Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Red Pass

Tetra Campeões

Red Pass

Tetra Campeões

És Tão Mentiroso, Mafioso!

Hermínio Loureiro desmente versão de Pinto da Costa

O ex-presidente Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP), Hermínio Loureiro, desmentiu as declarações de Pinto da Costa e negou que tivesse sugerido a Ricardo Costa que apresentasse a demissão da presidência da Comissão Disciplinar (CD) da LPFP.

"Apresentei o pedido de renúncia aos meus colegas da Liga e solicitei a todos os órgãos da Liga que se mantivessem em funções, tendo em conta a preocupação de manter o normal funcionamento competitivo das instituições", afirmou em declarações à SIC.

Sem alongar-se em mais comentários, Hermínio Loureiro assumiu "vontade de falar", mas, pelo menos até final da temporada, de forma a não criar "instabilidade", prefere remeter-se ao silêncio. "Estarei disponível para, logo que terminarem as competições, poder dar todos os esclarecimentos necessários."

Em entrevista à RTP1, Pinto da Costa tinha afirmado que Hermínio Loureiro decidiu abandonar a presidência da Liga de Clubes depois de ter sugerido a Ricardo Costa que se demitisse da CD.

Ricardo Costa também já desmentira a versão do presidente do FC Porto ontem à noite, em entrevista à SIC Notícias.

Michael Manniche em Entrevista ao I

Manniche foi um dos jogadores que eu mais idolatrei na minha infância. Chegou ao Benfica na altura em que me tornei sócio para poder ver todos os jogos no estádio da Luz. Ele e Stromberg foram os responsáveis por eu desejar ser louro aos 10 anos para deixar crescer o cabelo e jogar como eles. Estive na Luz no famoso jogo com o Liverpool na 2a mão da Taça dos Campeões. Depois de perdermos em Inglaterra por 3-1 (3 golos do terrível Rush) começámos o jogo na Luz a vencer com um penalti marcado por Manniche. Estivemos muito perto de fazer o 2o golo mas o resultado ficou em 1-0. Tive que esperar 20 anos por uma vingança. Desses tempos ficaram a simpatia pela equipa do Liverpool e a eterna admiração pelo dinamarquês que não dava 5 toques seguidos na bola e cabeceava de olhos fechados.


Michael Manniche fala três línguas mas só se expressa correctamente em dinamarquês, numa sonoridade que se assemelha à de uma máquina de flippers. O seu inglês tem altos e baixos e o português só aparece em palavras soltas, como "sócios", "Benfica", "Cascais", "restaurante Pimentão" e "canina". Alto e louro, Manniche foi o quinto estrangeiro de sempre a jogar no Benfica, depois dos brasileiros Jorge Gomes e César (1979-80), do jugoslavo Filipovic (82-83) e do sueco Stromberg (83-84).

O avançado dinamarquês chegou à Luz no Verão de 1984, na era Fernando Martins. Veio do Hvidovre, onde foi campeão dinamarquês, em 1981, e somou 23 golos em 77 jogos. Ainda antes de tocar na bola, Manniche já causara impressão no aeroporto. Media 1,96 metros de altura e tinha um arcaboiço pouco comum para um jogador de futebol. Ainda por cima, em Portugal, onde a selecção nacional acabara de brilhar no Euro-84 com seis jogadores do onze da meia-final com a França abaixo do 1,75. Está a ver o impacto, não é verdade? Mas pronto, Manniche vinha da Dinamarca, um país futebolisticamente sem expressão, e falou-se numa aposta falhada de Fernando Martins. Puro engano. Em quatro épocas na Luz, duas deles (a primeira e a última) em que não foi titular assumido, Manniche não só ganhou seis títulos (dois campeonatos, três Taças de Portugal e uma Supertaça nacional), como ainda marcou 75 golos em 132 jogos. Um desses golos foi ao Liverpool e valeu uma vitória (1-0) sobre a equipa que o Benfica defronta esta quinta-feira para os quartos-de-final da Liga Europa. Mote mais que suficiente para uma viagem ao passado. Em dinamarquês (ou flipperês, whatever), inglês e português. Mas sempre a rir, porque o homem é alto, louro e divertido. E aí está uma característica pouco conhecida dos dinamarqueses.

Boa tarde, é o Manniche?

Plim, plam, plim (deve ter sido "sim" em dinamarquês).

Daqui Rui Miguel Tovar, de Portugal. Tudo bem?

Ahhh, claro, claro. De que jornal és?

Do i, que nasceu em Maio do ano passado. Somos um jornal generalista. Política, economia, cultura, desporto...

Ahhh, boa, boa. E o que queres?

Quero falar contigo sobre o Benfica-Liverpool. Há uns anos marcaste um golo e o Benfica ganhou.

E era tão bom que isso se repetisse, mas com happy end. Porque nesse dia em que marquei, nunca mais me esqueço, fomos eliminados. Tínhamos perdido 3-1 [hat trick de Ian Rush a responder à "ousadia" de Diamantino] em Anfield e precisávamos de 2-0 para passar. O penálti foi muito cedo, aos cinco minutos, julgo eu, numa falta do Grobbelaar sobre o Jorge Silva. Portanto tivemos 85 minutos para marcar o 2-0 mas ele nunca chegou e lembro--me como se fosse agora (o "agora" dito em português) que os adeptos do Benfica nos aplaudiram no final do jogo, que acabou dez para dez, com as expulsões de Pietra e Dalglish, ao mesmo tempo, no final da primeira parte. Nessa altura o Benfica era bom e o Liverpool era fortíssimo. Aliás, era o campeão europeu e também chegou à final da Taça dos Campeões desse ano. Agora há um maior equilíbrio de forças e é até o Benfica quem está por cima do Liverpool em confiança, ritmo e jogo.

É verdade que "Tosco" era a sua alcunha na Luz?

Toscooo [pergunta com sotaque inglês]? Sim, lembro-me disso. Mas não é uma coisa muito boa, pois não?

É como se fosse desajeitado.

Ah ah ah [grandes gargalhadas, seguidas de uma explicação em dinamarquês a pessoas ao seu lado e aí explosão de gargalhadas em conjunto]. Tosco, ok! Sim, as pessoas começaram a chamar-me isso no início, porque havia Filipovic e Nené, porque eu não era titular e porque não conseguia dar cinco toques seguidos na bola, mas depois melhoraram e cheguei a ser chamado "canina", por graça. Não há um internacional português que tem o meu nome?

Sim, o Maniche.

Pois, mas só com um "ene". Que isso dos dois "enes" é um exclusivo meu. Nada de confusões entre ele e eu [e mais gargalhadas]. E ele não me parece nada toscooo. Pela forma como jogou no Euro-2004 e no Mundial-2006... Para acabar isso do toscooo, nunca ninguém me chamou isso directamente, mas às vezes ouvia, na rua, num restaurante.

Onde é que vivia?

Cascais [e o tom de voz sobe alegremente]. Fora de Lisboa mas tão perto e tão bonito... Foi o Benfica que escolheu a minha casa, porque lá eu ficava ao lado de Stromberg e Eriksson.

Mas então como é que um dinamarquês se entendia com dois suecos?

Sou uma desgraça para a nação. Admito. Eh eh. Repara no meu dia-a-dia. Ia para os treinos e vinha para casa com o Stromberg, a percorrer aquela linda marginal, e depois jantava com suecos, que nada tinham a ver com futebol. Eram vizinhos e depois tornaram-se amigos.

E havia algum restaurante de eleição?

Sim, o Pimentao [é Pimentão, claro]. Os peixes, as sobremesas. Ui ui, fantastic!

Mais alguma coisa?

Sim, os almoços e jantares com os jogadores do Benfica. Grandes tempos. Pietra, Álvaro, Bastos Lopes, Humberto Coelho, Oliveira, Diamantino, Carlos Manuel [ver caixa]. E as festas do Stromberg?

Então?

Eram do caraças [diz em português, outra vez com o tom de voz alegre]. Ele era um óptimo anfitrião.

E dentro de campo?

O maestro a comandar aquele Benfica sensacional. Jogávamos de olhos fechados.

E lá na frente, como é que era?

Levava porrada de meia-noite [novamente em português].

De quem?

Bolas, Lima Pereira [FC Porto] e Venâncio [Sporting, ver caixa ao lado]. Eram bons centrais, mas sofri entradas por trás completamente loucas. Eram outros tempos, em que não havia lei.

E mais?

Ganhava muitas bolas de cabeça. Era o canina, não era?

É verdade que um dia marcou um golo de cabeça de fora da área?

Ah sim, sim. Ao Sporting do Damas, mas nem me fales dessa tarde em que perdemos em casa [2-1, com Morato e Manuel Fernandes a surpreender Bento, a 13 de Abril de 1986, na primeira vitória do Sporting na Luz desde 1965] e deixámo-nos ultrapassar pelo FC Porto do Artur Jorge, na penúltima jornada. Eles foram campeões nacionais uma semana depois e campeões europeus na época seguinte.

Mas nessa época, 1985-86, o Benfica acabou a época a ganhar a Taça de Portugal. Nem tudo foi mau.

Sim, de acordo, mas o campeonato estava quase, quase. Foi uma pena. A Taça de Portugal foi um consolo. Ganhámos 2-0 ao Belenenses no Jamor.

Perto de casa, então?

Ahh, pois é. Mas não cheguei lá de carro, porque o Stromberg já estava na Atalanta e porque houve estágio num hotel. Cheguei de autocarro. Mas nessa tarde não marquei, apesar de ser titular.

Sim, mas já tinha brilhado no Jamor, na época anterior.

Pois, é verdade, foi no tal ano em que bati o Grobbelaar, do Liverpool, de penálti. Nessa final marquei dois ao FC Porto [3-1]. Tenho óptimas recordações da Taça. Em quatro épocas joguei três finais. Só falhei a de 1984, na época de estreia, porque fomos eliminados pelo Sporting, em Alvalade [1-2 nos oitavos, com golos de Carlos Manuel 8', Jordão 58' e Manuel Fernandes 78']. Duas épocas depois vingámo-nos [5-0 ao Sporting na Luz, nos quartos de final, com golos de Rui Águas 11', Wando 40', Álvaro 84', Manniche 86' gp e novamente Wando 90'], depois de eliminar o FC Porto [2-1 na Luz]. A Taça era óptima para mim porque marcava muitos golos [18 jogos e 22 golos, quatro deles ao Ponte da Barca, três ao União de Santarém, outros três ao FC Porto, este em eliminatórias diferentes, e mais três ao Vialonga].

E qual foi o melhor golo?

Difícil. Gostei de um ao V. Guimarães, em que fiz um chapéu com a parte... Como se diz aí?... Trivela. Promete que não diz nada ao guarda-redes?

Sim, prometo.

Era o Silvino. Na minha última época na Luz [86-87] ele jogou comigo, mas nesse 8-0 ele não teve a mínima hipótese. Estava adiantado e aproveitei.

Agora é que é para a despedida. O que diz ao seu anúncio da Robbialac?

Então, se o Eriksson fez um Macieira, com aquele chapéu, porque é que eu não podia? É como o chapéu ao Silvino. Tentei a minha sorte mas já nem sei o que dizia no anúncio. Na altura arranhava o português.

Pois... Abraço

Até já [português com sotaque de Cascais].


Maniche no Vedeta ou Marreta

250 mil!


Em menos de 8 meses de vida o contador do Red Pass regista mais de 250 mil visitantes!
Numa altura da época em que todas as emoções estão ao rubro, literalmente ao rubro, quero agradecer o carinho e a fidelidade a todos que por aqui passam regularmente para ler e comentar a actualidade do nosso Benfica.
Somos muitos mais perto do céu.

Resumo da Entrevista de Luís Filipe Vieira

Para quem não teve oportunidade de ver partilho aqui o resumo que o jornal A Bola faz da entrevista do Presidente ontem na SIC a Miguel Sousa Tavares.

«Alargar contrato de Jorge Jesus é assunto para tratar em breve»
Se não o contratasse estaria no FC Porto Desistiu de Falcao porque não quis duplicar salário Diz que Moniz será um dia candidato Quer receber mais do dobro em direitos televisivos
Por

nuno reis

ONTEM à noite, no programa da SIC, Entrevista especial, conduzido por Miguel Sousa Tavares, o presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, elogiou Jesus e prometeu segurar o técnico além de 2010/11. «Tem sido fundamental. Esteve para ser treinador do Benfica há dois anos, mas conversei com Rui Costa e entendemos não apostar num português. Se calhar, se eu não aparecesse, seria agora treinador do FC Porto, tive acesso a determinadas mensagens. Vai ficar muitos anos no Benfica. É um assunto para ser tratado rapidamente e em breve vamos falar sobre isso», explicou, sem esquecer a elaboração do plantel: «Todos os jogadores têm o seu conhecimento, não entrou um sem que Jesus soubesse, é ele que os indica. Mas quem tem a decisão final e termina situações sou eu.»

Vieira garante ter uma relação especial com o técnico. «Todos os dias falo com ele, nem que sejam duas da manhã. Com Quique e Camacho não, é uma questão de proximidade. É habitual ligar-me a dizer que este ou aquele jogador tem de ser contratado», revela, antes de dizer que «o Benfica joga bom futebol e dá espectáculo».

Diplomático, o dirigente afirma que «o melhor jogador do Benfica é o conjunto», mas admite «uma preferência por Luisão», dado tratar-se de «um líder».

Mais à frente, Vieira explicou que os encarnados não estão a arriscar demasiado quando investiram, conforme apontou Sousa Tavares, 26 a 27 milhões de euros em jogadores. «Com a Liga dos Campeões e outros valores em direitos televisivos não precisamos de vender e podemos ter um Benfica ganhador em Portugal e na Europa, conquistador», fundamentou, antes de alargar a explicação: «Temos um passivo consolidado de 320 milhões de euros, com 200 milhões em passivo bancário. Se liquidássemos a sociedade o passivo bancário desaparecia. Os passes valem mais que isso. Há condições para ir embora e deixar tudo pago.»

moniz e os direitos televisivosJosé Eduardo Moniz, que esteve quase a ir às urnas com Vieira nas últimas eleições, também foi tema. «Estava mal acompanhado, mas não tenho dúvidas de que um dia será candidato à presidência», disse Vieira, que vai começar a trabalhar nos direitos televisivos. «A partir de amanhã [hoje] vamos falar disso e o nosso parceiro [Olivedesportos] será o primeiro a ser ouvido. Mas o dobro do que recebemos agora é pouco», explicou, antes de sublinhar que «o fundo de jogadores do Benfica é diferente» daquele que o FC Porto criou: «É transparente e está debaixo da alçada da CMVM.»

Pinto da costa e falcao«Nunca traí um amigo, perguntem-lhe a ele», eis a resposta ao facto de já não haver amizade entre os presidentes de Benfica e FC Porto. Depois, um desabafo: «As pessoas nada podem dizer de alguns campeonatos ganhos pelo FC Porto, mas de outros... No campeonato perdido com Fernando Santos temos coisas a apontar...»

Por fim, Falcao: «Não podia às duas da manhã duplicar-lhe o ordenado. Não me perturba [ter ido para o FC Porto]. Falcao é passado, senão tinha também de falar do Prediger e por aí fora...»

Diz o Jornal Espanhol As: Cardozo e o Sevilha

El Sevilla negocia con el Benfica por Cardozo

El Sevilla, según ha podido saber AS, tiene muy avanzadas las negociaciones con el Benfica para fichar la próxima temporada al internacional paraguayo Óscar René Cardozo (20-5-1983). Sería el primer crack de un nuevo proyecto de renovación que el Sevilla lleva madurando desde hace un par de temporadas y que está dispuesto a poner en marcha desde ya. Cardozo, actual máximo goleador de la Superliga portuguesa, ha terminado de explotar definitivamente este año. Aunque sus números son excelentes desde que aterrizó en el Benfica en la temporada 2007-08, este año impresionan. Ya ha marcado 19 goles en Liga (dos más en la Europa League) y su influencia en el juego es extraordinaria. Cardozo, 1,93 metros de altura, responde al retrato robot perfecto de posible sustituto de Kanouté o Luis Fabiano. Zurdo cerrado, es un futbolista frío, pero técnicamente muy bien dotado.

Cardozo es capaz de bajar el balón y jugarlo bien a la banda o incluso darse la vuelta y encarar o buscar un buen perfil de disparo. Con Saviola en el Benfica ha hecho buenas migas y ya prepara su participación en el Mundial con Paraguay, selección en la que le ha sido difícil hacerse un sitio por la calidad de Valdez y Cabañas (el futbolista tiroteado en México). Cardozo, que empezó su carrera en Paraguay y optó por Newell's Old Boys como trampolín en Argentina para dar el salto a Europa, le costó unos 10 millones de euros en su día al Benfica, que le considera una de las piedras angulares de su proyecto. Cardozo ha soportado otros fichajes estrella como Di María, Aimar o Saviola y se ha mantenido como referente del equipo. El Sevilla, que ya ha negociado con el jugador y tiene avanzada las conversaciones con el Benfica, podría pagar una cifra similar a la que los portugueses desembolsaron por él.

Al menos esa es la primera idea del presidente del Sevilla, José María del Nido. El Benfica, a pesar de los registros goleadores de Cardozo, no se opondrá al traspaso del paraguayo. Primero, porque ya ha amortizado su fichaje y recuperará el dinero que pagó por su traspaso. Y, segundo, porque el deseo del futbolista es dar un paso más en su carrera y aterrizar en España en busca del reconocimiento de la crítica en Europa.

'Tacuara', un nuevo ídolo para la afición del Benfica

Tacuara, el apodo de Cardozo, se ha convertido en un ídolo para la afición del Benfica, una de las más numerosas del mundo. Le costó por su carácter algo frío (o al menos eso demuestra cuando juega), pero Cardozo ha convencido con sus números y, especialmente, con los resultados del equipo. El Benfica acaricia muchos años después la Liga y su gente agradece que sea gracias a los goles de Cardozo. Además, tiene una gama de recursos bien amplia: marca con las dos piernas, de cabeza, de libre directo, de penalti...

1 Milhão!

Até agora, contabilizando a Eusébio Cup e o jogo de apresentação contra o Atlético de Madrid, a Catedral recebeu um total de 951 058 espectadores.
Os jogos com Braga, Liverpool e Sporting vão gerar uma verba final na ordem dos 2,5 milhões de euros (um milhão pela partida da Liga Europa e do dérbi, e pouco mais de metade no jogo frente aos minhotos).

Benfica vai a Coimbra num domingo

A 27.ª jornada do campeonato vai estender-se por quatro dias, entre 16 e 19 de Abril, anunciou a Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP), com o líder, Benfica, a visitar a Académica de Coimbra no domingo.

Segundo o comunicado da LPFP, o actual segundo classificado, Sporting de Braga, vai receber, sábado, o Leixões. Já o perseguidor dos minhotos, o FC Porto, só domingo é visitado pelo Vitória de Guimarães.

O encontro do Estádio Cidade de Coimbra entre a Académica e os “encarnados” está agendado para as 18h00 de domingo, enquanto a partida do Estádio do Dragão se vai disputar a partir das 20h15, com transmissões televisivas pela SportTV e pela RTP1, respectivamente.

A ronda é inaugurada na sexta-feira, com a recepção do Olhanense ao Marítimo, pelas 20h15, com transmissão televisiva da SportTV, e só termina na segunda-feira, após a visita do Vitória de Setúbal ao Sporting, também pelas 20h15 (SportTV).

Programa da 27.ª jornada
Sexta-feira (16 de Abril)
Olhanense - Marítimo, 20:15 (SportTV)

Sábado (17 de Abril)
Paços de Ferreira - Naval 1º de Maio, 19:15 (SportTV)
Sporting de Braga - Leixões, 21:15 (SportTV)

Domingo (18 de Abril)
Nacional - União de Leiria, 16:00
Académica de Coimbra - Benfica, 18:00 (SportTV)
FC Porto - Vitória de Guimarães, 20:15 (RTP1)

Segunda feira (19 de Abril)
Sporting - Vitória de Setúbal, 20:15 (SportTV)

Benfica Visto pelo Wall Street Journal

Benfica Helped by River Plate Reunion
Argentine Teammates Aimar, Saviola Help Club's Bid to Regain Traditional Place

By GABRIELE MARCOTTI

SL Benfica centerback Luisão is not who immediately comes to mind when you think of Brazilian soccer. Fittingly, for a man whose name literally means "Big Luís", his 6-foot-4 frame is long and muscular and, while his main responsibility is taking opposing center-forwards out of the game, he has a knack for popping up with important goals.

He did just that on Saturday, giving Benfica, at the top of the Portuguese League, the 1-0 win over second-place Sporting Braga which, in all likelihood will seal the club's record 32nd domestic championship. Benfica now boasts a six-point lead with six games to go and it's hard to see it throwing away the title.

You can only imagine what the party will be like when the crown does return to the club's Estadio do Luz for the first time since 2005. Benfica is far and away the country's best-supported club, and has more than 200,000 fans worldwide who pay around $34 a year for the privilege of calling themselves "socios" or club members. According to club officials, no team in the world has more paid-up members. And, for a relatively small nation like Portugal, its fan diaspora stretches all over the world. "Casa do Benfica" ("House of Benfica") fan clubs can be found in places as diverse as Johannesburg, South Africa; San Jose, California; Luanda, Angola; and Sydney, Australia.

And yet, Benfica has become something of a by-word for underachievement. In the past 15 years, the club has won just one league title, watching helpless as Porto—its rival from the north of the country—established itself as a force, not just in Portugal, but in Europe as well (witness the UEFA Cup and Champions League cups won under Jose Mourinho).

Last summer, Benfica rolled the dice and spent heavily to redress the imbalance. Some $45 million was spent, with just $7 million recouped in sales. In came, among others, Ramires—at 23 years old already a regular in midfield for Brazil—and Javi Garcia, a promising defensive midfielder from Real Madrid. One of the more interesting signings however was Argentine striker Javier Saviola, who rejoined playmaker Pablo Aimar a decade after the pair set South American soccer alight.

Back in the fall of 1999, Mr. Aimar and Mr. Saviola, 19 and 17 respectively at the time, formed a devastating partnership for Argentina's River Plate, whom they led to the Apertura and Clausura championships. Their precocious success led to call-ups to the national team and big-money moves to top European sides. Mr. Aimar joined Valencia in January 2001 for a club-record $32 million and, six months later, Mr. Saviola transferred to Barcelona for $20 million.

Both hit the ground running. Mr. Aimar led Valencia to two Spanish titles and a UEFA Cup, while Mr. Saviola scored sixty goals in his first three seasons at Barcelona. But then something unusual happened. Their performances dropped off severely. Mr. Aimar remained at Valencia until 2006, though by the end he was a shadow of former self. This was followed by two lackluster seasons at Zaragoza, the second blighted by relegation. Mr. Saviola was loaned out to Monaco and Seville, both times failing to make his mark. After another year as a bit player at Barcelona, arch-rival Real Madrid picked him up as a free agent, but, again he was a marginal figure, making just six league starts in two seasons.

But in the summer of 2008, Benfica took a gamble on Mr. Aimar and, after an injury-slowed first half of the campaign, he excelled towards the end of 2008-09 season. So much so that the club decided to repeat the exercise with Mr. Saviola, whom Real Madrid was looking to off-load.

The pair have enjoyed a renaissance—Mr. Saviola has scored 17 goals and Mr. Aimar is back to his creative best—and, at 28 and 30 respectively, both have a number of good seasons left in them. Together with countryman Angel Di Maria—arguably Benfica's player of the season and, at 22, a likely target for Europe's top clubs this summer—the Argentine trio have been the driving force behind Benfica's resurgence.

With the league all but wrapped up, Benfica can now focus on European competition. On Thursday it takes on Liverpool in the quarterfinals of the Europa League. Benfica's legion of fans are once again dreaming, harking back to the early 1960s and the days of Eusebio and Mario Coluna, when the club twice won the European Cup.

Pág. 1/11