Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Red Pass

Blog pessoal dedicado ao Benfica

Red Pass

Blog pessoal dedicado ao Benfica

Zenit, Bayer Leverkusen e Monaco no Grupo do Benfica (Actualização com Calendário)

 

16/09 Benfica-Zenit
01/10 Leverkusen-Benfica
22/10 Monaco-Benfica
04/11 Benfica-Monaco
26/11 Zenit-Benfica
09/12 Benfica-Leverkusen

Hoje Há Sorteio Europeu

 

Hoje a partir das 16h30 no Mónaco o Benfica conhecerá os seus 3 adversários para a fase de grupos da Champions League.

Por mim, venha o Borussia, Liverpool e Roma.

Grande Telma Monteiro

 

Telma Monteiro conquistou hoje a sua 4ª medalha de prata em mundiais. Hoje sagrou-se vice-campeã do Mundo na categoria de -57 quilos do Campeonato do Mundo de judo.

Para nós és ouro, Telma.
Parabéns!

O Problema Não é o Benfica, é a Primeira Liga

 

«Obrigado ao Benfica e ao seu presidente, mas prefiro esperar uma outra oportunidade num outro campeonato.»

Foi assim que Abel Hernández, 24 anos, recusou a hipótese de vir para o Benfica. O uruguaio está no Palermo desde 2008 e até esteve na 2ª divisão na última temporada, 28 jogos / 14 golos,  mas tem sido opção na Selecção tendo jogado no Mundial do Brasil.

 

Nem estamos a falar de um craque de topo do futebol europeu, como se vê. Nem sei se seria este atacante a melhor solução para reforçar a equipa. O que interessa é que foi o alvo escolhido pelos responsáveis e não veio porque prefere outro campeonato.

A recusa suscitou diferentes reacções, os rivais riem-se, os benfiquistas ora ficam intrigados (como é possível recusar o Benfica?), ora desprezam o jogador pela escolha.

Acho que poucas pessoas estão a perceber a recusa simples e óbvia do Hernández. Não é para rir, antes pelo contrário, nem se pode condenar o jogador.

 

Se o Benfica no ano da glória absoluta interna e depois de duas presenças seguidas em finais europeias não consegue convencer jogadores como este uruguaio é preocupante. E mais preocupante se torna se nos lembrarmos que o jovem alemão Yannick Gerhardt também preferiu ficar no Colónia, assim como Loris Karius optou por continuar no Mainz em vez de vir para a Luz. E estes são os que sabemos terem recusado educadamente.

 

A questão aqui não é o facto de recusarem jogar no Benfica, trata-se de preferirem actuar na Bundesliga, no caso dos alemães, e na Premier League, no caso do uruguaio. Quem os pode criticar? Jogam em clubes de menor prestigio mas que competem em ligas de topo.

O campeonato português é mal organizado, tem equipas a mais, não é promovido, não tem visibilidade, é zero em termos atractivos!

 

Bem se podem rir os adversários, bem podem ficar indignados os benfiquistas, bem pode apregoar Jorge Jesus que a nossa Liga é a 4ª melhor da Europa, bem podem os dirigentes falar em maior clube do mundo que nada disso vai mudar uma evidência, a Liga portuguesa é fraca.

 

Como aqui disse na semana passada, o que é preciso é tirar o chapéu a quem consegue trazer para cá jogadores de nível superior, daqueles que vemos um jogo e perguntamos logo o que estará a fazer por cá?

O que é de estranhar é a capacidade financeira do Porto para convencer Casemiro, Tello ou Brahimi a virem para cá e manter Jackson (pelo menos até 31 de Agosto). O que é de destacar é a capacidade do Sporting em apelar ao sentimento de Nani e trazer para cá uma figura da Selecção que vive noutra dimensão no Manchester United.

O que é realmente espantoso é olhar para os jogadores que jogaram no Benfica nos últimos anos e pensar que se o mundo fosse perfeito a equipa ainda hoje podia ter jogadores como Oblak, Fábio Coentrão, David Luiz, Javi Garcia, Garay, Matic, Witsel, Rodrigo, Cardozo, Saviola, Di Maria, Markovic entre outros. São casos que servem futuramente para atrair jovens jogadores em ascensão, isso mais o facto do clube ter voltado a ganhar internamente e estar entre os melhores da Europa. Mas não chega porque haverá muitos jogadores/empresários que na hora de decidir vão ponderar: é melhor ir para Lisboa jogar meia dúzia de clássicos e derbis, mais uma dezena de jogos europeus e passar o resto da época a visitar estádios como os do Penafiel, Paços de Ferreira, Moreirense, etc (com todo o respeito pelos clubes mencionados) ou ir para o Hull City e visitar Anfield Road, Old Traford, Etihad e afins? Pois.

 

O que temos de lamentar é  sentirmos o tempo a passar e o nosso campeonato a ficar cada vez mais para trás em termos competitivos e organizativos. O Benfica, apesar destas negas, ainda é dos clubes que consegue atrair jogadores de nível superior devido à sua mística. Além dos craques que referi em cima e que brilham ao mais alto nível no futebol mundial temos ainda a registar a chegada de um guarda redes de prestigio internacional como é o caso de Júlio César. Ele vem pelo Benfica, não pela liga portuguesa. É isso que dá que pensar. Quem não quiser ver isso merece o triste campeonato que temos.

Os Campeonatos Que Já Começaram

 Os principais campeonatos já estão em andamento. Aqui estão os links para os guias de cada liga para acompanhar jogo a jogo, semana a semana:

 

 

 

Em breve chega a Serie A de Itália e a Liga dos Campeões.

 

 

Aplicação Red Pass Para Windows 8

Boavista 0 - 1 Benfica : Batalha no Sintético Resolvida por Eliseu

 

Sabia-se que ia ser complicado mas talvez não se esperasse que fosse assim tão duro. O piso sintético fez mesmo uma vítima, Ruben Amorim, o Bessa revelou-se mesmo um palco difícil e o Boavista cerrou fileiras compensando em entrega e atitude o que lhe faltava em técnica e experiência individual.

 

Felizmente, o Benfica levou o desafio mesmo a sério e percebeu que os avisos ao longo da semana não eram só teoria. A equipa aceitou o repto do regressado Boavista e foi à luta num jogo muito mais de combate do que bem jogado. Quando não dá para colocar a bola na relva e explorar a velocidade de Salvio, a genialidade de Gaitan a profundidade de Lima e assumir o controlo do meio campo e do jogo, há que lutar pela bola, há que correr atrás do adversário e há que mostrar as garras nas lutas individuais. Muitas vezes é nesta luta que se perdem pontos, ou porque os jogadores são surpreendidos ou porque não estão preparados ou porque facilitam. Não se pode acusar o Benfica de nenhum destes pecados.

 

Isto resulta numa exibição longe de ser agradável e de nota artística reduzida mas o trabalho foi recompensado com os três pontos.

 

No Benfica duas peças (ainda) estranhas no funcionamento da equipa. Talisca a fazer dupla no meio campo com Ruben Amorim, e depois com André Almeida, e Jara como segundo avançado acompanhando Lima. Se o brasileiro tem a desculpa de estar a chegar agora a esta nova realidade sendo importante tentar ver algo de positivo na sua exibição esperando que chegue a padrões de qualidade aceitáveis para ser titular, o mesmo já não se aplica a Jara que já leva quase trinta jogos , ainda que espaçados, pelo Benfica. Para se insistir no argentino mais valia começar a testar Tiago (Bebé) naquela posição porque Franco Jara nunca poderá ser titular do Benfica, se for é muito mau sinal.

 

O Boavista entrou muito forte e em superioridade numérica no meio campo com uma atitude muito vincada onde o colectivo funcionava bem ao nível da pressão sobre a bola e fechando espaços na defesa. Não foi nada fácil ao Benfica construir jogadas de ataque nem dar a bola em boas condições a Lima. Primeiro a equipa do Benfica adaptou-se ao piso, depois tentou impor o seu futebol e quando percebeu que ia ser complicado entrar na área para criar perigo optou por cruzamentos e remates de fora. Aqui foi Eliseu que assumiu protagonismo, já que Talisca ao nível do remate pouco ou nada assusta o adversário. O lateral esquerdo ensaiou um grande pontapé fora da área que Arturo Monllor defendeu como pôde. Antes do intervalo Eliseu voltou a tentar e foi feliz fazendo um golo precioso que vale 3 pontos e que na altura fazia respirar fundo o Campeão nacional aliviado com a abertura de marcador antes do intervalo.

 

Pensou-se que a 2ª parte podia ser bem mais pacífica para o Benfica mas começa logo mal ao intervalo quando Jesus acaba expulso do jogo e vai para a bancada.

O Boavista veio ainda mais determinado em equilibrar o jogo e com intenção de chegar à baliza de Artur, o único objectivo que não atingiram já que o resistente guarda redes nem uma defesa teve que fazer. O Benfica podia ficar com espaço para partir para o contra ataque tirando proveito da velocidade nas alas ou conduções pelo meio mas acabou por não acontecer muito.

O 0-2 não aparecia e assim o Boavista esteve sempre na luta pelos pontos até ao fim do jogo fazendo sofrer os benfiquistas dentro e fora do Bessa.

 

Com a ausência de Enzo faltou o ponto de referência e de equilíbrio do meio campo encarnado, ficando evidente que o clube não pode dobrar o dia 31 de Agosto partindo para uma longa época só com estes argumentos hoje à disposição de Jesus. Não chega.

Hoje valeu pela entrega, pela atitude e por perceberem de que tipo de jogo se tratava. Mesmo sem resolver de vez a questão a equipa liderada por Gaitán tentou sempre arrumar a questão. A aposta em Ola John foi falhada e Derley entrou só para queimar tempo. Lima precisa de companhia e alternativa à altura, se Enzo sair é preciso repor uma qualidade que não existe ao alcance do clube no mercado. Entre os reforços, Eliseu ganha relevância e valeu hoje 3 pontos.

 

Quanto ao Boavista, excelente réplica muito à imagem do seu treinador e muita motivação que não sei se será a mesma quando tiverem que defrontar adversários de dimensão bem inferior à do Benfica. É um grande desafio que Petit tem pela frente, hoje deixaram uma mensagem de entrega e dedicação, o que é bom sinal para os seus adeptos.

 

Depois de vencida a Supertaça, de quebrada a malapata na estreia do campeonato com uma vitória, 3 pontos num estádio tradicionalmente muito complicado. Melhor arranque oficial era impossível de pedir!

Robert Enke Nasceu a 24 de Agosto de 1977

 

 

 

 

Boavista - Benfica : Equipas Prováveis

La Liga BBVA 2014/15 - Um guia leve e rápido. Uma frase, um craque e uma aposta

Em terra de Messi e Cristiano Ronaldo quem tem Simeone é Rei! O espantoso Atlético de Madrid quebrou o domínio de Real e Barça e é agora o alvo a abater. Os dois gigantes gastaram fortunas no reforço dos planteis mas os colchoneros também se reforçaram bem e com muito menos despesa. Valência e Sevilha apostam forte na luta por um lugar na Champions mas não será fácil bater os estáveis Atlético de Bilbao, Real Sociedad e Villareal.

 

Muita curiosidade para acompanhar com carinho o regresso do Cordoba após uma dramática promoção no último segundo e a estreia do pequeno mas valente Eibar que em dois anos sobe do terceiro escalão para a elite! O Depor vai tentar sair do ritmo sobe / desce e tentar manter-se entre os grandes. Clubes que contrastam com a riqueza do topo da tabela vão continuar a tentar fazer milagres, Rayo, Levante, Almeria, Elche, Granada e Getafe, clubes que dão tudo para continuar entre os maiores.

 

A Liga espanhola está mais interessante do que nunca com a luta a três no topo e com 21 portugueses em acção. São 20 equipas que importa conhecer.

 

 

Almería

 

A modesta equipa de Almería conseguiu ficar na primeira divisão com uma recta final de sonho com 3 vitórias e um empate com o Bilbao. A receita para este ano é a mesma, muita luta, muito sofrimento, somar o máximo de pontos em casa perante a sua fiel plateia mantendo a base da equipa renovando no sector defensivo e continuando a apostar na mistura entre jovens e veteranos. Saíram Esteban, Aleix Vidal e Suso colmatados com a vinda do brasileiro Welington Silva e Hemed recrutado ao Maiorca. Francisco Rodriguez vai tentar repetir o milagre da última época, seria feito digno de registo.

 

Craque: Verza

Revelação: Dangda

 

 

Athletic Bilbao

 

A viver um período dourado da sua bonita história, o Athletic terá até ao fim da temporada o seu novo estádio completamente funcional e com uma equipa à altura. Depois do brilhante 4º lugar que os levou a um playoff a ser disputado com o Nápoles, a equipa de Ernesto Valverde vai manter o 4-3-3 praticando um futebol vistoso e "só" terá de se preocupar em substituir bem Ander Herrera (Manchester United). Será o ano de afirmação de Beñat que juntamente com Iturraspe, Muniain ou Laporte dão garantias de qualidade. Manter o 4º lugar resistindo aos investimentos de Valência e Sevilha seria excelente, receber a Champions no novo estádio é o sonho dos bascos.

 

Craque: Borja Viguera

Revelação: Iturraspe

 

Atlético Madrid

 

A equipa que encantou Espanha, Europa e o Mundo com a sua épica vitória na Liga, na Taça do Rei e a caminhada até à final de Lisboa na Champions promete mais na nova temporada. Ser campeão outra vez à frente das equipas de Messi e Cristiano Ronaldo seria o céu para Diego Simeone que acredita nisso mais do que ninguém. Tem boas razões para estar optimista apesar da razia que o Chelsea de Mourinho fez ao 11 dos colchoneros. Courtois, Diego Costa e Filipe Luis são baixas de peso mas parecem estar acauteladas. Mandzukic (Bayern) é um excelente reforço para o ataque, Siqueira (Benfica/Granada) cumpre bem na esquerda e para a baliza a aposta em Oblak (Benfica) é certeira apesar de Moyá (Getafe) levar ligeira vantagem na titularidade. Simeone parece querer regressar ao seu 4-2-3-1 aproveitando a chegada do excelente Griezmann (Real Sociedad) colocando-o ao lado de Koke e Arda Turan. O mundo conta com mais uma grande campanha do Atlético para animar a época espanhola e europeia. O arranque com a vitória na Supertaça contra o Real Madrid a duas mãos coloca a equipa de Tiago na pole position definitivamente.

 

Craque: Arda Turan

Revelação: Mandzukic

 

Barcelona

 

Com um sistema de jogo órfão desde a saída de Guardiola o Barcelona aposta forte esta época para voltar ao topo do futebol espanhol e europeu sendo o clube que mais dinheiro gastou em reforços na Europa. Vem Luis Enrique, o mais parecido a Pep Guardiola, para orientar uma pequena revolução na equipa. O clube investiu bem e há reforços de qualidade para cada sector. O alemão Ter Stegen (B.M'Gladbach) herda a baliza de Valdez, o chileno Claudio Bravo (R. Sociedad) será suplente de luxo. Chegou Mathieu (Valência) para jogar ao lado de Piqué, Rakitic (Sevilha) é mais um craque para o meio campo e Luis Suarez formará com Messi e Neymar um tridente atacante de sonho! Até lá Luis Enrique terá que garantir um futebol mais prático, com menos passes, e movimentações imprevisíveis na frente, enquanto espera ver o sector defensivo fortalecido. Só tem uma saída: ganhar. Menos que isso será cobrado fortemente.

 

Craque: Messi

Revelação: Montoya

 

Celta

 

A saída de Luis Enrique não será um drama para o Celta já que as bases são sólidas e da equipa principal apenas há a lamentar a partida de Rafinha que seguiu com o seu treinador. Chega o argentino Eduadro Berizzo perfeitamente identificado com o ambiente de Vigo. O objectivo passa por consolidar a presença da equipa entre os grandes de Espanha evitando sustos no fim da tabela. Mantendo a dinâmica da época passada será possível uma caminha tranquila com a garantia de qualidade ofensiva de Nolito e Charles agora reforçada com a chegada de Pablo Hernandez, homem da confiança do treinador, e ainda de Larrivey vindo do Rayo.

 

Craque: Nolito

Revelação: Pablo Hernandez

 

Córdoba

 

Uma das histórias mais incríveis das divisões secundárias europeias foi escrita pelo Córdoba nos últimos meses. No fim de Março deste ano estavam a 2 pontos de cair na zona de descida ao inferno da Segunda B, dez jornadas depois estavam na luta pela subida à primeira somando 22 de 33 pontos possíveis! Contra o Las Palmas, a última eliminatória antes da promoção, o Córdoba nunca esteve em posição de subir. Passaram para a frente no último segundo do jogo que a cidade de Las Palmas nunca esquecerá. Depois de 42 anos de ausência, o Córdoba volta à primeira liga quando comemora 60 anos de vida. Os responsáveis não querem grandes mudanças na equipa recompensando os heróis da subida mas dão alguns reforços de qualidade a Albert Ferrer, discípulo de Cruyff, que reconhece ter um desafio muito duro pela frente. Havenaar (Vitesse) chega para o ataque, Ekeng (Lausana) vem para o meio campo, Fausto Rossi (Valladolid/Juventus) é médio atacante, Inigo Lopez (Celta/PAOK) reforça a defesa e Cartabia (Valencia) vem para a ala direita. A equipa de Ferrer conta com o ambiente do estádio El Arcángel para garantir pontos importantes a jogar em casa.

 

Craque: Havenaar

Revelação: Cartabia

 

Deportivo de La Coruña

 

O Depor regressa à primeira divisão a viver uma nova era a nível directivo com Tino Fernández a mandar no clube. A ideia é terminar com o elevador em que o clube tem andado nos últimos anos subindo e descendo. O objectivo é fixar a equipa na maior Liga e para isso foi chamado o treinador Victor Fernández, que já passou pelo Porto, para construir uma equipa sólida que permita a explosão de vários jovens em que a Corunha deposita todas as esperanças, Luis Fariña (Benfica), José Rodriguez (Real Madrid) ou Cuenca (Barcelona). No plantel há três portugueses, Luisinho, Salomão e Ivan Cavaleiro, que vão ajudar nesta aventura de consolidar o Depor entre os grandes para mais tarde tentar recuperar o seu estatuto de Super.

 

Craque: Cuenca

Revelação: Luis Fariña

 

Eibar

 

Mora aqui a história mais romântica do futebol espanhol dos últimos tempos. A equipa de Eibar, cidade de 27 mil habitantes, subiu ao 2º escalão há um ano e prometia lutar pela permanência. Acabou como campeão da 2ª divisão com o orçamento mais baixo da prova!Vão festejar o 75º aniversário com uma estreia no campeonato maior de Espanha e mantendo boa parte dos homens que garantiram as incríveis subidas. Gaizka Garitano é o jovem treinador que continuará o sonho de manter o Eibar entre os grandes. Recebem como reforços Dani Neto (Barcelona), Ekiza (Athletic), ou Ángel (Levante) para tentar equilibrar um plantel que tentará vingar pelo trabalho, sacrifício e romantismo. Bem vindo à alta roda, Eibar!

 

Craque: Irureta

Revelação: Dani Nieto

 

Elche

 

O ex-adjunto de Quique Flores, Fran Escribá, manteve o Elche na primeira divisão após a subida do ano passado tornando-se uma das revelações em Espanha. Contando com um incrível apoio nas bancadas, o Elche vende mais de 25 mil lugares cativos anuais, Escribá montou uma equipa muito equilibrada com segurança defensiva mas sem poder de finalização. Faltam golos ao Elche para poder viver mais tranquilo entre os maiores. Para aumentar a qualidade atacante chegam ao clube o brasileiro Jonathas, que brilhou na Serie B italiana, Fayçal (Caen) e a grande esperança croata Pasalic, emprestado pelo Chelsea. A ver se chegam para manter o Elche mais um ano na primeira divisão.

 

Craque: Pelegrin

Revelação: Pasalic

 

Espanyol

 

Mudança de filosofia na Catalunha, a equipa é entregue a Sergio Gonzalez, 37 anos, homem da casa, ídolo do meio campo dos azuis e brancos durante largos anos, passou rapidamente pela equipa B e agora ficará com a responsabilidade de devolver o bom futebol aos adeptos. Vai usar o sistema 4-4-2 tirando partido da chegada de Felipe Caicedo ao ataque e melhorar o colectivo mantendo a base nuclear do ano anterior. Este ano já sem os portugueses Pizzi e Simão. Uma estreia na primeira Liga de um treinador jovem e ambicioso para acompanhar com interesse.

 

Craque: Sergio Garcia

Revelação: Caicedo

 

Getafe

 

O clube dos arredores de Madrid há muito que faz parte da elite do futebol espanhol andando mais perto da luta pela Europa, onde já tem brilhado, do que da zona da descida. No entanto na última época teve que vir o romeno Cosmin Contra para salvar o Getafe de uma despromoção. Dez jogos que seguraram os azuis entre os grandes. Agora pede-se que Contra devolva o bom futebol ao Coliseum Alfonso Pérez que tem vindo a ter cada vez menos adeptos desiludidos com a má qualidade de jogo. Há novidades na baliza, Guaita (Valência) promete firmeza e na frente há Álvaro vindo do Swansea que vai tentar garantir finalizações de qualidade com Sammir.

 

Craque: Sammir

Revelação: Hinestroza

 

Granada

 

O Granada passou por alguns apertos na parte inferior da tabela e este ano aposta tudo na competência de Joaquín Caparrós, um dos treinadores mais experientes e corajosos de Espanha que não teme o desafio de levar a equipa a fazer uma época tranquila. Sem contratações mediáticas, Caparrós deverá impor o seu 4-4-2 aproveitando a velocidade nas alas dos reforços Larsson (Valladolid) e Juan Carlos (Betis), esperando que os avançados El Arabi e Piti não sejam prejudicados por lesões. Javi Márquez (Maiorca) vem para o lado da figura da equipa no meio campo, Iturra. Parece haver plantel equilibrado para mais um bom trabalho de Joaquín Caparrós.

 

Craque: Iturra

Revelação: Juan Carlos

 

Levante

 

Discretamente o humilde Levante já vai para a sua 5ª presença seguida entre os maiores. Esta época a novidade é a chegada do treinador José Luis Mendilibar, um antigo namoro que finalmente se concretizou, que vai ter a vantagem de trabalhar um plantel com poucas mexidas ao contrário do que tem acontecido nos últimos anos com enorme tráfego de entrada e saída de jogadores. A baixa mais importante é a partida do guarda redes Keylor Navas para Madrid de onde veio em sentido inverso Jesús que fica com a pesada herança deixada pelo costa riquenho. Poucas contratações mas todas com elevado critério, Victor Pérez (Girona) entra directo para o meio campo, Gavilán (Getafe) para o lado esquerdo do ataque e o atacante Rafael Martins contratado ao Vitória de Setúbal terá papel fundamental no 4-2-3-1 de Mendilibar.

 

Craque: Ruben García

Revelação: Rafael Martins

 

 

Málaga

 

Javi Gracia procura aqui a sua segunda vida após a desastrosa descida com o Osasuna em Maio. O Málaga tenta recuperar a alegria do seu futebol depois da aposta falhada em Bernd Schuster. Sem disponibilidade financeira para grandes compras, a saída mais delicada está resolvida. Na baliza saiu o carismático Willy Caballero (Man. City) e entrou o herói mexicano do último Mundial, Ochoa. De Portugal chega o promissor Ricardo Horta (Vit. Setúbal) para o lado esquerdo do ataque liderado pelo conhecido Santa Cruz. Horta junta-se aos portugueses Flávio, Antunes e Duda. Javi Gracia só pode ambicionar garantir a permanência o mais cedo possível, mais do que isso será utópico.

 

Craque: Ochoa

Revelação: Ricardo Horta

 

Rayo Vallecano

 

A questão é simples, se Paco Jémez conseguir manter o Rayo na primeira pelo 3º ano seguido façam-lhe uma estátua em Vallecas! Impressionante o trabalho de resistência de Jémez sempre a reinventar uma forma de aproveitar a prata da casa e apostar em jovens desconhecidos vindos de divisões inferiores construindo uma equipa competitiva que foge da descida há dois anos seguidos.  Este verão abandonaram Vallecas 19(!) jogadores! As maiores esperanças do Rayo são as chegadas de Abdulaye e Licá (Porto), o defesa Amaya (Betis), Boateng (Fulham), Manucho (Valladolid), Pozuelo (Swansea) e uma tentativa de ressuscitar Kakuta (Chelsea) para o futebol de qualidade. Zé Castro deverá continuar titular na defesa. Fiquemos atentos ao sucesso do Milagre 3.0 do Rayo.

 

Craque: Alberto Bueno

Revelação: Amaya

 

Real Madrid

 

Carlo Ancelotti ganhou a tão ambicionada 10ª Champions para o Museu do Bernabeu e foi recompensado com os reforços James (Monaco), Kroos (Bayern) e Navas (Levante). Só deverá perder Di Maria do onze habitual. Estamos, portanto, perante um escândalo de alta qualidade ao nível de opções para cada jogo. Agora Ancelotti terá de resolver o problema da polémica na baliza e montar um esquema onde entre Kroos, James, Xabi, Bale, Ronaldo e Benzema. É quase uma equipa All Star do Mundo mas não garante nada à partida como se viu agora nos dois jogos da Supertaça que foi para as mãos do Atlético! A reconquista da Liga é uma prioridade para adeptos e dirigentes do Real. Um dos melhores plantéis do planeta tem que ter uma época vitoriosa e convincente, Ronaldo, Pepe e Fábio Coentrão vão ter alto grau de exigência.

 

Craque: Cristiano Ronaldo

Revelação: James

 

Real Sociedad

 

Em San Sebastian reina a boa disposição dos bons velhos tempos dos anos 80 com o regresso da Real às lides europeias. Esta época Jagoba Arrasate vai tentar o 3º apuramento seguido para as provas da UEFA, de preferência para a Champions. Já anunciou que vai largar o 4-3-3 que herdou de Montanier e apostar num personalizado 4-4-2 aproveitando o bom entendimento com as figuras da equipa, Mikel González, Iñigo MArtínez, Markel ou o goleador Carlos Vela. Como preocupação tem as saídas do guardião Claudio Bravo (Barcelona), Griezman (Atlético) e Seferovic ( E.Frankfurt). Cabe agora a Rulli (Estudiantes) segurar a baliza e a Finnbogason (Heerenveen) confirmar os dotes de goleador mostrados na Holanda.

 

Craque: Carlos Vela

Revelação: Iñigo Martínez

 

 

 Sevilla

 

Venceu a Liga Europa, abriu esta época a disputar a Supertaça europeia, perdida para o Real Madrid, no regresso ao topo do futebol europeu. Mas importa lembrar que há um ano o Sevilha não tinha conseguido o apuramento para as provas da Europa, chegou lá por impedimento de Málaga e Rayo. Acabou por vencer a Liga Europa dando um passo maior do que se esperava. Agora importa consolidar o estatuto europeu e para isso Unai Emery terá que garantir que as saídas de Rakitic (Barcelona), Mbia (QPR) e Marko Marin (Chelsea) são bem acauteladas. Os reforços Aleix Vidal (Almería) para a ala direita, Iago Aspas (Liverpool) para o ataque, Krychowiak (Reims) para o meio campo, devem chegar para manter a qualidade de uma equipa sólida, rápida e que tentará melhorar o 5º lugar conquistado em Maio. Beto, Carriço e Figueiras são o trio luso num plantel ambicioso com muitas opções onde Bacca, Fazio e Pareja são as figuras maiores.

 

Craque: Carlos Bacca

Revelação: Iago Aspas

 

Valencia

 

Grande revolução em Valência após uma época desastrosa em que o clube ficou fora dos lugares europeus, já não acontecia desde 1997, acabando num modesto 8º lugar. Entra em cena o milionário Peter Lim que com a ajuda do super agente Jorge Mendes mudou meio plantel a começar pelo treinador. O alvo preferido foi o mercado português, Nuno Espírito Santo tem oportunidade de ouro para orientar uma equipa reforçada com jovens revelações em Portugal, André Gomes e Rodrigo vieram do Benfica onde ainda está Enzo Perez mas que até ao fecho de mercado poderá aterrar em Valência. Otamendi (Porto) vem para a defesa, onde já brilha Rubén Vezo, outro jovem português, De Paul (R. Avellaneda) vem para a ala esquerda e mais compras deverão aconteceu até 31 de Agosto. O objectivo é aproveitar a ausência de jogos europeus para concentrar a equipa na prova interna e chegar aos lugares de apuramento para a Champions. Resta saber se o dinheiro de Lim é bem aplicado e chega para o nível de uma concorrência muito forte.

 

Craque: Rodrigo

Revelação: André Gomes

 

Villareal

 

Faz agora um ano que o Villareal regressava do inferno da 2ª divisão. Depois de vários anos entre a elite espanhola e na alta roda europeia o submarino amarelo parecia afundar-se. Para que não restem duvidas do estatuto do clube, aé está de volta o Villareal às provas da UEFA graças a um brilhante 6º lugar no ano do regresso à primeira liga. A aposta no treinado Marcelino Toral é para continuar e o sucesso parece certo com a manutenção do núcleo importante da equipa, Giovani, Cani e Bruno Soriano mais o reforço do atacante Vietto (Racing), do médio Jonathan dos Santos (Barcelona) e do defesa Rukavina (Valladolid). O Villareal está de volta e para ficar na parte de cima da tabela classificativa.

 

Craque: Bruno Soriano

Revelação: Vietto