Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Red Pass

Tetra Campeões

Red Pass

Tetra Campeões

Hóquei em Patins: Já Chega!

hok.jpg

 O que vimos nos últimos segundos do campeonato de Hóquei em Patins desta época é algo que não vamos esquecer nunca. Mesmo para quem não acompanha de perto a modalidade aquele roubo é algo que não se consegue ultrapassar.

Entretanto, os canais oficiais do Benfica reagiram e explicaram com factos e argumentos que explicam como e porquê que o clube é tão prejudicado.

É tão evidente e concreto que nem dá azo a grande discussão.

Ora, sucede que ainda falta disputar uma competição nesta modalidade. A final four de da Taça de Portugal é o circo que se segue e a Federação resolveu indicar um tal de Pinto para apitar pela 5ª vez seguida um jogo entre Porto e Benfica.

Repito que nem é preciso saber muito sobre a modalidade para perceber que o Benfica está a ser insultado.

Era de valor a equipa de Hóquei em Patins abdicar da Taça de Portugal e deixar os antis todos a jogarem sozinhos sem ninguém para poderem roubar. Divirtam-se entre eles.

Esta equipa do Benfica já tem um lugar eterno na história do hóquei no nosso clube, no país e no mundo. Se meia dúzia de doentes acham que podem brincar com isto só têm que ficar a falar sozinhos. Os nossos atletas e técnicos que sigam para férias que bem merecem. Aliás, no futuro os internacionais que servem a selecção desta federação ridícula deviam dar o seu lugar aos jogadores dos outros clubes. Ou chamem os Pintos para jogarem.

Chega disto, a nossa equipa de Hóquei é feita de grandes campeões. Merecem respeito. Pelo menos, o meu.

Recordar Eusébio no Dia Europeu da Música

Eusebio-record-shop-704x400.jpg

Em Maio de 1968, o Benfica preparava-se para jogar mais uma final da Taça dos Clubes Campeões Europeus em Londres, após ter afastado nas meias finais a Juventus. 

Antes do jogo de Wembley contra o Manchester United, Eusébio foi até uma loja de discos procurar algum vinil que não encontrava em Portugal.
O bom gosto musical do King é revelado pelas escolhas cheias de soul e funk dos discos de Otis Redding e Marvin Gaye com Tammi Terrell.
No final dos anos 60, esta Startime record shop era uma das lojas famosas de Harlow.
Celebremos assim o Dia Europeu da Música.

Rui Vitória no Top 26 dos Melhores Treinadores do Mundo Para a 442

managers_810x450_2.png

 A conceituada revista inglesa Four Four Two está a escolher os melhores 50 treinadores do mundo ao seu melhor estilo. No site perguntam:

Who are the 50 greatest bosses in football right now? Follow the FourFourTwo countdown this week to the No.1
 
A contagem já está a chegar ao Top 20, começou pelo 50º classificado, e já elegeu alguns treinadores portugueses passando pela Liga portuguesa.

Marco Silva (ex-Hull City, agora no Watford) foi o primeiro a aparecer na contagem decrescente, na 42ª posição. Jorge Jesus, treinador do Sporting, surge na 28ª posição.
O nosso Rui Vitória, Bi Campeão pelo Benfica, está num honroso 26º lugar, o lugar mais alto de todos os que treinam em Portugal.

Para a Sphera Sports: Ljubomir Fejsa > E-Mails

519346642.jpg

Enquanto  que em Portugal se dá todo o tempo de antena aos ecos da gigantesca azia anti-Benfica após a dobradinha-triplete-tetra, publicações respeitáveis, como a Sphera Sports, procura divulgar e explorar alguns dos segredos dos sucessos do Benfica. Imagine-se que foram directos ao nosso Fejsa em vez de invadirem servidores de e-mails!
Para ler em baixo:

El récord de Ljubomir Fejsa, el talismán de la liga

 

Ljubomir Fejsa a día de hoy es uno de los pivotes centrales de mayor trabajo del fútbol europeo. Una aceptable técnica para la distribución de balón y un sentido táctico para encontrar en cada momento la mejor situación para su equipo, el Benfica que domina con puño de hierro la liga portuguesa durante las últimas cuatro temporadas.

El serbio nació hace 28 años en Kula cuando todavía la paz reinaba bajo una unida Yugoslavia. Tras pasar por las categorías inferiores del FK Vrbas llegó el momento de entrar en la cantera del club de su ciudad el Hajduk Kula. Era el año 2005 cuando Fejsa estaba jugando con el equipo sub-19 del Hajduk Kula y le llegó el momento de debutar con el primer equipo.

Tras dos temporadas en el primer equipo y con 20 años llegó el Partizan de Belgrado para firmar por cerca de 1,5M€ al mediocampista de mayor progresión de la Superliga serbia. Fue ahí, en Partizan donde comenzó su leyenda de la regularidad. En las tres temporadas que llevó los colores blanquinegros de Partizan, Fejsa logró alzarse con los tres títulos de Superliga serbia que disputó antes de su traspaso en el verano de 2011 al Olympiacos griego.

Fueron tres los millones de Euros que pagaron los helenos por la compra de Fejsa al Partizan, una inversión arriesgada ya que el serbio se pasó todo el año anterior en el dique seco tras una grave lesión en los ligamentos de su rodilla. Seguramente su larga inactividad no ayudó en el salto de calidad que de él se esperaba, fuera por eso o porque la confianza de Ernesto Valverde primero, y Leonardo Jardim después no fue la adecuada, en las dos temporadas que Fejsa estuvo en Atenas apenas logró jugar 40 encuentros. A pesar de no tener una importancia elevada en la plantilla de Olympiacos, el jugador volvió a celebrar dos nuevas Superligas, en este caso griegas.

Su llegada al Benfica por 5M€ tampoco fue fácil, Nemanja Matic le cerraba las puertas tanto en la selección serbia como en Portugal. El Benfica tenía grandes centrocampistas como Enzo Pérez, pero Fejsa lograba jugar y ser útil para su valedor, Jorge Jesús que siempre confió en las características del serbio para aportar el equilibrio necesario al centro del campo. Con la marcha de Matic al Chelsea, Fejsa se liberó, aunque la aparición de André Gomes también le restó participación en el tramo final de la primera temporada.

Otra horrible lesión en los ligamentos de la rodilla izquierda dejó a Fejsa fuera de toda participación en su segunda temporada. Minutos de la basura en los últimos encuentros de la temporada fue el balance del serbio. Ya con Rui Vitória la temporada pasada se volvió a ver la mejor versión de Fejsa acompañado de Renato Sanches, una de las sensaciones de la pasada temporada. Mientras que el impulsivo y joven portugués se descolgaba hacia el ataque aprovechando su potencia, el serbio cubría sus espaldas.

En la presente campaña, sin ninguno de sus compañeros anteriores, Enzo, Matic, André o Renato, ha compartido eje central con Pizzi, un extremo reconvertido al centro del campo y también con Samaris, un ex compañero suyo en Olympiacos.

Y ya sabréis porque es talismán este bravo mediocentro, sí, Lubomir Fejsa ha ganado la edición de la Liga de Portugal en las cuatro temporadas que lleva en la Liga NOS. El serbio ha ganado cada liga que ha disputado desde el 2008, tres con Partizan, dos con Olympiacos y cuatro con Benfica. Un auténtico talismán para la liga de la regularidad.

Rui Vitoria, el triunfo por encima del ruido

63Q1092-1.jpg

 O ruído atravessa fronteiras e os observadores internacionais mostram-se atentos a quem vence por cima do surreal ambiente de ódio anti-Benfica que se vive no futebol português. Aqui fica um artigo interessante de um escriba espanhol numa publicação que é uma das melhores que se fazem em Espanha, a Spherasports.com:


 

«Só falo com quem quero e quando quero» y fin. Así acabo Rui Vitória con las preguntas que hacían los periodistas buscando que respondiera hace poco más de un año a las insinuaciones de Jorge Jeús, su antecesor en el banquillo de SL Benfica, y preparador de Sporting CP.

«Os trabalhos de gabinetes de comunicação e as palavras de circunstância não são importantes. É tempo de atuar». Y este era el turno de la réplica a Nuno, más recientemente, inquilino del banquillo de FC Porto.

Son solamente dos muestras de lo que han durado las polémicas en manos de Rui Vitória, un suspiro.

Tras dos temporadas en SL Benfica, el técnico de Alverca está firmando una de las etapas más interesantes de la historia reciente del equipo. A los dos campeonatos conquistados de manera consecutiva, se le suman una Copa de Portugal, una Copa de la Liga y una Supercopa, por lo que mejora en mucho a sus antecesores, incluyendo a Jorge Jesús.

Procedente de Vitória SC, club con el que logró una Copa de Portugal, anteriormente había dirigido en la Primeira Liga a Paços de Ferreira, y si repasamos su carrera siempre fue cumpliendo sus objetivos, aunque eso sí, sin hacer ruido.

No lo hizo, como hemos visto, ni ante las provocaciones de Jorge Jesús el curso pasado, cuando Sporting CP comenzó mucho mejor la temporada, ni cuando cuando SL Benfica se recompuso y le dio la vuelta a la situación. Ni si quiera ha alzado la voz ante las acusaciones de arbitrajes parciales en las que Nuno, técnico de FC Porto ha buscado justificar su triste balance y desgastar al equipo campeón.

Rui Vitória se ha centrado en ser un gestor real. Y así, desde verano, buscó solucionar los vacíos que dejaron las marchas de dos de los motores del equipo en el curso anterior: Renato Sanches y Gaitán, que han tenido una fortuna dispar en el Bayern de Munich y el Atlético de Madrid.

Sin huir del 4-4-2 que ya ponía en marcha Jorge Jesús (cuestión que hacía que su rival se “apuntara” méritos en el triunfo del equipo), Cervi en el extremo izquierdo y Pizzi (que ha marcado 10 goles y ha dado 8 asistencias en el la liga) en el medio, han sido dos de las claves de un grupo en el que el guardameta Ederson Moraes, el lateral izquierdo Grimaldo y el pivote Fejsa han sido las notas más brillantes.

Sí bien no hay que olvidar la capacidad goleadora de los tres delanteros benfiquistas (Jonas, Mitroglou y Jiménez), en los cuatro partidos en los que se ha decidido el campeonato, la realidad es que la solidez ha sido su mejor arma.

Cuestiones como las suplencias de Julio César o la de André Carrillo, “robado” a Sporting CP y que pese a estar llamado a ser una estrella ha tenido un curso discreto, han sido solventadas sin dificultades, de principio a fin de la temporada.

En los duelos directos, SL Benfica ha sumado tres empates a uno (dos ante FC Porto y otro en su visita a Sporting CP) y una victoria (en casa, ante su rival en Lisboa), en partidos muy igualados en los que no fue superior del todo a sus contendientes y en los que supo sufrir y mantener el tipo.

Y este fue el secreto, saber esperar el momento, a pesar de las circunstancias, de la presión y del ruido. Sin duda, Rui Vitória ha demostrado que sabe defenderse, eso sí, sin perder la sonrisa.

Imagen de Portada: FPF/Diogo Pinto

Os 50 Melhores do Benfica para a So Foot

so foot.jpg

 A So Foot é uma publicação francesa que tem uma edição mensal em papel, que muito aconselho, mas com uma presença diária digital no seu site de qualidade superior.

Há uns dias, os franceses publicaram uma lista de 50 melhores jogadores do Benfica. As escolhas são curiosas e não dá para evitar um sorriso quando começam por Vata. Em França a meia final da Taça dos Campeões Europeus de 1990 ainda está entalada.

Para conhecerem a lista toda basta clicar na foto que ilustra o post. Mais importante que o critério é o facto do Benfica ser alvo de reflexões de sites tão bons para quem gosta de futebol.

Datas dos Jogos da Pré Época até à Supertaça

 58fc957839f4a7f727076a15564fe8ae_w490_h324_cp.jpg

 É assustador o tempo que falta para a bola voltar a rolar. Para os jogos de pré época falta menos de um mês, para as partidas a sério... só dia 5 de Agosto. Marquem na vossa agenda:

 

Pré-temporada do Benfica 2017/18:

13 de julho - Uhren Cup, na Suíça - Jogo com o Neuchatel Xamax
15 de julho - Uhren Cup, na Suíça - Jogo com o Young Boys
19 de julho - Partida para o Algarve
20 de julho - Algarve Cup - adversário por definir
Eusébio Cup - Jogo a anunciar
23 de julho - Partida para Birmingham (Inglaterra)
24 a 28 de julho - Estágio no St. George"s Park
29 de julho - Emirates Cup - Jogo com o Arsenal (16h20)
30 de julho - Emirates Cup - Jogo com o Leipzig (14h00)

 

O encontro da Supertaça Cândido de Oliveira, entre Benfica e o Vitória SC, vai ser disputado no Estádio Municipal de Aveiro, a 5 de agosto (20h45), e será transmitido em directo na RTP1.

A edição 2017/18 do campeonato português arranca a 9 de agosto, quatro dias depois da Supertaça, e terminará a 13 de maio. O calendário mais apertado, devido ao Mundial 2018, vai ficar definido no sorteio marcado para dia 7 de julho, em Matosinhos.

 

 

 

Convide-se o Hajduk Split para a Eusébio Cup

eusebio cup.png

A CBF arranjou maneira de anular o encontro inédito entre o Benfica e a Chapecoense que iria marcar a Eusébio Cup 2017. O assunto ainda vai alimentar muita polémica no Brasil, os observadores brasileiros apontam o dedo à CBF dizendo que se o convite tivesse sido endereçado aos clubes mais poderosos a Confederação não iria actuar desta maneira. Isto faz-nos lembrar que o São Paulo já foi um dos convidados deste troféu e compareceu a meio do Brasileirão. Fica a curiosidade de ver se a Chapecoense também vai faltar ao torneio Juan Gamper em Camp Nou com o Barcelona.

Entretanto, o Benfica tem que arranjar um novo adversário e, humildemente, deixo aqui uma sugestão que é do agrado de muitos benfiquistas e que marcaria um reencontro na história do nosso clube com os croatas do Hajduk Split. Seria bonito. Não sei se é viável porque o Hajduk já tem um calendário competitivo carregado desde cedo mas podia acontecer um acerto de datas.

Fica a sugestão.

Benfica 2 - 1 Vitória de Guimarães: Triplete à Campeão!

1tdp.jpg

 Abrimos a época em Agosto a celebrar a conquista da Supertaça. Foi um belo lançamento para dez meses de luta, sofrimento, empenho, trabalho e capacidade de acreditar que íamos chegar ao fim de Maio bem felizes. O tão ambicionado Tetra já é uma realidade, faltava fechar em grande.

 

Entre 1997 e 2004, o Benfica não jogou uma final no Jamor. Parecia uma tarefa quase impossível, até que naquela tarde de 2004, Hélder e Simão levantaram a Taça de Portugal e todos sentimos que a normalidade vencedora do nosso clube ia voltar a ser uma realidade.

Treze anos depois, novo encontro marcado no último jogo da temporada no cenário único do Jamor. Desde a compra do bilhete às combinações para os convívios cheios de comes e bebes, tudo nos soa muito mais familiar. Não temos voltado todos os anos, mas desde 2013 já é a terceira vez que passamos o dia mágico no Estádio Nacional. É um bom hábito que devia ser uma rotina.

Alguns ainda se devem recordar dos anos negros quando Vale e Azevedo organizava no final da temporada um dia à Benfica no Estádio da Luz. Era uma boa ideia que só não pode ser válida porque o clube tem de ter como objectivo estar presente no último jogo de cada época proporcionando aos seus adeptos um legítimo dia à Benfica.

Isto que se viu hoje na mata do Jamor é Benfica. É Benfica por todos os lados. Grupos de adeptos do Benfica organizados à volta de grelhadores, muitos de cervejas na mão, alguns nem bilhete tinham para o jogo, um mar vermelho de todas as idades, homens, mulheres e crianças, tudo num convívio incrivelmente bonito. Isto sim, é que é um dia à Benfica, com benfiquistas vindos das mais diversas partes do país e do mundo.

 

Depois o jogo. Não me lembro de assistir a uma final de Taça com uma chuvada destas. Nas bancadas tentámos recuperar entre as memórias, as maiores molhas a ver o Benfica. Um Benfica - Penafiel na Luz, um clássico com o Porto na Luz, uma noite europeia com o Olympiakos e por aí fora. No Jamor não me lembro de tal coisa. Fica esta para a história colectiva. Sendo que o pessoal vinha preparado para um dia primaveril, ténis, calções e manga curta. O São Pedro foi abusador.

O que não me esqueço é do sentimento de ver o Benfica entrar naquele relvado para o jogo decisivo. Em 1981, tinha oito anos e vivi pela primeira vez a experiência. Ainda hoje sinto o mesmo arrepio ao ver as camisolas berrantes alinhadas naquele ambiente.

 

Jogo intenso, Benfica dominador mas poucas oportunidades de golo. Animação nas bancadas, se do nosso lado nunca surpreende o apoio, já do outro lado do estádio sentia-se o clube de uma maneira muito particular. Os adeptos do Vitória são muito grandes.

Com a equipa do Benfica a atacar para a nossa baliza, tal como acontece na Luz, o jogo foi completamente diferente. Aquela vontade de ganhar, aquela motivação de campeão, aquela qualidade individual aliada a uma harmonia colectiva, veio tudo ao de cima e Raul Jimenez respondeu rápido a uma defesa incompleta após remate de Jonas. Um chapéu mexicano tão arqueado, tão convicto, que por momentos pensei que a bola ia para fora. Não foi, entrou e mais de metade do estádio explodiu num festejo anunciado. A celebração de Raul só serviu para a euforia ser ainda maior.

Não foi preciso esperar muito pelo segundo, Nelson Semedo pela direita cruza e cabeçada perfeita de Salvio para golo. A ala direita do Benfica a deixar o mar vermelho do Jamor em delírio. Ainda vimos ali naquela baliza o Pizzi a imitar o Raul mas em mau, em termos de chapéus, o Jonas a acertar na trave e o Raul a mandar uma bola para Queijas, em vez de fechar o jogo facilmente.

O Vitória reduziu, um prémio merecido para a luta que deu e uma felicidade para os seus adeptos que acreditaram até ao fim. Dispenso estas emoções até final das partidas mas o sentimento de alegria no apito final é único.

 

Então e o vídeo árbitro?

Gostei muito. Dois penaltis por mão na área, que se viram bem da bancada, por acaso, uma tentativa de assassinato ao Fejsa que acabou por só levar 12 pontos e tudo escapou ao sistema salvador do futebol português. Promete muito...

 

Repito os elogios aos adeptos do Vitória, são incríveis. Contribuíram muito para uma tarde inesquecível.

 

18789125_10154375386486916_187489904_o.jpg

 

Agora, permitam-me um pequeno reparo aos meus companheiros de luta benfiquistas. Então passamos mais de 90 minutos debaixo de uma chuva que não poupou nem as cuecas e depois aproveitamos o apito final para virar costas ao estádio!?

Eu nestes dias de finais, não venho para apreciar um grande jogo ou um belo duelo táctico. Não, não. Nada disso. Eu venho apenas e só com um objectivo, ver o nosso capitão levantar a taça no fim. Vivemos para ver os capitães do Benfica levantarem taças. E quando estamos a minutos disso acontecer debandamos e deixamos meia bancada vazia para o grande momento? Não faz sentido nenhum.
Muita atenção, meus caros, nunca se cansem de ganhar. Nunca desprezem uma conquista. Nunca!

Da mesma maneira digo que os jogadores do Benfica também não se podem cansar de celebrar. Nem terem pressa para irem para o balneário em vez de mostrarem a Taça aos que ali estão por eles. Eliseu salvou o momento e não deixou ninguém recolher. Grande final de época para Eliseu.

 

Ganhar a Supertaça, vencer o campeonato e conquistar a Taça de Portugal é um triplete à antiga. Parecendo fácil e normal é coisa que já não acontecia desde o começo da década de 80! Um triplete histórico, estamos a viver história. Estamos a começar e a terminar épocas da maneira que faz mais sentido, a jogar e a ganhar. Em Aveiro batemos o Braga, no Jamor derrotámos o Vitória, pelo meio deixámos os rivais a falarem sozinhos e a consumarem alianças no campeonato.

 

Benfiquistas, o Benfica voltou a encontrar-se com a História. A sua história! O Benfica voltou a estar à altura do... Benfica. E o que nós penámos para aqui chegar. Nós somos o Benfica que sempre sonhámos. Nos próximos dias, nas próximas semanas, nos próximos meses, sintam esta alegria, desfrutem a sorte de serem benfiquistas, juntem-se, almocem, jantem, lanchem, recuperem as memórias desta época. E da anterior. Aliás, lembrem-se daquela tarde no Jamor em 2013 e de como partimos para um ciclo maravilhoso.

Vivam o Benfica, ignorem o resto. Tudo é insignificante perante a nossa alegria. Mas nunca se cansem de ganhar, nunca se cansem de festejar, nunca se cansem de ver troféus ao alto nas mãos dos nossos jogadores.

Viva o Benfica!
Voltamos lá mais para o verão para a conquista da Supertaça. Sempre a somar.