Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Red Pass

Tetra Campeões

Red Pass

Tetra Campeões

Benfica 1 - 2 Vitória de Guimarães

 

Infelizmente não posso dizer que seja um desfecho de todo inesperado. Depois do que tenho passado já estava a contar com um fecho de época destes. A motivação era tanta que expliquei aos companheiros de bancada e viagens que me ia baldar ao almoço na mata e aparecia mais perto da hora do jogo. A motivação era tanta que com o resultado em 1-0, antes da reviravolta, a exibição sabia-me a pouco.

Não festejei exuberantemente o golo do Benfica. Não sei quando voltarei a festejar um golo de maneira descontrolada como aquele do Cardozo que deu o apuramento para Amesterdão no outro dia que agora já parece há uma eternidade. A desconfiança tomou conta das minhas emoções.

Vi o jogo sentado no muro de pedra que separa o primeiro anel de bancadas do segundo. Tem sido sempre assim desde 1988. Nem é de propósito, quando chego ao estádio depois de andar um bocado acabo sempre por ir para ali. Há um sentimento de recuperação do futebol de outros tempos, sentado num muro a torrar ao sol e a ver bola. Tinha passado a semana a recordar com a minha mãe a final perdida para o Belenenses em 1988. Foi uma tarde parecida com esta. Festa o dia todo, eu , amigos, irmã, prima e a minha mãe, tudo para o Jamor. No fim perante a festa azul caíram-me umas inocentes lágrimas. Não estava nada habituado a ver o Benfica perder... Ainda hoje a minha mãe brinca com esse momento. Depois de sairmos do Jamor conseguimos esquecer um pouco a desfeita à conta de um concerto dos Delfins nas traseiras da nossa casa, o parque do centro comercial Fonte Nova. Era a festa da Benflor e a presença da banda de Cascais era o ponto alto do evento. Antes que comecem já com bocas, reparem bem que estávamos em 1988 e nessa altura a canção "1 Lugar ao Sol" era uma granda malha, não me lixem!
Vinte e cinco anos depois nova desilusão no Jamor e novo consolo em casa, um jantar preparado com todo o carinho pela santa da minha mulher que sofre com isto só por saber que eu sofro. Vendo bem nem me posso queixar do rumo da minha vida, o Benfica continua igual a retribuir com facas nas costas ao meu amor incodicional mas tenho quem me ampare. Isso é positivo.

 

Outro jogo que recordei muito esta semana foi a final de 1980 quando ganhámos ao Porto 1-0. Foi a minha primeira vez no Jamor. Uma estreia de todo inesperada. Estávamos a almoçar pacatamente em casa quando o meu pai atende o telefone da sala e admirado solta uma interrogação: "Olha, um colega meu tem bilhetes a mais para a final, queres vir connosco?" . A excitação foi tanta que nem acabei de comer, saí disparado ao quarto buscar a bandeira que tinha sempre pendurada na cama e apresentei-me pronto. Foi uma tarde que me marcou porque senti ali a magia do Jamor. Depois desse nunca mais falhei uma final com o Benfica no Estádio Nacional. Curiosamente, nunca vi o Benfica perder para Sporting ou Porto mas assisti aos triunfos de Belenenses, Vitória de Setúbal e agora Vitória de Guimarães.

 

Hoje foi a desfeita que menos me custou suportar nas últimas semanas. A de Amesterdão rebentou comigo, foi cruel. Não esperava grande coisa da final europeia e acabei desfeito com aquele golo nos descontos. Hoje foi diferente. Quando um adepto bate no fundo das emoções fica mais forte para suportar horas más. Como o Vitória não arranjava maneira de criar perigo foi o Artur que resolveu relançar o jogo. Lá está, como já o tinha visto fazer o mesmo com o Porto na Luz nem foi surpresa. A primeira vez custa sempre mais. Depois o resto é futebol, levar um segundo golo daqueles... É o fora de jogo que não é marcado, é o ressalto da bola, é tudo. E assim que a vejo lá dentro penso para comigo: "já vi disto, já senti isto, já sei o que se segue". Finalmente, levantei-me do muro e fui andando pela bancada. Não me despedi do casal mais simpático que conheço do meu sector de bancada da Luz e que hoje foram a minha companhia de muro. Não falei com ninguém, fui só andando à medida que o jogo acabava e até tive a calma de olhar para a bancada branca do outro lado e esboçar um sorriso, aquela malta merece aquela alegria. São uns adeptos do caraças! Aliás, muito pior do que perdermos o jogo e discussões no relvado , muito pior, repito, é não terem tido a dignidade de ficarem no relvado a assistir à entrega da Taça ao Vitória. Com o Chelsea não se foram embora, pois não? O Vitória vale muito mais do que um Chelsea, não tem magnatas russos a gastar fortunas com a equipa mas tem uma massa adepta que dá lições de paixão a qualquer beto daquele bairro de Londres. O Benfica tem que saber ser digno. Ou melhor, tem que reaprender a ter a sua dignidade. Não devia ser eu a lamentar isto aqui, devia haver alguém responsável lá dentro que não deixasse a equipa ir embora.

 

E agora? Foi a pergunta que mais me fizeram nas útlimas horas. E agora o quê?

É como disse lá atrás, esta até foi a derrota que me custou menos de engolir. O pior momento foi o fim do jogo com o Estoril. Aí sim, passei dos piores momentos que me lembro enquanto benfiquista. E olhem que já passei muitos e variados! O que aconteceu naquele jogo com o Estoril é que rebentou com a época. Era a noite em que não podíamos falhar, era contra o Estoril e falhámos à grande. O impacto cá dentro foi brutal. Saí de rastos da Luz, dormi mal nos dias seguintes e senti que tudo tinha acabado ali apesar de ainda haver esperança de mudar o destino fatal. Mas o Benfica recente obrigou-me a não acreditar em mudanças de destino. Por isso o jogo com o Estoril serviu de anestesia geral para a tragédia que se viveu em 3 actos posteriores. Em Amesterdão custou muito porque parecia que íamos ter uma fuga ao tal destino mas nem isso.

E agora? Não sei. Manda-se embora o Artur? Deixa-se ir o treinador? Vende-se o Cardozo? Voltamos às Assembleias Gerais de insultos e confrontos? Não sei.

 

Não votei nesta Direcção, votei em branco. Mas tenho sido um acérrimo defensor de Jorge Jesus desde o final da sua primeira época na Luz. Quando chegou cá eu não o queria, disse-o ao Rui Costa no pavilhão da Luz depois de um derby de andebol. Mudei de opinião e sempre o defendi. Agora, sinceramente, não sei ... Eu sou um simples sócio que pago quotas desde 1984, um adepto descontrolado que ama o clube desde que me conheço, um mero frequentador da Luz com RedPass. Vou continuar assim, obviamente. Já passei muito pior que isto tudo e nunca desisti, nunca o farei. Mas voltamos ao ponto de partida de Agosto passado quando saí a ferver da Luz com o empate com o Braga depois de ter feito centenas de Km's desde Paredes de Coura. Nessa noite fiquei logo com aquele horrível travo amargo a derrota na boca. Aos poucos foi passando, voltei a acreditar acabei por ir atrás deles outra vez mas no fim vejo que naquela noite de Agosto o sentimento estava certo. Acabou mal.

 

A solução é começar tudo do zero? É apostar mais uma vez nesta estrutura e esperar numa recompensa tipo Bayern que após uma época de fim trágico ganhou tudo com relativa facilidade? Não sei, meus amigos.

Sei que da minha parte vivi a época com toda a energia que podia dar ao clube, fui às AG's, não falhei um jogo em casa, sacrifiquei orçamento e dias de férias em deslocações, tentei motivar companheiros e amigos. Sinto que cumpri o meu papel.

O bom desta final da Taça é que significa o encerramento da época, amanhã já estamos em defeso e em loucura de nomes de jogadores e, provavelmente, treinadores. Volta tudo ao zero. É a altura do ano em que me desligo disto. Não quero saber de possíveis reforços, nem quero saber se renovam ou não com o Jesus. Façam o que quiserem, decidam o que quiserem, eu já sei qual é a minha resposta... Em Agosto lá estarei no meu lugar cativo na Luz para ver o primeiro jogo da época e começar nova aventura. É sempre assim, sempre assim será. Não contem comigo para a dança das transferências.
Não faço ideia do que é melhor para o clube, já não sou capaz de defender ninguém, não quero atacar toda a gente. Quero descanso disto e como faço todos os anos quero diminuir a chama desta loucura à volta do Benfica e aproveitar o sol, os festivais de verão e tudo o que tenho direito. Temos 3 meses para digerir isto, só espero que na nova temporada estejamos todos mais fortes e ambiciosos.
Boas "férias", VIVA O BENFICA !

39 comentários

Comentar post

Pág. 1/3