizmente, isso mudou.

 

( Fotogaleria de João Trindade )

 

O Benfica entrou bem, sentiu-se confortável no jogo e, apesar da ausência de Fejsa, tirou proveito da aposta em Rafa e chegou mesmo ao golo num raro momento de futebol visto na Luz nas últimas década, penalti contra o Porto! Jonas já marca ao Porto e não é mentira, não.

Em vantagem no clássico o Benfica preferiu passar para uma posição de expectativa em vez de procurar resolver o jogo. Cedeu a posse de bola e começou a apostar em saídas rápidas à procura de surpreender o Porto. Foi assim até ao intervalo.

Na 2ª parte, o Porto sentiu que tinha de reagir forçosamente para não sair da Luz a 4 pontos do campeão, que seriam 5 na prática. Fez pela vida e acabou por chegar ao empate numa jogada de insistência que acaba por ser resolvida com felicidade pelo improvável Maxi Pereira que um dia ocupou o lugar do nosso Nelson Semedo.

Tudo empatado outra vez. Temi que o Porto aproveitasse o embalo e fosse à procura determinado da vitória que deixava o seu destino nas suas mãos. Mas não. O Benfica reagiu e voltou a procurar a sua felicidade. Bem, empolgado pelo seu público e até com bom futebol a criar várias oportunidades que foram anuladas por Casillas. Um filme já visto.

 

O empate não foi desfeito e ficou tudo na mesma. Ou quase na mesma. Porque agora falta menos um jogo para a meta e o Porto deixou de depender apenas de si para ser campeão. Então porquê aqueles festejos? Foram um misto de alivio por não terem perdido e porque, teoricamente, a bola agora passa para os seus queridos aliados verdes que já lhes devem estar a prometer uma prenda que fortaleça aquela comovente união azul e verde.

 

O Benfica chega ao fim deste clássico vivo. Para nós continua tudo na mesma. Temos de ganhar todos os jogos. O próximo é sempre o mais complicado e o que temos de levar a sério. É a deslocação a Moreira de Cónegos. Não pode haver falhas. Os nossos jogadores já conhecem bem a sensação de jogar finais dois meses seguidos e serem bem sucedidos no fim. Não nos faltam campeões nacionais no plantel, no Porto só um sabe o que é isso e foi de vermelho e branco vestido.

A seguir há que garantir a presença no Jamor. Temos que colocar o nosso nome no jogo que fecha a época em festa.

Depois, é dar tudo por tudo para fazermos o que ainda não foi feito.

Menos uma jornada por jogar e mantemos a liderança. A luta continua.

Paços de Ferreira 0 - 0 Benfica: Nulidade

_JPT9892.jpg

 Jogos fora do Benfica, um eterno desafio. Ver em casa ou ir atrás deles? Cada um de nós tem a sua maneira de os viver. Todas válidas, claro.

Penso que se este blog tem algum reconhecimento entre benfiquistas devido ao facto de quem lê acabar por se rever em alguns relatos que aqui partilho. É natural, gostamos todos do Benfica e queremos todos vivê-lo, daí que coincidam muitas vezes as maneiras como nos manifestamos.

Eu, podendo, prefiro sempre estar no estádio onde o Benfica joga. O principio básico desta ideia é muito simples, odeio ter que ver um jogo do meu clube na televisão. Sinto-me preso, inútil e impotente. Irrito-me muito mais, seja por causa dos comentários, que acho que são sempre anti-Benfica, seja por causa das realizações que insistem em repetir mil vezes um lance mesmo com o jogo a decorrer o que nos faz perder partes do desafio. O ecrân é pequeno para um jogo do Benfica que é aquele momento em que a nossa vida pára, em que só temos olhos para o jogo. Sinto que é redutor ver isso através de uma televisão. Isto para já não falar da maneira como o vivemos. Sempre preocupados em não fazer figuras tristes, não dá para cantar bem alto e de pé, não dá para começar de uma lado para o outro porque o campo de visão fica curto. Enfim, já perceberam a ideia.

Só que não dá para ir sempre, pelas mais variadas razões. Mesmo assim, nos últimos largos anos tenho tido a felicidade de ver a maioria dos jogos fora da Luz.

Esta introdução serve para contextualizar algo mais forte e além do jogo. É que estas viagens ao fim de uns tempos tornam-se autenticas jornadas de benfiquismo. Não querendo entrar em pormenores privados lanço a seguinte a questão: de que maneira é que eu ia acabar a ser recebido pela família de um amigo, e companheiro destas jornadas, com outros compinchas na distante aldeia de Chelo, do município de Penacova?

Antes do jogo, passar uma tarde à mesa a comer leitão, beber vinho de qualidade superior e conviver com gerações mais novas e mais velhas sempre com o Benfica como fio condutor das conversas.

Ir a Paços de Ferreira e voltar para dormir na zona de Coimbra. Repetir o almoço, agora com uma incrível chanfana, e apreciar uma paisagem natural, respirar ar puro e depois viajar de volta.

A resposta à questão anterior é simples: por causa do Benfica.

A conclusão é interessante, nós andamos atrás do Benfica e vamos construindo amizades para a vida. Vamos semeando carinho em vários grupos de amigos unidos pelo benfiquismo. Vamos vivendo, conhecendo novos cantinhos do nosso país, aproximamo-nos de gente que tem o mesmo amor que nós e que, geralmente, gosta tanto de conversar como de gastronomia.

A enorme vantagem disto é que a maioria destas jornadas acaba bem, com vitórias do Benfica. Das poucas vezes que a nossa equipa não corresponde e nos deixa abatidos, sentimo-nos em família e torna-se um pouco menos doloroso a passar a desilusão.

Esta é uma forma de agradecer a todos os que vão fazendo parte destas viagens e aos desconhecidos que ainda sentem vontade de dar uma palavra de conforto antes ou depois dos jogos.

Neste particular, e isto foi tudo para chegar aqui, quero deixar aqui um enorme abraço a uns benfiquistas de Fafe que ontem depois do jogo me surpreenderam de forma bem original.

Estava eu sozinho à espera junto ao carro do pessoal que ia seguir viagem de Paços de Ferreira para Coimbra quando oiço chamarem pelo nome. João Gonçalves do RedPass! Gonçalves, tu continua a escrever sobre o nosso Benfica. Vamos ser campeões! Olha, tu é que vais ficar com a bola do jogo, tens de levar contigo a bola. E depois escreve que a malta de Fafe te ofereceu a bola.

Nisto, atiraram mesmo a bola. Não me perguntem como é aquele pessoal saiu do estádio com uma bola. Não faço a menor ideia. Mas resolvi aceitar e trouxe mesmo a redondinha comigo que vou guardar com carinho. Obrigado, pessoal!

bolapf.jpg

 

A grande desilusão no relvado

Sobre o jogo apetece-me começar por perguntar: mas, afinal, o que é que foi aquilo?!

Antes do confronto directo com o rival que luta connosco pelo título de campeão, eu esperava uma vitória. Sofrida, com muita luta, muita entrega mas uma vitória.

Casa cheia, bancada nova inaugurada, topos completamente vermelhos, o mini estádio da Luz instalado na Capital do Móvel.

Tudo o que não esperávamos era uma exibição completamente apagada do Benfica. Fiquei com a bomba do Eliseu que o poste devolveu na memória e o lance do Jonas no final do jogo. Mais nada!

A equipa não apresentava alterações significativas mas a produção individual foi uma desilusão total, principalmente dos homens que costuma desequilibrar e resolver. Zero à direita com Salvio, zero à esquerda com Zivkovic. Pizzi, Jonas e Mitroglou nunca estiveram perto de de resolver o problema que a postura defensiva do Paços de Ferreira criava.

Se aquela bomba do Eliseu não entrou, então era preciso esperar um rasgo de génio daqueles jogadores que tornam o nosso plantel acima da média. Infelizmente, não me lembro de uma única jogada que me fizesse sonhar com uma finalização mágica.

 

Claro que o Paços teve mérito na forma como defendeu mas não é aceitável que o Benfica apresente tamanha apatia numa altura tão decisiva da época. A esperança de uma mudança vinda do banco de suplentes também terminou depressa. Nem Rafa, nem Raul, nem Cervi, alteraram nada.

Correu mal, foi mesmo uma desilusão. Os jogadores, a equipa técnica e os dirigentes devem sentir o mesmo.

 

(Fotogaleria: João Trindade)

 

Aqueles segundos após o apito final são do pior que o futebol tem para nos dar. Parece que o mundo se abate sobre a nossa cabeça ali mesmo. Aqueles instantes em que os jogadores saem cabisbaixos e os adversários festejam não fazem sentido nenhum. Não foi para aquilo que saí de casa de manhã e fiz centenas de quilómetros. Não foi para um nulo que estive ali 90 minutos de pé a cantar e a puxar pelo Benfica. É uma sensação horrível. Será que não era melhor estar em casa naquele preciso momento? A ideia de passar mais um dia com companheiros de luta, naqueles segundos, parece parva. Só apetece ir para casa.

Mas depois respira-se fundo, o tempo começa a passar e vamos arranjando maneira de lidar com a desilusão? Como e com quem? Como sempre, com os mesmo de sempre. Discutindo o jogo, conversando sobre o que está mal e imaginar como poderemos dar a volta. Temos direito a isso, vivemos muito para isto e gostamos de ter as nossas opiniões.Faz parte da nossa vida.

Lembrei-me logo que antes daqueles 3-6 em Alvalade, senti o mesmo que em Paços de Ferreira. Isto é cíclico no futebol. Nem está tudo mal quando não se ganha, nem está tudo bem quando se ganha. A menos que se percam muitos jogos seguidos, e aí está mesmo tudo mal, ou que a equipa esteja a golear e a resolver facilmente os jogos todos, e aí está tudo maravilhosamente bem.

 

Já falei da distante época de 1993/94 mas vamos para um ciclo bem mais presente. Espero que este 0-0 seja o mesmo que foi aquele 0-0 na época passada na Madeira com o União. Naquela noite achei que tínhamos entregue o título. Ontem convenci-me que oferecemos a liderança do campeonato. Fizemos por isso.

Depois do empate com o União, o Benfica reagiu bem. Espero que depois de Paços de Ferreira aconteça o mesmo.

 

O bónus veio quase 24h depois quando o Porto não fez melhor e manteve tudo na mesma. Temos que aproveitar esta milagrosa oportunidade para mostrarmos o quanto queremos este tetra. Temos de ganhar o clássico.

Sobre o melhor 11 a apresentar neste momento tenho dúvidas, sobre a qualidade individual no plantel nem por isso. Temos várias opções que têm de ser bem aproveitadas.

Esta passagem pela Mata Real foi decepcionante mas agora falta menos um jogo e acabou por ficar tudo igual em relação ao rival. Acho que a paragem na Liga acaba por ser positiva para o Benfica, é preciso recarregar baterias para o derradeiro assalto ao título.

Nós vivemos para estar com o Benfica, sabemos que estas desilusões fazem parte de um processo que queremos vencedor. Por isso, cada vez somos mais e desejamos melhor.

 

Benfica 4 - 0 Belenenses: Resposta à Campeão

_JPT9075.jpg

Perdoem-me os benfiquistas que vêm aqui logo em busca de umas linhas sobre o jogo do Benfica porque hoje vou ter de começar pelo adversário. Nunca consegui detestar o Belenenses. Mesmo que ao longo da vida tenha aprendido que eles odeiam o Benfica, mesmo percebendo a rivalidade que alguns amigos sentem com os azuis do Restelo por serem de Alcântara e estarem mais ligados ao Atlético da Tapadinha, por exemplo.

Não tenho nenhuma ligação real ao Belém mas houve na minha formação de adepto pontos interessantes que me fizeram gostar do Belenenses. O pai da minha mãe, o meu avô, viveu numa moradia, que ainda existe, na Av. Ilha da Madeira situada do lado direito antes de chegar ao estádio para quem desce em direcção ao rio. Logo aqui ficou uma curiosidade pelo clube porque passava ali algum tempo e o futebol já era a minha paixão maior. Vi lá jogos incríveis de noites europeias como o Bayer, que caiu, ou o Barcelona, que ia caindo.

Depois, tenho um tio que gosta do Belenenses, e o falecido padrasto da minha mãe também era todo "pastel". Ouvi boas histórias dos tempos do Matateu, do jogo com o Vasco da Gama, entre outras.

Finalmente, um senhor que todos os que frequentavam a pastelaria Califa, em Benfica, desde os anos 80, como eu, deviam conhecer. O Sr. Costa, um cavalheiro à moda antiga, sempre atrás do balcão pronto a atender e a dar uma palavra simpática. Um enorme belenense com quem passei horas da minha vida à conversa. Enquanto vivi ali bem perto do Califa era raro o dia que não ia meter a conversa em dia com o Sr. Costa.

Hoje, dia de clássico, recebi um triste SMS da minha mãe a dar conta que a pastelaria estava fechava porque o Sr. Costa faleceu. Duvido que alguém que o conheça leia estas humildes linhas mas , de qualquer maneira, quero deixar aqui a minha singela homenagem a um senhor que tanto me aturou, que tanto me falou da sua paixão, o Belenenses. Que descanse em paz.

 

Posto isto, estranho que a bancada dos visitantes tenha levado tão pouca gente de um clube que é de Lisboa. Não bate certo a militância azul com a qualidade do campeonato que a equipa está a fazer.

 

(Fotogaleria de João Trindade)

 

E deu para ver essa qualidade em campo, a equipa de Quim Machado procurou sempre equilibrar o jogo e um resultado positivo. Basta recordar que aquele tiro de Miguel Rosa ao poste podia ter empatado o jogo.

Por falar no ex-jogador do Benfica. Quando não joga um derby é uma vergonha porque não quer defrontar a sua equipa de formação ou não o deixam. Quando joga, é uma vergonha porque esteve infeliz num golo de André Almeida. Decidam-se!

 

O Benfica tinha de responder ao mau resultado europeu e também ao triunfo do Porto para voltar a liderar o campeonato. Surpreendentemente foi a jogo sem Nelson, lesionado, e com Almeida no seu lugar. Correu bem já que o André foi considerado o melhor em campo.

Aliás, o jogo correu muito bem. De forma prática até podemos dizer que o Benfica jogou à Dortmund, depois de sofrer um aperto com 1-0 no marcador, reagiu e rapidamente chegou ao 3-0 que matou o adversário.

Boas notícias no golo de Salvio, na exibição de Jonas, no regresso de Mitroglou à lista de marcadores, e em Ederson imbatível em mais uma partida da Liga.

O regresso de André Horta à competição também é factor positivo, já havia saudades daqueles festejos como se viu no 4-0 que fechou o jogo.

Um resultado óptimo no regresso à prova que é a principal preocupação do Benfica até ao final da época.

Saborear esta vitória e começar a pensar no difícil jogo na Mata Real. Até ao fim vai ser sempre assim, preocupação e concentração total no próximo desafio.

 

PS: com tantas preocupações com equipamentos alternativos e cores descabidas, como é que em 2017 um jogo da primeira Liga começa com a equipa de arbitragem vestida com cores semelhantes à da equipa visitante?! E quando mudaram ao intervalo, escolheram a mesma cor do equipamento do guarda redes do Benfica. Lamentável.

 

 

Borussia Dortmund 4 - 0 Benfica: Crónica de uma Viagem a Dortmund

benfica em dortmund.jpg

 Para eles será sempre a noite de Aubameyang, para nós será sempre a noite dos adeptos do Benfica no Westfalenstadion.
A esta hora já todos os leitores viram os vídeos que captaram os cânticos dos benfiquistas que deixaram os alemães rendidos. Foi um momento de inspiração, não foi exibicionismo porque ao intervalo não há jogadores em campo, não há televisões em directo, só há adeptos no estádio.

Quem se emociona a ver os vídeos não consegue imaginar o que foi viver aquilo ao vivo. Mas já volto a este momento.

 

Como tudo começa

 

Muita gente, conhecida ou não, contacta-me das mais variadas maneiras perguntando como é que é a melhor maneira para ir ver o Benfica no estrangeiro. Meus amigos, estamos em 2017 portanto permitam-me que diga que o que é mesmo preciso é muita força de vontade. Havendo essa vontade e sentindo que não podemos ficar de fora desse momento único que é estar nas bancadas de um estádio mítico a apoiar o nosso clube, meio trabalho está feito. O resto é capacidade de sacrifício, poder financeiro e sentido de organização. Há hipóteses para todos.

Pessoalmente, não tenho um plano definitivo. Em Liverpool, há 11 anos, investi bastante dinheiro para poder ir e vir no mesmo e não ter de faltar mais de 8 horas no trabalho. Mas também já fui para Faro apanhar um avião para Birmingham e depois seguir para Londres, assim como já segui de carro para o Porto onde dormi umas horas para depois ir de avião para Eindhoven, ou ir de avião para o Porto e seguir no dia seguinte para Munique, ou fazer Lisboa - Madrid - Bruxelas de avião, alugar uma carrinha e seguir por estrada até Amesterdão.

Enfim, dou todos estes exemplos para se perceber que há opções para todos os gostos. A comodidade e o conforto pagam-se, quem pode pagar avança das formas mais simples e óbvias, quem não pode tem que se fazer à vida. Claro que dormir em aeroportos, stressar com ligações que chegam a parecer perdidas, lidar com imprevistos, torna tudo mais emocionante e desesperante. Óbvio, que quando contamos o que passamos e fazemos só para estar 90 minutos ao lado da nossa equipa, há muita gente que não entende mas para nós faz todo o sentido. Sendo que todos os que sentimos isto da mesma maneira temos tendência para nos aproximar-mos, para nos ajudarmos e assim nascem companheirismos e amizades que ficam para a vida, apenas e só baseado em algo abstracto chamado benfiquismo.

Por isso, o conselho que dou é que quando tiverem muita vontade de estar com a equipa do vosso coração seja onde for, juntem-se a quem já esteja mais habituado. Mas comecem o trabalho ainda antes do sorteio, prevejam cenários e definam os vossos orçamentos para a aventura. Se for grande sigam directos da maneira mais rápida, ninguém vos pode levar a mal. Se não podem gastar o que não têm, há um mundo de alternativas mais fáceis do que parece.

Só para finalizar este primeiro capítulo, desta vez, assim que soube que o Benfica ia ao Westfalenstadion avisei uns amigos que já estavam com o dedo no gatilho para contarem comigo. Voo na véspera do jogo, com regresso marcado para o dia seguinte, pela TAP de Lisboa para Dusseldorf, casa alugada via Airbnb, viagem de comboio Dusseldorf - Dortmund - Dusseldorf para o dia de jogo e bilhete de jogo comprado. Tudo tratado via chat de facebook entre uma dezena de benfiquistas. Tudo correu bem, tudo bateu certo. É muito simples quando a vontade é maior que hesitação.

Isto tudo, claro, partindo do principio que estamos no universo dos benfiquistas disponíveis para uma aventura destas. Para não virem já os que não podem por razões profissionais, familiares, de saúde, financeiras e afins. Como é evidente.

Eu cruzei-me nestes dias com amigos de longa data e desconhecidos que chegaram ao jogo vindos dos pontos mais incríveis do mundo. Seis canadianos foram para Dusseldorf sem bilhete de jogo. Só para dar um exemplo. E também posso falar aqui de quem venceu todas as contrariedades e foi sempre arranjando soluções entre TGV's e carrinhas até chegar ao destino.

 

 

 

Que tal é Dusseldorf?

 

À hora que escrevo esta crónica sabe-se que o dia seguinte ao jogo de Dortmund fica marcado por um ataque assustador na estação central de comboios de Dusseldorf. Só por isto, apetece-me dizer que a cidade não merece este mediatismo por estas razões.

Dusseldorf é uma cidade simpática quando vivida na parte mais perto do rio Reno. A zona de Altstadt é bonita. Fiquei a saber que a Volta à França vai partir de uma praça daquele bairro e já tem publicidade ao evento. A oferta gastronómica é boa e basta seguir as indicações do Trip Advisor para se encontrar um local simpático para degustar um clássico joelho de porco com cerveja.

À noite também se encontra boa oferta de restaurantes, bons bares irlandeses sempre com muita atenção para o futebol. Em noite de Liga dos Campeões podíamos seguir os jogos em qualquer lado.

Nota-se que é uma cidade habitada por gente com poder de compra, basta reparar nas lojas de marcas fortes no centro da cidade. Ou seja, vale uma visita, sim senhor.

 

E a cidade de Dortmund? O Museu do Futebol.

 

Não querendo ser injusto, devo dizer que fui influenciado pelas opiniões de quem já lá tinha estado. Todas as indicações apontavam para não passar lá muito tempo porque não era uma cidade atraente, nem de dia, nem de noite. Daí a opção de teremos dormido as duas noites em Dusseldorf.

O clima não ajudou nada. Um dia cinzento, sempre a chover e com um frio desagradável.

O plano era simples. Sair na estação central de comboio de Dortmund, atravessar a rua, literalmente, e visitar uma loja do Borussia. Deu para comprar o cachecol do jogo e ver a excelente oferta que há para os adeptos do clube amarelo. Depois, andar uns metros e entrar no Museu do Futebol. Os 17€ que pedem à entrada podem desmotivar alguns mas eu ia determinado a encontrar-me com a minha história de adepto.

Quem costuma acompanhar as minhas prosas sabe da minha admiração pelo futebol alemão, a minha simpatia pelo Hamburgo e pela Selecção da Alemanha.

Podem imaginar a emoção que senti quando fiquei a centímetros da camisola 6 de Buchwald. Entre mim e o camisola mais linda de sempre em competições de Selecções estava apenas um vidro a separar-nos. Para animar, mesmo ao lado estava a azul de um tal de Maradona, a relembrar o grande duelo daquela final de Roma de 1990. Nunca tinha estado tão perto de um futebol que me marcou para sempre.

Senti o mesmo arrepio quando estive à mesma distância das camisolas do Hamburgo, claro, do Borussia Mönchengladbach, um clube respeitadíssimo na Alemanha, do Colónia ou da mítica 18 do Klinsmann, meu ídolo de juventude, do Bayern.

Há muito para ver, tudo sobre a selecção campeã do mundo, muitas curiosidades. É uma visita que recomendo a quem apreciar o futebol da Bundesliga. Gostei, foi uma óptima maneira de passar o tempo até ao almoço.

Aí valeu de novo o Trip Advisor. Fomos parar a um restaurante de decoração incrivelmente clássica, com pratos locais e boa cerveja. Já se sabe que almoço em dia de jogo do Benfica no estrangeiro é coisa para durar horas.  Histórias desta época e recordações de outros tempos. Gerações mais novas a ouvirem, aprenderem e, também, a ensinarem. Gente que vai ao Estádio da Luz e benfiquistas que vieram da Holanda. Realidades diferentes, mundos distantes, apenas unidos por um simples fio, o Benfica. Um restaurante em Dortmund que por algumas horas parecia uma casa portuguesa com mesas cheias de benfiquistas vindos sei lá eu de onde. Um aceno, um sorriso, um "vamos a eles", unem o universo benfiquista que parece estar todo ali naquela zona da Alemanha.

Depois umas cervejas bebidas no centro da cidade, algumas num bar de adeptos do Borussia nada incomodados com a invasão vermelha, diga-se, mas com pouco ambiente nas ruas devido à chuva e frio.

A ida para o estádio é muito fácil, tal como já tinha sido em Munique. Transportes eficientes, saída mesmo no estádio, tudo bem organizado sem margem para erros. É a Alemanha.

 

 

 

O Westfalenstadion

 

Sim, eu reparei numa tarja que os adeptos do Borussia mostraram a recordar que ali é o Westfalenstadion, apesar do naming obrigar a chamá-lo de Signal Iduna Park. É o estádio com maior capacidade na Alemanha, mais de 80 mil pessoas devido aos lugares em pé. Em noites europeias baixa para 65 mil por causa da UEFA.
A grande atracção é a bancada, chamada muro amarelo, por trás da baliza .

Mas o encanto começa cá fora. É uma zona de parque, acessos pedonais amplos, muitos pontos de venda de comida, bebida e artigos do Borussia. Há uma imagem incrivelmente romântica e forte que é observar a fachada da bancada central do estádio paralela ao recinto antigo do clube. O passado e a modernidade lado a lado. Lindíssimo cartão de visita para quem vê numa espécie de beer garden.

Adeptos da casa simpáticos e tolerantes, ambiente descontraído. Entrada fácil e acesso à nossa bancada sem problemas.

Primeiro impacto com o estádio vazio. Aquilo é maior do que parece na televisão. Não é só o muro. É tudo.

Muitos adeptos nossos queixaram-se do ambiente, esperava-se mais. Eu não consigo concordar. Só não ouvi o muro a cantar porque o sector do Benfica teve uma noite de sonho. Não se ouvia nada mais a não ser Benfica.

Porque eu vi e ouvi o que esperava dali. Antes das equipas entrarem, escutei, e até cantei para dentro, o You'll Never Walk Alone em versão alemã. É bonito mas não chega ao epicismo de Anfield Road. De qualquer maneira, foi respeitado pela nossa bancada que até aplaudiu no fim. Era o mote para uma noite memorável.

A coreografia não desiludiu. Uma original alusão à goleada do Borussia em 1963. Se ainda se lembram e até levaram jogadores dessa época ao relvado para os homenagear só engrandece o Benfica, eles sabem que foi uma proeza incrível bater o Glorioso dos anos 60. Gostei de ver.

Depois, a partir do começo do jogo não deu para perceber mais nada porque o os 3 ou 4 mil, não sei ao certo, que estavam no sector visitante resolveram dar um show vocal como nunca tinha visto. Pelo menos, com aquele intensidade e durabilidade.

Mas o estádio tem ambiente, estava esgotado e aqueles adeptos têm cultura de futebol.

 

 

 

O respeito do Borussia merece ser eternamente reconhecido

 

O jogo começou e o apoio ao Benfica disparou para níveis altos. Não sei o que se cantava no muro amarelo porque os nossos cânticos faziam eco! O 1-0 veio muito cedo e o Westfalenstadion explodiu, mais de alivio do que de euforia. A eliminatória estava empatada e poderia esmorecer o apoio vermelho e branco.

Mas aquilo só serviu para motivar ainda mais a mancha vermelha. Os golos ali são assinalados nas colunas com a passagem do "Go West" dos Pet Shop Boys. Pois bem, o pessoal aproveitou e imprimiu a sua força roubando o cântico e começando a cantar "Allez, Força Benfica, Allez", sem parar. Mas sem parar mesmo.

A equipa correspondeu e equilibrou o jogo. Passámos a discutir a posse de bola, soltámos os artistas. Salvio andava a fintar amarelos no meio campo, Nelson subia com perigo, Cervi pedia bolas em velocidade. Finalmente, o Benfica discutia o apuramento cara a cara.

Tal como em Munique no ano passado, o golo cedo só veio dar força à nossa equipa para subir no terreno e mostrar os seus argumentos.

A bancada sentiu o crescimento dos jogadores, os adeptos sentiram que todo os esforços feitos para ali estar naquela noite faziam sentido e expressavam-se a uma só voz com uma força que entrava nos ouvidos de quem lá longe acompanhava o jogo, via televisão, internet ou rádio.

Quando se chega ao intervalo com 1-0 significa que após um jogo e meio estávamos empatados na discussão de um apuramento na Champions League com o colosso de Dortmund.

Quando o apito soou para o intervalo cantava-se a versão "Lisboa Menina e Moça" adaptada pelo Topo Sul que termina com um forte "O Amor da Minha Vida".

Os jogadores saíram ao som disto. Os adeptos no resto do estádio preparavam-se para um intervalo normal. Só que o sector visitante num momento de inspiração benfiquista, numa espontaneidade sem igual e numa demonstração de benfiquismo puro e descontrolado não parou de cantar "Benfica, o Amor da Minha Vida" em loop. O tal momento que tem sido divulgado em vídeos.

O que esses vídeos não mostram é o espanto dos alemães a olhar, a fotografar, a filmar e a aplaudir aquela dezena mágica de minutos.

O que esses vídeos não explicam é a vontade incontrolável que eu tive de fechar os olhos enquanto gritava a plenos pulmões: Benfica, o Amor da Minha Vida. Olhos que quando se abriam estavam húmidos de tanta emoção de fazer parte daquele momento.

O que esses vídeos não captam é o que cada um de nós observou. Olhei para trás e vi uma menina, tinha uns 15 anos, de braços no ar, olhos brilhantes a olhar para o céu enquanto gritava Benfica, e de mão a bater no peito do lado do coração quando chegava a parte do Amor da Minha Vida.

Isto explica-se? Não. Sente-se.

Cinco minutos já me lavava a alma. Mais de dez, marca-me para sempre. Ao nível do que vivi há 11 anos em Anfield Road.

E há ingénuos que pensam que aquilo vem por causa de uma alucinação colectiva. Uma bebedeira geral. Pensam que é tudo por causa de um jogo, de 90 minutos na Champions, pela possibilidade de apuramento. Nada disso. Estão enganados. O Benfica é muito mais que um jogo. É muito mais que uma vitória inesperada ou uma derrota mais pesada. É muito mais que uma eliminatória. O Benfica também é muito maior do que aquilo que cabe em estádios como o do Feirense. Por isso, os benfiquistas quando sentem que o Benfica está no local certo, na hora certa, no estádio certo com o mundo todo a ouvir, manifestam-se assim.

O Benfica é o amor da nossa vida e nós cantamos desta maneira não pelo presente, não pelo imediato, mas sim pelo futuro. Por sentirmos que temos o Benfica de volta. Aquele Benfica que anda sempre na alta roda europeia. Que nos faz sonhar mesmo nos estádios mais míticos do mundo. Nós cantamos assim porque temos memória. Temos bem presentes na memória os grandes feitos que já vivemos, conhecemos bem a Glória conquistada nos anos 60 mas também não nos esquecemos nunca da sensação de impotência de não termos futebol para um HJK na Luz, de cair aos pés de um Halmstadt ou , pior, nem participar nestas noites.

Nós temos muita memória e muito benfiquismo, sabemos contextualizar um jogo como este em Dortmund. Isto não são só mais 90 minutos. Por isso cantamos assim. Agora, o muro e as muralhas amarelas à volta, ficaram a saber o que é a força do Benfica.

E sabem porque é que tudo isto foi possível?
Porque aconteceu num local onde o futebol é sagrado. Onde o respeito pelos adeptos é uma lei omnipresente.

Os responsáveis do Borussia ao assistirem aquela manifestação única e apaixonante dos adeptos visitantes optaram por não interromper. Não meteram música, não falaram, não estragaram. E estavam na sua casa, ninguém lhes levava a mal. Estiveram 10 minutos em silêncio como se não houvesse instalação sonora e speaker no relvado. E quando tiveram que abrir as colunas tiveram o cuidado de deixar as da nossa bancada em silêncio.

No final do jogo a mesma coisa. Os adeptos do Benfica assistiram ao festejo da equipa com o muro amarelo e aplaudiram em sinal de respeito. A equipa do Borussia deu uma volta ao campo para se despedir dos seus adeptos e ao passar no nosso canto, que não parava de cantar Eu Amo o Benfica, olharam cá para cima e chegaram a aplaudir! Ao nosso lado, no topo e na central, vi adeptos de camisolas amarelas a sorrir e a aplaudir. No metro fomos elogiados e cumprimentados com respeito e admiração.

Isto também faz um clube ser grande. O nosso e o deles.

 

O Jogo

 

Todos sabíamos ao que íamos, certo?

Vimos a maneira como ganhámos na Luz onde o Borussia mostrou um poder ofensivo impressionante e uma ideia de jogo atraente. Precisávamos de mais uma noite feliz para dar tudo certo.

Depois daquela derrota em Lisboa, o Borussia goleou por 3-0 duas vezes, e despachou com um 6-2 o Bayer. Não estamos a falar de uma equipa qualquer, é um dos modelos de jogo mais fascinantes do futebol actual.

O futebol é engraçado, o Aubameyang deve ter tido uma das noites mais infelizes da sua carreira na Luz. Em casa só precisou de 4 minutos para fazer um golo. Como é que se lidava com aquele desbloqueador tão rápido?

O Benfica respondeu bem. Equilibrou o jogo até ao intervalo.

O futebol pode ser muito cruel. Quando me perguntam qual é o auge de emoção na tua vida, eu invento qualquer coisa para não dizer: são aqueles décimos de segundo quando estou a olhar para um jogador do Benfica que se prepara para fazer golo. Sentir aquela adrenalina descontrolada no momento em que a bola vai parar aos pés de Cervi, ali bem no meio da área amarela, mesmo à nossa frente, parece que a vida pára e tudo acontece em fragmentos mais lentos que a câmara lenta da tv. Em tão curto espaço de tempo eu consigo ver onde é que o Cervi tem de meter a bola, consigo imaginar a melhor maneira de rematar, já estou a ver a bola a entrar naquelas redes pretas e amarelas. Tudo em 2 ou 3 segundos. É esta a magia de vivermos para estas emoções. Só que o remate do argentino é bloqueado por um muro. Parece que a outra bancada entrou dentro de campo e tapou a baliza do Burki. Se aquela bola entra estou convencido que estávamos a falar de uma noite mais do que épica, bíblica!

Não entrou.

O Borussia sentiu a ameaça, esteve perto de ficar atrapalhado na eliminatória. A resposta foi esmagadora. Em três minutos acabaram com a questão. E só assim podiam mesmo resolver o duelo.

O 2-0 nem tem grande impacto porque continuavamos a ter de marcar um golo para seguir em frente e isso permanecia possível. Mas o 3-0 logo a seguir, e a bater um Ederson que tinha estado em modo Galrinho Bento, abateu todas as possibilidades.

Com 3-0 o assunto estava encerrado. Mas o benfiquismo no sector visitante estava mais vivo que nunca. Não havia problema sermos afastados pelo Borussia. Fizemos o que pudemos, lutámos e sonhámos com aquele remate do Cervi. Acabou por prevalecer a lógica e a equipa com maiores craques, sem desrespeito para nenhum dos nossos, ganhou. O Aubameyang não tem duas noites horríveis. Ontem levou a bola de jogo e do seu hat tirck para casa. Geralmente, no futebol, ganham as equipas onde jogam os "Aubameyang's".

O resultado ficou em 4-0 mas ninguém naquela bancada se sentiu envergonhado. Vimos como foi construído, discutimos isto durante mais de partida e meia. Ganhámos em casa, perdemos fora. Paciência.

A sensação não é boa mas depois pensamos nos adeptos do milionário PSG e até dá vontade de sorrir. Ou da tareia que o Arsenal levou do Bayern, ou do triste fim das fanáticas gentes do San Paolo. É a Champions.

Em Setembro há mais e nós lá estaremos para mais histórias.

 

 

Um Enervante Rescaldo

 

Esta é a parte mais pessoal da crónica.

A seguir à dramática derrota de Amesterdão com o Chelsea tive tempo de sobra na viagem de regresso para ver as redes sociais que frequento. Fiquei de tal maneira revoltado com a absurda alegria de pessoas que gostam mais que o Benfica perca do que das vitórias dos seus clubes que dei por mim a eliminar dezenas e dezenas de "amigos". Foi libertador e fiquei com timelines muito mais dignas. Hoje em dia mantenho alguns amigos adeptos de outros clubes. São amigos que respeitam e merecem o meu respeito.

Isto só foi possível porque percebi que no Benfica não precisamos de lidar com o ódio. Nós estamos sempre mais perto de arrancar momentos mágicos como estes que aqui falei porque os nossos cânticos são TODOS pró Benfica. Não se canta uma única vez num jogo de Champions algo contra lagartos ou tripeiros como ouvimos constantemente nos momentos de alegria deles. Nem em jogos de Champions nem em nenhum. Felizmente, é uma cultura de estádio 100% pelo Benfica que foi adoptada por todos os adeptos.

Também não precisamos do sarcasmo, ironia ou humor de terceiros. É que para nos rirmos nas nossas desgraçadas temos também os melhores. Quem tem a rapaziada do Azar do Kralj, do Cota do Bigode, do Boloposte ou Insónias de Carvão, não precisa de mais nada. Nós lidamos bem com as piadas sobre os nossos dramas.

Eu não conheço outro clube onde isto aconteça, ou seja, as melhores piadas virem de dentro. É que isto vacina-nos para o que vem de fora. Também aí são mais fracos que nós. Não é uma opinião, é constatar um facto.

 

Bem, mas onde eu quero chegar é a algo mais pessoal e aborrecido. Depois daquela lavagem que referi no pós final de Amesterdão, dei por mim ontem à noite a remover "amizades" e "follows" a uma velocidade alucinante. Mas só a gente benfiquista.

Desculpem mas a minha tolerância para a parvoíce acabou. Continuem lá nos vossos dramas, na vossa realidade paralela mas longe do meu olhar. Não estou para sair de alma cheia de um estádio como o do Dortmund e levar com comentários do tipo: que vergonha não jogaram nada.

Aliás, isto serve para a nossa imprensa. Não toquei num único jornal português desde que voltei. Olhei para as capas e desisti.

Não perceber a diferença de valor individual e colectivo entre Benfica e Borussia é preocupante.

Mas exigir ao Benfica que passe pelo Dortmund como se estivesse a jogar com o Arouca, só porque também são amarelos, é parvo. Comentar que os jogadores são uns tristes e ignorar que estivemos dentro do sonho mais de meia partida é desonestidade intelectual.

Reagir desta maneira severa após um duelo desta intensidade é, em última análise, uma prova que, se calhar, torcem pelo clube errado.

Cada vez tenho mais a impressão que a grande maioria de benfiquistas, aquela dos milhões do Guiness, aquela que invade o Marquês, aquela que pode ser sócia mas não quer, aquela que pode ir ao estádio mas não vai, aquela que pode apoiar mas prefere assobiar, só é do Benfica porque quer estar ligada, de alguma maneira, a um clube ganhador. Portanto, o Benfica ganha 49 jogos seguidos mas quando perde um é o fim do mundo. O Benfica chega aos 1/8 de final da Champions, mas é pouco. Tem que ir às meias finais, no mínimo.
O Benfica ganha ao Borussia em casa mas não serve porque jogou muito mal, porque foi o 1-0 que envergonha a maioria benfiquista que se manifesta nas redes sociais.

Realmente, voltou a ser muito fácil ser do Benfica.

Eu não consigo ser assim, e agora também já não consigo tolerar isso. Estou a ficar velho e resmungão, eu sei. Mas cada vez que me lembro que estive na Luz a ver jogos de competições oficiais com mais 2 mil benfiquistas num estádio que chegou a levar mais de 120 mil... Desculpem, mas quando falo disto com alguém que me responde que também lá estava, chego à conclusão que devo conhecer todos os que iam nessa altura miserável aos jogos. Ou então, éramos mesmo poucos e hoje vive-se o milagre da multiplicação.

Não sou nem mais nem menos que ninguém, mas já não me apetece conviver com falsos exigentes e residentes de um mundo perfeito que não existe.

Meus amigos, o Benfica não vai ganhar sempre todos os jogos. Mas enquanto tiver uma massa adepta como a que tem actualmente nos estádios, vai estar sempre muito mais perto de ganhar do que perder. Isto devia chegar para se encherem de orgulho, para aprenderem alguma coisa em vez de quererem que o Benfica seja o vosso super homem particular e vos levarem às festas e a fazerem boas piadas nas redes sociais contra os vossos rivais.

Que os tristes de verde façam piadas no ano em que o Legia foi à Liga Europa e eles ficaram no sofá é digno da alarvidade odiosa em que vivem. Que benfiquistas se sintam envergonhados e revoltados com uma noite destas, é porque não percebem o que é o Benfica.

Para começar, esgotem o nosso estádio em qualquer jogo da Champions League, como eu vi ontem na Alemanha, e não apenas quando cá vem o Barça ou o Bayern. Esgotem os Red Passes no começo da época. Quando isso acontecer, aí sim, podemos falar de exigência galáctica.

O Benfica foi eliminado da Champions. Sim, fomos varridos pelos alemães.

E sim, pode acontecer uma surpresa do Estoril na Luz e ficarmos sem Jamor.

E sim, podemos perder o campeonato numa dessas finais que faltam até Maio.

E então? Se acontecer vão ficar mais felizes para poderem escrever "eu não disse?".

Isto é futebol, não são decretos. Temos que ir à luta e vencer. Ninguém nos dá nada. São todos contra nós. O que nos motiva é que hoje estamos sempre muito mais perto de ganhar do que perder. Foi isso que senti em Dortmund.

Se amanhã a equipa falhar e não corresponder ao que esperava não vou deitar os cartões fora, não vou virar costas, nem vou por tudo em causa.

Eu passei o Vietname do Benfica, expressão usada pelo Pedro Ribeiro, e não desisti nunca. Agora, em tempos destes é que ia deprimir? Só sou maluco pelo Benfica, não sou parvo.
Mas eu sou dos que ainda hoje não lidam bem com o afastamento europeu em Braga, e fico possuído quando alguém me diz que foi melhor assim porque perdíamos a final com o Porto. Nós que não perdemos uma final de Taça de Portugal ou confronto com eles na Taça da Liga, há anos e anos. Mas eu é que sou o maluco...

Não gostam do Luisão, do Salvio ou do Pizzi? Eu vi o Beto a marcar contra o Manchester e a assistir contra o Liverpool. Eu acreditava que o Rojas e o Leónidas iam ser campeões pelo Benfica. Não me lixem.

Acreditem em mim, hoje na casa do muro amarelo há muito mais respeito pelo Benfica do que havia antes dos 4-0. Pensem nisto.
Não perguntem o que o Benfica deve fazer mais por vocês, vejam o que podem fazer pelo Benfica. Vivam mais o clube. Vivam o Benfica. Viva o Benfica!

 

Feirense 0 - 1 Benfica: Uma Fogaça de Pizzi

 _JPT7744.jpg

 Vida de adepto é mesmo assim. Num sábado faz-se quase 600 Km para ir ver o Benfica lutar por mais 3 pontos num estádio onde se cobram preços de bilhetes ao nível da Liga dos Campeões. Um estádio que não aguenta o festejo dos adeptos na altura mais desejada de se celebrar o golo que nos vale os tais 3 pontos. Uma situação que se repete como em 2012. O roubo dos preços e a fraca resistência das bancadas.

Curiosamente, a próxima paragem é mesmo a Champions League. É possível comprar um bilhete para ir ver o Benfica no mítico Signal Iduna Park (Westfalenstadion), em Dortmund, mais barato que alguns ingressos para Santa Maria da Feira. É a vida de adepto do Benfica.

 

Felizmente, a nossa vida de adepto é feita de momentos muito mais marcantes e positivos do que negativos. Para ir apoiar o Benfica na casa do Feirense motivam-se vários grupos de companheiros. É um excelente pretexto para uma almoçarada com malta vinda dos pontos mais diferentes do país e da Europa. Não há nada melhor que uma tarde, mesmo que longe de casa, à mesa a comer bacalhau assado com azeite quente e conviver sob o lema do benfiquismo. Isto a terminar uma semana de aniversário do clube e em dia que se comemora outra data interessante para um grupo de adeptos que há 25 anos estão Sempre Presentes.

 

Faltava ganhar o jogo.

A recordação que tinha dos jogos na Feira não era a melhor. São sempre jogos muito disputados, difíceis em que é preciso lutar muito para garantir uma vitória pela margem mínima. Foi o que voltou a acontecer.

Este Feirense é uma equipa muito interessante, junta-se ao Chaves e ao Rio Ave, como bom modelo de jogo a revelar excelente trabalho do seu treinador.

 

(Fotogaleria de João Trindade)

 

Da parte do Benfica a tarefa era desde logo mais dificultada pelas ausências de Nelson Semedo e Jonas. André Almeida remenda a posição mas a diferença para o Nelson é enorme, mesmo porque estamos a falar da falta do jogador que mais golos tem dado à equipa a partir do lado direito. Depois, a aposta para acompanhar Mitroglou na frente foi para Zivkovic. Carrillo e Salvio nas alas.

A equipa foi equilibrada por Pizzi que acabou por ser determinante e decisivo ao apontar o golo da vitória antes do intervalo.

Desde a bancada há alternativas que passam pela cabeça dos adeptos. Eu imagino um ataque com Salvio e Zivkovic nas alas e apostava em Cervi a apoiar Mitroglou, isto porque vi o argentino fazer esta posição na América do Sul.

Mas enquanto nos entretemos a discutir quais os jogadores que deviam ir a jogo, o Benfica lutou por sair vencedor da Feira. O golo antes do intervalo foi importante para acalmar a equipa e os adeptos.

Na 2ª parte só um grande susto na baliza de Ederson mas muito sofrimento com a diferença mínima no marcador.

 

Foi uma vitória muito suada mas o objectivo foi cumprido. Não há tempo para grandes considerações, a viagem para a Alemanha está aí e o Benfica quer ir a Dortmund discutir a passagem aos 1/4 de final.

Até lá temos fogaças para lembrar esta viagem a Santa Maria da Feira onde há benfiquistas que sabem receber à ... Benfica!

 

Estoril 1 - 2 Benfica: Mais Perto do Jamor em Dia de Aniversário

mitroglou estoril.jpg

 Passo largo para a final do Jamor, deu o Benfica na visita ao Estoril. Já ali tinha eliminando o 1º Dezembro pelo mesmo resultado e vencido o Estoril para o campeonato pela margem mínima. Agora, garantiu vantagem na eliminatória a duas mãos que decide o apuramento para a desejada tarde no Estádio Nacional.

 

Ao sair das bancadas ia ouvindo o lamento de vários companheiros mais novos pela exibição do Benfica não ter sido melhor em dia de aniversário do clube. Percebo. Ainda bem que estamos assim. A exigência no Benfica voltou a estar ao mais alto nível mas é preciso não perder o fio do pensamento racional. Neste contexto de Taça de Portugal, o resultado é óptimo e o Benfica cumpriu a sua tarefa de equipa favorita. Pode ser sempre melhor, em termos de golos e de exibições, colectiva e individual.

 

Permitam-me que introduza aqui duas histórias pessoais relacionadas com jogos do Benfica em dia de aniversário e em dia de Carnaval.

A 16 de Fevereiro e 1999 celebrava-se mais uma 3ª feira de carnaval, o Benfica vinha de uma derrota desmoralizadora para o campeonato no Funchal com o Marítimo, marcou Tulipa, e a vontade de ir ver o segundo jogo da equipa na Taça de Portugal dessa época era nula. O Benfica tinha afastado a Académica por 4-1 em Janeiro, na 4ª eliminatória, a primeira para nós, e agora tinha de ir ao Bonfim na 5ª eliminatória. O jogo estava marcado para a noite. Acontece que à tarde o Torreense foi pregar uma impensável partida de Carnaval ao Porto em pleno estádio das Antas. Cláudio Oeiras fez um golo histórico que eliminou o Porto. Isto fazia esquecer o último jogo do Benfica e a motivação para ir a Setúbal ver o Benfica subiu em flecha. De repente parecia perfeitamente possível vencer a Taça.

Lá fui eu mais um grupo de amigos à última da hora para o Estádio do Bonfim. Chiquinho Conde aos 16' e Chipenda aos 89' acabaram com a nossa alegria de Carnaval. Um jogo horrível do Benfica de Souness.

 

No dia 28 de Fevereiro de 2004 o Benfica festeja o seu centenário. A 24ª jornada do campeonato era na Luz entre Benfica e Moreirense. Parecia tudo perfeito para largar um fogo de artificio no final da partida e assinalar a data histórica em ambiente de festa. Lá fomos para o Estádio da Luz, já o novo, com vontade de ver uma vitória convincente que nos desse motivação para assinalar com felicidade os 100 anos do clube. O Benfica de Camacho fez o 1-0 aos 54' por Fernando Aguiar. Pelo tempo e marcador já se pode imaginar a qualidade da exibição da equipa. A 4 minutos do final, Demétrios faz o 1-1 estragando assim um dia tão especial para os benfiquistas. Não conseguimos bater o Moreirense em casa em dia de anos.

 

Por ter estas e muitas outras memórias bem arrumadas na minha cabeça é que dou sempre valor quando a equipa cumpre a sua obrigação nestas datas especiais.

Não foi uma exibição brilhante? Pois não, mas valeu pelo bis de Mitroglou que vive uma fase de sonho e que nós temos a felicidade de a estar a testemunhar. Hoje ficámos mais perto do Jamor e isso tem muito valor.

Dignificar o aniversário do Benfica é importante, nem sempre aconteceu, mas hoje temos motivos para sorrir.

Parabéns, Glorioso.

Benfica 3 - 1 Chaves: Bonito, Emocionante e com Final Feliz

_JPT6030.jpg

 Jogo 23 no campeonato e a pressão de sempre. Jogar primeiro que o rival, não poder vacilar, lidar com a ausência de Fejsa, gerir os "amarelados" Pizzi e Nelson Semedo, escolher um "6" e um companheiro para Mitroglou.

Tudo resolvido com eficácia. Samaris avançou para a titularidade, Rafa jogou na frente, Pizzi não viu amarelo mas Nelson Semedo não vai a jogo em Santa Maria da Feira.

A novidade nesta jornada foi o adversário. Uma boa novidade, diga-se. O Chaves regressou ao Estádio da Luz para um jogo de campeonato após a despedida da divisão maior em 1999, na altura o Benfica venceu com Shéu Han como treinador.

A equipa transmontana confirmou a excelente época que tem vindo a fazer, apresentou um futebol vistoso, atraente e muito positivo neste duelo com o líder da prova. Acrescente-se o apoio de dois mil adeptos na bancada e só posso elogiar o clube que nos anos 80 me fez vibrar com o seus jogos europeus. Que volte às provas da UEFA em breve.

 

O Benfica esteve à altura do momento, percebeu que ia ser preciso levar muito a sério uma partida muito bem disputada. Na primeira parte, sem deslumbrar, o Benfica foi construindo o suficiente para justificar a vantagem no marcador. Foi o inevitável Mitroglou a fazer o 1-0 e a dar uma falsa ideia de tranquilidade para o resto da noite. É que perto do final da primeira parte o Chaves conseguiu mesmo empatar com um belo golo de Bressan, que já tinha feito o mesmo pelo Rio Ave uma época antes e na outra baliza.

 

(Fotogaleria de João Trindade)

 

Ao intervalo havia sinais de impaciência na bancada porque sentia-se que o problema estava longe de estar resolvido. Parte da solução foi fazer entrar Jonas e encostar Rafa na esquerda, passando Zivkovic para o lado direito de onde saiu Salvio.

A equipa de Rui Vitória entrou bem na 2ª parte, ciente que era obrigatório marcar rápido para não tornar o jogo ainda mais complicado. Uma bela jogada colectiva acabou nos pés de Rafa com êxito.

Samaris bem na abertura para Nélson Semedo que cruzou para o golo de Rafa.

A época que Nelson Semedo está a fazer é absurda de tamanha qualidade. Ontem duas assistências e mais uma exibição incrível. O menino está feito um senhor defesa direito.

Mais tarde Pizzi foi trocado por Felipe Augusto para refrescar o meio campo. Mas a verdade é que com o resultado em 2-1 o jogo esteve sempre perigosamente aberto. Foi nessa fase que a equipa de Ricardo Soares assumiu a posse de bola, chegando mesmo a encostar o Benfica no seu meio campo. Muita irreverência individual, mudanças tácticas e substituições com vontade de mexer e melhorar o jogo e o Chaves sempre ameaçador a construir jogo sem complexos.

 

Uma boa exibição dos flavienses que eu bem dispensava. Porque em casa eu quero é sossego e monotonia, como bem sabem. Gosto de ver bom futebol mas é da minha equipa e nas outras partidas. O bom futebol do Chaves deixou-me nervoso até ao segundo golo de Mitroglou. O grego entrou em modo Deus. Tudo o que faz, faz bem. Está com tanta confiança que sente que é o melhor avançado do mundo, está com uma eficácia incrível e está a ser o nosso Jonas desta época. Com a vantagem do próprio Jonas estar por ali a espreitar o regresso à sua melhor forma. Esta dupla no auge da forma é coisa para me fazer sorrir enquanto espero pelos próximo desafios.

 

Excelente vitória, belo jogo com mais de 50 mil nas bancadas da Luz. O fim de semana está ganho.

 

Braga 0 - 1 Benfica: Mitroglou Factura no WC de Jorge Simão

mitroglou braga benfica.jpg

 Roses are red

Violets are blue

e quem ficou com a miúda

foi o Mitroglou

 

Comecemos por responder à conferência de imprensa de Jorge Simão antes do jogo da Pedreira. O infeliz treinador do Braga meteu a martelo uma história popularizada pelo argentino Jorge Sampaoli, actual técnico do Sevilha, para falar da posse de bola. O conto do Jorge Simão terminava no WC. Ora, já se sabe desde a época passada o quanto Mitroglou gosta de ir ao WC. Foi um passo arriscado do treinador minhoto que só podia acabar mal.

Parece-me que Simão precisará mais do que histórias alheias para explicar a sua inaptidão em colocar o Braga a jogar um futebol ofensivo de acordo com as expectativas de adeptos e direcção de um clube que aponta para, pelo menos, o 3º lugar na Liga.

Estava Jorge Simão a preparar a imprensa, que o adora, para um jogo de contenção e defensivo, ao seu estilo, na esperança de ir aguentando um empate, ou num golpe de sorte um triunfo que seria um precioso balão de oxigénio.

 

Pegando na quadra mais popular desta semana nas redes sociais, respondemos ao Simão com a solução para sua história. No dia dos namorados choveram partilhas de versos começados por Roses are red e terminados em Mitroglou. Pois bem, o grego anda de tal maneira inspirado que prolongou o estado graça até ao Minho e resolveu um desafio bem complicado.

 

O Benfica chegou a Braga sem Ederson, expulso a meio de um jogo resolvido com o Arouca na Luz, sem Jonas, lesionado, em 2º lugar depois de ver o Porto resolver o seu jogo com o Tondela de forma surreal, como disse Pepa, e com o ambiente hostil que há muito as gentes de Braga tentam imitar de outros lados.

Para piorar o cenário, hoje tivemos um penalti sobre Salvio por assinalar e um golo mal anulado a Mitroglou. Felizmente, houve forças para marcar um que não pudesse ser invalidado. Na garra, na insistência, com fortuna, com sentido de baliza e com determinação, assim foi o golo de Mitroglou. Uma jogada que valeu 3 pontos.

 

O objectivo foi cumprido mas agora tem de haver espaço para, do cimo da nossa liderança, interrogarmos o que se anda a passar no futebol português desde a visita da claque do Porto ao centro de treinos dos árbitros no norte. A conversa de termos de jogar o dobro para assim podermos ultrapassar barreiras exteriores é muito linda e comovente mas é do domínio do surreal, para repetir Pepa. Não temos que andar a conviver com penaltis não marcados, golos sofridos irregulares, golos mal anulados e expulsões de fiscais de linha e cruzar os braços pedindo aos nossos jogadores que joguem a dobrar porque isso não é justo nem possível.

 

Tal como na época passada, o Benfica voltou a entrar na Pedreira sem estar na liderança mas saiu com uma vitória muito saborosa e moralizadora. Foi apenas mais uma barreira ultrapassada mas temos de olhar para o que não correu tão bem. Olhar para dentro e para fora. É essencial.

Sigamos o nosso caminho. Quanto ao Jorge Simão, depois disto duvido muito que chegue ao final da época com este trabalho. Depois terá tempo para ler mais histórias.

 

 

Benfica 1 - 0 Borussia Dortmund: Ederson Lendário!

_JPT4831.jpg

 É de noites destas que se fazem lendas. A exibição do guarda redes do Benfica foi soberba, a Europa do futebol ficou a conhecer  o valor do jovem brasileiro Ederson que segurou uma vitória épica do Benfica.

 

Claro que é injusto colocar o foco apenas na baliza quando a equipa fez um jogo de resistência tremenda e soube marcar um golo que deixa a nação benfiquista a sonhar com uma proeza daquelas à altura do passado europeu glorioso do clube.

Luisão fez um jogo monstruoso, Nelson e Eliseu foram incríveis nas alas, Fejsa foi incansável no meio e Mitroglou fez explodir a Luz com o seu oportunismo. Toda a equipa esteve bem quando se olha para o poderio do adversário.

 

Durante muito tempo tive o sonho de jogar no Benfica. Depois o tempo passa e aos poucos passei a olhar para o banco de suplentes e a desejar um dia estar ali a treinar a equipa. Se me dessem essa oportunidade, eu escolhia a noite de ontem para realizar esse sonho.

Eu acompanho tão de perto a Bundesliga, gosto tanto do futebol germânico, selecção incluída, e vejo tantos jogos do Borussia que sentia-me capaz de desenvolver uma táctica e escolher uma equipa para lutar com os amarelos. Até à hora do jogo passei horas a discutir sobre o modo como Tuchel viria jogar na Luz e , ao mesmo tempo, desenvolvia a minha ideia de jogo para surpreender o Dortmund.

Como é possível ignorar a magia destas noites europeias, da adrenalina de termos de lutar contra clubes de uma dimensão financeira de outro planeta que não o nosso? Foi em noites como esta que o Benfica se fez Glorioso aos olhos do mundo. O Benfica tem que ser sempre Campeão Nacional, certo. Mas também tem que andar nesta alta roda europeia para que no dia seguinte a cada jornada, o seu nome seja falado em todo o lado.

 

(Fotogaleria de João Trindade)

 

Voltando ao sonho de ser treinador por um dia. Ainda bem que não passa de um sonho. Eu estava convencido que Thomas Tuchel vinha à Luz jogar de uma maneira mais conservadora, com um quarteto defensivo e com menos posse de bola. Mas os alemães não abdicaram do seu plano jogo, mesmo que não tenho dado certo nos últimos jogos de competições internas. O Borussia veio à Luz com um principio de jogo idealizado pelo seu treinador, com os tais três centrais, arriscando tudo na posse de bola e na velocidade de alguns dos melhores futebolistas da actualidade, Dembélé, Reus ou Aubameyang. Que maravilha ver gente deste calibre a competir na nossa casa. Mais discreto, Julian Weigl, é só por si merecedor do valor do bilhete para o ver actuar. O médio defensivo mais elegante e encantador do futebol actual. Que jogador!

Felizmente, o futebol não é uma ciência exacta e por razões que só os deuses do jogo podem explicar, os craques do Dortmund também têm apagões. Foi o caso de Pierre-Emerick, a lenda do Gabão, que teve dois falhanços históricos e falhou um penalti, aqui com mérito para Ederson que estudou as últimas conversões de Aubameyang e deixou-se ficar de pé.

 

Thomas Tuchel no final do jogo dizia, incrédulo, que o resultado foi ridículo. Compreendo a frustração dele mas como os germânicos costumam dizer: ganha quem é mais eficaz. O Benfica foi incrivelmente germânico deste primeiro duelo na Champions League.

Geralmente, o Glorioso costuma aproveitar estas noites de sorte para aumentar o seu prestigio internacional com mais proezas. Foi assim nos duelos, já neste novo estádio, com Manchester United, Liverpool ou Juventus, só para citar alguns.

Foi uma enorme vitória que dá moral e confiança, além de visibilidade internacional. Isto sem Jonas, note-se!

Vamos entrar na Alemanha em vantagem e, por isso, tudo é possível.

Agora é descer à terra e pensar no campeonato. Acrescentámos mais um capítulo bonito na nossa maravilhosa história europeia. Isto sim, é honrar o passado vivendo com dignidade o presente. Estas noites mágicas também são nossas e precisam do Benfica.